Comer e beber “até perder o juízo”: o pecado da gula na literatura religiosa publicada em Portugal, século XVIII

Autores

Resumo

Em Portugal do início do século XVIII foi profícua a impressão de livros religiosos que pedagogicamente visavam a instruir como os leitores deveriam evitar ações, pensamentos e sentimentos pecaminosos para adquirir condutas e virtudes entendidas como adequadas à moral e à fé católica. Entre as atitudes a serem controladas e modificadas estavam aquelas relacionadas ao consumo exagerado, prazeroso e curioso de comidas e bebidas. Neste artigo, a partir de um conjunto de obras religiosas impressas em Portugal, identificamos e analisamos os discursos sobre a gula, atentando aos significados religiosos e culturais do consumo alimentar demasiado, às instruções sobre os modos de evitar e remediar o “vício” e às percepções sobre os efeitos nocivos ao corpo e à alma. A partir de referenciais teórico-metodológicos da história cultural, e em diálogo com a historiografia voltada à alimentação e às ideias católicas da Idade Moderna, buscamos compreender os códigos culturais e simbólicos que conformavam os entendimentos da gula enquanto pecado. Em universo social fortemente cristão, concluímos que a escrita sobre a moderação no comer e no beber carregava juízos quanto aos comportamentos considerados legítimos para a garantia da salvação e reafirmava os propósitos da Igreja Católica no domínio moral dos corpos e das almas.

Biografia do Autor

Mauro Dillmann, UFPEL

Professor Adjunto no Departamento de História e no Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Pelotas (UFPEL). Entre 2014 e 2017 atuou como docente do Programa de Pós-Graduação em História (Mestrado Profissional) e no Curso de Licenciatura em Educação do Campo da Universidade Federal do Rio Grande (FURG). Doutor em História pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos, UNISINOS/RS (2013), com período Sanduíche na Universidade de Coimbra (UC), Mestre em História, UNISINOS/RS (2007), Graduado em História, UFPEL (2003). Foi coordenador do Grupo de Trabalho História das Religiões e Religiosidades (Anpuh-RS) entre 2014 e 2018, membro do GT História Cultural (Anpuh-RS), membro dos seguintes Grupos de Pesquisa (CNPq): Imagens da Morte: a morte e o morrer no mundo Ibero-Americano, Paisagens Híbridas e Heduca - História e Educação: textos, escritas e leituras. A produção bibliográfica está diretamente relacionada com projetos de pesquisa, de ensino ou de extensão. Os direcionamentos das produções bibliográficas perpassam o campo das práticas culturais e das religiosidades da Idade Moderna ao tempo presente. Os atuais projetos se voltam para literatura de espiritualidade do período moderno português e seus discursos religiosos sobre devoção, virtudes, pecados e morte e para os cemitérios do campo como evidências de religiosidade e patrimônio. Outra produções, que ampliam as problematizações e os eixos temáticos, são resultantes de trabalhos coletivos, em função dos vínculos aos grupos de pesquisa e às atividades de ensino e de extensão; motivos pelos quais os interesses também se pautam em temas como Patrimônio, História da Educação, Religiões afro e Ensino de História.

Referências

ABREU, Jean Luiz. Nos domínios do corpo: o saber médico luso-brasileiro no século XVIII. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2011.

ABREU, Márcia, et. al. Caminhos do romance no Brasil: séculos XVIII e XIX. São Paulo, Universidade de Campinas, s/ed., 2005, p. 01-22. Disponível em http://www.caminhosdoromance.iel.unicamp.br/estudos/ensaios/caminhos.pdf. Acessado em 22/09/2020.

ALGRANTI, Leila Mezan. Refeições festivas e cotidianas em Portugal no século XVIII: as religiosas do Convento de Nossa Senhora dos Remédios (Braga). In: ANDRADE, Marta Mega; SEDREZ, Lise; MARTINS, William (Orgs.). Corpo: Sujeito e Objeto. Rio de Janeiro, Ponteio, 2012a, p. 203-220.

ALGRANTI, Leila Mezan. Saberes culinários e a botica doméstica: beberagens, elixires e mezinhas no Império português (séculos XVI-XVIII), Sæculum – Revista de História, n. 27, p. 13-30, dez. 2012b.

AGOSTINHO, Santo, Bispo de Hipona, 354-430. Confissões. Trad. J. Oliveira e A. Ambrósio de Pina. Petrópolis: Vozes, 2011.

ARAÚJO, Maria Marta L.; ESTEVES, Alexandra (Orgs.). Hábitos alimentares e práticas quotidianas nas instituições portuguesas. Braga: Diário do Minho, 2015.

BACELAR, Jeferson; MOTT, Luiz. A comida baiana: cardápios de um prisioneiro ilustre (1763). Salvador: Edufba, 2016.

BRAGA, Isabel Drumond. Sabores e segredos: receituários conventuais portugueses da Época Moderna. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2015.

CARVALHO, José Adriano de Freitas (Org.). Bibliografia cronológica da literatura de espiritualidade em Portugal, 1501-1700. Porto: Instituto de Cultura Portuguesa, 1988.

CASTELO-BRANCO, Fernando. Lisboa Seiscentista. Lisboa: Livros Horizonte, 1990.

CASTRO, Inês de Ornellas e; BRAGA, Isabel Drumond. Una Escritura Femenina Diferente: los Manuscritos Culinarios Conventuales Portugueses de la Edad Moderna. In: LETURIO, Nieves Baranda; PINA, María Carmen Marín (eds.). Letras en la Celda: cultura Escrita de los Conventos Femeninos de la España Moderna. Madrid: Iberoamericana; Vervuert, 2014, p. 439-455.

CHARTIER, Roger. À beira da falésia. A História entre certezas e inquietudes. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 2002.

CONTRERAS, Jesús; GRACIA, Mabel. Alimentação, sociedade e cultura. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2011.

DELUMEAU, Jean. O pecado e o medo: a culpabilização no ocidente (séculos XIII-XVIII). V. 1. Trad. Álvaro Lorencini. Bauru: Edusc, 2003.

DIAS, Paula Barata. A linguagem dos alimentos nos textos bíblicos: sentidos para a fome e para a abundância, Humanitas, v. 60, p. 157-175, 2008.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador. Vol. 1: uma história dos costumes. Trad. Ruy Jungmann. Revisão e apresentação: Renato Janine Ribeiro. 2ª ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

FEITLER, Bruno; SOUZA, Evergton Sales (org.). A Igreja no Brasil: normas e práticas durante a Vigência das Constituições Primeiras do Arcebispado da Bahia. São Paulo: Ed. Unifesp, 2011.

FERREIRA, F. A. Gonçalves. História da saúde e dos serviços de saúde em Portugal. Lisboa: Fundação Gulbenkian, 1990.

FIGUEIREDO, Patrick. A “Água de Inglaterra” em Portugal. In: BASTOS, Cristiana; BARRETO, Renilda (Orgs). A circulação do conhecimento: medicina, redes e impérios. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais (UL), 2012, p. 113-130.

FLANDRIN, J. L. A distinção pelo gosto. In: ARIES, P.; CHARTIER, R. História da vida privada: da Renascença ao Século das Luzes. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

FLANDRIN, Jean-Louis; MONTANARI, Massimo. História da Alimentação. Trad. Luciano Machado e Guilherme Teixeira. São Paulo: Estação Liberdade, 1998.

FLECK, Eliane Cristina Deckmann; DILLMANN, Mauro. “Esta receita é maravilhosa”: saberes e práticas curativas na literatura médica publica em Portugal na primeira metade do século XVIII, História (São Paulo), 2021 (no prelo).

FLECK, Eliane Cristina Deckmann; DILLMANN, Mauro. “Para a alma, & para o corpo he a gula o mais mortal peccado”: discursos religiosos e médicos sobre os entendimentos e os efeitos do consumo alimentar exagerado, Portugal, século XVIII. Varia Historia, Belo Horizonte, vol. 37, n. 74, p. 533-564, maio/ago 2021.

FLECK, Eliane Cristina Deckmann; DILLMANN, Mauro. “E se o frade quiser ser perfeitinho”: instruções para uma conduta exemplar do clero regular português no século XVIII. Revista Maracanan, n. 20, p. 30-50, jan. 2019.

FURTADO, Júnia; RESENDE, Maria Leônia (Orgs.). Travessias inquisitoriais das Minas Gerais aos cárceres do Santo Ofício: diálogos e trânsitos religiosos no império luso-brasileiro (sécs. XVI-XVIII). Belo Horizonte: Fino Traço, 2013.

GANDELMAN, Luciana; GONÇALVES, Mrgareth; FARIA, Patricia Souza de (Orgs.). Religião e Linguagem nos mundos ibéricos: identidades, vínculos sociais e instituições. Seropédica: Ed. UFRRJ, 2015.

GÉLIS, Jacques. O corpo, a Igreja e o sagrado. In: VIGARELLO, Georges (Dir.). História do corpo. V. 1: Da Renascença às Luzes. Trad. Lúcia Orth; revisão Ephraim Alves. 2ª ed. Petrópolis: Vozes, 2008, p. 19-130.

HERMANN, Jacqueline; MARTINS, William de Souza (Orgs.). Poderes do Sagrado: Europa católica, América ibérica, África e Oriente portugueses (séculos XVI-XVIII). Rio de Janeiro: Multifoco, 2016.

HUIZINGA, Johan. O outono da Idade Média: estudo sobre as formas de vida e pensamento dos séculos XIV e XV na França e nos Países Baixos. Trad. Francis Janssen. São Paulo: Cosac Naify, 2010.

MACIEL, Maria Eunice; CASTRO, Helisa Canfield de. A comida boa para pensar: sobre práticas, gostos e sistemas alimentares a partir de um olhar socioantropológica, Demetria: Alimentação, nutrição & saúde, 8 (supl. 1), p. 321-328, 2013.

MARTINS, William de Souza. Modelos de santidade no Período Moderno segundo o Portugal ilustrado pelo sexo feminino (1734). In: FLECK, Eliane Cristina Deckmann; DILLMANN, Mauro (Orgs.). O Universo letrado da Idade Moderna: escritoras e escritores portugueses e luso-brasileiros, séculos XVI-XIX. São Leopoldo: Oikos/Unisinos, 2019.

MONTELEONE, Joana. Sobre reis, livros e cozinheiros: notas para uma pequena história dos tratados de cozinha em português. In: ALGRANTI, Leila Mezan; MEGIANI, Ana Paula (Orgs). O Império por Escrito: formas de transmissão da cultura letrada no mundo ibérico, séculos XVI-XIX. São Paulo: Alameda, 2009, p. 427-438.

NOGUEIRA, André Luís L. “Comida como remédio”: agentes de cura e receitas médicas no setecentos. Revista do Arquivo Geral da cidade do Rio de Janeiro, n. 14, p. 19-40, 2018.

PEREIRA, Milena da Silveira. Uma nova bebida para curar em terras lusas (século XVIII). In: FRANÇA, Susani Silveira; VIOTTI, Ana Carolina (Orgs.). Cuidar do espírito e do corpo entre o velho e os novos mundos (séculos XIII-XVIII). São Carlos: Eduscar, 2019, p. 395-408.

QUELLIER, Florent. Gula: história de um pecado capital. Trad. Gian Bruno Grosso. São Paulo: Senac São Paulo, 2011.

RENOUARD, Y. O grande comércio do vinho na Idade Média. Revista de História (USP), v. 6, n. 14, p. 301-314, 1953.

RIPE, Fernando. A constituição do sujeito infantil moderno na cultura impressa portuguesa do século XVIII. Tese de doutorado em Educação, PPGE, Universidade Federal de Pelotas, 2019.

RODRIGUES, Aldair Carlos; et. al. (Orgs.). Edificar e transgredir: clero, religiosidade e Inquisição no espaço ibero-americano (séculos XVI-XIX). Jundiaí: Paco Editorial, 2016.

SÁNCHEZ, Carlos Alberto González. El espíritu de la imagen: arte y religión en el mundo hispánico de la Contrarreforma. Madrid: Cátedra, 2017.

VIOTTI, Ana Carolina. Da mesa à mesinha, a alimentação como remédio (século XVIII). In: ALGRANTI, Leila Mezan; MACÊDO, Sidiana da Consolação (Orgs.). História e Alimentação: Brasil, séculos XVI-XXI. Belém: Paka-Tatu, 2020, p. 46-69.

VON HOFFMANN, Viktoria. From Gluttony to Enlightenment: the world of taste in Early Modern Europe. Urbana: University of Illinois Press, 2016.

Downloads

Publicado

2021-12-06

Como Citar

DILLMANN, M. Comer e beber “até perder o juízo”: o pecado da gula na literatura religiosa publicada em Portugal, século XVIII. Revista de História Regional, [S. l.], v. 26, n. 2, 2021. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/rhr/article/view/17173. Acesso em: 26 jun. 2022.