Localismo, sobrevalorização do presente e história dos faxinais (Séc. XVIII - XIX)

Autores

  • José Adilçon Campigoto Universidade Estadual do Centro Oeste do Paraná, UNICENTRO
  • Ancelmo Schörner UNICENTRO

Resumo

Reflexões a respeito da história dos faxinais, propondo sua divisão em períodos, como alternativa à sobrevalorização do presente, à perspectiva estruturalista e ao localismo, detectados em algumas produções acadêmicas sobre a temática faxinalense. A fase inicial, se estende do tempo anterior à chegada dos europeus até o início do XIX. A fase da ocupação e do cercamento, do início do XIX até o final do XX. E a fase atual, da organização social e política, que começa no final do XX e início do XXI, até o presente. Assim, o modelo clássico do criadouro comum cercado, como experiência restrita a uma região, integra-se na história de ocupação e uso deste tipo de áreas.

Biografia do Autor

José Adilçon Campigoto, Universidade Estadual do Centro Oeste do Paraná, UNICENTRO

possui graduação em Estudos Sociais pela Fundação Educacional de Brusque (1986), mestrado em História pela Universidade Federal de Santa Catarina (1996) e doutorado em História pela Universidade Federal de Santa Catarina (2000). Atualmente é professor adjunto a da Universidade Estadual do Centro Oeste do Paraná. Tem experiência na área de História, com ênfase em História Cultural, atuando principalmente nos seguintes temas: representação - região - fronteira - pastoral - movimento social - hermenêutica - texto - poder - saber e imaginário . Atualmente pesquisa os povos do sistema de faxinal.

Ancelmo Schörner, UNICENTRO

Doutor em História pela Universidade Federal de Santa Catarina, professor associado do Departamento de História e do Programa de Pós-graduação em História da Universidade Estadual do Centro Oeste (UNICENTRO).

Referências

ALBUQUERQUE, J. M. de. Florística, estrutura e aspectos físicos de floresta ombrófila mista em Sistema Faxinal no município de Rebouças, Paraná. Irati, 2009. Dissertação (mestrado). Universidade Estadual do Centro-Oeste, UNICENTRO.
AVÉ-LALLEMAND, Robert. 1858, viagem pelo Paraná. Curitiba: Fundação cultural, 1995.
AMARAL, Tadeu. O dialeto caipira. Disponível em https://www.literaturabrasileira.ufsc.br/_documents/0042-01267.html. Acesso em 23/08/2021.
ARTICULAÇÃO DOS POVOS FAXINALENSES. Nova cartografia social dos povos e comunidades tradicionais do Brasil. Série faxinalenses do sul do Brasil. Fascículo 2: faxinalenses no centro do Paraná. Guarapuava, s/E, 2008.
BOURDIEU, Pierre. Coisas ditas. São Paulo, Brasiliense, 1990.
FARIA, Francisco de Souza e. Do novo caminho que se descobrio da Campanhas do Rio Grande e nova Colonia do Sacramento para a Villa de Coritiba no anno de 1727, por ordem do governador e general de S. Paulo, Antônio da Silva caldeira Pimentel. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, T. 59, parte I, Rio de Janeiro: imprensa nacional, 1908. pp. 237-243.
CAMPOS, Nazareno José de. Terras comunais na ilha de Santa Catarina. Florianópolis: Editora da UFSC, 1991.
CAMINHA, Pero Vaz de, “Carta a El-Rei D. Manuel I”, in Paulo Roberto Pereira (ed.), Os três únicos testemunhos do descobrimento do Brasil. Rio de Janeiro: Lacerda Editores, 1999. pp. 31-66 [1500].
CAMPOS, José Nazareno de. Terras de uso comum no Brasil: abordagem histórico-socioespacial. 2ª Ed. Florianópolis: Editora da UFSC, 2016.
CARDOSO, Maria Aparecida Wolff. Tropeirismo regional. In: SANTOS, Lucila S. Et al. (Org.). Bom Jesus na rota do tropeirismo no Cone Sul. Porto Alegre: EST, 2004.
CARVALHO, Horácio Martins. Da aventura à esperança: A experiência auto gestionária no uso comum da terra. Curitiba, inverno de 1984.
CHANG, Man Yu. Sistema faxinal: uma forma de organização camponesa em desagregação no centro-sul do Paraná. Londrina, IAPAR, 1988.
FITZ, Lucimara da Silva. O tropeirismo no paraná: a cultura tropeira em Castro. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em História) Curso de História da Universidade regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul. Ijuí/RS, 2013.
FLORES, Moacyr. O tropeirismo e a economia colonial. In: SANTOS, Lucila S. Et al. (Orgs.). Bom Jesus e o tropeirismo no Brasil Meridional. Porto Alegre: EST, 1995.
HAURESCO, Cecília; CORREIA, Reginaldo de Lima; GOMES, Marquiana de Freitas Vilas Boas. A relação entre a conservação ambiental da floresta com araucárias e os sistemas faxinais no Paraná. In.: Revista Pegada – vol. 18 n.1, 2017.
HOLESKO, Gustavo Filipe. Para além do “Paraná ilha”: camponeses faxinalenses, território e autonomia na porção meridional da América do sul. In.: ENCONTRO NACIONAL DA AMPEGE, 11., 2015, Presidente Prudente (SP). Anais... Presidente Prudente (SP): UFGD Editora, 2015, p. 1473-1483.
IGNACIO, José. Notícia – segunda prática. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, T. 59, parte I, Rio de Janeiro: imprensa nacional, 1908. pp. 247 – 252.
MANEIRA, Regiane. Narrativas sobre a praga de gafanhotos nas localidades de faxinal do Rio do Couro, faxinal dos Mellos e Rio do Couro: Irati-PR, década de 1940. Dissertação (Mestrado em História) – Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Estadual do Centro Oeste do Paraná, Irati, 2015.
MICHAELIS. Moderno Dicionário da Língua Portuguesa. Disponível em: <http://michaelis.uol.com.br/moderno/portugues/index.php>. Acesso em: Acesso em 29/01/2018.
LEITE, P. F.; KLEIN, R. M. Vegetação. In: IBGE - FUNDAÇÃO INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (Ed). Geografia do Brasil: região Sul. Rio de Janeiro: SERGRAF/ IBGE, v. 2, p. 113-150, 1990.
LITTLE, Paul. Territórios sociais e povos tradicionais no Brasil: Por uma antropologia da territorialidade. Anuário Antropológico, v. 28, n. 1, pp. 251-290, 2018.
NETO, Joaquim Shiraishi. O direito dos povos dos faxinais. In.: ALMEIDA, Alfredo Wagner Breno de. [Et al.] Terras de Faxinais. Manaus: Edições da Universidade do Estado do Amazonas - UEA, 2009.
NUNES, Rozele Borges. A manutenção do bilinguismo português/ polonês: um estudo da produção oral e escrita de seis famílias bilíngues no município de Dom Feliciano/RS. Reunião Regional da ANPED: Educação, Movimentos Sociais e Políticas Educacionais. UFPR/ Curitiba, 2016.
PEREIRA, Magnus Roberto de Mello; LIMA, Leonardo de Souza. Monumenta: Posturas municipais – Curitiba, 1895; Palmeira, 1895; Guarapuava, 1854-1870. V. 2, nº 7. Curitiba: Aos quatro ventos, 1998.
PINHEIRO, José Feliciano Fernades. Annaes da Província de São Pedro. Paris: Typographia Cassimir, 1839.
RELATÓRIOS DOS PRESIDENTES DAS PROVÍNCIAS BRASILEIRAS – IMPÉRIO/RS. Fundação Biblioteca Nacional. Disponível em:
<http://memoria.bn.br/DocReader/Hotpage/HotpageBN.aspx?bib=252263&pagfis=4823&url=http://memoria.bn.br/docreader#>. Acesso em: 23/08/2018.
SALDANHA, José. Diário resumido do reconhecimento dos campos de novo descobertos sobre a serra geral, nas cabeceiras do rio Pardo. Jornal do Instituto Geográfico Brasileiro, Tomo III, Rio de Janeiro, 1841, p. 64-76.
SCHMIDT, Maira Luisa Sandoval; MAHFOUD, Miguel. Halbwhachs: Memória coletiva e experiência. In: Psicologia USP, [S. l.], v. 4, n. 1-2, p. 285-298, 1993.
STADLER, Cleusi Teresinha Boato. Colônia Bella Vista: um espaço construído pelas práticas sociais dos imigrantes italianos em Imbituva/PR. Dissertação (Mestrado em História) – Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Estadual do Centro Oeste do Paraná, Irati, 2015.
SIQUEIRA, Rosangela Bojukas de. Rede puxirão de povos e comunidades tradicionais: possibilidades de disputas de hegemonia política no Paraná – entre 2007 e 2015. Tese (Doutorado em Ciências Sociais Aplicadas) Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais Aplicadas da Universidade Estadual de Ponta Grossa. Ponta Grossa, 2017.
SAMPAIO E SOUZA, Afonso Botelho de Sampaio e. Expedições do Tibagy: 1769 – 1772. In. Archivo do Estado de São Paulo. Documentos interessantes para a história e costumes de São Paulo. Diversos. São Paulo: Typographia da companhia estadual de São Paulo, 1896. Pp 37-107.
SOUZA, Roberto Martins de. Mapeamento social dos faxinais no Paraná. In.: ALMEIDA, Alfredo Wagner Breno de. Et al. Terras de Faxinais. Manaus: Edições da Universidade do Estado do Amazonas - UEA, 2009.
_____________________. Levantamento de fontes documentais e arquivistas. In.: ALMEIDA, Alfredo Wagner Breno de. Et al. Terras de Faxinais. Manaus: Edições da Universidade do Estado do Amazonas - UEA, 2009.
VIDAL, Marly Camargo; MALACHER, Maria Ataide. Sesmarias: Instituto de terras. Belem: ITERPA, 2009.

Documentos:
CURITIBA. Provimentos de correições. BOLETIM DO ARQUIVO MUNICIPAL DE CURITIBA. V. 8. Curitiba: Livraria mundial, 1924.
CURITIBA. Resoluções, ordens e provisões e termos de vereança. BOLETIM DO ARQUIVO MUNICIPAL DE CURITIBA. V. 10. Curitiba: Livraria mundial, 1924.
CURITIBA. Resoluções, ordens e provisões e termos de vereança. BOLETIM DO ARQUIVO MUNICIPAL DE CURITIBA. V. 12. Curitiba: Impressora paranaense, 1925.
CURITIBA. CÓDIGO DE POSTURAS MUNICIPAIS DE CURITIBA, 1895.
Jornal A República. Curitiba, 30 dez. 1909.
PALMEIRA. CÓDIGO DE POSTURAS MUNICIPAIS DE PALMEIRA, 1895.
CÓPIA DE UMA CARTA QUE ESCREVRÃO DA CAMPANHA DE PERNAMBUCO OS MESTRES DE CAMPO MARTIM SOARES MORENO E ANDRÉ VIDAL DE NEGREIROS AO GOVERNADOR CAPITÃO GERAL DE MAR E TERRA DESTE ESTADO DO BRAZIL ANTÔNIO TELLES DA SILVA E OUTRA QUE ELLES ENVIARÃO AO RECIFE. In. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Tomo LXIX, parte I. Rio de Janeiro: Imprensa nacional, 1908, p. 193.
CARTA DE SESMARIAS DE TERRA DO POTUNAN. In.: Boletim do archivo municipal de Curityba. V. X. Curityba Livraria Mundial, 1924.
PROJETO NOVA CARTOGRAFIA SOCIAL DOS POVOS E COMUNIDADES TRADICIONAIS DO BRASIL. Série Faxinalenses do sul do Brasil. F. 2. Guarapuava: 2008.
ANAIS DO SENADO. Anno de 1831. Livro 2. Disponível em https://www.senado.leg.br/publicacoes/anais/pdf/Anais_Imperio/1831/1831%20Livro%202.pdf. Acesso em 06/10/2020.

Downloads

Publicado

2022-11-07

Como Citar

CAMPIGOTO, J. A.; SCHÖRNER, A. Localismo, sobrevalorização do presente e história dos faxinais (Séc. XVIII - XIX). Revista de História Regional, [S. l.], v. 27, n. 02, 2022. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/rhr/article/view/20103. Acesso em: 7 dez. 2022.