Os faxinais e erva-mate: a incorporação da produção camponesa ao movimento da indústria capitalista

Autores

  • Marcelo Barreto UEPG
  • Cicilian Luiza Löwen Sahr UEPG

Resumo

Este trabalho propõe uma forma de compreensão do avanço do capitalismo no campo do Brasil Meridional.  Geralmente, o modo de produção capitalista incorpora relações alheias ao seu modo para extrair a renda da terra em forma de mercadoria.  Neste caso acontece a monopolização da força de trabalho camponesa.  As comunidades de Faxinais representam uma forma de organização camponesa na região da Floresta com Araucária do Paraná, que existia por mais de 200 anos e que era um dos fatores responsáveis pela intensificação da ocupação deste espaço no século XIX. No fim do século XIX e início de XX, a procura pelos ervais nativos que se encontravam no sub-bosque das Araucárias representou a principal fonte de renda para os faxinalenses.  Atualmente, a atividade de extração e beneficiamento da erva-mate não tem grande relevância para estes camponeses como em épocas anteriores, pois a indústria ervateira incorporou todo o processo de produção artesanal deixando aos faxinalenses apenas com a tarefa de cuidar dos ervais.

Biografia do Autor

Marcelo Barreto, UEPG

Mestrando em Gestão do Território na Universidade Estadual de Ponta Grossa

Cicilian Luiza Löwen Sahr, UEPG

Professora do progama de pós-graduação em Geografia na Universidade Estadual de Ponta Grossa

Downloads

Como Citar

BARRETO, M.; LÖWEN SAHR, C. L. Os faxinais e erva-mate: a incorporação da produção camponesa ao movimento da indústria capitalista. Terr@ Plural, [S. l.], v. 1, n. 2, p. 73–83, 2008. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/tp/article/view/1153. Acesso em: 5 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos