UniLetras https://revistas.uepg.br/index.php/uniletras <p>A Revista Uniletras foi criada pelo Departamento de Letras no ano de 1979 com o objetivo de oportunizar o desenvolvimento e a ampliação da área de atuação e promover maior integração da comunidade à vida universitária.</p> <p>Durante os 40 anos de publicação ininterrupta, a Revista Uniletras avançou em direções inimagináveis tornando-se um espaço legítimo de discussão e reflexão sobre os assuntos pertinentes a área de Letras e afins. Atualmente possui um conselho editorial de diferentes instituições de ensino superior do Brasil e do exterior. Periódico referenciado pelo Projeto Qualis-Capes e indexado em Geo-Dados, em outras importantes base de dados.</p> <p>Para acompanhar a evolução tecnológica, no ano de 2007, a Revista Uniletras passou a circular também <em>online</em>, além da circulação impressa. Com essa iniciativa, ampliamos e aprimoramos os laços com a comunidade acadêmica e não acadêmica do mundo da <em>web</em>. No ano de 2008, a Uniletras passou a circular semestralmente. </p> <p> </p> <p>E-ISSN 1983-3431</p> <p> ISSN 0101-8698</p> UEPG pt-BR UniLetras 0101-8698 <p>Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos:</p> <p>a) Os autores mantém os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a <a href="https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/deed.pt_BR">Creative Commons Attribution License </a>que permite&nbsp;o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da sua autoria&nbsp;e publicação inicial nesta revista.<br>b) Esta revista oferece acesso livre imediato ao seu conteúdo, seguindo o princípio de que disponibilizar gratuitamente o conhecimento científico ao público proporciona maior democratização mundial do conhecimento. Para maiores informações sobre esta abordagem, visite <strong>Public Knowledge Project</strong>, projeto que desenvolveu este sistema para melhorar a qualidade acadêmica e pública da pesquisa, distribuindo o OJS assim como outros softwares de apoio ao sistema de publicação de acesso público a fontes acadêmicas. Os nomes e endereços de e-mail neste site serão usados exclusivamente para os propósitos da revista, não estando disponíveis para outros fins.</p> <p><a href="http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/" rel="license"><img style="border-width: 0;" src="https://i.creativecommons.org/l/by/4.0/88x31.png" alt="Creative Commons License"></a><br>This work is licensed under a <a href="https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/deed.pt_BR" rel="license">Creative Commons Attribution 4.0 International License</a>.</p> <p>&nbsp;</p> O CRIME DE ESTUPRO NO BRASIL: UMA ANÁLISE SOCIODISCURSIVA DA AUDIÊNCIA DO CASO MARIANA FERRER https://revistas.uepg.br/index.php/uniletras/article/view/22348 <p>O crime de estupro, que tem as mulheres como principais vítimas, é um delito que afronta a dignidade sexual e moral do ser humano, e tem levado muitas pessoas, vítimas de abusadores, a procurar a justiça através do sistema penal.O presente artigo tem por objetivo analisar trechos da audiência do processo envolvendo Mariana Ferrer e André de Camargo Aranha, em 2019, a fim de compreender como foi sendo construída, ao longo dos anos, a representação da vítima desse delito, e de que forma isso pode influenciar as decisões judiciais atualmente. Para esta análise, utilizamos como referencial teórico-metodológico a Análise Crítica do Dicurso de Fairclough (2001) e os modos de operação da ideologia de Thompson (1995). A análise demonstrou que as desigualdades nos papeis impostos culturalmente a homens e mulheres influenciam no tratamento jurídico do tema, dificultando a aplicação da justiça nos casos de crimes de estupro.</p> Cibelia Renata Pires Carneiro Copyright (c) 2023 UniLetras 2024-04-10 2024-04-10 45 1 17 ESTUDO DE OCORRÊNCIAS DE FENÔMENOS LINGUÍSTICOS NO FALAR MANAUARA https://revistas.uepg.br/index.php/uniletras/article/view/22065 <p>Neste estudo apresentamos ocorrências de variações linguísticas na fala Manauara, em nível fonético-fonológico. Para tanto, realizamos uma pesquisa de campo e bibliográfica apoiada nas contribuições de autores como Bechara (2009), Bagno (1999; 2007; 2008), Calvet (2002), Labov (2000), Mollica (2003), entre outros. Como técnica de coleta de dados, aplicamos um questionário fonético-fonológico - QSL de acordo com (ALIB, 2001) a doze (12) informantes da cidade de Manaus/AM, sendo seis (06) do gênero masculino e seis (06) do gênero feminino, dividido em grupos com faixa etária entre 18 a 30 e de 45 a 80 anos. Quanto ao nível de escolaridade temos seis (06) alfabetizados até o 9º ano e seis (06) não alfabetizados. Os dados foram analisados e interpretados sob à luz da Sociolinguística Variacionista. Os resultados apontam para ocorrências de fenômenos linguísticos, isto é, um fonema em lugar de outro, troca da posição do fonema, eliminação de fonema e fonema a mais; assimilação; rotacismo; redução das vogais e, o, átonas pretônicas dentre outros.</p> Socorro Viana de Almeida Romário Neves Coelho Alécio Vaneli Gaigher Marely Copyright (c) 2023 UniLetras 2024-04-01 2024-04-01 45 1 16 “COM ELE ASSIM, HOJE EU SEI ME EXPRESSAR”: O DISCURSO-CABELO, A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE E O DISPOSITIVO DA TRANSIÇÃO CAPILAR https://revistas.uepg.br/index.php/uniletras/article/view/22465 <p>Neste artigo, pretende-se apresentar uma análise dos discursos da transição capilar, em sua polivalência tática (Foucault, 2017), considerando seus tensionamentos e positivações. O <em>corpus</em> é composto por excertos de duas entrevistas feitas com mulheres que passaram pela transição, para evidenciar as regularidades discursivas observadas: tal prática opera na construção da subjetividade e “dessubjetividade” das transicionadas, por meio de enunciados de empoderamento e que atendem, também, a um interesse mercadológico (ancorado no imaginário de beleza e de visibilidade). Ainda assim, há positividades nessas práticas ao considerar-se que esse retorno ao “natural” também opera na (re)significação da estética negra.</p> Dandara Silveira Monteiro Copyright (c) 2023 UniLetras 2024-04-15 2024-04-15 45 1 17 LINGUAGEM, IDENTIDADE E PERFORMATIVIDADES https://revistas.uepg.br/index.php/uniletras/article/view/21872 <p>Neste artigo, refletimos sobre a linguagem e as performatividades e suas interseções na formação da identidade, considerando as performatividades como atos de fala (Butler, 2017; 2021; Austin, 1990). É a compreensão da linguagem enquanto ação que constantemente recria os significados, inclusive identitários, assim, corroboramos com teóricas e teóricos da linguagem, da teoria<em> queer</em>, e das reflexões sobre as dissidências de gênero e sexuais para questionar as normas da ciência linguística, da identidade e da linguagem hegemônicas. Entendemos que as performatividades de identidades de gênero e sexuais se expressam linguisticamente e é por meio da ação linguística que criamos significados e produzimos – enquanto também somos produzidas e produzidos – nosso corpo e a própria linguagem.</p> Clara do Prado Patrício Igor Antônio Barreto Lucimar Araujo Braga Copyright (c) 2023 UniLetras 2024-03-21 2024-03-21 45 1 18 A ARTICULAÇÃO DA ANÁLISE DO DISCURSO E DA TEORIA DO DISCURSO PARA ANÁLISE DO CAMPO DA SAÚDE https://revistas.uepg.br/index.php/uniletras/article/view/22038 <p>O objetivo do presente artigo é apresentar as articulações transdisciplinares entre as Ciências Sociais e a Saúde Coletiva, evidenciando como os referenciais da Teoria do Discurso em paralelo com a Análise do Discurso, foram e podem ser empregados metodologicamente em pesquisas sociológicas junto ao campo da saúde. Percebendo no campo disciplinar da Saúde Coletiva, tentativas precárias do estabelecimento de contra hegemonias ao consenso flexneriano, evidenciamos nitidamente as possibilidades de diálogo transdisciplinar que tal percepção evidencia ao trazer noções das Ciências Sociais, da Ciência / Filosofia Política, da Psicanálise, da Psicologia ou de outros campos disciplinares que compartilham significantes passíveis de análise através dos elementos teóricos de Ernesto Laclau.</p> Jean Jeison Führ Copyright (c) 2023 UniLetras 2024-04-15 2024-04-15 45 1 18 A CONSTRUÇÃO BEM QUE S COMO UMA CONSTRUÇÃO DE INTERSUBJETIVIDADE: UNIDADE VERSUS DIVERSIDADE PRAGMÁTICA https://revistas.uepg.br/index.php/uniletras/article/view/21813 <p>Construções de intersubjetividade são utilizadas pelos falantes para estabelecer coordenação cognitiva com outros sujeitos (Verhagen, 2005), por exemplo marcando cálculos do falante acerca de estados mentais do interlocutor e servindo a funções comunicativas. Seguindo o referencial teórico da Gramática de Construções Baseada no Uso (Goldberg, 2006), identificamos que a Construção Bem Que S, exemplificada por frases do tipo “Bem que me avisaram que ia chover” e “Eu bem que poderia ir à praia”, pode ser considerada intersubjetiva. Nosso objetivo final é, reconhecendo primeiramente uma certa unidade discursiva nos seus usos, demonstrar, por meio de uma análise qualitativo-interpretativa, que há também uma grande diversidade conversacional nas suas instanciações, propondo uma sistematização das funções comunicativas associadas a essa construção.</p> Clara Sousa Diogo Pinheiro Copyright (c) 2023 UniLetras 2024-03-04 2024-03-04 45 1 21 O RELATÓRIO DE RESULTADOS DA AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO (ANA) DE JALES – LEITURA E ESCRITA – SOB A ÓTICA DA ANÁLISE DO DISCURSO https://revistas.uepg.br/index.php/uniletras/article/view/17871 <p>O presente artigo tem como objetivo analisar o documento que trata dos resultados obtidos na Avaliação Nacional da Alfabetização (ANA), realizada em 2016 pelos alunos do 3º ano do Ensino Fundamental do município de Jales/SP, sob a ótica da Análise do Discurso da linha francesa (AD3). Para isso, realizamos uma pesquisa bibliográfica e documental, considerando o próprio documento (INEP, 2017) e as contribuições de autores como Cardoso (1999), Coracini (2001), Fernandes (2008), Foucault (1999), Orlandi (2005; 2008), Ramos (2002), Soares (2010), Solé (1998), entre outros. Os resultados reúnem elementos que permitem: ampliar o olhar sobre as avaliações em larga escala aplicadas na Educação Básica em especial, a ANA; discutir a concepção de leitura e de escrita contida nessa avaliação; bem como refletir sobre o discurso presente nos seus relatórios no tocante à melhoria da qualidade da educação.</p> Vânia Lizie da Silva Lima Milka Helena Carrilho Slavez Silvane Aparecida de Freitas Copyright (c) 2023 UniLetras 2023-11-28 2023-11-28 45 1 18 O ANTIGLOBALISMO NO DISCURSO BOLSONARISTA (2018-2019) https://revistas.uepg.br/index.php/uniletras/article/view/21767 <p>Durante a transição para o governo Bolsonaro foram numerosos os discursos contra uma suposta ordem globalizante vigente. Esta pesquisa se insere no campo de estudos do discurso e, a partir de Michel Foucault e de outros autores, busca analisar parte da formação e do funcionamento desses discursos antiglobalistas, proferidos pelo então Presidente da República e pelo Ministro das Relações Exteriores. Nosso corpus de análise é composto pelos discursos da vitória e da posse de Jair Bolsonaro, em outubro de 2018, e pelo discurso de posse do Ministro das Relações Exteriores, Ernesto H. F. Araújo, em janeiro de 2019. A problematização central deste estudo busca compreender como é formulada a crítica ao suposto globalismo, quando este é associado a princípios do progressismo político ou ao espectro da “esquerda” latinoamericana.</p> Ana Cristina Agnoletto Eric Duarte Ferreira Copyright (c) 2023 UniLetras 2023-10-05 2023-10-05 45 1 14 A ABORDAGEM DO POEMA NOS LIVROS DIDÁTICOS PORTUGUÊS: LINGUAGENS E TECENDO LINGUAGENS https://revistas.uepg.br/index.php/uniletras/article/view/18284 <p>Neste artigo, objetivou-se investigar a abordagem do poema em dois livros didáticos de Língua Portuguesa e o modo como contribui para a experiência literária do leitor. Partiu-se da seguinte problematização: de que modo a abordagem do poema em livros didáticos contribui para a experiência literária do leitor? Como aporte teórico do campo do ensino da literatura, adotaram-se os estudos de Soares (2011); do letramento literário, as postulações de Cosson (2014); e com relação ao estudo do livro didático, as pesquisas de Rangel (2003) e de Alves (2020). Como resultados deste trabalho, identificou-se a presença relativamente significativa de poemas, mas com a ausência de uma orientação específica para o que é próprio da produção literária, sobretudo do poema, evidenciando uma abordagem descaracterizada dos textos literários, visto que a ênfase maior é dada à exploração de aspectos gramaticais.</p> Shirlei Marly Alves Rômulo Mariano Lustosa Copyright (c) 2023 UniLetras 2023-11-21 2023-11-21 45 1 18 ADIANDO O FIM DO MUNDO: REFLEXÃO E ARGUMENTAÇÃO EM UMA SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE AS IDEIAS DE AILTON KRENAK https://revistas.uepg.br/index.php/uniletras/article/view/22403 <p>Este relato de experiência tem como objetivo apresentar a prática de um estágio em Língua Portuguesa que adotou a metodologia de estética da recepção de literatura em sala de aula, utilizando como texto-base o ensaio <em>Ideias para adiar o fim do mundo </em>(2019), do escritor brasileiro Ailton Krenak. A partir de uma abordagem embasada nas competências e habilidades dispostas na Base Nacional Comum Curricular e na metodologia de estética da recepção cunhada por Jauss (1979), o estágio visou promover uma leitura crítica da obra literária, incentivando a participação dos alunos na construção de significados e interpretações. As etapas aplicadas buscaram explorar a relevância da literatura na formação de leitores sensíveis e engajados, enquanto abordavam questões socioambientais presentes no texto. Por meio da análise das práticas pedagógicas, pretende-se contribuir para a compreensão da importância da metodologia recepcional de literatura no contexto do ensino médio.</p> Scheyla Joanne Horst Copyright (c) 2023 UniLetras 2024-02-08 2024-02-08 45 1 13 LEITURA LITERÁRIA NA ESCOLA: FORMAÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DO SER https://revistas.uepg.br/index.php/uniletras/article/view/17936 <p>Sente-se cada vez mais a necessidade de discutir se sobre questões relacionadas à atual configuração de ensino de literatura nas escolas, e afirmar a função formadora e transformadora que a leitura literária garante ao leitor. Nesse cenário, a escola assume lugar privilegiado ao estimular o gosto e a prática de leitura, bem como de incentivar os alunos a pensarem sobre si e seu lugar no mundo. Assim, este estudo justifica-se pela relevância de sua temática para a educação escolar e formação social do indivíduo, cujo objetivo geral é discutir a importância de um ensino de literatura mais humanizador, que contribua para a formação e transformação do aluno. Para tanto, as discussões teóricas, feitas na primeira parte do trabalho, são apoiadas em estudos de Candido (2002) e Todorov (2009), e na segunda parte que trata sobre as questões de ensino, foram utilizados como aporte teórico Cereja (2013), Colomer (2007) entre outros nomes.</p> Michely Tais Brito Sousa Sérgio Wellington Freire Chaves Francisco Pereira Smith Júnior Paulo Santiago de Sousa Copyright (c) 2023 UniLetras 2024-02-15 2024-02-15 45 1 12 LEITURA E ESCRITA NA INTERFACE COM O ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA: ANÁLISE EM PRODUÇÕES STRICTO SENSU https://revistas.uepg.br/index.php/uniletras/article/view/21801 <p>A pesquisa objetivou analisar produções de programas stricto sensu sobre leitura e escrita na Base de Dados de Teses e Dissertações no período de 2010 a 2020. A pesquisa se caracteriza de abordagem qualitativa, e foi em busca de resposta para o problema: O que as pesquisas nos programas de mestrado e doutorado evidenciam sobre leitura e escrita? A busca se deu por meio dos descritores: prática de leitura; escrita acadêmica; profissional de Letras. O estudo se fundamenta na revisão de literatura base estruturante para a produção do estado do conhecimento. A análise revelou a recorrência sobre a estrutura da vida escolar pela falta do hábito ou de habilidades com a leitura; necessidade de investir na formação de leitores e na preparação adequada para ingresso no Ensino superior; conflito com a diversidade de textos e dificuldades na escrita; desfavorecimento dos alunos em detrimento ao contexto regional. Diante do evidenciado, espera-se que novos estudos sobre a temática sejam realizados com outros vieses e objetivos.</p> Ozinete Carvalho Veiga Lima Vera Lúcia Reis da Silva Copyright (c) 2023 UniLetras 2023-12-06 2023-12-06 45 1 19 DIVERSIDADE E POLÍTICAS LINGUÍSTICAS EM FOZ DO IGUAÇU: UM OLHAR HISTÓRICO https://revistas.uepg.br/index.php/uniletras/article/view/22127 <p>Esta pesquisa, inserida nos estudos da Linguística Aplicada, na sua vertente indisciplinar, em diálogo com o campo das políticas linguísticas e de caráter qualitativa, tem como objetivo realizar um levantamento e discussão do percurso histórico das políticas linguísticas de Foz do Iguaçu. Localizada ao oeste do estado do Paraná, na Tríplice Fronteira (Brasil-Argentina-Paraguai) e conhecida como um dos maiores centros turísticos do país, a cidade sempre teve um grande fluxo de migrantes nacionais e internacionais, que influenciam na sua paisagem e ações linguísticas. Contudo, apesar deste contexto, atualmente não há um mapeamento completo da diversidade linguística presente ou mesmo uma política linguística oficial definida, o que privilegia o português e invisibiliza outras línguas/culturas, deixando claro a inexistência dessa “harmonização” entre etnias que destacam os meios de comunicação.</p> Angie Melissa Gamboa Yaruro Franciele Maria Martiny Copyright (c) 2023 UniLetras 2024-03-11 2024-03-11 45 1 24 PERCURSO DA LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS (LIBRAS) COMO DISCIPLINA CURRICULAR OBRIGATÓRIA NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO https://revistas.uepg.br/index.php/uniletras/article/view/17811 <p>O presente estudo tem como objetivo compreender os caminhos percorridos pela disciplina de Língua Brasileira de Sinais (Libras) enquanto obrigatória no currículo dos cursos de licenciaturas até sua implantação na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)/Sinop. O estudo permitiu que fossem identificados atores envolvidos na articulação das questões relacionadas ao processo de implantação. Fez-se o levantamento bibliográfico de legislações pertinentes ao tema e entrevistas semiestruturadas com servidores professores que estavam diretamente ligados ao referido processo de implantação. Como aporte teórico foi utilizado, notadamente Foucault (2014), Orlandi (2005) e Lodi (2013), entre outros. Conclui-se que a implantação da Libras aconteceu, de certa forma, por meio de embates institucionais, e entre atores sociopolíticos e as relações de força.</p> Sérgio Pereira Maiolini Iara Lopes Maiolini Copyright (c) 2023 UniLetras 2023-06-02 2023-06-02 45 1 26 CLARICE LISPECTOR: DE MULHER PARA MULHERES https://revistas.uepg.br/index.php/uniletras/article/view/19474 <p>Este artigo realiza um estudo de reconhecimento e exploração sobre a escrita de autoria feminina no Brasil e no mundo, destacando elementos relacionados à mulher na literatura ao longo dos tempos para, desse modo, adentrar no universo literário de Clarice Lispector. Em vista disso, o objetivo desse artigo é levantar considerações a respeito da literatura produzida por mulheres e, em particular, por Clarice Lispector, com vistas a identificar, na produção literária dessa autora, elementos que marcam as peculiaridades do seu estilo poético e evidenciar a evolução das mulheres escritoras ao longo dos anos. Nesse intento, nós buscamos nos referenciar nos estudos de Nolasco (2001), Pajolla (2010), Freitas (2021), entre outros.</p> Stephanie Miranda dos Santos Angela Cristina Dias do Rego Catonio Copyright (c) 2023 UniLetras 2023-05-31 2023-05-31 45 1 19 A RELAÇÃO DE CONTRA-ARGUMENTO EM UMA ABORDAGEM INTERACIONISTA PARA O ESTUDO DAS RELAÇÕES DE DISCURSO https://revistas.uepg.br/index.php/uniletras/article/view/22437 <p>O objetivo deste artigo é estudar o papel da relação de contra-argumento na negociação de faces e territórios em contexto de entrevista jornalística. Para alcançar esse objetivo, adotamos como referencial teórico-metodológico uma abordagem interacionista para o estudo das relações de discurso (ou textuais) que, com base nos estudos realizados pela Escola de Genebra (ou abordagem genebrina da Análise do Discurso), vem sendo desenvolvida no Grupo de Estudos sobre Pragmática, Texto e Discurso (GEPTED), da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Com a análise desenvolvida, verificamos que a relação contra-argumentativa ajuda o locutor a bloquear ou, pelo menos, a tentar bloquear objeções do interlocutor, protegendo, assim, a face e o território tanto do próprio locutor quanto do interlocutor. Verificamos também que a relação de contra-argumento pode auxiliar o locutor a objetar a intervenção do interlocutor, atacando a face dele e invadindo seu território.</p> Daniel Martins de Brito Paloma Bernardino Braga Copyright (c) 2023 UniLetras 2024-04-18 2024-04-18 45 1 26 MENOS É MAIS: UM DISCURSO SOBRE A CRISE HÍDRICA https://revistas.uepg.br/index.php/uniletras/article/view/18280 <p>O Brasil tem enfrentado diversas crises, uma delas é a falta de recursos hídricos em algumas regiões do país. Em 2015, a campanha publicitária da rede Globo, intitulada “Especial sobre a crise da água”, traz depoimentos de apresentadores e atores da emissora sobre o tema. Com o intuito de desenvolver uma análise da repetibilidade da expressão “Menos é Mais” nos depoimentos da campanha, buscamos o aporte teórico da Análise de Discurso de filiação pecheuxtiana. Nosso objetivo é compreender os possíveis efeitos de sentido produzidos nos discursos dos apresentadores e atores, ao tratar da crise da água no país, por meio do uso de palavras conectadas à expressão “Menos é Mais”. A observação da materialidade discursiva possibilitou a configuração de uma formação discursiva representativa da preocupação com o meio ambiente, permitindo a correlação de dizeres e a apreensão de efeitos de sentidos.</p> Ane Cristina Thurow Jeferson da Silva Schneider Copyright (c) 2023 UniLetras 2023-05-31 2023-05-31 45 1 13