Beltrão, Lambadão, interatividade e decolonialidade: Diálogos possíveis

Aline Wendpap Nunes de Siqueira

Resumo


O presente artigo surgiu de inquietações suscitadas no Programa de Pós-Graduação em Estudos de Cultura Contemporânea da UFMT, que tem, dentre os seus eixos norteadores, as teorias decoloniais e folkcomunicacionais. O objeto de análise é o vídeo Concurso de Lambadão (2015), produzido pelo sujeito-autor K-Bça Pensante, a partir da releitura da sequência de dança de Pulp Fiction: tempo de violência (TARANTINO, 1994). A interatividade presente no filme é o ingrediente utilizado por K-Bça para a composição do novo texto audiovisual. Ao narrar todas as atividades que compõe a night da baixada cuiabana, o sujeito-autor interage com a cena original de Pulp Fiction, na qual também ocorre um concurso de dança, contribuindo para o fortalecimento da cultura cuiabana que, numa caracterização beltraniana, é reafirmada ao combater a implantação de uma identidade planetária, num movimento decolonial.

Interatividade; Lambadão; Folkcomunicação; Decolonialidade; Cultura.


The present article arose from restlessnesses raised in the Graduate Program in Contemporary Culture Studies of the Federal University of Mato Grosso, which has the decoloniais and folkcomunicacional theories among some of its guiding axes. The object of analysis is the video "Concurso de Lambadão", produced by the subject-author K-Bça Pensante, from his rereading of the dance sequence of Pulp Fiction (TARANTINO, 1994). The interactivity presents in the movie is the ingredient used by K-Bça to composit the new audiovisual text. In narrating all the activities that compose the night of cuiabana's lowland, the subject-author interacts with the original Pulp Fiction scene, which there is also a dance competition, contributing to the strengthening of the cuiabana culture, that, in a Beltranian characterization, is reaffirmed in combating the implantation of a planetary identity, in a decolonial movement.

Interactivity; Lambadão; Folkcommunication; Decoloniality; Culture.

Texto completo:

PDF