AFASIA PRAGMÁTICA: CÉREBRO, LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO

Autores

  • Letícia dos Santos Caminha Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG)
  • Aristeu Mazuroski Junior UFPR

Resumo

Este artigo descreve o comportamento linguístico de indivíduos diagnosticados com a Síndrome do Lobo Frontal leve ou Afasia Pragmática, condição neurológica decorrente de lesões cerebrais que afetam os processos de significação devido a alterações que ocorrem em algum dos níveis linguísticos. Recorrendo à concepção pragmática da linguagem, são analisados os traços linguísticos que caracterizam a patologia de sujeitos cérebro-lesados que desenvolveram alterações e dificuldades comunicativas contextuais. O referencial teórico para a análise é composto pelo modelo funcional do cérebro, que permite a classificação das afasias sob um ponto de vista linguístico e, para tratar dos aspectos pragmáticos e cognitivos da Síndrome do Lobo Frontal, são utilizadas as relações entre comunicação e contexto discutidas na Teoria da Relevância (SPERBER; WILSON, 2001).

Biografia do Autor

Letícia dos Santos Caminha, Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG)

Graduada em Letras/Espanhol pela UEPG e Mestranda no Programa de Pós-graduação em Estudos da linguagem (PPGEL), na Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), na cidade de Ponta Grossa, no estado do Paraná, Brasil.

Aristeu Mazuroski Junior, UFPR

Psicólogo e doutor em Linguística

Downloads

Publicado

2022-03-11

Como Citar

CAMINHA, L. dos S.; MAZUROSKI JUNIOR, A. AFASIA PRAGMÁTICA: CÉREBRO, LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO. Muitas Vozes, [S. l.], v. 10, p. 1–17, 2022. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/muitasvozes/article/view/20062. Acesso em: 5 jul. 2022.

Edição

Seção

A linguagem em perspectivas pragmáticas