TEL Tempo, Espaço e Linguagem https://revistas.uepg.br/index.php/tel <p>A Revista TEL, publicação semestral do Programa de Pós-graduação em História da UNICENTRO, <em>campus</em> Irati, tem como eixo central publicar artigos, ensaios, resenhas, entrevistas e dossiês referentes ao campo da História.</p> <p>&nbsp;</p> UNICENTRO pt-BR TEL Tempo, Espaço e Linguagem 2177-6644 <p>Os autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.</p> <p><a href="http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/" rel="license"><img src="https://i.creativecommons.org/l/by/4.0/88x31.png" alt="Licença Creative Commons" /></a><br />Este obra está licenciado com uma Licença <a href="https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/deed.pt_BR" rel="license">Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional</a>.</p> A construção do sagrado https://revistas.uepg.br/index.php/tel/article/view/20088 <p><em><span style="font-weight: 400;">City of Saints: Rebuilding Rome in the Early Middle Ages </span></em><span style="font-weight: 400;">é o mais recente livro da historiadora estadunidense Maya Maskarinec. Publicado em 2018 pela University of Pennsylvania Press. Este livro nos apresenta uma ampla análise da circulação de culto de santos pela bacia mediterrânica. São apresentados principalmente os santos que eram levados, na maioria das vezes, do Oriente em direção ao Ocidente - passando por Roma.</span></p> Rodrigo Fernandes Vicente (UNIFESP) Copyright (c) 2022 TEL Tempo, Espaço e Linguagem 2022-04-29 2022-04-29 13 1 275 279 10.5935/2177-6644.20220018 Estratégias decoloniais de atendimento clínico a mulheres negras que apresentam sintomas de ansiedade https://revistas.uepg.br/index.php/tel/article/view/20156 <p>Apesar das constantes tensões e denúncias, as violências raciais, de gênero e entre outros, não somente são frequentes, como estão atreladas ao adoecimento psíquico, como a ansiedade. Este ensaio tem como objetivo propor, a partir da experiência profissional clínica da psicóloga e primeira autora, estratégias decoloniais de atendimento clínico a mulheres negras que apresentam sintomas de ansiedade associados à interseccionalidade de gênero, raça e sexualidade, descrevendo vivências produtoras de sofrimento psíquico relatadas por mulheres negras em atendimentos clínicos individuais, identificando crenças, afetos e comportamentos referentes aos quadros de ansiedade relatados por estas mulheres afim de apresentar possibilidades de atuação a partir da abordagem teórica-metodológica proposta pela primeira autora.</p> Maeli Santos Calmon (UFRB) Copyright (c) 2022 TEL Tempo, Espaço e Linguagem 2022-04-29 2022-04-29 13 1 231 251 10.5935/2177-6644.20220016 Multilinguismo, imigração e abordagens sul https://revistas.uepg.br/index.php/tel/article/view/20451 <p>Entrevista com o Dr. Rafael Lomeu Gomes</p> Carlos Eduardo França de Oliveira (UNICENTRO) Bruno César Pereira (UFSCar) Copyright (c) 2022 TEL Tempo, Espaço e Linguagem 2022-04-29 2022-04-29 13 1 280 293 10.5935/2177-6644.20220019 O Pós-Abolição em Mato Grosso https://revistas.uepg.br/index.php/tel/article/view/19791 <p>A partir das repercussões veiculadas pela imprensa cuiabana sobre a população negra, este estudo visa investigar como os jornais da baixada cuiabana na época da abolição representavam a vida cotidiana dos negros e negras, suas lutas, seus modos de vida, especificamente, por meio dos jornais <em>A província de Mato Grosso</em> e <em>O Matto-Grosso</em>. Como os negros eram identificados, a que temas eram associados nesses jornais que circulavam na baixada cuiabana? O objetivo da pesquisa, portanto, é analisar as representações sociais construídas e difundidas sobre negros e negras nesses jornais cuiabanos entre os anos de 1879 a 1912. Para isso, em termos metodológicos, será adotada a análise de conteúdo na investigação dos jornais, a partir dos acervos digitalizados e disponibilizados na Biblioteca Nacional Digital. Esta pesquisa pode ajudar a compreender em que medida aspectos da cultura negra eram incorporados, ou não, nos processos de representação nos jornais, o que permite observar as fronteiras simbólicas dentro das quais os sujeitos negros eram perspectivados pela imprensa durante e após o processo de abolição legal da escravatura.</p> Kaique Rodrigues Vieira (UFMT) Copyright (c) 2022 TEL Tempo, Espaço e Linguagem 2022-04-29 2022-04-29 13 1 252 274 10.5935/2177-6644.20220017 Modernidade/Colonialidade/Decolonialidade https://revistas.uepg.br/index.php/tel/article/view/20145 <p>Através de breve síntese bibliográfica, apresenta-se por meio de alguns intelectuais e suas reflexões, aspectos básicos para a compreensão histórica sobre os estudos pós-coloniais e decoloniais que abrem possibilidades para pensarmos múltiplas perspectivas de entendimento sobre história e sociabilidades humanas, principalmente, em relação à colonialidade e suas implicações aos colonizados.</p> Maira Damasceno (UNISINOS) Gabriel Chaves Amorim (UNISINOS) Dorvalino Refej Cardoso (UFRGS) Copyright (c) 2022 TEL Tempo, Espaço e Linguagem 2022-04-28 2022-04-28 13 1 12 27 10.5935/2177-6644.20220002 Diálogos teóricos entre escolas de pensamento crítico https://revistas.uepg.br/index.php/tel/article/view/19959 <p><strong>Este artigo tem como objetivo fundamentar um diálogo entre escolas de pensamento social que viam na formação possibilidades de emancipação/libertação dos sujeitos. Uma breve reflexão acerca da formação cultural brasileira, permite perceber a necessidade de ler conceitos produzidos com anseios de libertação/emancipação de forma crítica e adaptada às configurações sociais locais.</strong></p> Leonardo Henrique Brandão Monteiro (UFSCar) Copyright (c) 2022 TEL Tempo, Espaço e Linguagem 2022-04-28 2022-04-28 13 1 28 41 10.5935/2177-6644.20220003 Manoel Bonfim e a superação do colonialismo na América Latina. https://revistas.uepg.br/index.php/tel/article/view/20152 <p><strong>RESUMO</strong>: para desenvolver o texto nos pautamos em duas referências. A primeira é o livro “América Latina: males de origem” de Bonfim, publicado em 1905; a segundo é o artigo “Dom Quixote e os moinhos de vento na América Latina”, de Aníbal Quijano.</p> José Jailton Camargo (IFPR) Maria Sueli Ribeiro (SEED/PR) Copyright (c) 2022 TEL Tempo, Espaço e Linguagem 2022-04-28 2022-04-28 13 1 42 51 10.5935/2177-6644.20220004 Decolonialidades, Subalternidades e Modernidades https://revistas.uepg.br/index.php/tel/article/view/20162 <p>Este artigo tem por intenção refletir e demonstrar a criação de jogos de improvisação, como prática decolonial na educação musical e a interseção fenomênica das decolonialidades, das subalternidades e das modernidades, atravessada pela costura da criação da estética terceiro-mundista, na episteme criativa das artes e das humanidades de Koellreutter. Arte da brasilidade e suas raízes europeias, tendo em vista o (des)envolvimento musical das escolas de música no Brasil, o deslocamento geográfico da modernidade e a refundação epistemológica atravessando o atlântico. Por meio de pesquisa bibliográfica e abordagem qualitativa, apresenta uma discussão sobre Conceitos que trazem à tona alguns problemas sobre "Europa, Modernidade e Eurocentrismo" que permeiam o movimento modernista e grande parte da trajetória de Hans-Joachim Koellreutter no Brasil e internacionalmente será apontada, explicando esses conceitos dentro de um referencial teórico, apontando uma mudança de sentido desses termos que são colocados como absolutos e tradicionais na educação, emergindo uma visão colonizadora da história e um questionamento quanto à prática da criação musical. Diante de todas essas discussões, podemos quebrar certos paradigmas que vinculam a música eurocêntrica a um pensamento musical decolonial.</p> Carlos Eduardo da Silva (SEE-AC/UFAC) Heleno Szerwinsk de Mendonça Rocha (CAp/UFAC) Copyright (c) 2022 TEL Tempo, Espaço e Linguagem 2022-04-28 2022-04-28 13 1 52 80 10.5935/2177-6644.20220005 Análise dos impactos culturais, identitários e sociais do colonialismo nas representações dos papéis masculinos e femininos no romance “As Alegrias da Maternidade” https://revistas.uepg.br/index.php/tel/article/view/19919 <p>Neste artigo, pretende-se analisar alguns aspectos inerentes ao romance “As Alegrias da Maternidade”, de Buchi Emecheta, a saber, a forma com que o colonialismo britânico influencia na transformação de alguns personagens no que concerne às suas identidades e as relações entre a população nigeriana e sociedade no tocante ao letramento, principalmente, o de reexistência, estabelecendo um desenraizamento de suas idiossincrasias ligadas à vida tribal em Ibuza. Como referencial teórico, serão utilizados os conceitos acerca do colonialismo europeu, de Anne McClintock, no contexto das leituras decoloniais, bem como, os vieses de Stuart Hall e James Paul Gee acerca da construção da identidade do indivíduo. Com relação aos letramentos será utilizado Angela B. Kleiman e Juliana A. Assis para estabelecer as perspectivas socioculturais da escrita no contexto formal e informal permeado pela reexistência.</p> Luiz Gabriel da Silva (UFPR) Mariana Schulmeister Kuhn (UFPR) Copyright (c) 2022 TEL Tempo, Espaço e Linguagem 2022-04-28 2022-04-28 13 1 81 97 10.5935/2177-6644.20220006 Experiências do colonialismo em Filhos da Pátria na perspectiva decolonial https://revistas.uepg.br/index.php/tel/article/view/20160 <p>O artigo analisa efeitos do colonialismo em Angola através da obra <em>Filhos da Pátria</em> de João Melo. Selecionaram-se dois contos, que privilegiam a pluralidade de experiências e a violência no pós-independência. Na perspectiva decolonial, o diálogo entre a História e a Literatura possibilita compreender a obra como manifestação política em contraposição à subalternização e à colonialidade epistêmica.</p> Cristina Ferreira de Assis (UNEB) Copyright (c) 2022 TEL Tempo, Espaço e Linguagem 2022-04-28 2022-04-28 13 1 98 114 10.5935/2177-6644.20220007 Quem tem o direito de falar sobre a vida dos negros? https://revistas.uepg.br/index.php/tel/article/view/20064 <p>A presente pesquisa parte da seguinte questão: Existem implicações éticas na escolha e no uso de determinadas fontes para a produção das narrativas históricas? Tomamos como objeto central para nossa reflexão sobre o uso de fontes na construção de narrativas históricas sobre o passado dos negros o livro <em>Meus Verdes Anos</em> (1956) de José Lins do Rêgo.</p> Juscelino Barros da Silva Filho (UDESC) Copyright (c) 2022 TEL Tempo, Espaço e Linguagem 2022-04-28 2022-04-28 13 1 115 123 10.5935/2177-6644.20220008 Autoridade docente https://revistas.uepg.br/index.php/tel/article/view/20128 <p>Este artigo pretende tensionar um debate acerca de um dos resultados obtidos através de uma pesquisa de mestrado de cunho qualitativo que analisou as percepções de autoridade de professoras iniciantes que atuam em escolas públicas do ensino médio e suas relações com o gênero. Foram entrevistadas sete professoras que atuam no ensino médio e público de Minas Gerais. Dentre os resultados da pesquisa, contatou-se que o fator raça do professor também pode influenciar na legitimidade da autoridade docente.</p> Mariana Corradi Bruno (UFJF) Copyright (c) 2022 TEL Tempo, Espaço e Linguagem 2022-04-28 2022-04-28 13 1 124 136 10.5935/2177-6644.20220009 A Língua Portuguesa na matriz de referência da redação do ENEM https://revistas.uepg.br/index.php/tel/article/view/19966 <p>O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) é uma avaliação que tem como objetivo avaliar o rendimento dos egressos da última etapa da educação básica. Ele é também um critério para ingresso no ensino superior. A redação é uma das formas que ele se propõe a avaliar os alunos, tendo uma prova específica para tal feito. Nesta prova, um dos critérios da matriz de referência (ou matriz de correção), indicados pela competência 1, está a língua portuguesa. Observado o exposto, o presente estudo objetiva fazer uma análise de perspectiva decolonial sobre como essa matriz promove a manutenção da colonialidade por meio da língua e, por assim ser, nivela, hierarquiza e disciplina corpos em prol de um estabelecer uma forma apenas de conceber a língua.</p> Renato de Oliveira Dering (UNIGOIÁS) Copyright (c) 2022 TEL Tempo, Espaço e Linguagem 2022-04-28 2022-04-28 13 1 137 150 10.5935/2177-6644.20220010 Um giro epistemológico nos estudos sobre religião https://revistas.uepg.br/index.php/tel/article/view/19904 <p><strong>Resumo: </strong>Discute-se aqui a dinâmica estabelecida entre objetividade e subjetividade nas abordagens científicas sobre o fenômeno religioso. Parte-se do intuito de refletir sobre as mudanças de paradigmas em curso e sobre o emprego de novas metodologias empíricas. Situa-se esta diligência no contexto da perspectiva decolonial. Transcorre-se um dimensionamento bibliográfico visando recompor a trajetória epistemológica dos estudos sobre religião.</p> <p><strong>Palavras- chave: </strong>epistemologia; fenômeno religioso; decolonialidade; metodologia empírica; análise interpretativa.</p> Flávia Ribeiro Amaro (UFJF) Copyright (c) 2022 TEL Tempo, Espaço e Linguagem 2022-04-29 2022-04-29 13 1 151 171 10.5935/2177-6644.20220011 As performances multidimensionais de resistência do coletivo Ação Zumbi https://revistas.uepg.br/index.php/tel/article/view/20163 <p>A proposta do artigo é refletir sobre a importãncia histórica e política do Coletivo Ação Zumbi, bom como evidenciar o alinhamento de sua atuação aos pressupostos da decolonialidade do saber e da educação para as relações étnico-raciais. é um grupo que realiza performances artisticas multidimensionais em espaços formais e não formais nas cidades da grande Florianópolis. Busca revelar memórias contra-hegemônicas de origem afro-brasileira a partir da perspectiva de um povo que existe, reexiste e resiste, ancorado num ideal de maior justiça epistemológica.</p> Janaína Amorim da Silva (UFSC) Odair Souza (EEMCS) Copyright (c) 2022 TEL Tempo, Espaço e Linguagem 2022-04-29 2022-04-29 13 1 172 184 10.5935/2177-6644.20220012 Objeto de estudo ou sujeito de diálogo? https://revistas.uepg.br/index.php/tel/article/view/20129 <p class="CORPODOTEXTOXIXENANPUR" style="text-indent: 0cm; line-height: 150%;"><span lang="PT-BR" style="font-family: 'Times New Roman',serif;">Este ensaio visa desconstruir a relação epistemológica tradicional entre o “outro” da favela e o “eu” pesquisador. Propõe-se um exercício em que o objeto de estudo da favela se torna sujeito de diálogo com o pesquisador do asfalto. Espera-se que os pontos trazidos sirvam de baliza para acadêmicos treinados em escolas eurocêntricas e para gestores habituados às práticas normativas do Estado.</span></p> Guilherme Rocha Formicki (USP) Copyright (c) 2022 TEL Tempo, Espaço e Linguagem 2022-04-29 2022-04-29 13 1 185 199 10.5935/2177-6644.20220013 Expediente https://revistas.uepg.br/index.php/tel/article/view/20452 <p>Expediente</p> Carlos Eduardo França de Oliveira (UNICENTRO) Bruno César Pereira (UFSCar) Copyright (c) 2022 TEL Tempo, Espaço e Linguagem 2022-04-29 2022-04-29 13 1 1 4 Apresentação https://revistas.uepg.br/index.php/tel/article/view/20353 <p>Diferentes disciplinas têm privilegiado as abordagens que analisam a diversidade do conhecimento e dos saberes, considerando os múltiplos processos que foram engendrados a partir da ocupação colonial e das colonialidades que ainda se perpetuam. No presente dossiê recebemos contribuições de orientação teórica/metateórica e historiográficos, estudos empíricos, pesquisas que contemplam diferentes práticas, leituras, fontes, localizando e explicitando fenômenos culturais, políticos, raciais, de gênero, artísticos etc. Tratam-se de 12 artigos que, de algum modo, ajudam a reconhecer a importância de produções de variadas matrizes teórico-metodológicas, que sopesam locais de enunciação diversificados, que assumem a pluralidade, que reconhecem os longos processos de subalternização, que destacam os conhecimentos locais, que admitem reformulações intelectuais, com o objetivo de refletir acerca dos desafios decoloniais.</p> Marcelo Douglas Nascimento Ribas Filho (UFPR) Flávio José Dalazona (UNICENTRO) Copyright (c) 2022 TEL Tempo, Espaço e Linguagem 2022-04-28 2022-04-28 13 1 5 11 10.5935/2177-6644.20220001 O sentido da linguagem cinematográfica em Serra Pelada, a lenda da montanha de ouro, de Víctor Lopes (2013) https://revistas.uepg.br/index.php/tel/article/view/19675 <p>Este trabalho é uma tentativa de examinar a linguagem cinematográfica e o sentido que pode estar representado na construção do filme A lenda montanha de ouro (2013), de Victor Lopes como ferramenta para compreender conceitos compostos como interdisciplinar de abordagem comunicacional em que a estética representada em imagens descritas em texto são e podem revelar enquanto experiências visuais proporcionadas a partir de contexto histórico e cultural dos sujeitos. Utilizando as metodologias observadas a partir Marcel Martin e Relivaldo Pinho para fundamentar a dinâmica da composição das características estéticas de valor real, material e figurativo que expõem o cinema como a arte de expressividade da atitude criadora e reveladora de afetos.</p> Ana Paula Camara (UNAMA) Copyright (c) 2022 TEL Tempo, Espaço e Linguagem 2022-04-29 2022-04-29 13 1 200 213 10.5935/2177-6644.20220014 Relações socioecológicas na construção das paisagens étnicas ucranianas na região Centro-Sul do Paraná (1890-1945) https://revistas.uepg.br/index.php/tel/article/view/19977 <p>O presente trabalho tem por objetivo refletir sobre as formas de transformação e ressignificação das relações socioecológicas durante o processo de imigração dos ucranianos para o Paraná. Para tal, analisamos fontes narrativas de indivíduos que se estabeleceram no Estado entre os anos de 1890 e 1945. Ressaltamos em tais relatos, as relações desse grupo com a paisagem e o meio ambiente.</p> Darlan Damasceno (UFSC) Copyright (c) 2022 TEL Tempo, Espaço e Linguagem 2022-04-29 2022-04-29 13 1 214 230 10.5935/2177-6644.20220015