O mito folclórico brasileiro na era digital: diálogos entre cultura popular, cultura de massa e hibridização cultural

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5212/RIF.v.20.i45.0011

Palavras-chave:

Folclore, Folkmídia, Redes sociais

Resumo

O presente artigo objetiva refletir sobre a representação do mito folclórico brasileiro na era digital. Para tanto, resgatamos os conceitos discutidos pela Teoria da Folkcomunicação a partir de Beltrão (1980) e Folkmídia, com Luyten (2002), a fim de observá-los através das ressignificações assumidas pela personagem Cuca nas redes sociais. Ao final da pesquisa, conclui-se que o folclore é mutável e está, irrevogavelmente, condicionado aos avanços tecnológicos, o que significa que os novos significados atribuídos à personagem folclórica auxiliam no processo de perpetuação da cultura popular e contribuem para que ela ultrapasse as barreiras geográficas e temporais. 

Biografia do Autor

Adriele Silva, UEPG

Jornalista, mestranda no Programa de Pós-Graduação em Jornalismo da Universidade Estadual de Ponta
Grossa (UEPG); adrie-lejose@hotmail.com.

Ivan Bomfim, UEPG

Professor do Departamento de Jornalismo e do Mestrado em Jornalismo na Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG); ivanbp@uepg.br.

Referências

AMPHILO, M. I. Folkcomunicação: por uma teoria da comunicação cultural. Revista Internacional de Folkcomunicação, [S. l.], v. 9, n. 17, 2011. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/folkcom/article/view/18818.

BELTRÃO, Luís. Folkcomunicação: a comunicação dos marginalizados. São Paulo: Cortez, 1980.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é folclore. São Paulo: Brasiliense, 2007.

BENEDITO, Mouzar. 2007. Saci - o Guardião da Floresta. São Paulo: Editora Salesiana, 2007.

BENJAMIN, Roberto. Folkcomunicação na sociedade contemporânea. Porto Alegre: Com. Gaúcha de Folclore, 2004.

CALDAS, Waldenyr. O que todo cidadão precisa saber sobre Cultura de Massa e Política de Comunicação. São Paulo: Global Editora, 1987.

CAMARGO, Evandro do Carmo. Um estudo comparativo entre O Sacy-Pererê: resultado de um inquérito (1918) e O Saci (1921), de Monteiro Lobato. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Ciências e Letras de Assis. Universidade Estadual Paulista, Assis, SP, 2006.

CANCLINI, Néstor García. Culturas Híbridas - estratégias para entrar e sair da modernidade. Tradução de Ana Regina Lessa e Heloísa Pezza Cintrão. São Paulo: EDUSP, 1997.

CARDOSO, Yasmin Ribeiro Gatto; NEVES, Soriany Simas. Evidências folkcomunicacionais e folkmidiáticas no boi de Rua de Parintins. Revista Eletrônica Mutações, [S.l.], v. 4, n. 7, ago. 2013. ISSN 2178-7018.

CARTA do Folclore Brasileiro. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE FOLCLORE 1. De 22 a 31 de agosto de 1951. Rio de Janeiro. Anais… Rio de Janeiro, 1951. V.1. Disponível em: www.fundaj.gov.br/geral/folclore/carta.pdf.

CARVALHO NETO, Paulo de. Folclore e educação. Rio de Janeiro: ed. Forense Universitária: Salamandra; São Paulo, secretaria de cultura do Estado de São Paulo, 1981.

CASCUDO, L.C. Dicionário do Folclore Brasileiro. Rio de Janeiro: Edições de Ouro, 1983.

CASCUDO, L.C. Geografia dos Mitos Brasileiros. 1 ed. São Paulo: Global, 2012.

CGI.BR. Pesquisa sobre o uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nos domicílios brasileiros: TIC Domicílios, ano 2018. Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR. São Paulo: Comitê Gestor da Internet no Brasil, 2019. Disponível em: https://cetic.br/media/docs/publicacoes/2/12225320191028-tic_dom_2018_livro_eletronico. pdf.

COSTA, L. R.; TRIGUEIRO, O. M.; BEZERRA, E. P. Folkcomunicação e Cibercultura: Os Agentes Populares na Era Digital. Revista Internacional de Folkcomunicação, [S. l.], v. 7, n. 14, 2010. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/folkcom/article/view/18742.

CUCHE, Denys. A noção de cultura nas Ciências Sociais. Bauru:EDUSC, 1999.

DEL CAMPO TEJEDOR, Alberto; RUIZ MORALES, Fernando. Aún viene el Coco: origen, pervivencia y transformación de un clásico del miedo infantil. Athenea Digital, 18(2): e2040 (julio 2018).

ECO, Umberto. Apocalípticos e integrados. São Paulo: Perspectiva, 1993.

FERREIRA, S. R.; MARTINS, B.D.R. Do Folk Media ao Social Media – diálogos entre Cultura Popular e Cibercultura na sociedade em rede. InCID: Revista de Ciência da Informação e Documentação, Revista Extraprensa; v. 5, n. 1, p. 21-30, 2011.

GUEDES, Marcelo. Os impactos do efeito bolha causado pelos algoritmos do Facebook para o direito de resposta. InCID: Boletim Científico ESMPU, Brasília, a. 16 – n. 50, p. 67-85 – jul./dez, 2017.

HALL, Stuart. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo. Educação & Realidade, Porto Alegre, v.22, n.2, p.15-46, jul./dez. 1997.

HORKHEIMER, Max; ADORNO, Theodor. Dialéctica del iluminismo. Buenos Aires, 1870.

JENKINS, Henry. Cultura da Convergência. São Paulo: Editora Aleph, 2008.

JESUS, Jaqueline Gomes de. Orientações Sobre Identidades de Gênero: conceitos e termos. Brasília: Autor, 2012.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. Tradução de Carlos Irineu da Costa. São Paulo: Ed. 34, 1999.

LOBATO, Monteiro. O Saci. São Paulo: Monteiro Lobato e Cia, 1921.

LUYTEN, Joseph. Folclórico. V FOLKCOM. Santos/SP, 2002.

MARQUES DE MELO, José. Mídia e folclore. Cátedra UNESCO/UMESP de Comunicação, Maringá, 2001.

MARTINO, Luís Mauro Sá. Teoria das Mídias Digitais: Linguagens, ambientes e redes. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

MARTINS, A. A. L.; MARTELETO, R. Cultura, ideologia e hegemonia. InCID: Revista de Ciência da Informação e Documentação, v. 10, n. 1, n. 1, p. 5-24, 2019.

MELQUIADES, Felipe Sampaio do Nascimento. Ressignificando personagens do folclore brasileiro no universo visual de Pokémon. 2021. 122 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Sistemas e Mídias Digitais) - Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2021.

NAVARRO, Vinicius. Sites of convergence: an interview with Henry Jenkins. Contracampos, n. 21, p. 2-26, 2010.

SILVEIRA, S. A. Convergência digital, diversidade cultural e esfera pública. In: PRETTO, N. L.; SILVEIRA, S. A. (Org.). Além das redes de colaboração: internet, diversidade cultural e tecnologias do poder. Salvador: EDUFBA, 2008.

SIMÕES, Isabella de Araújo Garcia. A Sociedade em Rede e a Cibercultura: dialogando com o pensamento de Manuel Castells e de Pierre Lévy na era das novas tecnologias de comunicação. Revista Eletrônica Temática. Ano V, n, 2009.

THOMS, William. Folklore. The Athenaeum, v. 982, 1846.

TRIGUEIRO, Osvaldo Meira. Os caminhos da folkcomunicação na atualidade: perspectivas para o século XXI. In: LOPES FILHO, Boanerges [et. al.]. A folkcomunicação no limiar do século XXI. Juiz de Fora: Ed. UFJF, 2012.

TRIGUEIRO, Osvaldo Meira. As festas folclóricas como acontecimento midiático: reinventando a cultura nordestina. In: Congresso Brasileiro de Folclore, 10, 2002. São Luís. Catálogo São Luís: Comissão Nacional de Folclore: comissões estaduais de folclore, 2002.

OLIARI, Matheus Flauzino; ZAMBONI, Jesio. A performance drag queen e suas reverberações. Linha Mestra, v. 15, n. 44, 2021.

UOL. Bolsonaro: "Se tomar vacina e virar jacaré não tenho nada a ver com isso". Youtube, 17 dez.2020. Disponível em: . Acesso em: 13. ago.2021.

VIEIRA, Maressa de Freitas. O saci na tradição local no contexto da mundialização e da diversidade cultural. 2009. Tese (Doutorado em Filologia e Língua Portuguesa) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

Downloads

Publicado

2022-12-23

Como Citar

SILVA, A.; BOMFIM, I. O mito folclórico brasileiro na era digital: diálogos entre cultura popular, cultura de massa e hibridização cultural. Revista Internacional de Folkcomunicação, [S. l.], v. 20, n. 45, p. 198–221, 2022. DOI: 10.5212/RIF.v.20.i45.0011. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/folkcom/article/view/20500. Acesso em: 6 fev. 2023.