https://revistas.uepg.br/index.php/teias/issue/feed Revista Teias de Conhecimento 2022-02-16T17:35:30+00:00 Rita de Cassia da Silva Oliveira teiasdoconhecimento@uepg.br Open Journal Systems <p style="user-select: text;">A Revista Teias do Conhecimento é uma publicação da Universidade Aberta para a Terceira Idade (UATI), da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) e do Programa de Pós-Graduação <em style="user-select: text;">Strictu Sensu</em> Mestrado Profissional em Educação Inclusiva em Rede Nacional (PROFEI), no âmbito do Sistema da Universidade Aberta do Brasil (UAB).</p> https://revistas.uepg.br/index.php/teias/article/view/17228 Envelhecimento como tema transversal na Educação Básica 2021-10-17T00:54:20+00:00 Meire Cachioni meirec@usp.br Mônica de Ávila Todaro mavilatodaro@ufsj.edu.br <p>Esse artigo tem o objetivo de apresentar e defender a importância do envelhecimento como tema transversal na Educação Básica. Nas áreas da Educação e da Gerontologia, a temática em questão se refere à resposta aos desafios éticos que se apresentam na sociedade brasileira contemporânea. As questões que mobilizam a reflexão, são: Quais as concepções da expressão tema transversal? O envelhecimento vem sendo apresentado como tema transversal na legislação que se refere à Educação Básica? O quadro teórico traz as ideias de Paulo Freire, Busquets e outros pesquisadores contemporâneos. Os resultados da busca que empreendemos nos fizeram compreender que o envelhecimento como tema transversal está presente na legislação que se refere à Educação Básica. Porém, faz-se necessária a luta pela efetivação dos direitos garantidos em leis, para que a inserção do tema nas escolas seja efetiva e coerente com as bases legais.</p> 2020-12-13T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Teias de Conhecimento https://revistas.uepg.br/index.php/teias/article/view/17221 Refletindo sobre Educação, Saúde do Homem e Envelhecimento na sociedade contemporânea 2021-10-17T00:55:08+00:00 Soraia Silva Santos manjinski@gmail.com Noêmia Lima Silva manjinski@gmail.com <p>Este artigo aborda o processo de envelhecimento, na perspectiva de gênero e saúde e as interfaces com educação e cultura, posto que, na sociedade brasileira, a complexidade do envelhecimento representa um desafio para muitos setores da sociedade – político, social, econômico, acadêmico, institucional, empresarial e outros,&nbsp; que precisam se preparar para receber essa população idosa e suas demandas e necessidades especificas num&nbsp; futuro cada vez mais próximo. A cultura condiciona às representações de velhice&nbsp; e de gênero, com reflexos nas percepções sobre&nbsp;&nbsp; saúde,&nbsp; doença e o cuidado. Entender como foi e como vem sendo pensado a saúde e o cuidado do homem e, em particular, do homem idoso, no contexto brasileiro. Considera-se importante e imprescindível.&nbsp; A interface entre esses fenômenos é objeto desta análise, fundamentado na perspectiva da gerontologia social,na suposta visão de como os homens idosos percebem&nbsp; a relação entre saúde, doença, masculinidade e envelhecimento, e como esses construtos se relacionam com os subsistemas de cuidado informal e profissional.&nbsp;O&nbsp; trabalho consiste&nbsp; em uma revisão bibliográfica, cuja estratégia de busca incluiu consulta a livros e artigos. No Brasil este cenário começou a mudar favoravelmente com a publicação da Portaria 1.944- que institui a Política Nacional de Atenção Integral a Saúde do Homem (PNAISH), tornando-se um marco histórico para o país.</p> 2020-12-12T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Teias de Conhecimento https://revistas.uepg.br/index.php/teias/article/view/17226 A produção do conhecimento em Educação Especial no Programa de Pós-graduação em Rondônia 2021-10-17T00:55:48+00:00 Neusa Teresinha Rocha dos Santos neusa.santos@ifro.edu.br Márcia de Fátima Barbosa Corrêa marcia.barbosapvh@gmail.com Claudia Aparecida Prates claudia.prates@ifro.edu.br Anna Augusta Sampaio de Oliveira anna.augusta@unesp.br <p>Este estudo é o resultado de uma pesquisa realizada no Programa de Pós-Graduação da Fundação Universidade Federal de Rondônia-UNIR, com objetivo de sistematizar e analisar dissertações concluídas entre 2010 e 2016, identificando as produções sobre educação especial e os focos temáticos abordados. Para isso, como procedimentos metodológicos foi utilizada revisão bibliográfica e a pesquisa no <em>site</em> do PPGE-UNIR por dissertações, do período indicado, e, nestas, pelos termos <em>educação especial, educação inclusiva, inclusão, público alvo da educação especial e atendimento educacional especializado</em>. As categorias de análise foram: objetivo, metodologia e conclusão. Os resultados apontaram que sete dissertações fizeram menção aos termos, destas, seis na linha de pesquisa <em>Formação de Professores</em> e uma em <em>Políticas e Gestão Educacional</em>. Os estudos permeiam reflexões e problematizações sobre AEE, formação de professores, educação inclusiva e educação especial, porém considera-se que a temática é embrionária e necessita de investimentos no desenvolvimento de estudos científicos para geração de políticas públicas educacionais.</p> 2020-12-13T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Teias de Conhecimento https://revistas.uepg.br/index.php/teias/article/view/17220 Coronavirus: Desarrollo sustentable versus Encierro pandémico 2021-10-17T00:56:34+00:00 Alejandro Klein alejandroklein@hotmail.com Erika Carcaño erikacarcano@gmail.com <p>En este trabajo proponemos algunas reflexiones sobre las repercusiones sociales y políticas que ha traído consigo el fenómeno de la pandemia de la coronavirus. Nos enfocamos especialmente en el grupo de los adultos mayores, sindicados desde el principio de la pandemia como especial grupo de riesgo. Pero observamos que la situación de los adultos mayores urbanos es diferente a la de los adultos mayores rurales. Estos últimos no han pasado por políticas de confinamiento ni segregación, probablemente en relación a entornos de desarrollo sustentable comunitario que neutralizan la “visión” de la naturaleza en términos de peligros, paranoicos o “ataques” virósicos, propugnando una visión armónica y ancestral fuertemente legitimada.</p> 2021-04-18T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Teias de Conhecimento https://revistas.uepg.br/index.php/teias/article/view/17229 A educação no processo de ressocialização do apenado 2021-10-17T00:58:01+00:00 Rita de Cassia da Silva Oliveira soliveira@uepg.br Selson Garutti soliveira@uepg.br <p>Este trabalho apresenta um estudo qualiquantitativo exploratório que tem por objetivo analisar a evolução escolar dos alunos internos da Penitenciaria Estadual de Maringá (PEM). No que diz respeito às discussões do processo educacional constituído no interior da PEM sobre qual deva ser o papel educativo na ressocialização dos apenados entre os anos de 2006 a 2010, as análises foram feitas sob uma perspectiva histórica dialética e conclui-se que a elevação do nível escolar é essencial para que todos os apenados consigam melhores oportunidades de trabalho e inserção social após o cumprimento de sua pena.</p> 2021-03-26T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Teias de Conhecimento https://revistas.uepg.br/index.php/teias/article/view/17227 A função social da literatura na Educação Infantil: 2021-10-17T00:58:42+00:00 Angelo Antonio Puzipe Papim angelopapim@gmail.com <p>O homem é um ser social e, a fim de desenvolver as suas capacidades humanas, precisa apropriar-se da cultura, por intermédio de interações sociais. Nesse sentido, o processo educacional consiste em apresentar a cultura por meio do ensino intencional e motivador, o qual permite ao aluno transformar, a partir de vivências no processo de aprendizagem, as suas funções psicológicas. Assim, o desenvolvimento humano é um processo cooperativo, intergeracional, cuja comunicação materializa uma necessidade e engaja a subjetividade a entrar em atividade, dotado com a motivação indispensável para, mediante processos e ações, resolver a situação-problema e produzir sentido, na qualidade de síntese da experiência educacional. Logo, com o objetivo de compreender o processo pedagógico literatura infantil, realizou-se a análise descritiva do experimento de leitura de texto literário na Educação Infantil, enquanto mediador do aprendizado da linguagem oral e escrita das crianças. Observou-se que a linguagem está na aprendizagem das crianças, na base das funções sociais, psicológicas e, portanto, pedagógicas. A literatura é um bem cultural que precisa ser passado às novas gerações, através da leitura dos textos literários. Gera, desse modo, a necessidade de pesquisar o seu impacto no desenvolvimento humano, desde as séries iniciais.</p> 2020-12-13T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Teias de Conhecimento https://revistas.uepg.br/index.php/teias/article/view/17704 Estrangeirismos na linguagem do cotidiano dos educandos da EJA 2021-10-17T00:59:06+00:00 Rogério Soares Fragoso profrogeriosoares@yahoo.com.br Sonia Maria Chaves Haracemiv sharacemiv@gmail.com <p>Sabe-se que a valorização da linguagem é um dado indiscutível e que a língua, por receber diversas influências, possui um caráter heterogêneo. Por esse motivo, surgem termos estrangeiros na língua falada, permanecendo por muito tempo no uso dos brasileiros. Sentindo a necessidade de descobrir a razão de como a língua estrangeira é tão valorizada e receptiva pelos brasileiros, esse trabalho científico investigou o uso de estrangeirismos, na linguagem do cotidiano dos adultos. O relato de experiência partiu da reflexão sobre como a produção publicitária se apresenta como um possível introdutor de estrangeirismos, tendo como objetivo reconhecer e analisar a presença de palavras e/ou expressões que tem origem na língua estrangeira e que estão presentes na nossa língua materna; discutir em que medida o uso de termos estrangeiros afeta a identidade das pessoas, uma vez que, a língua é um dos aspectos culturais que compõem essa identidade.</p> <p><strong>&nbsp;</strong></p> 2021-04-18T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Teias de Conhecimento https://revistas.uepg.br/index.php/teias/article/view/19633 Os vieses da inclusão no ensino superior nas universidades estaduais do Paraná 2022-02-16T17:35:30+00:00 Everson Manjinski eversonmanjinski@gmail.com Rita de Cassia da Silva Oliveira soliveira@uepg.br <p>A educação é um fato social que amolda a forma dos indíviduos agirem na sociedade entre si. O ensino superior como uma destas etapas da educação, mostra-se como um fenômeno sociológico que determina tanto a forma de como os indivíduos vão atuar na vida social, como a forma que o Estado poderá incluir, preparar aquela determinada fração da sociedade que necessita de atenção diferenciada. O presente estudo busca verificar quais as formas que as universidades estaduais do Paraná implantaram em seu contidiano visando atender esta atenção diferenciada e como têm acolhido as normativas expressas pelo Poder Público. Através de uma análise comparativa com foco ao método funcionalista, buscar-se-á entender as universidades públicas estaduais do Paraná como instituições sociais integrantes do organismo Estado e sua participação na inclusão. Com base numa pesquisa quantitativa documental, através dos bancos de dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anisio Teixeira (INEP), o estudo propõe uma visualização gráfica desta relações de inclusão no campo proposto.</p> 2021-09-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Teias de Conhecimento https://revistas.uepg.br/index.php/teias/article/view/19650 A NOVA POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL (2020) E A DESCONSTRUÇÃO DE UMA PROPOSTA EDUCACIONAL INCLUSIVA 2021-10-17T00:30:19+00:00 Gemma Galganni Pacheco Silva galgannigemma7@gmail.com Márcia Raika e Silva Lima galgannigemma7@gmail.com <p>As discussões em torno da inclusão de alunos público-alvo da Educação Especial (PAEE) é tema polêmico para o cenário educacional. No ano de 2020, surge no contexto educacional brasileiro a apresentação de um documento legal que versa sobre a implantação de uma nova política para a Educação Especial, a Política Nacional de Educação Especial: Equitativa, inclusiva e com aprendizado ao longo da vida (PNEE). Fundamentada em uma abordagem que promove nova ênfase à inclusão radical e amparada no discurso de que essa inclusão não vem proporcionando benefícios a todos os alunos PAEE, a PNEE (2020) traz consigo uma proposta de adequação ao delineado pela política educacional vigente (BRASIL, 2008), no que concerne ao conceito e estruturação da Educação Especial e da Educação Inclusiva. A nova política amplia as possibilidades de inclusão, assegurando que dessa formados alunos PAEE. Diante deste fato, e, considerando a perspectiva inclusiva adotada em sua formulação, é pertinente a reflexão acerca do que realmente se evidencia nessa proposta, assim como dos impactos dessa política no processo de inclusão da pessoa com deficiência nas classes comuns do ensino regular. A metodologia eleita para esta pesquisa é de natureza qualitativa, do tipo bibliográfica e documental, e abordagem descritiva e explicativa. Para subsídio teórico deste estudo, teve-se como base autores como Plestch (2020), Glat (2018), Kassar e Rebelo (2018) Mantoan (2015), Mendes (2010), Heredero (2010), entre outros, que pesquisam sobre a Educação Especial e a Educação Inclusiva. Como objetivo buscou-se analisar a proposta educacional delineada na PNEE (2020) e os impactos gerados frente ao atual paradigma da Educação Inclusiva que ampara a inclusão de alunos PAEE. Como resultado desta pesquisa, conclui-se que a proposta descrita na PNEE (2020) se mostra antagônica ao preceituado na PNEEPEI (2008), que garante a equidade e propicia a igualdade de oportunidades no espaço escolar. Ao consolidar a Educação Especial como uma nova modalidade escolar, que agrega espaços educacionais especializados, a PNEE (2020) causa o esmaecimento do direito da pessoa com deficiência à educação na escola regular e o fortalecimento de atitudes discriminatórias.</p> <p>&nbsp;</p> 2021-10-16T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Teias de Conhecimento https://revistas.uepg.br/index.php/teias/article/view/19315 CÁRCERE E FILOSOFIA 2021-10-17T00:48:37+00:00 Rui Mayer rui.mayer@ufopa.edu.br <p>A história intelectual e das ideias filosóficas carrega referências a diversos casos em que filósofos se depararam com a realidade do cárcere. Estas experiências são frequentemente tratadas mais como circunstâncias biográficas e menos como situações de aprendizado e reflexão, e de intervenção. Este trabalho intenta uma contribuição para a revisita e a revisão de algumas dessas referências, em diálogo com uma atualizada consideração dessa realidade. A aqui referida atualização desta consideração – o Projeto Boécio, uma iniciativa internacional que opera também no Brasil – promove uma compreensão e uma intervenção filosófica com encarcerados, o que faz por merecer seu estudo e sua divulgação. Ora, o objetivo principal deste trabalho é, justamente, a promoção de um estudo e a contribuição para a divulgação dessa consideração da filosofia pelo tema e pela questão do encarceramento. Com este propósito, realizou-se uma breve revisita à história da filosofia – em obras reconhecidas por seu rigor e sua objetividade, como p. ex., de B. Russell e de A. Kenny – e uma análise introdutória de referências ao próprio Projeto Boécio, às suas bases teóricas e suas experiências práticas. Este estudo percebeu e vem a apontar a possibilidade de se reconhecer a importância histórico-filosófica do tema do encarceramento e a atualidade do Projeto Boécio, como uma iniciativa exemplar de aplicabilidade e aplicação da filosofia às situações de cárcere.</p> 2021-10-17T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Teias de Conhecimento https://revistas.uepg.br/index.php/teias/article/view/17951 CONTRIBUIÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NO CONTEXTO DA INCLUSÃO 2021-10-25T01:25:40+00:00 Ana Maria Opuchkevitch Cortes anaopuchkevitch@yahoo.com.br Debora Gomes deboragomes@unicentro.br Rita de Cássia da Silva Oliveira soliveira13@uol.com.br <p>Vivemos num mundo marcado por diferenças e diversidade, neste sentido, a busca constante por uma educação que contemple a participação de todos em um espaço democrático, faz com que a educação inclusiva seja debatida nos diversos segmentos sociais. A escola tem como princípio a garantia do acesso a uma educação onde todos sejam reconhecidos e respeitados independente de suas dificuldades e diferenças. A disciplina de Educação Física, neste aspecto, deve permitir que todos vivenciem as práticas corporais para que tenham um amplo desenvolvimento e progridam sempre, cada um dentro de suas possibilidades. O papel do professor é complexo, pois deve compatibilizar o interesse de todos atendendo as características individuais de cada um. O objetivo deste estudo foi analisar a possibilidade de contribuição da Educação Física no contexto da inclusão dos alunos do 7º ano do Ensino Fundamental de um colégio público no estado do Paraná, a fim de buscar minimizar as práticas de bullying recorrentes no contexto escolar. Para tanto, foi elaborado um caderno pedagógico com subsídios teórico-metodológicos em torno deste conteúdo, além de possibilidades de intervenções pedagógicas por meio de atividades sistematizadas. O referencial bibliográfico encontra-se sustentado a partir de legislações, documentos oficiais, estudiosos da área como Reinaldo Soler, Maria Thereza Egler Mantoan; Geovanio Rossato, Solange Marques Rossato, Pilar Arnaiz Sánchez, dentre outros. Foi possível desenvolver um conjunto de práticas pedagógicas nas aulas de Educação Física, e oferecer aos alunos a oportunidade de compreender e refletir sobre o universo da inclusão e a necessidade de superar preconceitos, para por fim, é possível a Educação Física contribuir efetivamente no contexto da inclusão, a fim de prevenir/superar as práticas de bullying.</p> 2021-10-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Teias de Conhecimento https://revistas.uepg.br/index.php/teias/article/view/18511 AS CONTRIBUIÇÕES DA EDUCAÇÃO NO PROCESSO DE RESSOCIALIZAÇÃO DA PESSOA PRIVADA DE LIBERDADE 2021-10-25T01:26:35+00:00 VANESSA ELISABETE RAUE RODRIGUES vanessarauerodrigues@gmail.com Sabrina Aparecida de Oliveira sabrinaapoliveira.so@gmail.com <p>A abordagem sobre a educação prisional teve por objetivo analisar as suas contribuições ou limites para a ressocialização do egresso do sistema prisional. Buscou, ainda, verificar se a organização desse atendimento pode diminuir os índices de reincidência. Assim, optou-se pela pesquisa bibliográfica, utilizando como aportes teóricos obras de Julião (2009); Silva (2011) e Freire (1996), os quais defendem a educação como meio para a autonomia dos sujeitos. Ademais, utilizou-se o estudo documental das legislações que preveem a educação no cárcere, como por exemplo, a Lei de Execução Penal. O artigo está dividido nas seguintes seções: Introdução; Trajetória da pesquisa; Mazelas do sistema penitenciário; A relação entre reincidência e remição; A educação como direito e sua contribuição na reinserção; Considerações finais e Referências. Concluiu-se que a educação na prisão deve ser mediada com respeito mútuo levando em consideração a história de cada indivíduo. Entende-se, que é de suma importância que todos os envolvidos no ambiente prisional sejam reeducados para que a sociedade também passe a acreditar na potencialidade de transformação das pessoas superando o papel de opressores e oprimidos. O sistema punitivo não surte efeito ressocializador, portanto, faz-se necessário que o foco de investimento esteja voltado para a educação e no seu potencial libertador.</p> 2021-10-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Teias de Conhecimento https://revistas.uepg.br/index.php/teias/article/view/19616 Alfabetização e letramento de surdos: uma ênfase na Língua Brasileira de Sinais 2021-10-25T01:27:26+00:00 MARITANIA DOS SANTOS PADILHA maritaniasantos30@gmail.com Ana Paula Almeida Ferreira paula_almeida28@hotmail.com Jackson Ronie Sá-Silva prof.jacksonronie.uema@gmail.com Marcia Raika e Silva Lima marciaraika@hotmail.com <p>O presente estudo tem por objetivo compreender o que as pesquisas acadêmicas, realizadas no período de 2019 e 2020, revelam sobre a utilização da Língua Brasileira de Sinais (Libras) como agente facilitador no processo de alfabetização e letramento de estudantes surdos. As discussões apresentadas partem do seguinte questionamento: considerando que a Libras é a língua materna da pessoa com surdez, ela tem sido tomada como ponto de partida no processo de alfabetização desse público? Na realização do levantamento bibliográfico foram identificados 10 artigos que discutiam sobre o tema, catalogados nas plataformas Portal de Periódicos da CAPES, Google Acadêmico e Scielo. A pesquisa tem como principais referências autores como: Costa (2020); Cavalcante e Torres (2020); Nascimento e Murad (2020); Lage (2020); Freitas (2020) e Fernandes (2006). Os resultados apontam que a alfabetização de surdos é potencializada quando a Libras é concebida como o fio condutor para tal processo. Porém é identificado que a maioria desses estudantes não tem sua particularidade linguística respeitada na sua alfabetização, o que deriva da atual política de alfabetização – que prioriza o método fônico como o mais eficaz no ensino da leitura e da escrita – e da falta de formação continuada dos professores atuantes na educação do público-alvo.</p> 2021-10-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Teias de Conhecimento