Urbanizações e circunscrições espaciais em Sergipe (Brasil, 1802-1855)

Autores

Resumo

Este artigo tem como escopo o processo de urbanização de Sergipe, Brasil, na primeira metade do século XIX. O objetivo é entender a constituição de redes urbanas e as diferentes acepções atreladas ao espaço urbano, nos âmbitos jurídico, administrativo e eclesiástico. A análise foi pautada na documentação coetânea, como cronistas, cartas topográficas e mapas. Com esses dados, foi possível entender as relações intra e interprovinciais tecidas até meados do século XIX.

Biografia do Autor

Magno Francisco de Jesus Santos, UFS

Doutor em História pela Universidade Federal Fluminense. Professor do Departamento de História da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Referências

BACELLAR, José Teixeira da Matta. Relação abreviada da Cidade de Sergipe d’ElRey, povoaçoens, villas, freguesias e suas denominaçõens pertencentes à mesma Cidade e Sua Comarca. Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, 1817 (Lata 44, doc. 15)

BASTOS, Aureliano Cândido Tavares. A província: estudo sobre a descentralização no Brasil. Rio de Janeiro: Garnier, 1870.

BLUTEAU, Rafael. Diccionario da lingua portugueza composto pelo padre D. Rafael Bluteau, reformado, e accrescentado por Antonio de Moraes Silva natural do Rio de Janeiro. Vol. 1. Lisboa: Officina de Simão Thadeo Ferreira, 1789.

BRASIL. Constituição política do Império do Brasil. Rio de Janeiro: Typographia Nacional, 1824.

CASAL, Ayres do. Corografia Brasílica ou relação histórico-geográfica do Reino do Brazil composta e dedicada a sua Magestade fidelíssima por hum presbítero secular do gram priorado do Crato. Rio de Janeiro: Impressão Régia, 1817.

CONSTÂNCIO, Francisco Solano. História do Brasil desde o seu descobrimento por Pedro Álvares Cabral até a abdicação do Imperador D. Pedro I. Tomo I. Paris: Livraria Portuguesa, 1839.

DANTAS, Beatriz Góis. Missão indígena no Geru. São Cristóvão: PDPH, 1973.

DANTAS, Beatriz Góis. Índios e brancos em conflitos pela posse da terra (Aldeia de Água Azeda – século XIX). Separata dos Anais do VIII Simpósio Nacional dos Professores Universitários de História (Aracaju, setembro de 1975). São Paulo: ANPUH, 1975.

DANTAS, Ibarê. Leandro Ribeiro de Siqueira Maciel: o patriarca do Serra Negra e a política oitocentista em Sergipe. Aracaju: Criação, 2009.

DESCRIÇÃO. Descrição geográfica da capitania de Sergipe d’El Rei. Biblioteca Nacional, 1802 (Manuscritos II-33, 16, 009).

DORMUNDO, Ignácio Antônio. Notícia Topográfica da província de Sergipe, de ordem do conselho do governo e resolução tomada em sessão de 4 de dezembro de 1826. Biblioteca Nacional, 1826 (Manuscritos 19, 4, 13).

FERNANDES, José Antônio. Informação sobre a capitania de Sergipe em 1820. In: Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Tomo 55, 1892, p. 261 [1820].

FREIRE, Felisbelo. História de Sergipe. 2ª. Ed. Petrópolis-RJ: Vozes, 1977 [1891]

FREITAS, Itamar. Historiografia sergipana. São Cristóvão: EDUFS, 2007.

FRIDMAN, Fania. Freguesias fluminenses ao final do Setecentos. Revista IEB. N. 48, 2009, p. 91-143.

FONTES, José Silvério Leite. Cidades e vilas de Sergipe no século XIX: depoimentos. In: PAULA, Eurípedes Simões de (Org). A cidade e a história. vol. 1. São Paulo: ANPUH, 1974.

GALVÃO, Miguel Arcanjo. Relação das freguesias e vilas de Sergipe com dados sobre as mesmas. Biblioteca Nacional, 1847 (Manuscritos I-34, 10, 046).

MENEZES, João de. Relação dos Mosteiros, Hospícios e Rezidências da Província de Nossa Senhora do Carmo da Bahia e Pernambuco, do número dos seus Religiosos e das rendas de cada um deles, segundo a conta, que deram os seus respectivos Priores e Vigários Priores. In: SILVA, Manoel Cícero Peregrino da. Annaes da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro. Vol. 32. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional, 1910, p. 77-80.

NOTAS. Notas corográficas sobre Sergipe. Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe, 1817 (Lata 21, documento 16).

NUNES, Maria Thetis. História de Sergipe a partir de 1820. Rio de Janeiro: Cátedra; Brasília: INL, 1978.

NUNES, Maria Thetis. Sergipe Provincial I (1820-1840). Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2000.

NUNES, Maria Thetis. Sergipe Provincial II (1840-1889). Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2006.

PAULA, Maria Helena de; ALMEIDA, Mayara Aparecida Ribeiro de. Entre arraiais, vilas, cidades, comarcas e província: terminologia das representações do espaço no sudeste goiano no século XIX. Revista Contexto Linguísticos. V. 10, n. 17, 2016, p. 153-167.

PEREIRA, José Saturnino da Costa. Diccionário Topographico do Império do Brasil. Rio de Janeiro: Guffier, 1834.

PINTO, Luiz Maria da Silva. Diccionário da língua brasileira. Ouro Preto: Typographia de Silva, 1832.

REBELLO, Domingos José Antônio. Corographia ou abreviada história geográfica do Império do Brazil. Bahia: Typographia Imperial, 1829

SAINT-ADOLPHE, J. C. R. de Milliet de. Dicionário geographico, histórico e descritivo do Império do Brazil. Tomo I. Paris: Aillaud, 1845.

SAINT-ADOLPHE, J. C. R. de Milliet de. Dicionário geographico, histórico e descritivo do Império do Brazil. Tomo II. Paris: Aillaud, 1845.

SANTOS, Ane Luíse Silva Mecenas. “Para assim melhor conservar a desunião”: o patrimônio religioso e a formação da vila de Divina Pastora. In: Saeculum. N. 35, 2016, p. 77-100.

SANTOS, Ane Luíse Silva Mecenas. “Por onde fores, difundes a minha devoção”: o patrimônio religioso de Divina Pastora (1872-1818). In: BARRETO, R. A. D. N.; SANTOS, C. M. (Orgs). Temas de História e educação católica em Segipe. Vol. 2. Aracaju: EDISE, 2020, p. 13-48.

SANTOS, Magno Francisco de Jesus Santos. A peregrinação à Divina Pastora. Aracaju: EDISE, 2015.

SANTOS, Magno Francisco de Jesus. “Carregando as pedras do pecado”: reforma católica devocional no Sergipe oitocentista. Saeclum. N. 33, 2015, p. 201-224.

SANTOS, Maria Nele dos. A Vila de Santo Antônio e Almas de Itabaiana no século XIX (1850-1888). Campinas: Unicamp, 1984.

SANTOS, Milton. A urbanização brasileira. São Paulo: Hucitec, 1993.

SILVA, Maria Beatriz Nizza da. Sergipe colonial, uma capitania esquecida. São Paulo: Singular, 2019.

SOUZA, Antônio Moniz de. Breve notícia sobre a revolução do Brasil, em 1821 nas províncias da Bahia, Sergipe e Alagoas, por serem estes lugares os que tenho viajado desde a época da Constituição; sobre o que descrevo o que tenho observado e ouvido dizer. In: Viagens e observações de Hum Brasileiro. Rio de Janeiro: Typographia Americana, 1834, p. 187-213.

SOUZA, Marco Antonio de. Memória sobre a capitania de Sergipe. Aracaju: SEC, 2005 [1808].

TEIXEIRA, Rubenilson Brazão. Da cidade de Deus à cidade dos homens: a secularização do uso, da forma e da função urbana. Natal: EDUFRN, 2009.

URUGUAI, Visconde do (Paulino José Soares de Souza). Estudos práticos sobre a administração das províncias no Brasil. Tomo II. Rio de Janeiro: Garnier, 1865.

VIDE, Sebastião Monteiro da. Regimento do Auditório eclesiástico do Arcebispado da Bahia, Metropoli do Brasil. São Paulo: Typographia 2 de dezembro, 1852.

VILHENA, Luís dos Santos. Recopilação das notícias soteropolitanas e brasílicas. Tomo I. Salvador, 1802.

VILHENA, Luís dos Santos. Recopilação das notícias soteropolitanas e brasílicas. Tomo II. Salvador, 1802.

VILLIERS DE L’ILE-ADAM, J. de. Cartas topográficas e administrativas das províncias do Brasil. Rio de Janeiro: Firmin-Didot, 1848.

Downloads

Publicado

2022-11-07

Como Citar

SANTOS, M. F. de J. Urbanizações e circunscrições espaciais em Sergipe (Brasil, 1802-1855). Revista de História Regional, [S. l.], v. 27, n. 02, 2022. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/rhr/article/view/20597. Acesso em: 8 dez. 2022.