DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DOS PROGRAMAS DE AUTOCONTROLES EM ENTREPOSTO DE MEL E DERIVADOS

  • Larissa de Espíndola
  • Rislaine Corrêa Da Silva
  • Aline Resmini Melo
  • Jeorge Luis dos Santos Amaral
  • Carolina Resmini Melo Marques Faculdade Satc

Resumo

O setor produtivo alimentício é regido por legislações que impõem as indústrias normas higiênico-sanitárias afim de garantir ao consumidor final um alimento inócuo, livre de contaminações. Constantemente as normas são reavaliadas e alteradas com o principal objetivo de promover segurança alimentar. Os alimentos de origem animal são de responsabilidade de fiscalização e liberação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e seus critérios de inspeção incluem o desenvolvimento e implantação de um sistema de qualidade próprio, denominado Programas de Autocontrole. Assim como sugerido pelo Decreto nº 9.013, de 29 de março de 2017, que empresas produtoras ou beneficiadoras de produtos de origem animal de pequeno porte e que tenham comércio interestadual, certificados pelo selo ER (Estabelecimento Relacionado) passassem a ser certificadas pelo selo SIF (Serviço de Inspeção Federal), o entreposto de mel e derivados apícolas Rainha da Flor, teve como objetivo adequar-se a legislação. Para tanto a Empresa desenvolveu e implantou os Programas de Autocontroles, para mudança do selo ER para SIF. Com sucesso a Empresa Rainha da Flor alcançou a obtenção do selo SIF e a continuidade na expansão do comércio interestadual. Confirmou-se a importância de uma gestão da qualidade eficaz para que uma indústria do setor alimentício possa fornecer produtos seguros, seguindo as legislações brasileiras higiênico-sanitárias. A Empresa obteve reconhecimento da qualidade dos produtos que dispõe no mercado e liberação para expansão de comércio interestadual.

Publicado
2021-09-02
Seção
Artigos