CONFERÊNCIAS DE GRUPO FAMILIAR

PRÁTICAS RESTAURATIVAS COMO FERRAMENTAS DA PROTEÇÃO SOCIAL

Autores

  • Mariane Leticia Pedroso Olegario UEPG
  • Jussara Ayres Bourguignon UEPG

Resumo

Este artigo visa analisar como as Conferências de Grupo Familiar podem contribuir para proteção social dos sujeitos em situações de vulnerabilidade social. Para alcançar este objetivo, buscou-se desenvolver uma pesquisa bibliográfica e documental, de caráter exploratório, tendo como marco referencial os autores Howard Zerh (2008; 2015), Allan Macrae (2020), Gosta Esping-Andersen (1991), Célia Lessa Kertenetzky (2012) e Maria Carmelita Yazbek (2010). Inicialmente foram abordados os princípios e valores da Justiça Restaurativa, as peculiaridades das Conferências de Grupo Familiar e por fim foram tecidas reflexões sobre a relação entre estas e a proteção social. Destacou-se dentre os benefícios das Conferências de Grupo Familiar o fortalecimento dos vínculos comunitários e familiares, o empoderamento da família, mediante o resgate do poder de decidir e realizar as mudanças necessárias, e a maximização da provisão de recursos, bens e serviços sociais, por meio da articulação do sistema de justiça com a rede de proteção.

Downloads

Publicado

2021-12-14

Como Citar

PEDROSO OLEGARIO, M. L.; AYRES BOURGUIGNON, J. CONFERÊNCIAS DE GRUPO FAMILIAR: PRÁTICAS RESTAURATIVAS COMO FERRAMENTAS DA PROTEÇÃO SOCIAL. Publicatio UEPG: Ciências Sociais Aplicadas, [S. l.], v. 29, n. dossiê JR, 2021. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/sociais/article/view/18515. Acesso em: 20 ago. 2022.

Edição

Seção

Justiça Restaurativa - Chamada 2021-1