A saúde mental infanto-juvenil e o Caps-I: uma revisão integrativa (Mental Health Children and youth and Caps – I: an integrative review)

Conteúdo do artigo principal

Lorena Vechiatto
Alvaro Marcel Palomo Alves

Resumo

O artigo tem como objetivo descrever a construção e o funcionamento do Centro de Atenção Psicossocial Infanto-Juvenil (CAPS-i). Para isso foi realizada uma revisão integrativa nas bases de dados SciELO, BVS-psi e portal de periódicos da CAPES, entre os anos de 2002 e 2013. Os textos revisados puderam ser subdivididos em dois grupos, o primeiro foi constituído por obras que abarcavam a construção do CAPS-i e o segundo por textos relacionados ao funcionamento dos Centros. A partir da análise e discussão dos textos revisados, concluiu-se que o CAPS-i foi criado para garantir atendimento a crianças e adolescentes que até então eram institucionalizadas e tratadas apenas considerando suas questões orgânicas. Porém, mesmo com a criação de um serviço específico para essa população, o CAPS-i ainda não se consolidou como tal, pois caminha em um processo de transição dos modelos médico/individualizantes para o modelo de cuidado integrado.

Abstract: This paper aim to describe the construction and functioning of the Children and Youth Psychosocial Care Center (CAPS-i). Therefore we hold an integrative review of the data base SciELO, BVS-psi and portal periodicals of CAPES from 2002 to 2013.The reviewed texts were subdivided into two groups. The first one was constituted by writings that covered the construction of CAPS-i and the second one by texts related to the working of the Centers. From the analysis and discussion of the reviewed texts we had come to the conclusion that the CAPS-i was created in order to guarantee the care for children and teenagers who were institutionalized and treated just by considering their organic issues. However, even with the creation of a specific service for this population, the CAPS-i hasn’t been consolidated because it goes in a way of a medical transition models process or individualizing ones for the integrated care model.

Key Words: CAPS-i. Integrative review. Mental health. 

 

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
VECHIATTO, L.; ALVES, A. M. P. A saúde mental infanto-juvenil e o Caps-I: uma revisão integrativa (Mental Health Children and youth and Caps – I: an integrative review). Emancipação, Ponta Grossa - PR, Brasil., v. 19, n. 1, p. 1–17, 2019. DOI: 10.5212/Emancipacao.v.19.0003. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/emancipacao/article/view/8431. Acesso em: 21 jul. 2024.
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Lorena Vechiatto, Universidade Estadual de Maringá

Mestranda em Psicologia pelo Programa de Pós Graduação em Psicologia (UEM). Graduada em Psicologia pela Universidade Estadual de Maringá (UEM-2016). lorena_vechiatto@hotmail.com

Alvaro Marcel Palomo Alves, Universidade Estadual de Maringá

Possui Doutorado em Psicologia e Sociedade - Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho(UNESP). Mestrado em Psicologia da Infância e Adolescência pela Universidade Federal do Paraná (2003). Atualmente é  Professor Adjunto da Universidade Estadual de Maringá (UEM). ampalves@uem.br

Referências

AMARANTE, P. & ROTELLI, F. Reformas psiquiátricas na Itália e Brasil: aspectos históricos e metodológicos. In: Amarante, P & Bezerra Jr., B. Psiquiatria sem hospício. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1992.

ANTUNES, M. A. M. A psicologia em instituições educacionais. In:_____. A psicologia no Brasil. São Paulo: Unimarco, 2007, p. 63-85.

ARIÈS, P. O sentimento da infância. In:_____. História social da criança e da família. Rio de Janeiro: Zahar, 1981, p. 29-49.

BELFER, M. L.; SAXENA, S. Who child atlas project.Lancet, v. 367, n. 9510 p. 551-552, feb. 2006. Disponível em:. Acesso em: 25 Set. 2013.

BELTRAME, M. M. Infância e Saúde Mental: reflexões sobre a dinâmica de trabalho em um CAPSi. In:_____. 2010, p. 252. Dissertação (Mestrado – Programa de Pós Graduação em Psicologia. Área de concentração: Constituição do Sujeito e Historicidade.) – Universidade Estadual de Maringá, 2010.

BELTRAME, M. M.; BOARINI, M. L. Saúde mental e infância: reflexões sobre a demanda escolar de um CAPSi. Psicologia: ciência e profissão, v. 33, n. 02, p. 336-349, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n°336/GM. Brasília: Ministério da saúde, 19 fev. 2002, p. 01-09. Disponível em:<http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/Portaria%20GM%20336-2002.pdf>. Acesso em: 26 Set. 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde; Secretaria da Atenção à Saúde; Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Como é um CAPS para Infância e Adolescência (CAPSi)? In:_____. Saúde mental no SUS: os centros de atenção psicossocial. Brasília: Mistério da saúde, 2004, p. 23.

BRASIL. Ministério da Saúde; Secretaria da Atenção à Saúde; Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Atenção em saúde mental infanto-juvenil no SUS. In:_____. Caminhos para uma política de saúde mental infanto-juvenil. Brasília: Ministério da saúde, 2005, p. 07-10.

COUTO, M. C. V.; DUARTE, C. S.; DELGADO, P. G. G. A saúde mental infantil na Saúde Pública brasileira: situação atual e desafios. Revista Brasil Psiquiatria, Rio de Janeiro, v. 30, n. 04, p. 390-398, 2008.

DELFINI, P. S. S. de, et al. Perfil dos usuários de um centro de atenção psicossocial infantojuvenil da grande São Paulo, Brasil. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, v. 19, n. 02, p. 226-236, 2009.

DELFINE, P. S. de S.; REIS, A. O. A. A articulação entre serviços públicos de saúde nos cuidados voltados à saúde mental infantojuvenil. Caderno Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 28, n. 02, p. 357-366, fev. 2012.

DEL PRIORE, M. (org) História da infância no Brasil. São Pulo: Contexto, 1999.

FALAVINA, O. P.; CERQUEIRA, M. B. Saúde mental infantil: perfil dos usuários e suas trajetórias de acesso aos serviços de saúde. Revista Espaço para a Saúde, Londrina, v. 10, n. 01, p. 34-46, 2008.

FERRIOLLI, S. H. T.; MARTURANO, E. M.; PUNTEL, L. P. Contexto familiar e problemas de saúde mental infantil no Programa da Saúde da Família. Saúde Pública, v. 2, n. 41, p. 251-259, 2007.

GIL, A. C. Como classificar as pesquisas? In: _____. Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2007, p. 41-57.

GOMES, F. M. de A. SAÚDE MENTAL INFANTIL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE: discurso de profissionais médicos. In:_____. 2012, p. 126. Dissertação (Mestrado – Programa de Mestrado em Psicologia. Área de concentração: Psicologia e Saúde Mental.) – Universidade Federal de São João del-Rei, 2012.

HOFFMANN, M. C. C. L.; SANTOS, D. N.; MOTA, E. L. A. Caracterização dos usuários e dos serviços prestados por Centros de Atenção Psicossocial Infanto-Juvenil. Caderno Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 24, n. 03, p. 633-642, 2008.

MACHINESKI, G. G.; SCHNEIDER, J. F.; CAMATTA, M. W. O tipo vivido de familiares de usuários de um centro de atenção psicossocial infantil. Revista Gaúcha de Enfermagem, v. 34, n. 01, p. 126-132, 2013.

MENDES, A. V.; LOUREIRO, S. R.; CRIPPA, J. A. S. Depressão materna e saúde mental de escolares. Revista de Psiquiátrica Clínica, São Paulo, v. 05, n. 35, p. 178-186, 2008.

MENDES, K. D. S.; SILVEIRA, R. C. C. P.; GALVÃO, C. M. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto e contexto enfermagem. Florianópolis, v. 17, n. 04, p. 758-764, 2008.

MONTEIRO, A. R. M. et al. Sofrimento psíquico em crianças e adolescentes – a busca pelo tratamento. Escola Anna Nery, v. 16, n. 03, p. 523-529, 2012.

NOGARI, M.; BERNARDINO, L. M. F. Um encontro com o inconsciente: o trabalho com a escuta em um centro de atenção psicossocial infantil. Associação Psicanalista de Curitiba, Curitiba, ed. 18.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Apresentação. Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/saude/area.cfm?id_area=925#>. Acesso em: 26 Set. 2013.

PARANÁ, SECRETÁRIA DA SAÚDE. SPP/DVSAM - Saúde Mental. Definição de saúde mental. Disponível em: <http://www.saude.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=1059>. Acesso em: 26 Set. 2013.

RIBEIRO, P. R. M. História da saúde mental infantil: a criança brasileira da colônia à república velha. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 11, n. 01, p. 29-38, jan./abr. 2006.

RIZZINI, I. O século perdido: raízes históricas das políticas públicas para a infância no Brasil. São Paulo: Cortez, 1997.

ROCHA, L. C. Há algo de degenerado no reino da sociedade industrial moderna. In: MERISSE, A. et al. Lugares da infância. São Paulo: Arte & Ciência, 1998.

RIZZINI, I; LEITE, A.; MENEZES, C. D. Cuidado Familiar e Saúde Mental: a Atenção das Famílias a Seus Filhos na infância e na adolescência. Rio de Janeiro: PUCRIO, 2013

RONCHI, J. P.; AVELLAR, L. Z. Saúde mental da criança e do adolescente: a experiência do Capsi da cidade de Vitória-ES. Psicologia: Teoria e Prática, v. 12, n. 01, p. 71-84, 2010.

SANTOS, P. L. dos. Problemas de saúde mental de crianças e adolescentes atendidos em um serviço público de psicologia infantil. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 11, n. 2, p. 315-321, 2006.

SCHECHTMAN, A. Textos da I reunião temática. In: Brasil; Ministério da Saúde; Secretaria da atenção à saúde; Departamento de ações programáticas estratégicas. Caminhos para uma política de saúde mental infanto-juvenil. Brasília: Ministério da saúde, 2005, p. 25-34.

SCHMID, P. C. Viajando não, só sonhando! Revista do Departamento de Psicologia-UFF, Niterói, v. 19, n. 01, p. 187-198, 2007.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. IPUB. NUPPSAM. Anais do I Congresso Brasileiro de Centros de Atenção Psicossocial – I CONCAPSi. Volume I. UERJ/UFRJ: Rio de Janeiro, 2013. 305 p. Acesso em [data], www.congressobrasileirodecapsi.com.br.

VISANI, P.; RABELLO S. Considerações sobre o diagnóstico precoce na clínica do autismo e das psicoses infantis. Revista Latino Americana de Psicologia Fundamental, São Paulo, v. 15, n. 02, p. 293-308, 2012.

ZALUAR, A. A máquina e a revolta. São Paulo: Brasiliense, 1985.