BRINQUEDOTECA HOSPITALAR: DIREITO DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES HOSPITALIZADOS

  • Ercília Maria Angeli Teixeira de Paula Universidade Estadual de Ponta Grossa
  • Elenice Parise Foltran Universidade Estadual de Ponta Grossa
Palavras-chave: Brinquedoteca, Crianças e adolescentes, Hospital.

Resumo

Quando uma criança sofre uma internação hospitalar existe uma série de alterações que são realizadas na sua rotina. Para assisti-la, é necessária uma atuação para diminuir os efeitos da doença e tratamento. Este artigo apresenta um Projeto de Extensão realizado na brinquedoteca de um hospital em Ponta Grossa/PR. O objetivo é humanizar a saúde e promover o lúdico. A metodologia do trabalho compreende atividades lúdicas, artísticas e de literatura infantil que são realizadas quatro vezes por semana no hospital e reuniões de planejamento e avaliação. A clientela atendida corresponde a idades variando de 0 a 14 anos de diferentes cidades do Paraná. Os resultados são expressos na modificação dos comportamentos, na preservação do acervo de brinquedos para que os mesmos sejam socializados para outros pacientes. Estes fatos demonstram que a brinquedoteca hospitalar tem sido um espaço de valorização da saúde, do brincar, da socialização e também da cidadania.

Biografia do Autor

Ercília Maria Angeli Teixeira de Paula, Universidade Estadual de Ponta Grossa

Profa. Doutora do Departamento de Educação - UEPG.

Elenice Parise Foltran, Universidade Estadual de Ponta Grossa
Profa. Mestre do Departamento de Educação - UEPG.