Trabalhismo e medicina na Paraíba (1932 – 1942)

Autores

  • Leonardo Querino Querino Barboza Freire dos Santos IFPB

Resumo

Neste artigo, analisamos as possíveis articulações entre a produção científica do saber médico e a ideologia política do “trabalhismo” implementada no governo Vargas, problematizando a participação da ciência médica na tentativa de (con)formação das classes trabalhadoras. Para abordar este problema, discutimos especificamente como os médicos que atuaram na Paraíba durante este período se apropriaram dos corpos de trabalhadores que frequentavam os serviços públicos de saúde como “objetos de ciência”. Para isso, problematizamos os discursos médicos produzidos sobre os grupos subalternos na revista Medicina, publicação oficial da Sociedade de Medicina e Cirurgia da Paraíba, entre os anos de 1932 e 1942. Além de fornecer novas possibilidades de leitura sobre a produção científica longe dos grandes centros, a análise da documentação permite concluir que tais práticas e discursos médicos não se limitavam à Paraíba, visto que a política de centralização administrativa implementada por Vargas e as redes de comunicação da ciência, de que faziam parte os doutores paraibanos, ligavam as questões locais ao contexto nacional e mesmo internacional. Para discutir as relações entre Estado e classes trabalhadoras no período getulista, nos baseamos na noção de “trabalhismo”, desenvolvida por Ângela de Castro Gomes. Já para problematizar as interfaces entre saúde e política no mesmo período, dialogamos com os conceitos de “medicina social”, “dispositivo” e “biopolítica”, formulados por Michel Foucault.

Biografia do Autor

Leonardo Querino Querino Barboza Freire dos Santos, IFPB

Doutor em História Social (USP) e Professor do Instituto Federal da Paraíba (IFPB).

Referências

AGRA, Giscard Farias. Modernidade aos goles: a produção de uma sensibilidade moderna em Campina Grande, 1904 a 1935. Recife: Dissertação (Mestrado em História), UFPE/CFCH, 2008, 220 p.

ARAÚJO, Rafael Nóbrega. O “terrível flagelo da humanidade”: os discursos médico-higienistas no combate à sífilis na Paraíba (1921 – 1940). Campina Grande-PB: Dissertação (Mestrado em História), UFCG/CH, 2020, 250 p.

BOLTANSKI, Luc. As classes sociais e o corpo. Tradução de Regina A. Machado. 2. ed. Rio de Janeiro, Edições Graal, 1984, 191 p.

BULCÃO, Lúcia Grando; EL-KAREH, Almir Chaiban; SAYD, Jane Dutra. “Ciência e ensino médico no Brasil (1930 – 1950)”. In: História, Ciências, Saúde – Maguinhos, Rio de Janeiro, 2007, Vol. 14, nº 2, p. 469-487. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-59702007000200005&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 18/08/2021.

CALLON, Michel. “Algunos elementos para una sociología de la traducción: la domesticación de las vieiras y los pescadores de la Bahía de Saint Brieuc”. In: IRANZO, Juan Manuel. et al. (org.). Sociologia de la ciencia y la tecnologia. Madrid, CSIC, 1995, p. 259-282.

CASTRO, Oscar Oliveira. Medicina na Paraíba: flagrantes da sua evolução. João Pessoa, A União, 1945, 443 p.

FERREIRA, Jorge Luiz. Trabalhadores no Brasil: o imaginário popular (1930 – 1945). Rio de Janeiro, Editora Fundação Getúlio Vargas, 1997, 132 p.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade – Curso no Collège de France (1975 – 1976). Tradução Maria Ermantina Galvão. São Paulo, Martins Fontes, 2005, 382 p.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Organização, introdução e revisão técnica de Roberto Machado. 6. ed. Rio de Janeiro/São Paulo, Paz e Terra, 2017, 432 p.

GOMES, Ângela de Castro. A invenção do Trabalhismo. 2. ed. Rio de Janeiro, Relume Dumará, 1994, 300 p.

GOMES, Ângela de Castro. Cidadania e direitos do trabalho. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 2002, 83 p.

GOMES, Ângela de Castro. “Ideologia e trabalho no Estado Novo”. In: D. PANDOLFI (org.). Repensando o Estado Novo. Rio de Janeiro, Fundação Getúlio Vargas, 1999, p. 53-72.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere. Vol. 5. Tradução Luiz Sérgio Henriques. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2002, 461 p.

GURJÃO, Eliete de Queiroz. Morte e vida das Oligarquias. Paraíba (1889 – 1945). João Pessoa, Editora Universitária/UFPB, 1994, 222 p.

KNORR-CETINA, Karin. “A comunicação na ciência”. In: GIL, Fernando (org.). A ciência tal qual se faz. Tradução Paulo Tunhas. Lisboa, Ed. João Sá da Costa, 1999, p. 375-393.

LATOUR, Bruno; WOOLGAR, Steve. A vida de laboratório: a produção dos fatos científicos. Tradução Ângela Ramalho Vianna. Rio de Janeiro, Relume Dumará, 1997, 310 p.

NÓBREGA, Humberto. As raízes da ciência da saúde na Paraíba: medicina, farmácia, odontologia e enfermagem. João Pessoa, Editora Universitária/UFPB, 1979, 372 p.

SANTOS, Leonardo Querino Barboza Freire dos. Admirável corpo novo: discursos médicos sobre as classes trabalhadoras (Paraíba, 1930-1945). São Paulo: Tese (Doutorado em História Social), USP/FFLCH, 2020.

SANTOS, Leonardo Querino Barboza Freire dos. Entre a ciência e a saúde pública: a construção do médico paraibano como reformador social (1911 – 1929). Campina Grande-PB: Dissertação (Mestrado em História), UFCG/CH, 2015, 254 p.

SANTOS, Wanderley Guilherme dos. Cidadania e Justiça: a política social na ordem brasileira. Rio de Janeiro, Campus, 1979, 138 p.

SHAPIN, Steven. Nunca pura. Estudos históricos de ciências como se fora produzida por pessoas com corpos, situados no tempo, no espaço, na cultura e na sociedade e que se empenham por credibilidade e autoridade. Tradução Erick Ramalho. Belo Horizonte, Fino Traço Editora, 2013, 564p.

SILVA, Eliana Gesteira da; FONSECA, Alexandre Brasil. “Ciência, estética e raça: observando imagens e textos no periódico O Brasil Médico, 1928 – 1945”. In: História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, 2013, Vol. 20 (supl.), p. 1287-1313. Disponível em https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-59702013000501287&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 18/08/2021.

SILVA, James Roberto. Doença, fotografia e representação: revistas médicas em São Paulo e Paris, 1869 – 1925. São Paulo: Tese (Doutorado em História Social), USP/FFLCH, 2003, 275 p.

SINGER, Paul. “A cidadania para todos”. In: PINSKY, Jaime; PINSKY, Carla Bassanezi (orgs.). História da cidadania. 6. ed. São Paulo, Contexto, 2012 p. 190-263.

SOARES JÚNIOR, Azemar dos Santos. Corpos hígidos: o limpo e o sujo na Paraíba (1912-1924). João Pessoa: Dissertação (Mestrado em História), UFPB/CCHLA, 2011, 193 p.

Downloads

Publicado

2022-11-07

Como Citar

QUERINO BARBOZA FREIRE DOS SANTOS, L. Q. Trabalhismo e medicina na Paraíba (1932 – 1942). Revista de História Regional, [S. l.], v. 27, n. 02, 2022. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/rhr/article/view/19467. Acesso em: 8 dez. 2022.