Família, trabalho e religião: a construção do imaginário como inspiração para a realização profissional sob a influência da mulher-mãe (Family, work and religion: the construction of the imaginary as an inspiration for professional achievement under ...)

Conteúdo do artigo principal

José Reinaldo de Araújo Quinteiro
http://orcid.org/0000-0002-1825-0097

Resumo

Este artigo expõe a família, o trabalho e a religião como representações sociais que influenciam a formação do imaginário dos estudantes matriculados no Colégio da Polícia Militar de Rio Verde/GO. Estas representações foram analisadas indutivamente e levantadas mediante uma pesquisa de campo com 14 participantes, em um contingente 143 estudantes, sendo a família apontada como a principal representação. A construção da pesquisa se deu através da aplicação de um questionário sobre as representações sociais e da interpretação de desenhos elaborados pelos pesquisados, tendo como base algumas vertentes teóricas do pensamento de Giddens (1993), Durkheim (1989), Weber (2004ab), Scott (1996), Nolasco (1995), Bourdieu e Passeron (1982).No decorrer desta discussão, fica evidente a questão do empoderamento da mulher associado ao papel do homem nas relações familiares. Em conclusão, verificou-se que a mulher-mãe influencia a formação do imaginário do filho(a) em 42% para o exercício da medicina.


 

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
QUINTEIRO, J. R. de A. Família, trabalho e religião: a construção do imaginário como inspiração para a realização profissional sob a influência da mulher-mãe (Family, work and religion: the construction of the imaginary as an inspiration for professional achievement under ...). Emancipação, Ponta Grossa - PR, Brasil., v. 19, n. 2, p. 1–14, 2019. DOI: 10.5212/Emancipacao.v.19i2.0009. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/emancipacao/article/view/13597. Acesso em: 21 jul. 2024.
Seção
Artigos
Biografia do Autor

José Reinaldo de Araújo Quinteiro, Universidade de Rio Verde - UniRV

Doutor e mestre em Ciências da Religião, graduado em Filosofia e em Teologia pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC/GO). Professor titular da Universidade RioVerde eprofessor pesquisador no grupo Educação Social: Ensino, Pesquisa e Extensão/UNIRV. Professor daeducação básica na rede públicado estado de Goiás, CEPMG –Unidade Carlos Cunha Filho. E-mail: josereinaldoquinteiro@yahoo.com.br.

Referências

ARISTÓTELES. A Política. Tradução de Roberto Leal Ferreira. In: Os Pensadores. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

BITTENCOURT. Miguel Colaço. O panteísmo em perspectiva: localidades, práticas e particularidades em Pernambuco, Brasil. REIA- Revista de Estudos e Investigações Antropológicas, ano 4, volume 4(2):175-198, 2017. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/reia/article/view/231682. Acesso em: 02 fev. 2019

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. 5. ed. São Paulo: Perspectiva, 1992.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Tradução: Maria Helena Kühner. 4. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean-Claude. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. 2. ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1982.

BORSATO, Aurélia Silva. Jesus, as mulheres e os Direitos Humanos: diferenças. In: REIMER, Ivoni Richter (Org). Direitos humanos: Enfoques bíblicos, teológicos e filosóficos. São Leopoldo: Oikos; Goiânia: PUC, 2011, p. 47- 60.

BRASIL. Lei nº 11.340, de 7 de ago. de 2006. Lei Maria da Penha. Disponível em: <http://www.presidência.gov.br>. Acesso em: 10 jan. 2018.

BRITES, Jurema G.; ROMCY Daniela. As mulheres na construção civil: algumas notas a partir de um trabalho de campo. Disponível em:

https://revistas.ufpr.br/vernaculo/article/download/37827/25637. Acesso em: 13 fev. 2019

DURKHEIM, Émile. As formas elementares da vida religiosa: o sistema totêmico na Austrália. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

ECCO, Clóvis. Identidade de Gênero: idéias religiosas sobre o masculino como ângulo de análise. 2007. Dissertação (Mestrado em Ciências da Religião). Universidade Católica de Goiás, Goiânia, 2007.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

GIDDENS, Anthony. A Transformação da Intimidade: sexualidade, amor e erotismo nas sociedades modernas. São Paulo: UNESP, 1993.

HAUSER, A. História social da arte e da literatura. São Paulo: Martins Fontes, 1995. Disponível em: https://www.webartigos.com/artigos/as-representacoes-sociais-em-emile-durkheim-e-o-ensino-da-arte-na-escola/136805. Acesso em: 03 jul. 2019.

LOPES, Maria de Fátima Silva et al. Religião, família e gênero entre lideranças comunitárias católicas de Soledade/MG. Revista de C. Humanas, Viçosa, v. 11, n. 2, p. 331-343, jul./dez. 2011. Disponível em: http://www.cch.ufv.br/revista/pdfs/vol11/artigo10vol11-2.pdf. Acesso em: 10 jan. 2019

LOPES, Noêmia de Fátima Silva. Gênero e Poder na Pastoral de Católica de Soledade. Dissertação [Mestrado em Economia Doméstica] Universidade Federal de Viçosa, 2011. Disponível em http://alexandria.cpd.ufv.br:8000/teses/economia%20dom%C3%A9stica/2011/238970f.pdf Acesso em: 01 de fev. de 2019

LOPES, André Camargo. Os espaços da fé: um estudo sobre o campo religioso na perspectiva da reliosidade popular. Mediações, v. 13, n.1-2, p. 231-259, Jan/Jun e Jul/Dez. 2008, Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/mediacoes/article/view/3303. Acesso em: 27 jan. 2019

NOLASCO, Sócrates. O mito da masculinidade. Rio de Janeiro: Rocco, 1995.

NUNES, Maria José F. Rosado. Por uma sociologia do poder religioso: elementos para uma crítica feminista. São Paulo: Loyola, 2000.

RIFIOTIS, Theophilos. Direitos Humanos: sujeitos de direitos e direitos do sujeito. In: SILVEIRA, Rosa M. G. et al. Educação em Direitos Humanos: fundamentos teórico-metodológicos. João Pessoa: Ed. Universitária, 2007. p. 231-244.

RUIZ, Castor M.M. Bartolomé. Os paradoxos do imaginário. São Leopoldo: Unisinos, 2004.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil para análise histórica. Recife: SOS Corpo, 1996.

WEBER, Max. Metodologia das ciências sociais. Tradução: Augustin Wernet. Introdução à edição brasileira: Maurício Tragternberg. 3. ed. Campinas: Cortez, 2001. V.II.

WEBER, Max. Economia e Sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. Tradução de Regis Barbosa. Brasília: Ed. da UNB; São Paulo: Imprensa Oficial, 2004a. V.I.

WEBER, Max. Economia e Sociedade. Fundamentos da sociologia compreensiva. Tradução de Regis Barbosa. Brasília: Ed. da UNB; São Paulo: imprensa oficial, 2004b. V.II