O trem das bandeiras vermelhas: sedição tenentista no sul do Paraná, 1926

Autores

  • Bruno Cesar Pereira Universidade Federal de São Carlos - UFSCar https://orcid.org/0000-0002-7975-6024
  • Valter Martins Universidade Estadual do Centro-Oeste do Paraná - UNICENTRO

Resumo

Neste artigo analisamos um processo criminal da Comarca de Iraty, Paraná, e notícias publicadas em jornais de diferentes estados relacionadas aos fatos que motivaram o processo. Tais fontes documentais revelaram indícios de uma Sedição Tenentista no sul do Paraná em maio de 1926, na região dos municípios de Iraty, Rebouças, Rio Azul e Mallet, todos interligados pela ferrovia São Paulo-Rio Grande. Além de conhecer aspectos dos personagens envolvidos, narrativas e estratégias utilizadas pelos revoltosos, situamos tal movimento sedicioso num quadro mais amplo da turbulenta política nacional na década de 1920.

Biografia do Autor

Bruno Cesar Pereira, Universidade Federal de São Carlos - UFSCar

Doutorando em Sociologia pela Univeridade Federal de São Carlos (UFSCar). Mestre (2021) e Graduado (2018) em História pela Universidade Estadual do Centro-Oeste do Paraná (UNICENTRO, Campus Irati).

Valter Martins , Universidade Estadual do Centro-Oeste do Paraná - UNICENTRO

Graduado em História pela Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP (1988), mestre em História do Brasil pela Universidade Federal do Paraná, UFPR (1995), doutor em História Social pela Universidade de São Paulo, USP (2001), pós-doutorado UNICAMP (2013). Professor associado no Departamento de História da Universidade Estadual do Centro-Oeste, UNICENTRO, campus de Irati/PR.

Referências

ABREU, Alzira Alves (Org.) Dicionário histórico-biográfico da Primeira República. Rio de Janeiro: FGV-CPDOC [online], 2010.
BATISTELLA, Alessandro. O movimento operário e sindical em Passo Fundo (1900-1964): história e política. História: Debates e Tendências, v. 7, n. 1, 2008, p. 22-46.
BELLO, José Maria. História da República (1889-1954). São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1964.
BRASIL. Código Penal dos Estado Unidos do Brazil, Decreto nº 847, de 11 de outubro de 1890. Brasília: Presidência da República - Casa Civil (Subchefia para Assuntos Jurídicos), 2021.
CANO, Wilson. Da Década de 1920 à de 1930: transição rumo à crise e à industrialização no Brasil. Economia, v.13, n. 3b, 2012, p. 897–916.
CARONE, Edgard. Revoluções no Brasil contemporâneo, 1922-1939. São Paulo: Difel, 1977.
CARONE, Edgard. Corpo e alma do Brasil: o Tenentismo. São Paulo: Difel, 1975.
FARIAS, William Gaia. Militares e civis forjando o “Tenentismo” no Pará. In: XXVI Simpósio Nacional de História – APNPUH. Belém: Anais dos XXVI SNH-ANPUH, 2011.
CEDOC/I, Centro de Documentação e Memória. Universidade Estadual do Centro-Oeste do Paraná (UNICENTRO), Campus Irati, Acervo Criminal da Comarca de Iraty: Processo-Crime 290-caixa 69, 1926-1939. Irati: CEDOC-I, Consulta digital – Arquivo Digitalizado, 2021.
FAUSTO, Boris. A crise dos anos vinte e a revolução de 1930. In: FAUSTO, Boris (Org.). O Brasil Republicano: sociedade e instituições (1889-1930), vol. 2. São Paulo: Difel, 1978, p. 401-426.
FAUSTO, Boris. A revolução de 1930: historiografia e história. São Paulo: Brasiliense, 1999.
FERREIRA, Marieta de Morais. A Reação Republicana e a crise política dos anos 20. Revista Estudos Históricos, v. 6, n° 1, 1993.
MACHADO, Paulo Pinheiro. Lideranças do Contestado: a formação e a atuação das chefias caboclas (1912-1916). Campinas: Editora da UNICAMP, 2004.
MENDES, Felipe Ucijara Guimarães. Mashorqueiros ou Procellários? A experiência tenentista no Maranhão: política, cultura, imaginário, personagens... Dissertação (Mestrado em História), São Luís: Universidade Federal do Maranhão - UFMA, 2015, p. 30.
PEREIRA, Sueli Menezes. As reformas educacionais na década de 1920 no Brasil e as políticas de formação de professores primários. Cadernos de História da Educação, v. 19, n° 1, 2020, p. 271-292.
PINTO, Surama Conde Sá. A crise dos anos 1920 e a Revolução de 1930. In: FERREIRA, Jorge; DELGADO, Lucilia de Almeida N. O Brasil Republicano: o tempo do liberalismo excludente – da Proclamação da República à Revolução de 30. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010, p. 387-415.
QUEIROZ, Maurício Vinhas de. Messianismo e conflito social: a Guerra Sertaneja do Contestado – 1912-1916. 3ª ed. São Paulo: Editora Ática, 1981.
ROSA, Virgílio Santa. O sentido do Tenentismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1976.
SIMIONI, Ana Paula Cavalcanti. Modernismo brasileiro: entre a consagração e a contestação. Perspective: Actualité en histoire de l’art, n°. 2, 2013.
SODRÉ, Nelson Werneck. História Militar do Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1965.
SOUZA, Rafael Policeno de. A Coluna Prestes: uma abordagem necessária. Revista Historiador, n° 3, 2010, p. 82-91.
VARES, Sidnei Ferreira de. A dominação na República Velha: uma análise sobre os fundamentos políticos do sistema oligárquico e os impactos da Revolução de 1930. História: Debates e Tendências, v. 11, n. 1, 2011, p. 121-139.
VITOR, Amilcar Guidolin. A gênese do Tenentismo no Brasil e as revoltas tenentistas na Primeira República. Vozes, Pretérito & Devir, v. 10, n. 1, 2019, p. 59-78.

Downloads

Publicado

2022-11-07

Como Citar

PEREIRA, B. C.; MARTINS , V. O trem das bandeiras vermelhas: sedição tenentista no sul do Paraná, 1926. Revista de História Regional, [S. l.], v. 27, n. 02, 2022. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/rhr/article/view/20121. Acesso em: 7 dez. 2022.