O caso Sady e Ágaba: política, movimento estudantil e violência escolar na Parahyba do Norte (1923)

Autores

Resumo

O presente artigo, escrito com ênfase nas análises históricas, aborda os desdobramentos de movimentos estudantis e poder político local, decorrentes do crime cometido contra o estudante lyceano Sady Castor Correia de Araújo, de 27 anos, assassinado junto aos gradis de ferro da praça Comendador Felizardo Leite, em frente à Escola Normal, no dia 22 de setembro de 1923, na cidade de Parahyba, capital do então estado da Parahyba do Norte. O caso teve ampla repercussão, principalmente nos meios de comunicação da época (jornais impressos), com reflexos no cenário político parahybano e nacional, coincidindo com o agravamento das tensões faccionais locais, não por coincidência às vésperas das eleições de 1924. O texto busca compreender as motivações que levaram os estudantes do Grêmio Cívico-Literário 24 ao enfrentamento político com o governo do estado da Parahyba do Norte, sugerindo que a morte violenta e repentina do estudante Sady tenha servido de “estopim” para o agravamento das tensões políticas locais. Inscrito numa perspectiva teórica da Nova História Cultural, explora-se o campo de fenômenos em torno da problemática dos novos sujeitos históricos e da ampliação do campo de estudo do historiador na perspectiva da Micro-História. A metodologia adotada aproxima-se daquilo que Ginzburg (1991) intitulou de “paradigma indiciário”, também definido por Barros (2004) como “análise intensiva das fontes”. Utiliza-se como fontes privilegiadas jornais e revistas da época, documentos oficiais, jurídicos e historiográficos e parte da literatura sobre o caso.

Palavras-chave: Política; Movimento estudantil; Violência escolar

Biografia do Autor

Favianni da Silva, Secretaria de Estado de Educação da Amazônia

Doutor em Educação Brasileira pela Universidade Federal do Ceará (2014); Mestrado em Educação pela Universidade Federal da Paraíba (2007); Licenciado em História pela Universidade Federal da Paraíba (2004). Atualmente é professor efetivo da Secretária de Estado de Educação e Professor Redator e Fomador do ProBNCC. Tem experiência na área de História e educação, particularmente nas seguintes campos de estudo: História da Educação, Ensino de História, Fundamentos Históricos, Filosóficos e Sociológicos da Educação , Gestão Educacional, Didática e Política Educacional, Currículo,Tecnologias aplicada a educação e Metodologia de Pesquisa em Ciências Humanas.

José Gerardo Vasconcelos, Universidade Federal do Ceará

Pós-Doutorado em História da Educação pelo Centro de Educação, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte ( 2015 - 2016 ),  Pós-Doutorado em Educação pela Universidade Federal da Paraíba (2011 - 2012), Pós-Doutorado em Artes Cênicas, pela Escola de Teatro, da Universidade Federal da Bahia (2002), Pós-Doutorando em Sociologia pela Universidade Federal da Paraíba (2021-), Doutorado em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará (1997), Mestrado  em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará (1993); Especialização em Filosofia Política pela Universidade Estadual do Ceará (1990), Bacharelado em Filosofia Política pela Universidade estadual do Ceará (1989), Licenciatura em Filosofia pela Universidade Estadual do Ceará (1988). Professor Titular de Filosofia da Educação da Faculdade de Educação, da Universidade Federal do Ceará. Editor da Revista Educação em Debate PPGE/UFC ( 1995 - 2010). Vice-coordenador do PPGE/UFC (2009 -2011). Tutor do PET Pedagogia da UFC (2010-2015) (2020 - ). É líder do Grupo de Pesquisa de História e Memória da Educação do CNPq - NHIME. Tem experiência na área de Educação e Política, com ênfase em Filosofia da Educação, Filosofia Política, História da Educação e Antropologia da Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: Filosofia Política, Filosofia da Educação Contemporânea (Nietzsche e Foucault) e História e Memória da Educação (Biografias de Educadores do século XX e XXI/ Narrativas de mulheres educadoras militantes no contexto do pós-1964) e Antropologia da Educação (disciplinamento do corpo, sexualidade, práticas de escrita na cadeia, cultura negra/capoeira e educação quilombola)

Antônio Roberto Xavier, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-brasileira

Doutor em Educação pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Professor do Programa de Pós-Graduação em Sociobiodiversidade e Tecnologias Sustentáveis da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab).

Charliton José dos Santos Machado, Universidade Federal da Paraíba

Professor Titular da Universidade Federal da Paraíba/UFPB. Lotado no Departamento de Metodologia da Educação - DME no Centro de Educação/CE. Pesquisador Convidado do Centro de Investigação em Educação de Adultos e Intervenção Comunitária (CEAD) da Universidade do Algarve/Portugal. Pós-Doutorando em Educação pela Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Coimbra/Portugal. Pós-Doutorado em História e Filosofia da Educação pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp/2009). Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN/2001). Mestre em Sociologia pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB/1997). Licenciado em Ciências Sociais (UFPB/1994). Professor com atuação permanente nos seguintes Programas de Pós-Graduação: Educação (PPGE) e Sociologia (PPGS), ambos da UFPB, atuando como orientador (Mestrado e Doutorado), principalmente nos seguintes temas: Educação, História, Cultura e Gênero. Foi Vice-Coordenador e Coordenador do PPGE/UFPB, ente os anos de 2009-2013. Supervisionou pós-doutorados de professores de diversas universidades brasileiras (entre as quais UFC, UECE, UFRB, UFRR, UFCG, UEPI). É Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq - Nível 1D - CA ED - Educação. Membro da Sociedade Brasileira de História da Educação (SBHE), desde a fundação, em 1999. Membro do Comitê de Assessoramento de Educação (CA-ED) do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico/CNPq e docente pesquisador do Grupo de Estudos e Pesquisas "História da Educação da Paraíba" (HISTEDBR/GT-PB), desde 2005. Autor e co-autor de vários livros e artigos em periódicos nacionais e internacionais.

Referências

A UNIÃO, sábado, 22 out. 1932.

AGUIAR, R. C. L.; GRÁCIO J. C. Grêmio estudantil: construindo novas relações na escola. In: BASTOS, J. B. (org.). Gestão democrática. 3. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. p. 57-72.

BARROS, J. D. O campo da História: especialidades e abordagens. Petrópolis: Vozes, 2004.

BRASIL. Estudantes que passaram a noite velando o cadáver. Jornal A Tarde, Parahyba do Norte, 24 set. 1923.

CUNHA, O. C. Associações de outrora (palestra realizada na sessão de 3 de outubro de 1937). Revista do Instituto Histórico e Geográfico Paraibano, João Pessoa, v. 10, p. 93-98, 1946.

FAORO, R. Os donos do poder: formação do patronato político brasileiro. 16. ed. São Paulo: Globo, 2004.

FAUSTO, B. O crime do restaurante chinês: Carnaval, futebol e justiça na São Paulo dos anos 30. São Paulo: Companhia das Letras, 2009, p. 5.

FOUCAULT, M. Eu, Pierre Rivière, que degolei minha mãe, minha irmã e meu irmão: um caso de parricídio do século XIX. Rio de Janeiro: Graal, 2007.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 2011, p. 28.

GINZBURG, C. O queijo e os vermes: o cotidiano de um moleiro perseguido pela Inquisição. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

GURJÃO, E. Q. Morte e vida das oligarquias: Paraíba (1889-1945). João Pessoa: UFPB, 1994.

LEWIN, L. Política e parentela na Paraíba: um estudo de caso da oligarquia de base familiar. Rio de Janeiro: Record, 1993.

LIMA, A. C. João da Mata: Escola Industrial de João Pessoa. Estado da Paraíba: Curso de Tipografia e encadernação, 1951, p. 22.

MARIZ, C. Apanhados históricos da Paraíba. 2. ed. João Pessoa: UFPB, 1980.

MELLO, J. O. A. Solon de Lucena: ascensão burguesa e democracia na Paraíba. In: LEITE, S. R. et al. (org.). Solon de Lucena: democracia e década de vinte na Paraíba. João Pessoa: A União, 1979.

MELO, F. João Dantas: uma biografia. 2. ed. João Pessoa: Ideia, 2002, p. 55-56.

MENEZES, J. R. História do Lyceu Parahybano. João Pessoa: UFPB, 1982.

PARAHYBA DO NORTE. Mensagem apresentada á Assembleia Legislativa na abertura da 4 sessão ordinária da 8 legislatura, 1º de setembro de 1924, pelo dr. Sólon Barbosa de Lucena, presidente do estado. Parahyba, Imprensa Official, 1924, s.p., p. 8.

REVISTA ERA NOVA, abril de 1921.

SILVA, F. O caso Sady e Ágaba: o crime da praça Comendador Felizardo Leite e a revolta dos estudantes do grêmio 24 de março. 2014. 330 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2014.

TRINDADE, H. Integralismo: o fascismo brasileiro na década de 30. 2. ed. São Paulo: Difel, 1979.

VASCONCELOS, A. A. V. A história de um historiador. João Pessoa: Coleção Discursos Acadêmicos, 1983. v. 5.

VASCONCELOS, A. B. (org.). Apologia do amor: Sady e Ágaba. João Pessoa: Unipê, 2009.

VASCONCELOS, A. B. O drama de Ágaba. 2. ed. Campina Grande, 1987.

Downloads

Publicado

2021-12-06

Como Citar

SILVA, F. da; VASCONCELOS, J. G. .; ROBERTO XAVIER, A.; MACHADO, C. J. dos S. . O caso Sady e Ágaba: política, movimento estudantil e violência escolar na Parahyba do Norte (1923). Revista de História Regional, [S. l.], v. 26, n. 2, 2021. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/rhr/article/view/17693. Acesso em: 26 jun. 2022.