Bikers sob o controle algorítmico: trajetórias laborais e as condições de trabalho em três municípios do Paraná

Conteúdo do artigo principal

Helaine Christina Oliveira Souza
https://orcid.org/0000-0003-0629-8509
Reidy Rolim de Moura

Resumo

O processo de uberização do trabalho acelera e dissemina o trabalho informal, sob demanda e precário entre as juventudes trabalhadoras no Brasil, e, desse modo, corrobora para que essas trajetórias laborais sejam marcadas pela precarização do trabalho. A inserção no mundo do trabalho como entregador, controlado por plataformas digitais, tornou-se alternativa de trabalho e renda para muitos jovens diante da ausência de postos de trabalho decentes. Analisar esse contexto e as condições desses trabalhadores que pedalam para realizar entregas propicia vislumbrar tendências em curso, visto que o processo de expansão e interiorização das plataformas de trabalho tendem a abarcar outras categorias sociais, gradativamente, para além das juventudes. Esse estudo parte da pesquisa bibliográfica e documental, é de base qualitativa e utilizou-se como técnica a entrevista semiestruturada com 20 jovens de 18 a 30 anos, entregadores bikers nos municípios de Londrina, Maringá e Ponta Grossa, no estado do Paraná.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
SOUZA, H. C. O.; ROLIM DE MOURA, R. Bikers sob o controle algorítmico: trajetórias laborais e as condições de trabalho em três municípios do Paraná. Emancipação, Ponta Grossa - PR, Brasil., v. 23, p. 1–19, 2023. DOI: 10.5212/Emancipacao.v.23.2321051.006. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/emancipacao/article/view/21051. Acesso em: 19 jul. 2024.
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Helaine Christina Oliveira Souza, Instituto Federal do Paraná - IFPR

Doutoranda do curso de Ciências Sociais Aplicadas na Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) e professora de Sociologia no Instituto Federal do Paraná (IFPR), campus Telêmaco Borba. E-mail:  elaine.csociais@gmail.com

 

Reidy Rolim de Moura, Universidade Estadual de Ponta Grossa UEPG

Doutora em Sociologia Política (UFSC). Docente da Graduação em Serviço Social e da Pós-Graduação em Ciências Sociais Aplicadas da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). E-mail: rrmoura@uepg.br.

Referências

ABÍLIO, Ludmila C. Plataformas digitais e uberização: Globalização de um Sul administrado. Contracampo, Niterói, v. 39, n. 1, p. 12-26, abr./jul. 2020a

ABILIO, Ludmila C. Uberização: a era do trabalhador just in time? Estudos Avançados, 34 (98), 2020b

ABÍLIO, Ludmila C. Uberização e Juventude Periférica: Desigualdades, autogerenciamento e novas formas de controle do trabalho. Novos estudos CEBRAP, São Paulo, v. 39, n. 3, p. 579-597, set. 2020c.

ABÍLIO, Ludmila C. Uberização: do empreendedorismo para o autogerenciamento subordinado. Psicoperspectivas, vol. 18, n°3, 2019.

ABÍLIO, Ludmila C. Uberização: gerenciamento e controle do trabalhador just in time. In: ANTUNES, Ricardo (Org.). Uberização, trabalho digital e Indústria 4.0. São Paulo: Boitempo, 2020d. p.111-124

ABÍLIO, Ludmila C.; AMORIM, Henrique.; GROHMANN, Rafael. Uberização e plataformização do trabalho no Brasil: conceitos, processos e formas. Sociologias, Porto Alegre, ano 23, n° 5, mai-ago 2021

ANTUNES, Ricardo. O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. 2. ed. São Paulo: Boitempo, 2020.

ANTUNES, Ricardo. Trabalho intermitente e uberização do trabalho no limiar da indústria 4.0. In: ANTUNES, Ricardo (Org.). Uberização, trabalho digital e Indústria 4.0. São Paulo: Boitempo, 2020a. p.111-124

ANTUNES, Ricardo; FILGUEIRAS, Vitor. Plataformas digitais, Uberização do trabalho e regulação no capitalismo contemporâneo. Contracampo, Niterói, v. 39, n. 1, p. 27-43, abr./jul. 2020.

BARROS, Caetano P. P. Escravos e guerreiros: trabalho uberizado e políticas da crise no Brasil (2015-2021). 2022. Tese (Doutorado em Ciência Política) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2022

CANT, Callum. Delivery fight! A luta contra os patrões sem rosto. São Paulo: Veneta, 2021.

CORROCHANO, Maria C. et al. Jovens e Trabalho no Brasil: desigualdades e desafios para as políticas públicas. São Paulo: Ação educativa, Instituto Abi, 2008

DAYRELL, Juarez. A Escola faz as Juventudes? Reflexões em torno da socialização juvenil. Educ. Soc. Campinas, SP, vol. 28, n°100, 2007

FAIRWORK. Fairwork Brazil Ratings 2021: Towards Decent Work in the Platform Economy. Porto Alegre, Brazil; Oxford, United Kingdom, Berlin, Germany, 2022

FESTI, Ricardo; OLIVEIRA, Roberto V. Entregues à própria sorte: os autônomos entregadores por plataforma. Revista Ciências do Trabalho, n°21. Abril de 2022

GROHMANN, Rafael. Plataformização do trabalho: características e alternativas. In: ANTUNES, Ricardo (Org.). Uberização, trabalho digital e Indústria 4.0. São Paulo: Boitempo, 2020a. p.93-109

GROHMANN, Rafael. Plataformização do trabalho: entre a dataficação, a financeirização e a racionalidade neoliberal. Revista Eptic. Vo. 22, n. 01, jan.abr. 2020b

GROHMANN, Rafael. Trabalho plataformizado e luta de classes. Margem Esquerda – Revista da Boitempo. São Paulo: Boitempo, 2021

GUIMARÃES, Nadya A. Trabalho: uma categoria no imaginário juvenil? In: ABRAMO, H. W.; BRANCO, P. P (Org.) Retratos da Juventude Brasileira: analises de uma pesquisa nacional. São Paulo: editora Perseu Abramo, 2004.

KALIL, Renan Bernardi. Capitalismo de plataforma e Direito do Trabalho: crowdwork e trabalho sob demanda por meio de aplicativos. 2019. Tese (Doutorado em Direito) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2019.

MANZANO, Marcelo; KREIN, André. Dimensões do Trabalho por Plataformas Digitais no Brasil. In:

MACHADO, Sidnei; ZANONI, Alexandre Pilan. O Trabalho Controlado por Plataformas Digitais: dimensões, perfis e direitos. UFPR – Clínica Direito do Trabalho: Curitiba, 2022.

MATTOSO, Francinelly A. Dinâmicas sócio-espaciais e as experiências dos jovens na cidade desigual. Revista Libertas. Juiz de Fora, vol. 10, n°1., 2010

MOROSOV, Evgeny. Big Tech: a ascensão dos dados e a morte da política. São Paulo: Ubu Editora, 2018

MOURA, Livia R. Pedalando para sobreviver: o processo de uberização do trabalho e os entregadores ciclistas. 2021. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2021

NERI, Marcelo. Juventudes, educação e trabalho: impactos da Pandemia nos Nem-Nem. Rio de Janeiro: FGV Social, 2021

OIT. Desemprego juvenil no Brasil: em busca de opções à luz de algumas experiências internacionais. 2.ed. – Brasília, DF:OIT, 2001

OIT. Trabalho decente e juventude – América Latina. Resumo Executivo. Brasília, DF: Organização Internacional do Trabalho (OIT), 2007

SILVA, Daniel T. A uberização no processo de (des) estabilização dos sentidos do trabalho. 2021.

Tese (Doutorado em Educação, Conhecimento e Sociedade) - Universidade Vale do Sapucaí. Pouso Alegre, MG, 2021

SLEE, Tom. Uberização: a nova onda do trabalho precarizado. São Paulo: Editora Elefante, 2017

SOUZA, Marina B. C. A. Juventudes trabalhadoras, uberização e precarização da vida: contribuições para a terapia ocupacional no campo do trabalho. 2020. Tese (Doutorado em Terapia Ocupacional) - Universidade Federal de São Carlos. São Carlos, 2020

SRNICEK, Nick. Platform Capitalism. London: Polity, 2017

SOUSA, Euzébio.J.S.; POCHMANN, Márcio.; BONONE, Luana. M. Juventude e Trabalho Plataformizado no Brasil: juventude indicando tendências. Revista Ciências do Trabalho. São Paulo, n.20, out. 2021

TOKMAN, Victor. E.; CORROCHANO, Maria C.; GOUVÊA, Jorge L. Desemprego Juvenil no Cone Sul: uma análise de década. Opções PROSUR/ Fundação Friedrich Ebert/ ILDES. Brasil, 2003.

VAHDAT, Vahid. S.; BORSARI, Pietro. R.; LEMOS, Patricia. R.; RIBEIRO, Flávia. F.; BENATTI, Gabriela. S. S.; CAVALCANTE FILHO, Pedro. G.; FARIAS, Bruno. G. Retrato do Trabalho Informal no Brasil: desafios e caminhos de solução. São Paulo: Fundação Arymax, B3 Social, Instituto Veredas. 2022.

WOODCOCK, Jamie.; GRAHAM, Mark. Economia Gig: uma abordagem crítica. São Paulo: Editora Senac, 2022.