Rap é compromisso, não é viagem: a contribuição do rap no desenvolvimento de resiliência (Rap is a commitment, not a journey: the contribution of rap in the development of resilience)

Conteúdo do artigo principal

Aline Copacheski Santos
Daniely Dias Pacheco

Resumo

O presente artigo, de caráter qualitativo, objetiva a apresentação do rap como contribuinte no desenvolvimento de resiliência em rappers brasileiros que se encontram ou já estiveram, em situação de vulnerabilidade social. Assim sendo, fez-se uso de uma pesquisa bibliográfica, a fim de apresentar a Psicologia da arte e da música; verificar a origem do rap e sua introdução no contexto brasileiro, apresentando como este se tornou uma forma de denúncia social; conceituar o processo de resiliência na Psicologia e investigar o modo pelo qual essa manifestação artística pode contribuir no desenvolvimento da resiliência. Além disso, o estudo contou com uma pesquisa documental onde os resultados, constatados através da análise do documentário O Rap pelo Rap pelo paradigma indiciário, apontaram para a utilização da autoafirmação, da conscientização dos fatores de risco e da possibilidade de comunicação dos afetos como fatores que ocasionaram a resiliência nos sujeitos apresentados na fonte em questão.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
SANTOS, A. C.; PACHECO, D. D. Rap é compromisso, não é viagem: a contribuição do rap no desenvolvimento de resiliência (Rap is a commitment, not a journey: the contribution of rap in the development of resilience). Emancipação, Ponta Grossa - PR, Brasil., v. 19, n. 2, p. 1–12, 2019. DOI: 10.5212/Emancipacao.v.19i2.0012. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/emancipacao/article/view/10725. Acesso em: 21 jul. 2024.
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Aline Copacheski Santos, Faculdade Sant'Ana

Graduada em Psicologia da Faculdade Sant’Ana. E-mail: alinecopacheski@gmail.com.

Daniely Dias Pacheco, Faculdade Sant'Ana

Mestre em Educação pela UEPG. Especialista em Psicopedagogia pela UEPG. Graduada em Psicologia pela PUC-PR. Docente do curso de Bacharelado em Psicologia da Faculdade Sant'Ana. E-mail: psicologadaniely@gmail.com.

Referências

REFERÊNCIAS

BARROCO, Sonia Mari Shima; SUPERTI, Tatiane. Vigotski e o estudo da psicologia da arte: contribuições para o desenvolvimento humano. Revista Psicologia & Sociedade, v. 26, n. 1, p. 22-31, 2014.

CECCONELLO, Alessandra Marques. Introdução. In: Resiliência e vulnerabilidade em famílias em situação de risco. 2003, p. 9-54. Tese (Doutorado em Psicologia). Instituto de Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

DAYRELL, Juarez. O rap e o funk na socialização da juventude. Educação e pesquisa, v. 28, n. 1, p. 117-136, 2002.

FAJARDO, Indinalva Nepomuceno; MINAYO, Maria Cecilia de Souza; MOREIRA, Carlos Otávio Fiúza. Educação escolar e resiliência: política de educação e prática docente em meios adversos. Ensaio: avaliação e políticas públicas em educação, v. 18, n. 69, p. 761-774, 2010.

FÁVERO, Pedro. O Rap Pelo Rap. [Filme-Vídeo]. Direção, roteiro, produção e edição de Pedro Fávero. Fitaria Filmes, 2015. 75 min.

FERNANDES, Ana Claudia Florindo. O letramento culturalmente relevante: rumo à periferia. In: O rap e o letramento: a construção da identidade e a constituição das subjetividades dos jovens na periferia de São Paulo. 2014, p. 72-116. Dissertação (Mestrado em Educação). Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Aurélio: O Dicionário da Língua Portuguesa do Século XXI. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

GIL, Antonio Carlos. Como delinear uma pesquisa bibliográfica? In: Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010, p. 45-64.

GINZBURG, Carlo. Sinais: raízes de um paradigma indiciário. In: Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. São Paulo: Companhia das Letras, p. 143-179, 1989.

GONZÁLEZ REY, Fernando Luis. Diferentes Momentos do Processo de Pesquisa Qualitativa e suas Exigências Metodológicas. In: Pesquisa qualitativa e subjetividade: os processos de construção da informação. São Paulo: Cengage Learning, 2012, p. 79-113.

KEHL, Maria Rita. Radicais, raciais, racionais: a grande fratria do rap na periferia de São Paulo. São Paulo em perspectiva, v. 13, n. 3, p. 95-106, 1999.

LEONTIEV, Alexis. Aparecimento da consciência humana. In: O desenvolvimento do psiquismo. 2. Ed. São Paulo: Centauro, 2004, p. 75-94.

MACHADO, Letícia Vier; FACCI, Marilda Gonçalves Dias; BARROCO, Sonia Mari Shima. Teoria das emoções em Vigotski. Psicologia em Estudo, v. 16, n. 4, p. 647-657, 2011.

MAHEIRIE, Kátia. Constituição do sujeito, subjetividade e identidade. Interações, v. 7, n. 13, p. 31-44, 2002.

MAHEIRIE, Kátia. Processo de criação no fazer musical: uma objetivação da subjetividade, a partir dos trabalhos de Sartre e Vygotsky. Psicologia em estudo, v. 8, n. 2, p. 147-153, 2003.

NEVES, José Luis. Pesquisa qualitativa: características, usos e possibilidades. São Paulo: Caderno de pesquisas em administração, v. 1, n. 3, 1996.

PINHEIRO, Débora Patrícia Nemer. A Resiliência em Discussão. Psicologia em estudo, v. 9, n. 1, p. 67-75, 2004.

ROCHA, Janaina; DOMENICH, Mirella; CASSEANO, Patrícia. A turma que batia latinha. In: Hip Hop: A periferia grita. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2001, p. 45-54.

SANTOS, Oswaldo de Barros. Aconselhamento psicológico e psicoterapia: auto-afirmação como determinante básico do comportamento humano. Psicologia: Ciência e Profissão, v. 3, n. 2, p. 81-83, 1983.

SILVA, Cláudia Yaísa Gonçalves da. Nas batidas do rap, nas entrelinhas dos versos: uma reflexão winnicottiana sobre o amadurecimento juvenil. 2016. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica). Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo.

SILVA, Lidiane Rodrigues Campêlo da et al. Pesquisa documental: alternativa investigativa na formação docente. In: Congresso Nacional de Educação. p. 4554-4566, 2009.

SOUZA, Jusamara Vieira; FIALHO, Vânia Malagutti; ARALDI, Juciane. O início do Hip Hop. In: Hip Hop: da rua para a escola. 4. Ed. Porto Alegre: Editora Sulina, 2005, p. 17-21.

TAVARES, José. A resiliência na sociedade emergente. In: Resiliência e Educação. São Paulo: Cortez, 2001, p. 43-76.

VIGOTSKI, Lev Semenovitch. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

VIGOTSKI, Lev Semenovitch.. Psicologia da Arte. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

YUNES, Maria Angela Mattar. A questão triplamente controvertida da resiliência em famílias de baixa renda. 2001. Tese (Doutorado em Psicologia da educação). Programa de Psicologia da Educação da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

YUNES, Maria Angela Mattar. Psicologia positiva e resiliência: o foco no indivíduo e na família. Psicologia em estudo, v. 8, n. 1, p. 80-95, 2003.

YUNES, Maria Angela Mattar; SZYMANSKI, Heloísa. Resiliência: noção, conceitos afins e considerações críticas. In: TAVARES, José (Org.). Resiliência e educação. São Paulo: Cortez, 2001, p. 13-42.