Diga-me seu nome e te direi de onde és:

estudo dos prenomes como um patrimônio étnico e religioso em uma comunidade imigrante

Autores

  • José Victor Maritan Gonçalves Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Resumo

A micro-história foi um caminho adotado como proposta teórica e metodológica para a constituição de uma história social. O espaço e a escala reduzidos permitem conhecer formas de integração interpessoais cartografadas a partir do cruzamento nominativo da documentação. Nesse sentido, Ginzburg propôs o método onomástico, que utiliza o nome como fio condutor da investigação. Partindo-se da análise quantitativa dos assentos paroquiais de casamento da Paróquia Nossa Senhora da Conceição de Franca entre os anos de 1885 e 1945, aplicar-se-á o estudo dos fluxos imigratórios italianos para a análise do estoque de prenomes como patrimônio imaterial e elemento de identidade étnica. O caso pesquisado revela o grupo social a que pertencem os portadores de determinados prenomes, como uma referência de etnicidade demarcado pela família e a religiosidade.

Referências

AMORIM, Maria Norberta. Identificação de pessoas em duas paróquias do Norte de Portugal (1580-1820). Boletim de Trabalhos Históricos, v. XXXIV, p. 213–279, 1983.

BASSANEZI, Maria Silvia Casagrande Beozzo. Colonos do café. São Paulo: Contexto, 2019.

CAMILO, Nathan. “É preferível bom nome a muitas riquezas”: dinâmica das práticas de nominação no extremo sul do Brasil entre o final do século XVIII e o início do século XIX. Universidade do Vale do Rio dos Sinos, 2016.

CERTEAU, Michel de. A escrita da História. Rio de Janeiro: Forense, 2015.

DUPÂQUIER, Jacques. Introduction. In: Lê prenom, mode et Histoire. Paris: Édition de L’École des Hautes Etudes em Sciences Sociales, 1980.

FRANZINA, Emilio. A grande imigração: o êxodo dos italianos do Vêneto para o Brasil. Campinas: Editora da Unicamp, 2006.

GINZBURG, Carlo. O fio e os rastros: verdadeiro, falso, fictício. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

GUÉRIOS, Rosário Farâni Mansur. Dicionário etimológico de nomes e sobrenomes. São Paulo: Ave Maria, 1973.

HAMEISTER, Martha Daisson. Para dar calor à nova povoação: estudo sobre estratégias sociais e familiares a partir dos registros batismais da vila do Rio Grande (1738-1763). Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2006.

LEVI, Giovanni. A herança imaterial: trajetória de um exorcista no Piemonte do século XVII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

MARCÍLIO, Maria Luiza. Os registros paroquiais e a História do Brasil. Varia História, n. 31, p. 13–20, 2004.

MERCER, José Luiz da Veiga; NADALIN, Sergio Odilon. Um patrimônio étnico: os prenomes de batismo. Topoi (Rio de Janeiro), v. 9, n. 17, p. 12–21, 2008.

NADALIN, Sérgio Odilon. João, Hans, Johann, Johannes: dialética dos nomes de batismo numa comunidade imigrante. História Unisinos. São Leopoldo: Unisinos, v. 11, n. 1, p. 14–27, 2007.

PINSKY, Carla Bassanezi; LUCA, Tania Regina de. O historiador e suas fontes. São Paulo: Contexto, 2009.

PRECIOSO, Daniel. Edoardo Grendi E Giovanni Levi: Da Antropologia À Microanálise Histórica (1977-1985). [s.l.: s.n.], 2019.

SCARPIM, Fábio Augusto. Família, religiosidade e identidade étnica nas práticas de transmissão de nomes de batismo em um grupo de imigrantes italianos. Revista Brasileira de Estudos de População2, v. 31, n. 1, p. 135–150, 2014.

SCHNAPPER, Dominique. Essai de lecture sociologique. In: Lê prenom, mode et Histoire. Paris: Édition de L’École des Hautes Etudes em Sciences Sociales, 1980.

SCOTT, Ana Silvia Volpi; SCOTT, Dario. Análise quantitativa de fontes paroquiais e indicadores sociais através de dados coletados para sociedades de Antigo Regime. Mediações, v. 18, n. 1, p. 106–124, 2013.

WEIMER, Rodrigues de Azevedo. A gente da Felisberta: consciência histórica, história e memória de uma família negra no litoral rio-grandense no pós-emancipação (c. 1847 - tempo presente). Universidade Federal Fluminense, 2013.

Downloads

Publicado

2022-06-24

Como Citar

MARITAN GONÇALVES, J. V. Diga-me seu nome e te direi de onde és:: estudo dos prenomes como um patrimônio étnico e religioso em uma comunidade imigrante. Revista de História Regional, [S. l.], v. 27, n. 1, 2022. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/rhr/article/view/17670. Acesso em: 12 ago. 2022.