SOBRE A PERCEPÇÃO TARDIA DA IRONIA NA “SEGUNDA FASE” DA FICÇÃO DE MACHADO DE ASSIS: DESCRIÇÃO E INTERPRETAÇÃO DO PROBLEMA À LUZ DA TEORIA DA RELEVÂNCIA

Autores

  • Pedro Ramos Dolabela Chagas UFPR
  • Anny Moreira UFPR

Resumo

O artigo discute a ironia na obra de Machado de Assis, tomando como objeto Dom Casmurro e sua fortuna crítica. É sabido que a crítica literária não destacou a ironia machadiana, presente particularmente nos romances da segunda fase da sua produção, até a segunda metade do século XX. Veremos que isso mudaria em conjunto com mudanças nas condições do elogio crítico, com a emergência de uma atenção renovada à estética textual e à crítica social machadiana. Tomando como referência certas passagens de Dom Casmurro, o artigo se apoia na teoria da relevância de Sperber e Wilson para argumentar que 1) o privilégio de uma atitude irônica, em detrimento do oferecimento de enunciações ostensivamente irônicas, e 2) o tratamento de noções não necessariamente presentes no saber doxástico compartilhado com o público, explicam a baixa percepção inicial da ironia como modo organizador da ficção machadiana. Isso fundamenta a hipótese de que apenas mudanças no contexto de recepção, com a emergência de novas condições de elogio crítico, mudariam aquela recepção inicial, reconfigurando a interpretação da sua produção ficcional.

Biografia do Autor

Pedro Ramos Dolabela Chagas, UFPR

Doutor em Literatura Comparada (UERJ)

Anny Moreira, UFPR

Doutoranda em Letras (UFPR)

Downloads

Publicado

2022-03-14

Como Citar

CHAGAS, P. R. D.; MOREIRA, A. SOBRE A PERCEPÇÃO TARDIA DA IRONIA NA “SEGUNDA FASE” DA FICÇÃO DE MACHADO DE ASSIS: DESCRIÇÃO E INTERPRETAÇÃO DO PROBLEMA À LUZ DA TEORIA DA RELEVÂNCIA. Muitas Vozes, [S. l.], v. 10, p. 1–22, 2022. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/muitasvozes/article/view/20104. Acesso em: 5 jul. 2022.

Edição

Seção

A linguagem em perspectivas pragmáticas