Interpretando a biodiversidade: a avifauna do Parque Nacional dos Campos Gerais (Paraná, Brasil)

Palavras-chave: interpretação ambiental, observação de aves, unidade de conservação, ecoturismo

Resumo

A interpretação ambiental é uma ferramenta auxiliar na compreensão da
paisagem e seus componentes, frequentemente utilizada em unidades de conservação
(UC) para sensibilização dos visitantes. Visando aprimorar a interpretação ambiental e
fomentar a observação de aves no Parque Nacional dos Campos Gerais, este estudo
visa discutir a importância dos meios interpretativos para atingir os objetivos das UCs,
apresentando uma proposta de painel e um mini guia sobre a avifauna presente. Além da
pesquisa bibliográfica e auxílio de um especialista em ornitologia, foram realizadas visitas
de campo. Assim, os instrumentos de interpretação propostos, com intuitos diferentes,
mas complementares, podem atingir públicos distintos, ampliando a vivência na UC, a
promoção do turismo sustentável e a potencial na conservação das aves.

Biografia do Autor

Tatiane Ferreira do Vale, Grupo Universitário de Pesquisas Espeleológicas, GUPE, Ponta Grossa, PR

Mestre em Gestão do Território (2015-2017) e graduada em Bacharelado em Turismo (2010-2013) pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). 

Juliano Rodrigues Oliveira, Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, ICMBio, Parna dos Campos Gerais, PR

Biólogo graduado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2001). Atualmente é analista ambiental do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), em exercício no Parque Nacional dos Campos Gerais.

Ana Cláudia Folmann, Universidade Estadual de Ponta Grossa, UEPG, Ponta Grossa, PR

Doutoranda em Geografia (2016-atual), Mestre em Gestão do Território (2015-2017) e graduada em Bacharelado em Turismo (2010-2013) pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). É especialista em Ecoturismo (2005) pela Universidade Federal de Lavras.

Lilian Miranda Garcia, Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, ICMBio

Possui graduação em tecnologia ambiental com enfase em Controle Ambiental pelo Instituto Federal de Educação Tecnológica de Pelotas (2003). Mestrado em Gestão do Território pela UEPG, na área de uso público em área protegida. Atualmente é analista ambiental do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Tem experiência na área gestão de Unidades de Conservação. 

Jasmine Cardozo Moreira, Universidade Estadual de Ponta Grossa, UEPG, Ponta Grossa, PR

É professora associada da Universidade Estadual de Ponta Grossa, no curso de Bacharelado em Turismo e Pós Graduação em Gestão do Território (mestrado) e Geografia (doutorado). É também professora assistente adjunta (visitante), na Universidade de West Virginia, nos Estados Unidos, onde desenvolve pesquisas em parceria com o Serviço Florestal Americano. Possui graduação em Bacharelado em Turismo pela Universidade Federal do Paraná, especialização em Ecoturismo, mestrado em Turismo e Hotelaria pela Universidade do Vale do Itajaí, doutorado em Geografia pela UFSC e pós-doutorado pelas Universidades de Zaragoza (Espanha) e West Virginia (Estados Unidos).

Antonio Cesar Caetano, Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, ICMBio, Parna dos Campos Gerais, PR

Possui graduação em Agronomia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1995), mestrado em Agronomia (Produção Vegetal) pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1998) e graduação em Direito pela Universidade de Caxias do Sul (2017). É analista ambiental do Instituo Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, atualmente locado no Parque Nacional dos Campos Gerais. 

Anderson Warkentin

Administrador de empresas pela Fundação de Estudos Sociais do Paraná (FESP). Atualmente é Assistente Adminstrativo da Empreendimentos Agropecuários Rio Bonito Ltda.aves.

Referências

Argel-de-Oliveira, M. M. A. (1996). Subsídios para a atuação de biólogos em educação ambiental: o uso das aves urbanas em educação ambiental. Mundo saúde (Impr.), 263-70.
Baptista, L., & Moreira, J. C. (2017). Simbiose entre tecnologia móvel e patrimônio natural: uma proposta pedagógica. Revista Brasileira de Ecoturismo (RBEcotur), 10 (2) 227-246.
Brasil. (2008). Ministério do Turismo. Ecoturismo: orientações básicas. Brasília: Ministério do Turismo.
Brasil. (2006). Decreto s/nº 23 de março de 2006. Criação do Parque Nacional dos Campos Gerais. Brasília-DF: Senado Federal, 2013. 47p.
Caetano, A. C., Gomes, B. N., Jeses, J. S., Garcia, L. M., & Reis, S. T dos (Org.) (2018). Interpretação Ambiental em Unidades de Conservação Federais. Brasília: ICMBio.
Cordell, H. K., & Herbert, N. G. (2002). The popularity of birding is still growing. Birding. 54-61.
de Piacentini, V. Q., Aleixo, A., Agne, C. E., Maurício, G. N., Pacheco, J. F., Bravo, G. A., Brito, R. R., Naka, L. N., Olmos, F., Posso, S., Silveira, L. F., Betini, G. S., Carrano, E., Franz, I., Less, A. C., Lima, L. M., Pioli., Schunck, F., Amaral, F. R do., Bencker, G. A., Cohn-Haft, M., Figueiredo, L. F. A., Strauber, F. A., & Cesari, E. (2015). Annotated checklist of the birds of Brazil by the Brazilian Ornithological Records Committee/Lista comentada das aves do Brasil pelo Comitê Brasileiro de Registros Ornitológicos. Ornithology Research, 23(2), 91-298.
Encyclopedia Britannica. (2020). QR Code. Disponível em https://www.britannica.com/technology/QR-Code
Garcia, L. M. V. (2015). Cachoeira da Mariquinha: Impactos e potencialidades do Uso Público no Parque Nacional dos Campos Gerais-PR. (Dissertação de Mestrado em Gestão do Território). Universidade Estadual de Ponta Grossa. Paraná, Ponta Grossa.
Guimarães, G. B., Melo, M. S. D., Piekarz, G. F., Moreira, J. C., Liccardo, A. &, Mochiutti, N. F. (2012). Geoparque dos Campos Gerais (PR): proposta. In: Schobbenhaus, C.; & Silva, C. R. da. Geoparques do Brasil. (pp.617-628) Rio de Janeiro: CPRM.
Farias, G. B de. (2007). A observação de aves como possibilidade ecoturística. Revista Brasileira de Ornitologia,15 (3), p. 474-477.
Ham, S. (1992). Environmental Interpretation: A practical guide for people with big ideas for small budgets. North American Press. Golden, CO.
Hose, T. A. (2000). Geoturismo europeo. Interpretación Geológics y promoción de la conservación geológica para turistas. In: Barretino, D.; Winbledon, W. P.; & Gallego, E. Patrimonio Geológico: conservation y gestion. (p. 137-149). Madrid: ITGE.
ICMBio. (2020). Monitoramento da visitação em Unidades de Conservação Federais: Resultados de 2019 e breve panorama histórico. Brasília-DF: ICMBio.
ICMBio. (2019). Unidade de Conservação Parque Nacional dos Campos Gerais/PR. Ponta Grossa: Parna Campos Gerais.
ICMBio. (2018a). Visitação em Parques Nacionais cresce 20% em 2017. Disponível em http://www.icmbio.gov.br/portal/ultimas-noticias/20-geral/9484-visitacao-nos-parques-cresce-20-em-2017.
ICMBio. (2018b) Dados de visitação 2007-2016. Disponível em http://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/comunicacao/noticias/2017/dados_de_visitacao_2012_2016.pdf
ICMBio. (2018c). Manual de sinalização: Unidades de Conservação Federais do Brasil. 2. ed. Brasília-DF: ICMBio.
ICMBio. (2018d). Parna dos Campos Gerais. Disponível em: http://www.icmbio.gov.br/portal/unidadesdeconservacao/biomas-brasileiros/mata-atlantica/unidades-de-conservacao-mata-atlantica/2207-parna-dos-campos-gerais
ICMBio. (2018e). Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção: Volume III – Aves. Brasília-DF: ICMBio/MMA.
ICMBio. (2018f). Instrução Normativa n. 14 de 10 de outubro de 2018. Dispões sobre procedimentos para realização de atividades de observação de aves em Unidades de Conservação federais. Brasília-DF: ICMBio.
Maack, R. (2012). Geografia Física do Estado do Paraná. 4 ed. Ponta Grossa: Editora UEPG.
Massuqueto, L. P., Melo, M. S., Guimarães, G. B., & Lopes, M. C. (2009). Cachoeira de Santa Bárbara no Rio São Jorge, PR: bela paisagem realça importante contato do embasamento com rochas glaciogênicas siluro-ordovicianas. Sítios Geológicos e Paleontológicos do Brasil. Brasília: CPRM, v. 2,163-174.
Melo, M. S., Lopes, M. C., & Boska, M. A. (2005). Furna do Buraco do Padre, Formação Furnas, PR–Feições de erosão subterrânea em arenitos devonianos da Bacia do Paraná. Sítios Geológicos e Paleontológicos do Brasil. Brasília-DF, 7,
Melo, M. S., Lopes, M. C., Boska, M.A. (2005). Furna do Buraco do Padre, Formação Furnas, PR - Feições de erosão subterrânea em arenitos devonianos da Bacia do Paraná. In: Winge,M., Schobbenhaus, C., BerbertBorn, M., Queiroz, E. T., Campos, D. A., Souza, C. R. G., & Fernandes, A. C. S. (Eds.), Sítios Geológicos e Paleontológicos do Brasil.
Melo, M. S., Moro, R. S., & Guimarães, G. B. (2010). Os Campos Gerais do Paraná. In: Melo, M. S., Moro, R. S., & Guimarães, G. B. Patrimônio Natural dos Campos Gerais do Paraná. (pp.201-212). Ponta Grossa: Editora UEPG.
Moreira, J. C. (2011). Geoturismo e Interpretação Ambiental. Ponta Grossa: Editora UEPG.
Moreira, J. C., & Rocha, C. H. (2010) Unidades de Conservação nos Campos Gerais. In: Melo, M. S., Moro, R. S., & Guimarães, G. B. Patrimônio Natural dos Campos Gerais do Paraná. (pp. 201-212). Ponta Grossa: Editora UEPG.
Neder, H. D. (2008). Amostram em pesquisas socioeconômicas. Editora Alínea: Campinas.
Netto, P. S. (2020). Aves: Entre Campos. Bianconi, G. F., Silva, M. D. da., & Roque, A.F. (Org.) Entre campos - ciência e educação nos Campos Gerais do Paraná. (pp. 69-73) Curitiba, INPCON: Instituto Neotropical.
Oliveira, E. A de. (2012). O Parque Nacional dos Campos Gerais: Processo de criação, caracterização ambiental e proposta de priorização de áreas para regularização fundiária. (Tese de Doutorado em Engenharia Florestal). Universidade Federal do Paraná, Paraná, Curitiba.
Paraná. (2018). Lei 7957 - 21 de Novembro de 1984. Declara ave-símbolo do Paraná a Gralha Azul e dá outras providências. Disponível em https://www.legislacao.pr.gov.br/legislacao/pesquisarAto.do?action=exibirImpressao&codAto=7206.
Ribeiro, J. C. G., Carneiro, M. M., Silva, A. R. da., & Moreira, J. C. (2017). Proposta de painel informativo para o Parque Nacional dos Campos Gerais: Furnas Gêmeas. Anais do 5 Congresso de Turismo dos Campos Gerais e da 12 Semana de Estudos Turísticos. (p. 255-261). Ponta Grossa, Brasil.
SEBRAE. (2018). Turismo de observação de aves: O rico e crescente universo de birdwatching.
SDSTP. Secretaria do Desenvolvimento Sustentável do Paraná. Gralha-Azul. Disponível em http://www.turismo.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=100
ṢEKERCİOG̅LU, C. H. (2002). Impacts of birdwatching on human and avian communities. Environmental conservation, 282-289.
Silveira, L. F. (2013) Corvídeos: Enorme Variação de tipos. Cães & Cia. p.51-52.
Soares, O. (1989). Furnas dos Campos Gerais do Paraná. Curitiba: Scientia et Labor.
Souza, T. V. B., Thapa, B., Rodrigues, C. G. O., & Imori, D. (2015). Contribuições do Turismo em Unidades de Conservação Federais para a Economia Brasileira-Efeitos dos Gastos dos Visitantes em 2015. Brasília-DF: ICMBio.
Tilden, F. (1957). Interpreting our heritage: Principles and practices for visitor services in parks, museums, and historic places. University of North Carolina Press.
Uejima, A. M. K., & Bornschein, M. R. (2010). As aves dos Campos Gerais. In: Melo, M. S., Moro, R. S., & Guimarães, G. B. (Orgs.). Patrimônio Natural dos Campos Gerais do Paraná. (pp. 109-121). Ponta Grossa: Editora UEPG.
Valadares, P. (2015). Turismo de observação de aves ganha adeptos no Brasil. Disponível em: http://www.turismo.gov.br/%C3%BAltimas-not%C3%ADcias/5119-turismo-de-observacao-de-aves-ganha-adeptos-no-brasil.html
Vasconcellos, J. (2003). Interpretação ambiental. In Mitraud, S. (Org.) Manual de ecoturismo de base comunitária: ferramentas para um planejamento responsável. Brasília-DF: WWF Brasil.
Vasconcellos, J. (1997). Trilhas interpretativas como instrumento de educação. In Anais do I Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação. (p. 465-477) Curitiba, Brasil: IAP / Unilivre: Rede Nacional Pró Unidade de Conservação.
Publicado
2021-03-30
Seção
Artigos/ Articles