Olhar de Professor https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor <p>A Revista Olhar de Professor (ISSN eletrônico 1984-0187/ ISSN 1518-5648) é um periódico acadêmico, de fluxo contínuo proposto pela Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG (Paraná, Brasil). Desde 1998, vem divulgando pesquisas e estudos relacionados à educação e à formação de professores. Publica artigos científicos e, conforme o fluxo existente, reflexões sobre experiências pedagógicas significativas, resenhas, entrevistas e textos de palestras proferidas que tragam a produção de pesquisadores ligados à pesquisa e a docência na grande área da educação. É dirigida a professores e pesquisadores, assim como a estudantes de graduação e pós-graduação das áreas de Educação e das Ciências Humanas.</p> <div style="text-align: justify;">&nbsp;</div> Editora UEPG pt-BR Olhar de Professor 1518-5648 <p>Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos:</p> <p>a) Os autores mantêm os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a&nbsp;<a href="http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/">Creative Commons Attribution License Atribuição 4.0 Internacional (CC BY 4.0)</a>&nbsp;que permite&nbsp;o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da sua autoria&nbsp;e publicação inicial nesta revista.</p> <p>b) Os autores são autorizados a assinarem contratos adicionais, separadamente, para distribuição não exclusiva da versão publicada nesta revista (por exemplo, em repositórios institucionais ou capítulos de livros), com reconhecimento da sua autoria&nbsp;e publicação inicial nesta revista).</p> <p>c) Os autores são estimulados a publicar e distribuir a versão onlline do artigo (por exemplo, em repositórios institucionais ou em sua página pessoal), considerando que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e as citações do artigo publicado.</p> <p>d) Esta revista proporciona acesso público a&nbsp;todo o seu conteúdo, uma vez que isso permite uma maior visibilidade e alcance dos artigos e resenhas publicados.&nbsp;Para maiores informações sobre esta abordagem, visite&nbsp;<a href="https://pkp.sfu.ca/"><strong>Public Knowledge Project</strong></a>, projeto que desenvolveu este sistema para melhorar a qualidade acadêmica e pública da pesquisa, distribuindo o OJS assim como outros softwares de apoio ao sistema de publicação de acesso público a fontes acadêmicas.</p> <p>e) Os nomes e endereços de e-mail neste site serão usados exclusivamente para os propósitos da revista, não estando disponíveis para outros fins.</p> <p>______________</p> <p><a href="http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/" rel="license"><img src="https://i.creativecommons.org/l/by/4.0/88x31.png" alt="Licença Creative Commons"></a><br>Este obra está licenciado com uma Licença&nbsp;<a href="https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/deed.pt_BR" rel="license">Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional</a>.</p> Formação inicial de professores e a escrita reflexiva https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15802 <p>Neste artigo, discutimos como se dá o processo de reflexão de estagiários sobre a prática docente a partir da constituição de saberes adquiridos pelo aluno-mestre nos contextos escolar e acadêmico. Para isso, buscamos evidenciar na perspectiva de Smyth (1991), o percurso dos movimentos reflexivos realizados pelo futuro professor durante a produção de textos escritos no Estágio Supervisionado Curricular. Os fragmentos textuais analisados foram extraídos de relatórios de estágio supervisionado e de diários de campo, disponibilizados para pesquisa no Centro Interdisciplinar da Memória dos Estágios Supervisionados, da Universidade Federal do Tocantins. Essa incursão teórico-analítica de natureza documental aponta que os acadêmicos assumem uma postura reflexiva à medida que registram percepções que integram o conjunto de informações que contextualizam o contato com a escola, com os professores, com os alunos da Educação Básica e com o ambiente de ensino na universidade.</p> <p><strong>&nbsp;</strong></p> <p><strong>Palavras-chave: </strong>Estágio Supervisionado Curricular; Formação inicial do professor; Escrita reflexiva.</p> Vilma Nunes da Silva Fonseca Copyright (c) 2022 VILMA NUNES DA SILVA FONSECA 2022-02-04 2022-02-04 25 1 20 10.5212/OlharProfr.v.25.15802.001 Formação de professores do campo em ciências da natureza no Brasil: alternância e construção de um projeto de campo e sociedade https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/16211 <p>Objetivamos nesse estudo a discussão da construção de um projeto de campo e sociedade bem como o princípio da Alternância na formação de professores do Campo em Ciências da Natureza no Brasil, para isso utilizamos análise documental dos Projetos Político-Pedagógicos. De modo geral, todos os documentos apresentam a necessidade da formação docente plural para a construção de uma educação voltada para a compreensão do contexto social dos sujeitos, buscando com isso a transformação de suas realidades. Todos os cursos estão organizados em Regime de Alternância, que é a articulação entre o Tempo-Comunidade (TC) e Tempo-Universidade (TU) ou Tempo-Escola (TE) e tem sua organização curricular estabelecida em núcleos/domínios, sendo que os componentes curriculares destinados aos estudos da área em quatro documentos dão ênfase à Biologia.</p> Geize Kelle Nunes Ribeiro Wender Faleiro Copyright (c) 2022 Geize Kelle Nunes Ribeiro, Wender Faleiro 2022-02-04 2022-02-04 25 1 21 10.5212/OlharProfr.v.25.16211.002 Problematizando paradigmas do Ensino do Teatro com crianças na Rede Pública de Ensino de Santa Maria (RS) https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/16249 <p>Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa realizada a partir do projeto “Práticas pedagógico-teatrais desenvolvidas com crianças na rede de ensino público de Santa Maria (RS)”, ambos vinculados ao curso de Licenciatura em Teatro da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). O objetivo foi investigar, por meio de levantamento de dados mediante entrevistas semiestruturadas, a existência de práticas artístico-pedagógicas envolvendo a linguagem teatral na rede de ensino público da cidade, bem como observar qual espaço as linguagens artísticas ocupam no cotidiano escolar. A pesquisa buscou constituir um mapeamento do ensino do teatro nesse contexto e, dessa forma, gerar reflexões que pudessem contribuir com a qualificação das práticas pedagógico-teatrais que são desenvolvidas nas escolas. Subsidiam as reflexões autores como: Pereira (2015), Nogueira (2015), Brazil; Marques (2014), Ferreira (2006) entre outras(os), os quais auxiliam a pensar sobre o ensino do teatro em espaços da Educação Básica.</p> Diego de Medeiros Pereira Mateus Junior Fazzioni Ana Paula Gomes Marques Copyright (c) 2022 Diego de Medeiros Pereira, Mateus Junior Fazzioni, Ana Paula Gomes Marques 2022-02-04 2022-02-04 25 1 23 10.5212/OlharProfr.v.25.16249.003 A revisão textual como forma de avaliação reflexiva e construção interativa entre professor e aluno https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/16268 <p>O presente trabalho trata da problemática da avaliação textual a partir da perspectiva textual-interativa (RUIZ, 2001). Após estudos teóricos sobre o assunto (FUZER, 2012; FUZER; WEBER, 2012; MENEGASSI; GASPAROTTO, 2013, 2016), tem-se o objetivo de explicitar a importância e o significado que estratégias metodológicas, como bilhetes orientadores, apontamentos, questionamentos e comentários, possuem no melhoramento da produção escrita, uma vez que representam uma ferramenta dialógica utilizada entre professor e aluno com o intuito de revisar e de qualificar o texto. Por meio de exemplos que se baseiam nessa perspectiva de avaliação, evidencia-se a relevância da revisão textual a partir desse viés interativo. Como resultado da pesquisa, pode-se perceber que essas estratégias, por se basearem em uma concepção interativa de linguagem e em um entendimento processual de texto, possibilitam ao aluno entrar em contato com sua produção de um modo diverso da correção tradicional, o que as tornam metodologias de ensino diferenciadas.</p> Jeize de Fátima Batista Ana Cecília Teixeira Gonçalves Maiara Taís Zydek Emanuele Krewer Copyright (c) 2022 Jeize de Fátima Batista, Ana Cecília Teixeira Gonçalves, Maiara Taís Zydek, Emanuele Krewer 2022-02-04 2022-02-04 25 1 17 10.5212/OlharProfr.v.24.16268.004 Metodologias ativas na formação do engenheiro do século XXI: desafios e reflexões https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/16436 <p>Em uma sociedade em constante transformação e avanços tecnológicos rápidos, a principal característica de um profissional competitivo é a capacidade de criar e aplicar ciência e tecnologia na geração de bens e serviços. Para isso, são necessários bons questionamentos, dúvidas que o destacarão como profissional e farão diferença à comunidade como um todo. Deste modo considerando a necessidade de progresso e as mudanças contemporâneas de um mundo cada vez mais globalizado e hiperconectado, objetiva-se analisar o atual cenário de aprendizagem e as formas de ensino usadas como subsídio ao desenvolvimento do estudante de engenharia. Para tanto, parte-se da análise de alguns fatores históricos e filosóficos que levaram o discente a um enrijecimento do seu poder de questionamento, para proceder-se à análise de metodologias ativas de ensino, como Aprendizado Baseado em Problemas (ABP), Metodologia de Problematização (MP) e Aprendizagem Baseada em Equipes (ABE). A utilização dessas ferramentas permite o enquadramento do aluno como gestor do próprio aprendizado e leva a concluir pela necessidade da busca de métodos alternativos para o rompimento da passividade do corpo discente.</p> Felipe Korbus Sutili Iara Alessandra Donati Raineri Copyright (c) 2022 Felipe Korbus Sutili, Iara Alessandra Donati Raineri 2022-02-04 2022-02-04 25 1 23 10.5212/OlharProfr.v.25.16436.005 Paulo Freire: uma educação do cuidado da vida, do diálogo e do amor ao mundo https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/17035 <p>O presente artigo busca abordar a pedagogia libertadora de Paulo Freire, em vista do seu centenário, como uma práxis pedagógica do cuidado da vida, do diálogo e do amor ao mundo. Problematizamos se o pensamento reflexivo e crítico de Freire possibilita uma educação fundamentada na vida e no cuidado do outro e do mundo em “tempos sombrios”. Com base em uma pesquisa de cunho bibliográfico e documental das obras de Paulo Freire (1996, 2001, 2003, 2006, 2013, 2016, 2018), apresentamos, no artigo, uma pedagogia que surge da realidade dos(as) e com os(as) oprimidos(as), permitindo a consciência crítica como esclarecimento da opressão e uma educação construída a partir do amor e do cuidado. Por fim, conclui-se que o educador brasileiro continua presente na luta pela dignidade humana e seu pensamento alimenta a esperança e uma ética universal.</p> <p>&nbsp;</p> Rafael Furtado da Silva Peri Mesquida Copyright (c) 2022 Rafael Furtado da Silva, Peri Mesquida 2022-02-11 2022-02-11 25 1 18 10.5212/OlharProfr.v.25.17035.006 A organização de espaços de brincadeiras no maternal II: uma experiência com caixas temáticas https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/17159 <p class="Standarduser" style="text-align: justify;"><span style="font-size: 10.0pt; font-family: 'Arial',sans-serif;">Este estudo trata da organização de espaços de brincadeiras na educação infantil. Objetivou criar espaços itinerantes de interações e de brincadeiras para/com as crianças de 3 anos de idade. A pesquisa do tipo pesquisa-ação foi realizada em uma escola pública de educação infantil, no oeste catarinense. Envolveu a participação de 15 crianças de 3 anos na construção de seis caixas temáticas. O tema das caixas foi escolhido com as crianças participantes: Caixa da Casinha, Caixa do Salão de Beleza, Caixa de Ferramentas, Caixa do Berçário, Caixa do Parque e Caixa Surpresa. A produção dos dados deu-se a partir da realização de rodas de conversa para planejamento das caixas e, também, durante a organização e exploração dos espaços de brincadeiras pelas crianças. O estudo mostrou que as Caixas Temáticas são modos de organização de espaços que potencializam a participação, as interações e as brincadeiras, promovendo aprendizagens interdisciplinares na escola de educação Infantil.</span></p> Circe Mara Marques Luciane Catarina Carneiro Copyright (c) 2022 Circe Mara Marques, Luciane Catarina Carneiro 2022-02-11 2022-02-11 25 1 17 10.5212/OlharProfr.v.25.17159.007 Afeto na educação: transgredindo o lugar de professor/a https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/17192 <p>O presente trabalho faz uma reflexão sobre a relação educador/a-estudante e os afetos que a circundam, bem como olhar para o quão potente este encontro pode ser. Investiga-se aqui uma proposta de cuidado, que integra a/o estudante, de forma a agregar ao processo educacional as intercorrências da vida, os múltiplos processos de produção de subjetividade. Alinhado às discussões baseadas na psicologia educacional crítica, na educação popular e na educação antirracista, aposta-se nesse manuscrito em uma educação que potencialize trocas contínuas de saberes afetivos e pedagógicos, um modelo de educação que integra corpo e mente, que não visa somente racionalizar o desenvolvimento humano. Através de um relato de experiência localizado e embasado na literatura científica, o texto apresenta compilados relacionais entre vivências escolares dos pesquisadores. Entendendo as práticas educativas a partir das relações e com base nos inúmeros afetos que circulam esses encontros, defende-se aqui uma educação com respeito ao que nos atravessa, uma educação vivencial, relacional e por consequência horizontal.</p> Anna Carolina Ioras Thiago Colmenero Cunha Copyright (c) 2022 Anna Carolina Ioras, Thiago Colmenero Cunha 2022-02-11 2022-02-11 25 1 18 10.5212/OlharProfr.v.25.17192.008 Alunos com deficiência física: cognições sobre suas habilidades sociais e de seus colegas https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/17436 <p class="western" lang="pt-BR" align="justify"><span style="font-family: TiMES, serif;"><span style="color: #000000;"><span style="font-size: small;">Pesquisas em habilidades sociais (HS) de alunos com deficiência ainda se mostram timidamente no contexto da Educação Física. O objetivo deste trabalho é conhecer o que alunos com deficiência física pensam sobre suas HS e de seus colegas e sobre sua relação interpessoal nas aulas de Educação Física. Participaram cinco alunos com deficiência física não cadeirantes, de 11 a 15 anos, do ensino fundamental II, do 6° ao 9° ano, de cinco escolas municipais de Santarém-Pará. Para coleta de dados, foi utilizada a entrevista semiestruturada. Para análise de dados, foi utilizada a técnica do Discurso do Sujeito Coletivo. Os resultados apresentaram que os participantes reconhecem e compreendem suas HS e de seus colegas e concluem que seus colegas ainda têm atitudes de discriminação e exclusão por conta de sua condição física. Contudo, percebem que as HS estão presentes no contexto das aulas de Educação Física e favorecem o contexto inclusivo.</span></span></span></p> Sueley Carvalho Costa Irani Lauer Lellis Copyright (c) 2022 Sueley Carvalho Costa, Irani Lauer Lellis 2022-02-18 2022-02-18 25 1 21 10.5212/OlharProfr.v.25.17436.011 Emancipação do olhar: o papel da fotografia numa formação escolar reflexiva https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/17551 <p>Este trabalho discute questões acerca da fotografia enquanto propulsora do pensamento crítico e da formação de sujeitos reflexivos na sociedade contemporânea. Para tal, situa-se a fotografia enquanto fonte de comunicação, sendo considerada uma linguagem não-verbal (FERRARA, 2002), resultante de uma percepção da realidade (DUBOIS, 1993) e de uma criação poética do imaginário (DURAND, 2004). O trabalho analisa atividades desenvolvidas no projeto de extensão “PhotoGraphein vai à Escola” (UFPel), com escolares do ensino fundamental em escolas públicas da região de Pelotas e Rio Grande – RS. As atividades extensionistas atuam com base em experiências estéticas formadoras (DEWEY, 2010) e na relação entre a fotografia e o olhar, possibilitando perspectivar o quanto tais questões reverberam no âmbito do ensino em Artes Visuais. Com tal análise foi possível perceber relações estabvelecidas e aprendizados que alteraram positivamente a forma com que os jovens educandos decodificam e percebem os símbolos presentes no mundo ao redor, possibilitando a transformação do vivido em experiências formadoras para todos os envolvidos.</p> Guilherme Susin Sirtoli Cláudia Mariza Mattos Brandão Copyright (c) 2022 Guilherme Susin Sirtoli, Cláudia Mariza Mattos Brandão 2022-02-25 2022-02-25 25 1 18 10.5212/OlharProfr.v.25.17551.013 Da educação 1.0 à educação 3.0: desafios para a prática docente no Século XXI https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/17555 <p>Este artigo tem por objetivo analisar as percepções de estudantes da graduação acerca do uso de plataformas online como ambiente colaborativo de aprendizagem e sua relevância para os processos formativos em moldes da Educação 3.0. Trata-se de um recorte de uma dissertação de mestrado em Educação na área de tecnologia e educação, que teve como prática de pesquisa o uso de redes sociais como ambiente de aprendizagem, desenvolvida na disciplina Português Instrumental, do curso de graduação em Letras Vernáculas de uma universidade federal. A pesquisa, de abordagem qualitativa, teve por sujeitos os dezessete estudantes da disciplina e foi realizada através do método da Pesquisa-formação, utilizando como instrumentos de coleta de dados a observação participante, o questionário e a entrevista semiestruturada, esta última realizada apenas com os alunos licenciandos da turma. Os dados evidenciaram a necessidade de se refletir sobre as práticas necessárias à docência na atualidade, destacando, com base nos depoimentos dos participantes, a ausência na formação inicial de atividades e práticas mais dinâmicas, em que haja uso efetivo das tecnologias, o que culmina em insegurança em relação aos desafios futuros. Se o estudante está em processo de formação, independentemente dos destinos profissionais escolhidos, é preciso atrelar o ensino às práticas que se fazem na sociedade informatizada e interconectada em que vivemos.</p> Adriana Alves Novais Souza Henrique Nou Schneider Copyright (c) 2022 Adriana Alves Novais Souza, Henrique Nou Schneider 2022-02-25 2022-02-25 25 1 20 10.5212/OlharProfr.v.25.17555.014 A valorização social do professor e seu impacto na formação da identidade docente: um estudo analítico https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15798 <p>O presente estudo tem a finalidade de apresentar a percepção de professores dos anos iniciais do Ensino Fundamental em relação à sua identidade docente, bem como a forma como a comunidade de seu entorno compreende este profissional: valorizando-o ou não. O referencial teórico seguiu as considerações de Charlot (2000); Pimenta (1999), Nóvoa (1997) e Tardif (2002), entre outros. Foram coletados dados por meio de dois instrumentos: entrevistas com professores e questionários respondidos pelas famílias. Tais dados constituíram o corpus de análise, por meio de abordagem qualitativa. O estudo aponta o modo como muitos docentes destacam o aspecto do sacerdócio da docência. O artigo está dividido em três seções: (1) a constituição da identidade docente; (2) as formas de valorização do professor, com ênfase na valorização social e (3) apresentação e análise dos dados coletados. Os resultados da pesquisa apontam que a desvalorização social do professor é proveniente de um contexto histórico que considera a profissão docente relacionada à vocação, o que interfere na construção da identidade deste profissional.</p> Brenda Raíza Domingos Mendes Kessy Eduarda Aparecida Marcolino Roberta Negrão de Araújo Copyright (c) 2022 Brenda Raíza Domingos Mendes, Kessy Eduarda Aparecida Marcolino, Roberta Negrão de Araújo 2022-03-04 2022-03-04 25 1 21 10.5212/OlharProfr.v.25.15798.015 O circo e a educação dos corpos-criança: possibilidades formativas com espaço para o pensar e o fazer divergente https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/17556 <p>Este artigo tem o objetivo de discutir o potencial educativo dos corpos circenses e da linguagem artística a eles inerente, e sua contribuição na constituição de corpos-criança que têm direito de se movimentar, expressar seus desejos e desencantos, de questionar e fruir corporalmente a vida. Pautamo-nos no diálogo entre a literatura acadêmica e os relatos do projeto de extensão “Circo em Contexto”, por meio de pesquisa bibliográfica e análise documental de relatório do projeto. O projeto é desenvolvido na Universidade Estadual do Centro-Oeste, campus Irati, Paraná e oferece oficinas de práticas corporais circenses para crianças de 4 a 12 anos de idade. Os resultados indicam a experiência com as práticas corporais circenses como uma possibilidade de dar vida e lugar ao corpo-criança, sendo um espaço-tempo formativo que acolhe o pensar e o fazer divergentes ao privilegiar ações que acionam a imaginação, a criatividade e a coletividade.</p> Aliandra Cristina Mesomo Lira Gláucia Andreza Kronbauer Copyright (c) 2022 Aliandra Cristina Mesomo Lira, Gláucia Andreza Kronbauer 2022-03-04 2022-03-04 25 1 21 10.5212/OlharProfr.v.25.17556.017 O desenho infantil potencializado pelos estudos da cultura visual e pela educação estética https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/17581 <p>O presente artigo consiste em pesquisa qualitativa a partir de intervenção pedagógica no decorrer das aulas de artes visuais e apresenta reflexões sobre o desenho enquanto linguagem expressiva, potencializado por ações mediadas pela professora, enriquecido pela ampliação visual a partir da educação estética. A ação docente partiu de uma inquietação a respeito do uso de estereótipos e animismo nos desenhos de crianças das turmas do primeiro ao quinto ano do ensino fundamental. A análise foi realizada a partir do conceito de “desenhos recebidos” de Vianna (2012), com a intervenção pedagógica fundamentada no conceito de “desenho cultivado” de Iavelberg (2013, 2017), nos “Estudos da Cultura Visual”, propostos por Hernández (2000, 2007) e por meio da “educação estética”, fundamentada em Vigotski (2003). A experiência demonstrou a presença de imagens recebidas e possibilidades de sua transformação e evidenciou a necessidade de aprofundamento nas questões levantadas que se encontram em desenvolvimento em uma pesquisa de mestrado.</p> Eva Bernadete Budniak Tozato Rossano Silva Copyright (c) 2022 Eva Bernadete Budniak Tozato, Rossano Silva 2022-03-11 2022-03-11 25 1 25 10.5212/OlharProfr.v.25.17581.018 Egressos da Licenciatura em Educação do Campo: quem são, onde estão e como avaliam sua formação? https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/17707 <p>Esse artigo analisa parte dos dados de uma pesquisa com egressos da Licenciatura em Educação do Campo (LeCampo) da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (FaE/UFMG) sobre a atuação destes como educadores do campo. A investigação ancora-se na necessidade de compreender a atuação dos egressos, considerando os propósitos da Educação do Campo para esta licenciatura no Brasil. A pesquisa, de abordagem qualitativa, constitui-se num estudo de caso que analisa, de forma crítico-dialética, dados obtidos em um questionário online e utiliza a literatura nacional na discussão dos dados. Os resultados apontam a efetiva inserção dos egressos na docência e permanência de vínculo com movimentos sociais do campo. Em relação à docência é expressivo o percentual de egressos em escolas do campo, com capacidade de contribuir para a sua transformação e qualificação neste espaço.</p> Aline Aparecida Angelo Copyright (c) 2022 Aline Aparecida Angelo 2022-03-18 2022-03-18 25 1 22 10.5212/OlharProfr.v.25.17707.020 Representação social de escola sustentável em docentes da educação básica https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/17817 <p>Apresentamos uma investigação qualitativa sobre as representações que professores da educação básica possuem sobre a escola como uma instituição sustentável. A coleta dos dados ocorreu por meio de um questionário aplicado junto a um grupo de 32 professores.&nbsp; No tratamento desses dados foi utilizado o software IRaMuTeQ indicado para análise de conteúdo textual. Ancoramos a reflexão em teóricos da Educação Ambiental e na Teoria das Representações Sociais. Os resultados apontam que a escola sustentável é uma representação social presente entre os professores e está fortemente associada às ecotécnicas, que são propostas de alteração dos espaços físicos escolares visando uma melhor relação com o ambiente, mas também remete a uma prática educativa colaborativa, multidisciplinar e dialógica que possa reconfigurar o currículo, e à integração da escola à comunidade, por meio de uma gestão participativa e democrática.</p> José Flávio Rodrigues Siqueira Suzete Rosana de Castro Wiziack Angela Maria Zanon Copyright (c) 2022 José FláviovRodrigues Siqueira, Suzete Rosana de Castro Wiziack, Angela Maria Zanon 2022-03-18 2022-03-18 25 1 21 10.5212/OlharProfr.v.25.17817.021 Matemática e redes sociais: um estado da arte sobre a disciplina no ciberespaço https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/17901 <p>Este artigo trata de um estado da arte a respeito das publicações sobre matemática e redes sociais, particularmente Facebook e Twitter, com o intuito de responder às questões: O que se fala, em artigos, teses e dissertações, a respeito da relação entre matemática e redes sociais (principalmente Facebook e Twitter)? Como essas redes são pensadas nesse contexto? Para respondê-las, foi realizado um levantamento e uma análise das teses, dissertações e artigos, do período de 2012 a 2019, das bases de dados BDTD, CAPES, SCIELO, Google Acadêmico e CAPES Periódicos. Com base no material coletado, foi possível identificar duas categorias: redes sociais como meio de interação e discussão; redes sociais como ambiente de estudo propriamente dito. O trabalho identificou que as redes sociais são certamente ambientes de aprendizagem, <em>a priori</em> informais, porém, dependendo do seu uso, também de educação formal, conferindo-lhe um caráter híbrido.</p> Luzybel Turski Bida Celia Finck Brandt Copyright (c) 2022 Luzybel Turski Bida, Celia Finck Brandt 2022-04-02 2022-04-02 25 1 21 10.5212/OlharProfr.v.25.17901.022 Estudantes público alvo da educação especial e avaliações em larga escala: reflexões a partir de uma rede de ensino do planalto norte catarinense https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/18427 <p>Este texto problematiza a realização de avaliações em larga escala para o público alvo da educação especial (PAEE). Para tanto, inicialmente, trata-se do tema das avaliações em larga escala e o modo como elas se inseriram como balizadoras da qualidade da educação no contexto internacional e nacional. Aborda-se de forma mais específica a Prova Brasil. Na sequência, apresenta-se o modo como a inclusão destes estudantes vêm sendo realizada por meio da Política Nacional da Educação Especial na Perspectiva da Educação (PNEEPEI). Por fim, aborda-se como tem sido o processo de inclusão dos estudantes PAEE no dia a dia das escolas e de que maneira eles têm sido incluídos ou não, quando se trata da realização da Prova Brasil. Os dados apresentados foram coletados por meio de entrevistas semiestruturadas com professoras, pedagogas e diretoras de três escolas de uma rede pública localizada no planalto norte catarinense. Usou-se a análise temática como método de análise dos dados. Conclui-se que a perspectiva inclusiva tratada no PNEEPEI vai ao encontro dos aspectos relacionados às avaliações em larga escala, especificamente a Prova Brasil. Ademais, destaca-se o quanto a lógica da prova é perversa com docentes e estudantes, especialmente aqueles que constituem o público alvo da educação especial.</p> Karin Rank Liebl Iana Gomes de Lima Aliciene Fusca Machado Cordeiro Copyright (c) 2022 Karin Rank Liebl, Iana Gomes de Lima, Aliciene Fusca Machado Cordeiro 2022-05-06 2022-05-06 25 1 22 10.5212/OlharProfr.v.25.18472.026 Implantação de Biblioteca Comunitária: um instrumento sociopolítico em prol do desenvolvimento cidadão https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/17701 <p>Este artigo objetiva apresentar um relato de experiência que buscou diminuir as desigualdades no acesso à leitura por meio das Estantes Literárias, fundamentado na metodologia da Pedagogia de Projetos de Pesquisa, em uma cidade do interior da Bahia, especialmente para o público infanto-juvenil. No desenvolvimento desse projeto, foi possível perceber o envolvimento de cinco discentes do curso de engenharia desde as primeiras ações de constituição da Biblioteca Comunitária. Desse modo, essa biblioteca mostrou-se um instrumento sociopolítico no desenvolvimento cidadão dos participantes envolvidos.</p> José Lucas Matias de Eça Marlúbia Corrêa de Paula Copyright (c) 2022 Ms. José Lucas Matias de Eça, Dr.ª Marlúbia Corrêa de Paula https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ 2022-05-21 2022-05-21 25 1 22 10.5212/OlharProfr.v.25.17701.028 Entrelaçando os saberes docentes na privação de liberdade https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/17746 <p>Este artigo busca refletir sobre a possibilidade de o processo educacional no sistema prisional atuar na mudança das condições de vida dos indivíduos em situação de privação de liberdade, a partir de práticas metodológicas humanizadas e libertadoras adotadas pelos docentes desses espaços. Como resultado, pretende-se identificar, nesses ambientes, a existência de ações e recursos didático-pedagógicos que visam garantir aos jovens aprisionados o acesso à educação. A análise efetuada parte de uma revisão de literatura de cunho bibliográfico e documental como suporte às reflexões sobre como se encontra, na atualidade, o processo educacional para as pessoas em situação de privação de liberdade, buscando destacar a educação como uma ferramenta capaz de promover a (re)construção da cidadania e a reinserção desses indivíduos ao convívio social.</p> <p><strong> </strong></p> Kátia Aparecida da Silva Nunes Miranda Juliano Cláudio Alves Luciane Miranda Faria Copyright (c) 2022 Dr.ª Kátia Aparecida da Silva Nunes Miranda, Ms. Juliano Cláudio Alves, Ms. Luciane Miranda Faria https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ 2022-05-21 2022-05-21 25 1 18 10.5212/OlharProfr.v.25.17746.029 Tecnologia e subjetividade: a interação dos professores com o diário de classe digital https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/18222 <p>Este artigo é resultado de uma dissertação de mestrado profissional em Educação e Novas Tecnologias. Nele é apresentada a análise de dados de entrevistas semiestruturadas, realizadas com diretores, pedagogos e professores atuantes na rede estadual de educação no município de Curitiba. O objetivo da pesquisa foi o de investigar a apropriação e uso do Registro de Classe Online (RCO), ferramenta informatizada de registro escolar a fim de identificar e analisar a relação estabelecida entre os sujeitos da escola e a tecnologia digital em questão. Os autores que fundamentaram a pesquisa foram Vieira Pinto (2005); Feenberg (2013); Paro (2016); Freire (2000); Brandão; Dagnino; Novaes, (2004); Ferreira (2001). Ao analisar as falas dos sujeitos foram encontradas 5 categorias emergentes dos dados da pesquisa: Concepção de tecnologia; Preparação para apropriação e uso do Registro de Classe Online; Aparato tecnológico; Funcionalidades da ferramenta digital (RCO); Democracia ou controle do trabalho docente. Na pesquisa encontrou-se evidências que indicam que o RCO pode ser ao mesmo tempo uma ferramenta de gestão democrática ou controladora dependendo da finalidade e intencionalidade de quem a usa.</p> Ketlyn Marciele Ferreira Sabadine Ademir Aparecido Pinhelli Mendes Paulo Sérgio dos Santos Brito Copyright (c) 2022 Ketlyn Marciele Ferreira Sabadine, Dr. Ademir Aparecido Pinhelli Mendes, Paulo Sérgio dos Santos Brito https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ 2022-07-10 2022-07-10 25 1 24 10.5212/OlharProfr.v.25.18222.030 A Revista Nova Escola enquanto artefato cultural: possibilidades para abordagens da sexualidade e gênero https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/17680 <p>Nesse artigo propomos analisar as reportagens sobre temáticas correlatas à sexualidade, publicadas na revista Nova Escola, nos anos de 2018 e 2019, compreendendo o objeto de pesquisa enquanto artefato cultural. Trata-se de uma pesquisa de caráter bibliográfico, utilizando para a análise das reportagens a Análise de Conteúdo Temática. Avaliamos dez reportagens que foi o material encontrado nas revistas sobre a temática pesquisada e podemos afirmar que as temáticas educação sexual, gênero e sexualidades são significativas. Os artigos apresentam uma variedade de assuntos relacionados ao estudo, contudo, observamos que as reportagens seguem as características dos artefatos culturais: textos sucintos, muitas imagens, apontamentos em forma de "receituários", transmitindo a falsa concepção que as mudanças ocorrem de modo simplista, apartadas de reflexões e criticidade.</p> <p> </p> Rita de Cássia Petrenas Copyright (c) 2022 Dr.ª Rita de Cássia Petrenas https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ 2022-07-10 2022-07-10 25 1 20 10.5212/OlharProfr.v.25.17680.034 Modelos didáticos em anatomia e embriologia: monitoramento tecnológico de artigos e patentes, acessibilidade e inclusão https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/18393 <p>A inclusão educacional visa à participação dos estudantes com deficiência por meio de modificações na educação, tornando-a acessível, para que se obtenha igualdade de oportunidades. Nessa perspectiva, a utilização de modelos didáticos inclusivos apresenta-se como uma alternativa promissora. Com isso, o presente trabalho teve como objetivo monitorar tecnologicamente modelos didáticos sobre anatomia e embriologia inclusivos a deficientes visuais. Para tal, foi realizado o monitoramento tecnológico de modelos didáticos sobre anatomia e embriologia em bases de artigos e patentes nacionais e internacionais. Com base nos resultados obtidos, pode-se concluir que, apesar de o uso de modelos didáticos se apresentar satisfatório no auxílio do processo de ensino e aprendizagem, o desenvolvimento de modelos didáticos de anatomia e embriologia ainda se apresenta escasso, especialmente do ponto de vista inclusivo.</p> Andressa Raphaely de Lima Silva Marilia Ribeiro Sales Cadena Copyright (c) 2022 Andressa Raphaely de Lima Silva, Dr.ª Marilia Ribeiro Sales Cadena https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ 2022-07-10 2022-07-10 25 1 23 10.5212/OlharProfr.v.25.18393.033 Inclusão de alunos surdos na sala de aula de física: contribuições a partir das concepções de professores atuantes no sul da Colombia https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/18444 <p>Este artigo apresenta os resultados de uma bolsa-estágio no programa Jovens Pesquisadores e Inovadores do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Esta pesquisa investigou as concepções de professores de ciências naturais do departamento de Huila a respeito do ensino e aprendizagem de física com alunos surdos. Para tanto, foi utilizada uma abordagem mista, estabelecendo um sistema de categorias para reconhecer as concepções dos professores sob a técnica de análise de conteúdo, e correlações estatísticas foram feitas desde as variáveis ​​sociodemográficas. Os dados foram coletados por meio de questionário desenvolvido em Formulários Google. Assim, as concepções dos professores são reducionistas por natureza, uma vez que se limitam ao conteúdo científico sem pensar em questões como a flexibilidade curricular quando há alunos surdos nas salas de aula. Portanto, são apresentadas evidências das categorias Natureza da Inclusão, Língua de Sinais e Estratégias de Inclusão.</p> Paula Andrea Pérez Losada Jonathan Andrés Mosquera Elías Francisco Am´órtegui Cedeño Copyright (c) 2022 Paula Andrea Pérez Losada, Jonathan Andrés Mosquera, Dr. Elías Francisco Am´órtegui Cedeño https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ 2022-07-16 2022-07-16 25 1 24 10.5212/OlharProfr.v.25.18444.035 Educação e tecnologia: abordagens críticas https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/19499 <p>Não se aplica.</p> Fernando Roberto Amorim Souza Nuria Pons Vilardell Camas Copyright (c) 2022 Fernando Roberto Amorim Souza, Nuria Pons Vilardell Camas 2022-04-08 2022-04-08 25 1 9 10.5212/OlharProfr.v.25.19499.025 Algumas provocações sobre aprendizagem (e para além) para uma experiência docente em arte https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/17351 <p>Este artigo trata de uma experiência docente advinda de uma pesquisa finalizada de Mestrado em Artes Visuais, em que foi discutido sobre a poética na docência como proposta teórica para a sala de aula escolar a partir da prática do sujeito nomeado como “artista-professor”. Aqui, pretende-se fazer algumas provocações sobre a linguagem da educação, especificamente no que concerne a questões sobre aprendizagem, articulando a poética na docência a elas e apresentando a experiência docente aplicada em sala de aula escolar, com estudantes de quintos anos de um colégio privado confessional cristão, por meio de uma prática educativa que teve como temática a Arte Moderna, restrita à Arte Abstrata. Como fundamentação teórico-metodológica serão utilizadas as vozes de autores como Biesta (2013), Larrosa (2015), Barros (1994), Arendt (2010; 2016), Kohan (2013), Osinski (2001) e Duarte Jr. (2000). Por fim, foi reconhecido que a arte abstrata possui características distintas e que há nela o pensamento da arte proposto pelo “artista-professor”, sujeito desvelado na pesquisa de mestrado.</p> Lislaine Cansi Copyright (c) 2022 Lislaine Cansi 2022-02-18 2022-02-18 25 1 18 10.5212/OlharProfr.v.25.17351.009 A integração curricular para a concretização da educação na perspectiva da formação integral em uma escola de educação profissional no Ceará https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/17372 <p>O presente artigo visa refletir sobre a relevância da integração curricular na perspectiva da formação integral em uma escola de educação profissional no estado do Ceará. Para tanto, investiga como se dá essa integração entre as bases técnica e regular, e como tem se desenvolvido, considerando a integralidade da formação dos jovens atendidos por essa modalidade de ensino. Por se tratar de um estudo de caso com viés qualitativo, utiliza entrevistas estruturadas como instrumento de pesquisa, as quais foram realizadas com 5 professores, 7 alunos, 3 coordenadores e 1 diretor escolar. A partir dos resultados da pesquisa, fica evidente o distanciamento entre a educação básica geral e a educação profissional, permanecendo essa dualidade. Percebe-se uma dificuldade de implementação de uma Educação Profissional Integrada que seja efetiva no sentido dessa articulação, para que o sujeito seja formado na sua ampla capacidade física, intelectual e tecnológica. Esse distanciamento dificulta a integração curricular e o trabalho com esses jovens na perspectiva da formação integral. Surge a necessidade de se pensar estratégias e práticas que ampliem essa integração, primordialmente, por meio do estudo dos currículos dos cursos ofertados pela instituição e das reuniões pedagógicas de integração entre os eixos profissional e regular.</p> José Fábio Vieira de Oliveira Lucas Melgaço da Silva Copyright (c) 2022 José Fábio Vieira de Oliveira, Lucas Melgaço da Silva 2022-02-18 2022-02-18 25 1 19 10.5212/OlharProfr.v.25.17372.010 Cidade viva e sonora da terra de Guairacá: experimentações sonoras acerca da história de Curitiba com crianças na Bienal de Arte https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/17520 <p>Neste texto, relatamos a experiência com a proposta artística “Cidade viva e sonora da terra de Guairacá”, realizada com estudantes do 5º ano de uma escola municipal e apresentada na IV Bienal de Arte/Educação da Secretaria Municipal da Educação de Curitiba no segundo semestre de 2019. O objetivo principal da proposta foi articular a temática estabelecida pela Bienal – “Arte e Vida: fronteiras em aberto” – com os conteúdos ministrados em outros componentes curriculares, como história e geografia. Imaginamos a possibilidade de a partir da realidade vivida pelos estudantes atuar poeticamente através de fronteiras não apenas geográficas (cidade de Curitiba), mas temporais (século XIX), com a criação e captação de paisagens sonoras produzidas pelos alunos, utilizando diferentes materiais sonoros, posteriormente editados, cujo resultado se caracteriza como uma composição de música contemporânea, apoiando-se especialmente em Schafer (1991 e 2001), Zagonel (1999 e 2007), Torres e Kozel (2019).</p> João Paulo de Souza da Silva Daniele Martinez de Oliveira Coelho Copyright (c) 2022 João Paulo de Souza da Silva, Daniele Martinez de Oliveira Coelho 2022-02-25 2022-02-25 25 1 17 10.5212/OlharProfr.v.25.17520.012 Aprendendo a física mediante experimentos: um olhar da física na comunidade Indígena Misak https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/17073 <p>Este artigo analisa o processo de aprendizagem da física a traves dos projetos desenvolvidos por alunos do ensino fundamental utilizando o laboratório didático. O contexto onde se realizou este estudo foi a Instituição Educacional Agrícola Misak, localizada no Município de Silvia no Departamento de Cauca, Colômbia. Os participantes foram dezoito alunos do ensino fundamental com idades entre 15 e 17 anos, os quais se organizaram em três grupos. A metodologia utilizada foi qualitativa descritiva, abordando a coleta de dados por meio da observação participante onde se utilizaram gravações (vídeo-áudios), fotos e cadernos de campo. A observação participante é descrita por quatro estágios: 1) planejamento, 2) desenvolvimento, 3) construção e 4) socialização. Os resultados mostram que a utilização do laboratório didático promove a apropriação de conceitos da física mediante o desenvolvimento de projetos que fortalecem a aprendizagem significativa e geram relações entre o conhecimento ancestral, o conhecimento universal e o conhecimento prévio dos alunos. Além disso, são apresentados três projetos desenvolvidos pelos alunos, tais como: o moinho do povo, a chiva e a lâmpada, que denotam objetos representativos culturalmente e tradicionalmente na comunidade indígena Misak.</p> Jakeline Amparo Villota Enríquez Maribel Villota Enríquez Copyright (c) 2022 Jakeline Amparo Villota Enríquez, Maribel Villota Enríquez 2022-03-04 2022-03-04 25 1 22 10.5212/OlharProfr.v.25.17073.016 Aprendizagem significativa a partir das singularidades: contextos https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/17647 <p>&nbsp;</p> <p>O presente relato de experiência busca compartilhar estratégias de aprendizagens construídas no ano de 2020, em espaços educacionais públicos, do interior do Rio Grande do Sul. Em meio ao contexto desafiador, buscamos traçar possibilidades para a construção de práticas pedagógicas para o ensino remoto na Educação Infantil e no Ensino Fundamental (Anos Iniciais e Anos Finais). O desenvolvimento dessas práticas se deu a partir da metodologia de projetos, subsidiada pela Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e pelo Referencial Curricular Gaúcho (RCG); tendo como principal ferramenta o brincar com elementos da natureza, ao encontro das vivências cotidianas das crianças. As principais contribuições teóricas desencadearam-se a partir de Andreola (2016), Freire (1992, 1993, 1996, 1997), Redin (2017), Vygostsky (2007) e outros. O acompanhamento desde o planejamento, desenvolvimento e devolutivas das práticas, demonstrou a possibilidade genuína de desenvolvimento de aprendizagens significativas, lúdicas e interacionistas; considerando diferentes contextos sociais e econômicos.v</p> Allana Carla Cavanhi Carine Marcon Rachel Karpinski Copyright (c) 2022 Allana Carla Cavanhi, Carine Marcon, Rachel Karpinski 2022-03-11 2022-03-11 25 1 21 10.5212/OlharProfr.v.25.17647.019 “Mulheres e Suas Histórias”: o cinema como ferramenta de ensino para a igualdade gênero https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/16313 <p>Este artigo tem como objetivo relatar o trabalho desenvolvido nas aulas de História, em turmas do 8º ano, de uma escola de ensino fundamental do município de Porto Alegre, que consistiu na criação de um ciclo de cinema, como instrumento de ensino e inclusão da História das Mulheres no conteúdo programático do referido ano. A fim de dar visibilidade às mulheres e utilizando o conceito de representação social para a análise dos filmes, buscamos decompor e interpretar as obras cinematográficas para, então, verificar como as mulheres foram representadas através do cinema. &nbsp;Através dessa prática pedagógica foi possível a criação de um espaço de diálogo e exercício da empatia para a resolução de conflitos, o entendimento de nossa realidade de desigualdade de gênero e o empoderamento das meninas, uma vez que deu visibilidade às mulheres enquanto sujeitos históricos.</p> Caroline Pereira Leal Copyright (c) 2022 Caroline Pereira Leal 2022-04-08 2022-04-08 25 1 17 10.5212/OlharProfr.v.25.16313.024 O desempenho de estudantes da rede pública da Bahia na redação do ENEM: uma abordagem descritiva a partir do Sistema de Avaliação Baiano da Educação https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/17249 <p>Este trabalho tem como objetivo apresentar dados de um estudo descritivo que comparou o desempenho de estudantes da rede pública estadual, em um município da Bahia, na produção textual solicitada em uma avaliação externa baiana com o desempenho na redação do Enem. A pesquisa também descreve o desempenho de alunos da mesma rede de ensino, em edições diferentes do Enem, com o intuito de verificar se houve avanços na escrita de textos dissertativo-argumentativos. A abordagem metodológica foi o estudo de caso (ANDRÉ, 1995), de natureza quantitativa, cuja análise descritiva foi produzida a partir de boletins de desempenho dos estudantes, dados da SEC/BA e do Inep/MEC. Os resultados apontam para uma classificação dos textos considerada intermediária, tanto na avaliação estadual quanto no Enem, bem como para a nivelação do desempenho dos estudantes baianos de 2013 a 2019. Por fim, estudiosos da área de texto (ANTUNES, 2005; MARCHUSCHI, 2008; KOCH, 2007; FIORIN; PLATÃO, 2011 etc.) sinalizam que a dificuldade em produzir textos é, de modo geral, um problema do estudante brasileiro.</p> Jean Márcio de Oliveira Copyright (c) 2022 Jean Márcio de Oliveira 2022-05-06 2022-05-06 25 1 20 10.5212/OlharProfr.v.25.17249.027 Um olhar sobre as contribuições dos povos indígenas e africanos para a cultura alimentícia brasileira: uma proposta para o ensino de Ciências https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/18226 <p>Este artigo intenciona apresentar os resultados de uma pesquisa-ação, que teve como objetivo analisar como os conteúdos sobre nutrição podem ser aliados à perspectiva étnico-racial, baseada na lei 11.645 (BRASIL, 2008), que estabelece a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”, no currículo escolar. Destarte, discutir a importância da diversidade cultural alimentícia nas aulas de Ciências dos anos finais do Ensino Fundamental. Para isso, realizaram-se intervenções em uma turma do 8º ano de uma Escola do Campo, localizada no município de Nova Esperança, Paraná. Desde as atividades, que objetivavam a formação multicultural discente, levando-os a ponderar sobre a necessidade do respeito e conhecimento da cultura dos povos africanos e indígenas, podemos observar que as interações com a nossa cultura são relevantes para formação social dos sujeitos, pois integram a comunidade escolar com os diversos contextos. Assim, atividades com este enfoque são importantes na aproximação entre cultura e ciência.</p> Bruna Marques Duarte Rhuan Guilherme Tardo Ribeiro Luciano Carvalhais Gomes Copyright (c) 2022 Bruna Marques Duarte, Rhuan Guilherme Tardo Ribeiro, Dr. Luciano Carvalhais Gomes https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/ 2022-07-16 2022-07-16 25 1 19 10.5212/OlharProfr.v.25.18226.034 Ser educadora https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/18146 <p>Não se aplica.</p> Alfredo Hoyuelos Marcelo Oliveira da Silva Ana Luisa Dias Oliveira Copyright (c) 2022 Alfredo Hoyuelos; Marcelo Oliveira da Silva, Ana Luisa Dias Oliveira 2022-04-02 2022-04-02 25 1 4 10.5212/OlharProfr.v.25.18146.023