DIVERSIDADE FLORÍSTICA E FUNCIONAL-REPRODUTIVA DAS ESPÉCIES ARBÓREAS-ARBUSTIVAS UTILIZADAS NA ORNAMENTAÇÃO DE PRAÇAS DO MUNICÍPIO DE SÃO RAIMUNDO NONATO, PIAUÍ, BRASIL.

Palavras-chave: áreas urbanas, polinização, diversidade funcional

Resumo

Caracterizamos as áreas verdes urbanas (praças) do município de São Raimundo Nonato, Piauí, quanto a composição florística e o serviço de polinização fornecido, comparando com ecossistema natural (Caatinga), por meio de índices de diversidade funcional de atributos reprodutivos. A metodologia seguiu o padrão de coleta e identificação das espécies, classificação (origem, atributos florais e síndromes de polinização) e análise de dados. Os resultados apontam que as praças apresentam maior diversidade funcional, como resultado da riqueza de espécies exóticas, contudo, com sistemas de polinização especializados e recursos inacessíveis aos polinizadores nativos. Retirando-as, os índices são maiores na Caatinga, revelando a necessidade de planejamento na arborização com espécies nativas sugeridas.

Biografia do Autor

Taíse dos Santos Silva, Universidade Estadual do Piauí, Campus Prof. Ariston Dias Lima, UESPI, Sâo Raimundo Nonato, PI.

Aluna de Graduação do Curso de Licenciatura Plena em Ciências Biológicas.

Marcos Vinicius Meiado, Universidade federal do Sergipe, Campus Professor Alberto Cravalho, Itabaiana, SE.

Possui graduação em Ciências Biológicas - Bacharelado pela Universidade Federal de Pernambuco (2005), Mestrado (2008) e Doutorado (2012) em Biologia Vegetal pela mesma instituição. Atualmente é professor do Departamento de Biociências (DBCI), da Universidade Federal de Sergipe (UFS). Tem experiência na área de Botânica, com ênfase em Ecofisiologia Vegetal de Ambientes Semiáridos, atuando, principalmente, nos seguintes temas: alelopatia, banco de sementes do solo, Cactaceae, conservação de espécies ameaçadas de extinção, desenvolvimento inicial, germinação e memória hídrica de sementes. Professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Conservação (PPEC / UFS São Cristóvão), onde realiza estudos e orienta trabalhos nas linhas de pesquisa "Biodiversidade da Caatinga" e "Restauração de Áreas Degradadas"; bem como do Programa de Pós-Graduação em Ciências Naturais (PPGCN / UFS Itabaiana), orientando na linha de pesquisa "Biodiversidade e Meio Ambiente

Sheila Milena Soares, Universidade Estadual do Piauí, Campus Prof. Ariston Dias Lima, UESPI, Sâo Raimundo Nonato, PI.

Bióloga formada pela Universidade Federal do Piauí (2007). Mestre (2009) e Doutora (2015) em Biologia Vegetal pelo Programa de Pós-Graduação em Biologia Vegetal (PPGBV) da Universidade Federal de Pernambuco, ambos com ênfase Ecologia e linha de pesquisa em Ecologia da Polinização. Atualmente Professora Adjunto com dedicação exclusiva do curso de Licenciatura Plena em Ciências Biológicas da Universidade Estadual do Piauí (Desde 2009).

Referências

Aleixo, K. P., De Faria, L. B., Groppo, M., Do Nascimento Castro, M. M. & Da Silva, C. I. (2014) Spatio temporal distribution of floral resources in a Brazilian city: Implications for the maintenance of pollinators, especially bees. Urban Forestry & Urban Greening,13(4): 689-696.

Alvarez, I. A., Oliveira, U. R., De Mattos, P. P., Braz, E. M. & Canetti, A. (2012). Arborização urbana no semiárido: espécies potenciais na Caatinga. Embrapa Florestas 243:10-28.

Apgaua, D. M. G., Pereira, D. G. S., Santos, R. M., Menino, G. C. O., Pires, G. G., Fontes, M. A. L. & Tng, D. Y. P. (2015). Floristic variation within seasonally dry tropical forests of the Caatinga Biogeographic Domain, Brazil, and its conservation implications. International Forestry Review, 17(2): 33-44.

Ayres, M., Ayres Junior, M., Ayres, D. L., & Santos, A. D. A. D. (2007). BioEstat: aplicações estatísticas nas áreas das ciências biomédicas. Belém: Ong Mamiraua.

Baldock, K. C. R., Goddard, M. A., Hicks, D. M., Kunin W. E., Mitschunas N., Osgathorpe, L. M., … Memmott, J. (2015). Where is the UK's pollinator biodiversity? The importance of urban areas for flower-visiting insects. Proceedings of the Royal Society B: Biological Sciences, 282 (1803): 2014-2849.

Barbosa L. A, Lopes, C. G. R. & Lopes, W. G. R. (2015) Levantamento das espécies vegetais das praças de São João dos Patos-MA. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, 10 (1): 19-29.

Bartalini, V. (1986). Áreas verdes e espaço livres urbanos. Paisagem e Ambiente, 1-2: 49-56.

Bencke C. S. C. & Morellato, L. P. C. (2002). Estudo comparativo da fenologia de nove espécies arbóreas em três tipos de floresta atlântica no sudeste do Brasil. Revista Brasileira de Botânica, .25(2): 237-248.

Biesmeijer, J. C., Roberts, S. P., Reemer, M., Ohlemüller, R., Edwards, M., Peeters, T.& Settele, J. (2006). Parallel declines in pollinators and insect-pollinated plants in Britain and the Netherlands. Science 313 (5785): 351-354.

Breeze, T. D., Bailey, A. P., Balcombe, K. G. & Potts, S. G. (2011). Pollination services in the UK: How important are honeybees?. Agriculture, Ecosystems & Environment, 142 (3-4): 137-143.

Brun, F. G. K., Link, D. & Brun, E. J. (2007). O emprego da arborização na manutenção da biodiversidade de fauna em áreas urbanas, Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, 2(1): 117-127.

Camilo, M. T. A. & Miranda, S. C. (2015). A vegetação lenhosa nas praças públicas do município de Palmeiras de Goiás-Go. SaBios-Revista de Saúde e Biologia, 10 (3): 119-127.

CEPRO. (2011). Diagnóstico socioeconômico município São Raimundo Nonato. Recuperado de: http://www.cepro.pi.gov.br/download/201106/CEPRO21_4fb7f12358/ Acesso em 18 de abril de 2018.

CGEE (2017) Importância dos polinizadores na produção de alimentos e na segurança alimentar global - Brasília, DF: Centro de Gestão e Estudos Estratégicos.

Charles, H. & Dukes, J. S. (2008). Impacts of invasive species on ecosystem services. In: Biological invasions (vol .193). Berlin: Springer.

Cianciaruso, M. V., Silva, I. A. & Batalha, M. A. (2009). Diversidades filogenética e funcional: novas abordagens para ecologia de comunidades. Biota Neotropica, 9(3): 1-11.

CRIA. Centro de Referência em Informação Ambiental. Species Link. Disponível em: http://splink.cria.org.br/Acesso em 18 de abril de 2018.

CDB. Convenção da diversidade biológica, 1992. Disponível em: http://gddc.ministeriopublico.pt/sites/default/files/documentos/instrumentos/dec21-1993.pdf/ Acesso em 18 de abril de 2018.

Da Nóbrega, C. C., Souto, P. C., Ramos, T. M. (2018). Análise de áreas verdes urbanas no município de Patos, Paraíba. Agropecuária Científica no Semiárido, Patos-PB. Agropecuária Científica no Semiárido 14: 204-212,

Da Silva C. D. D. (2016). Composição florística do bairro Nossa Senhora De Nazaré, Natal–RN: Subsídios para arborização urbana. Unisanta BioScience, 5(2):169-175.

Da Silva Costa, J. R., De Farias, D.T. & Botrel, R. T. (2019). Levantamento da população arbórea em bairro recém-planejado de Mossoró-RN. Agropecuária Científica no Semiárido, 15 (2): 133-138.

Da Silva, L. S., Oliveira, Y. R., Da Silva, P. H., De Mendonça Pimentel, R. M. & De Abreu, M. C. (2018) Inventário das plantas arbustivo-arbóreas utilizadas na arborização urbana em praças públicas. Journal of Environmental Analysis and Progress, 3 (2): 241-249.

De Jesus, J. B., Junior, R. R. V., De Mello, A. A. & Ferreira, R. A. (2015). Análise da arborização de praças do município de Nossa Senhora do Socorro–SE. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana,10 (2): 61-77.

De Queiroz, L. P. (2006). The Brazilian Caatinga: phytogeographical patterns inferred from distribution data of the Leguminosae. In: Pennington, R. T., Lewis, G. P. &Ratter, J. A. (Eds.), Neotropical Savannas and Seasonally Dry Forests (pp. 135-171), Boca Ranton: CRC Press.

De Queiroz, L. P., Cardoso, D., Fernandes, M. F., & Moro, M. F. (2017). Diversity and evolution of flowering plants of the Caatinga Domain. In: da Silva J. M. C., Leal, I. R., Tabarelli, M. (Eds), Caatinga (pp. 23-63). Springer, Champ.

Diaz, S. & Cabido, M. (2001). Vive la difference: plant functional diversity matters to ecosystem processes. Trends in Ecology & Evolution,16 (11): 646-655.

Dos Santos, A. C. B., Da Silva, M. A. P., Souza, R. K. D. (2012). Levantamento florístico das espécies utilizadas na arborização de praças no município de Crato, CE. Cadernos de Cultura e Ciência, 10 (1): 13-18.

Endress, P. K. (1994). Diversity and evolutionary biology of tropical flowers. Cambridge: Cambridge University-Press.

Ethur, L. Z., Ponce, M. M., Gass, S. L. B. & Silva, D. M. (2019). Composição florística e sua espacialização em praça centenária de Itaqui–RS. Periódico Técnico e Científico Cidades Verdes, 7(15): 59-72.

Faegri, K. & Pijl, L. (1979). The Principles of Pollination Ecology. London: Pergamon Press.

Ferreira, M. C.& Consolaro, H. (2013). Fenologia e síndromes de polinização e dispersão de espécies de sub-bosque em um remanescente florestal urbano no Brasil Central. Bioscience Journal, 29(5): 1708-1720.

Figueiredo, R. A. (1991). Espécie-especificidade das vespas de figo: um estudo com figueiras exóticas. Ciência e Natura, 13: 117-121.

Fontaine, C., Dajoz, I., Meriguet, J., Loreau, M. (2006). Functional diversity of plant-pollinator interactions webs enhances the persistence of plant communities. Plos One, 4:129-135.

Forzza, R. C et al. (2010). Introdução.In: Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

Frankie, G. W., Thorp, R. W., Hernandez, H., Rizzardi, M., Ertter, B., Pawelek, J. C. … Wojcik, V. A. (2009). Native bees are a rich natural resource in urban California gardens. California Agriculture, 63 (3): 113-120.

Girão, L.C., Lopes, A.V., Tabarelli, M. & Bruna, E.M. (2007). Changes in tree reproductive traits reduce functional diversity in a fragmented Atlantic Forest landscape. PLoS One, 2 (9): e908.

Gómez-Baggethun, E. & Barton, D. N. (2013). Classifying and valuing ecosystem services for urban planning. Ecological economics, 86: 235-245.

GOOGLE. Google Earth website. Disponível em: http://earth.google.com/ Acesso em: 25 de Janeiro de 2019.

Gottsberger, G. & Silberbauer-Gottsberger, I. (2006). Life in the Cerrado: a South American Tropical Seasonal Vegetation. v. 2, Pollination and seed dispersal, Ulm: Reta Verlag.

Haber, W. A. (1984). Pollination by deceit in a mass-flowering tropical tree Plumeria rubra L. (Apocynaceae). Biotropica, 16(4): 269-275.

Hall, D. M., Camilo, G. R., Tonietto, R. K., Ollerton, J., Ahrné, K., Arduser, M. & Goulson, D. (2017). The city as a refuge for insect pollinators. Conservation Biology, 31(1): 24-29.
Haq, S. M. A. (2011). Urban Green Spaces and an Integrative Approach to Sustainable Environment. Department of Asian and International Studies. Journal of environmental protection, 2 (05): 601.

Harrison, T. & Winfree R. (2015). Ecology of organisms in urban environments urban drivers of plant-pollinator interactions. Functional Ecology, 29(7): 879-888.

Henning, E. I., Ghazoul, J. (2011). Plant-pollinator interactions within the urban environment. Perspectives in Plant Ecology, Evolution and Systematics,13 (2): 137-150.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades. Recuperado de: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pi/sao-raimundo-nonato/panorama/Acesso em 17 de abril de 2018.

IBM Corp (2017). (Version 25.0) [IBM SPSS Statistics for Windows]. Armonk, NY: IBM Corp.

Krebs, C. J. (1989). Ecological Metodology. New York: Harper and Row 654.

Lima V. & Amorim, M. C. C. T. A. (2006). Importância das áreas verdes a qualidade de ambiental das cidades. Formação (Online), 1 (13): 139-165.

Lopes, A. V., Girão, L. C., Santos, B. A., Peres, C. A. & Tabarelli, M. (2009). Long-term erosion of tree reproductive trait diversity in edge-dominated Atlantic forest fragments. Biological Conservation, 142(6): 1154-1165.

Machado, I. C. & Lopes, A. V. (2003). Recursos florais e sistemas de polinização e sexuais em Caatinga. In: Leal et al. (Ed), Ecologia e Conservação da Caatinga (pp. 515-563). Recife: Editora Universitária da Universidade Federal de Pernambuco.

Machado, I. C.& Lopes, A. V. (2004). Floral traits and pollination systems in the Caatinga, a Brazilian tropical dry forest. Annals of Botany, 94 (3): 365-376.

Machado, W., Prata, A. P. & Mello, A. (2012). Floristic composition in areas of Caatinga and Brejo de Altitude in Sergipe state, Brazil. Check List, 8(6): 1089.

Machado, R. R. B., Meunier, I. M. J., Da Silva, J. A. A. & Castro, A. A. J. F. (2006). Árvores nativas para a arborização de Teresina, Piauí. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, 1(1): 10-18.

Maroja, T. E., Da Silva, M. A. C., De Andrade, L. K. F. & Quirino, Z. G. M. (2018). Dados preliminares de síndromes de polinização e dispersão da flora herbácea em praças do bairro Tambiá da cidade de João Pessoa, Paraíba. Revista Brasileira de Meio Ambiente, 4(1): 069-084

Martins, F. Q. & Batalha, M. A. (2006). Pollination systems and floral traits in cerrado woody species of the upper Taquari region (Central Brazil). Brazilian Journal of Biology, 66(2A): 543-552.

Mckinney, M. L. (2008). Effects of urbanization on species richness: a review of plants and animals. Urban ecosystems, 11(2):161-176.

Memmott, J. & Waser, N. M. (2002). Integration of alien plants into a native flower–pollinator visitation web. Proceedings of the Royal Society of London. Series B: Biological Sciences, 269 (1508): 2395-2399.

Mendonça, L. B. & Anjos, L. (2005). Beija-flores (Aves, Trochilidae) e seus recursos florais em uma área urbana do Sul do Brasil. Revista Brasileira de Zoologia, 22 (1): 51-59.

MOBOT- MISSOURI BOTANICAL GARDEN. Disponível em: http://www.tropicos.org/ Acesso em 12 de março de 2018.

Mori, S. A. (1989). Manual de manejo do herbário fanerogâmico. Ilhéus: Centro de Pesquisa do Cacau.

Moro, M., Martins, F.R. (2011). Métodos de levantamento do componente arbóreo – arbustivo. In: Felfili, J. M., Eisenlohr, P. V., Melo, M. M. R. F., Andrade, L. A., & Meira Neto, J. A. A. (Eds), Fitossociologia do Brasil: métodos e estudos de casos (ed, 1, v. 1, p. 174-212). Viçosa: UFV.

Oliveira, M T P D. (2014). Atributos reprodutivos e polinizadores de espécies arbóreas em ecossistema urbano (Dissertação de Mestrado), Universidade Federal de Pernambuco-UFPE, Recife, Pernambuco, Brasil.

Oliveira, P. E. & Gibbs, P. E. (2000). Reproductive biology of woody plants in a cerrado community of Central Brazil. Flora,195 (4): 311-329.

Ollerton, J., Winfree, R. & Tarrant, S. (2011). How many flowering plants are pollinated by animals?. Oikos, 120 (3): 321-326.

Pennington, R. T., Lavin, M. & Oliveira-Filho, A. (2009). Woody plant diversity, evolution, and ecology in the tropics: perspectives from seasonally dry tropical forests. Annual Review of Ecology, Evolution, and Systematics, 40:437-457.

Pennington, R. T., Lewis, G. P. & Ratter, J. A. (2006). An Overview of the Plant Diversity, Biogeography and Conservation of Neotropical Savannas and Seasonally Dry Forests. In: Pennington, R. T., Lewis, G. P., Ratter, J. A. (Eds), Neotropical Savannas and Seasonally Dry Forests. Florida: The Systematics Association CRC Press.

Potts, S. G., Biesmeijer, J. C., Kremen, C., Neumann, P., Schweiger, O. & Kunin, W. E. (2010). Global pollinator declines: trends, impacts and drives. Trends in ecology & evolution, 25 (6): 345-353.

Potts, S. G., Fonseca-Imperatriz, V., Ngo, H. T., Aizen, M. A., Biesmeijer, J. C., Breeze, T. D., Dicks, L. V. … Vanbergen, A. J. (2016). Safeguarding pollinators and their values to human well-being. Nature, 540 (7632): 220-229.

Proctor, M., Yeo P. & Lack, A. (1996). The Natural History of Pollination. London: Harper Collins. Publishers.

Quirino, Z. G. M. & Machado, I.C. 2014. Pollination syndromes in a Caatinga plant community in northeastern Brazil: seasonal availability of floral resources in different plant growth habits. Brazilian Journal of Biology, 74(1): 62-71.

Raven, P. H., Evert, R. F. & Eichhorn, S. E. (2007). Biologia vegetal. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Rech, A. R., Bergamo, P. J. & Figueiredo, R. A. (2014). Polinização abiótica. In: Rech, A. R., Agostini, K., Oliveira, P. E., & Machado, I. C. (Eds.), Biologia da Polinização (1ª ed). Rio de Janeiro: Projeto Cultural.

Ribeiro, E. M., Lohbeck, M., Santos, B. A., Arroyo‐Rodríguez, V., Tabarelli, M. & Leal, I. R. (2019). Functional diversity and composition of Caatinga woody flora are negatively impacted by chronic anthropogenic disturbance. Journal of Ecology, 107(5): 2291-2302.

Santos, C. Z. A., Ferreira, R. A., Santos, L. R. D. C., Santos, L. I. D. C., Graça, D. A. S. D., Gomes, S. H. M. & Boschese, A. C. D. B. (2011). Composição florística de 25 vias públicas de Aracaju–SE. Composição florística de 25 vias públicas de Aracaju-SE. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, 6 (2): 125-144.

Santos-Filho, F. S., Soares, C. J. D. R. S., Da Silva, A. C. R., De Queiroz, Y. D. S., De Sousa Honório,S. & Silva, F. F. (2016). Síndromes de Polinização e de Dispersão das Espécies Lenhosas nos Parques Ambientais em Teresina, Piauí, Brasil. Revista Equador, 5 (3): 360-374.

Silva, I. D. S. (2018). Levantamento das espécies arbóreas e percepção sobre a arborização da praça centenário em Maceió, AL. (Trabalho de Conclusão de Curso). Centro de Ciências Agrárias, Universidade Federal de Alagoas-UFAL, Maceió, Alagoas, Brasil.

Sobrevilla, C. & Arroyo, M. T. K. (1982). Breeding systems in a montane tropical cloud forest in Venezuela. Plant Systematics and Evolution, 140 (1): 19-37.

Souza, D. L., Evangelista-Rodrigues, A. & Caldas Pinto, M. D. S. (2007). As abelhas como agentes polinizadores. REDVET. REDVET. Revista electrónica de Veterinária, 8(3): 1-7.

Sousa, L. M., Figueirêdo, M. F. & Braga, P. E. T. (2013). Levantamento quali–quantitativo da arborização urbana do Distrito de Rafael Arruda, Sobral, CE. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, 8 (3):118-129.

Souza, A. L. D., Ferreira, R. A., Mello, A. A. D., Plácido, D. D. R., Santos, C. Z. A. D., Graça, D. A. S. D., & Silva, T. L. D. (2011). Quantitative and qualitative diagnostic of urban trees squares in Aracaju, SE, Brazil. Revista Árvore, 35 (6): 1253-1263.

Tilman, D., Knops, J., Wedin, D., Reich, P., Ritchie, M. & Siemann, E. (1997) The influence of functional diversity and composition on ecosystem process. Science, 277 (5330): 1300-1302.

Traveset, A. & Richardson, D. M. (2006). Biological invasions as disruptors of plant reproductive mutualisms. Trends in ecology & evolution, 21 (4): 208-216.

Vamosi J. C., Knight, T. M., Steets, J. A., Mazer, S. J., Burd, M. & Ashman, T. (2006). Pollination decays in biodiversity hotspots. Proceedings of the National Academy of Sciences, 103(4): 956-961.

Van Der Kooi, C. J.& Ollerton, J. 2020. The origins of flowering plants and pollinators. Science, 368 (6497): 1306-1308.

Wiebes, J. T. 1979. Co-evolution of figs and their insect pollinators. Annual review of ecology and systematics,10(1): 1-12, 1979.

Willmer, P. (2011). Pollination and floral ecology. New Jersey: Published by Princeton University Press.

Zapata, T. R. & Arroyo, M. T. K. (1978). Plant reproductive ecology of a secondary decidous tropical forest in Venezuela. Biotropica, 10 (3): 221-230.

Zea, C.J. D., Barroso, R. F., Souto, P. C., Souto, J. S. & Novais, D. B. (2014). Levantamento da Arborização Urbana de Santa Helena, no Seminário do Paraíba. Anais do Congresso Brasileiro de Arborização Urbana, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Recuperado de http://sbau.web2204.uni5.net/Arquivos/21366.pdf.

Zerbe, S., Maurer, U., Schmitz, S. & Sukopp, H. (2003). Biodiversity in Berlin and its potential for nature conservation. Landscape and urban planning, 62 (3): 139-148.
Publicado
2021-04-06
Seção
Artigos/ Articles