Levantamento e potencial de plantio da arborização de calçadas em vias públicas da área urbana de Ponta Grossa, PR

Palavras-chave: indicador arbóreo, floresta urbana, adensamento arbóreo

Resumo

A arborização viária proporciona uma série de benefícios sociais, ambientais e econômicos. Devido sua importância para a qualidade de vida urbana, o conhecimento do patrimônio arbóreo oferece subsídios para o poder público elaborar e aperfeiçoar planos de gestão voltados à arborização urbana. Este estudo teve como objetivo levantar a distribuição espacial e estimar o potencial de plantio da arborização de vias públicas da área urbana de Ponta Grossa, cidade média no sul do Brasil. Através de análise visual com o auxílio de imagem de alta resolução do sensor Plêiades, foi estimado o número de árvores por quilômetro de via, em parte apoiado por dados obtidos em campo. Foram levantadas 28.925 árvores e identificado um potencial para plantio de 64.122 árvores, portanto, um déficit de 35.197 árvores. Observou-se uma média de 22,52 arv./km, que se enquadra no nível de atenção ‘muito alta’. Assim fornece-se subsídios para o desenvolvimento de um plano de arborização urbana que contemple a arborização viária.

Biografia do Autor

Sandra Stocker Kremer Tadenuma, Universidade Estadual de Ponta Grossa, UEPG, Ponta Grossa, PR

Licenciada em Geografia pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). E Pós-graduada em Geografia Urbana e Análise Ambiental pela Universidade Estadual de Ponta Grossa e Educação a Distância - Gestão e Tutoria pelo Centro Universitário Leonardo Da Vinci (UNIASSELVI). Mestre em Gestão do Território pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG).

Silvia Méri Carvalho, Universidade Estadual de Ponta Grossa, UEPG, Ponta Grossa, PR

Bacharel e Licenciada em Geografia pela Universidade Estadual de Ponta Grossa. Mestre em Geografia pela UNESP-Rio Claro e Doutora em Geografia pela UNESP- Presidente Prudente. Professora Associada aposentada do Departamento de Geociências da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG).

Referências

Alvez, T. R. da S., Vacari, T. C., Abreu, C. A. A. & Fantin-Cruz, I. (2014). Aplicação de Ferramentas de Geotecnologia para Quantificação Arbórea em Área Urbana. E&S - Engineering and Science, (2014), 2(1),1-9.

Araujo, M. N. de & Araujo, A. J.de. (2011). Arborização Urbana. Série de Cadernos Técnicos da Agenda Parlamentar. CREA - PR, 40 p.

Ardila, J. et al.(2012) Context-sensitive extraction of tree crown objects in urban areas using VHR satellite images. International Journal of Applied Earth Observation and Geoinformation, (15),57-69.

Berto, Z. V. (2004). Mapeamento e Análise do Uso da Terra na Cidade de Ponta Grossa – PR. 67f Monografia (Curso de Bacharelado em Geografia). Universidade Estadual de Ponta Grossa. Ponta Grossa.

Berto, Z. V. (2008). Análise da qualidade ambiental urbana de Ponta Grossa (PR): Avaliação de Algumas Propostas Metodológicas. 149f. Dissertação (Mestrado em Gestão do Território). Universidade Estadual de Ponta Grossa.

Biondi, D. (2008). Arborização Urbana: aplicação à educação ambiental nas escolas. Curitiba,120p.

Bargos, D.C. & Matias, L. F. (2011). Áreas Verdes Urbanas: Um Estudo de Revisão e Proposta Conceitual. REVSBAU. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana. Piracicaba. São Paulo, 6(3), 172-188.

Bonametti, J. H. (2003). Arborização Urbana. Terra e Cultura, Piracicaba. São Paulo, (36), 51-55.

Carvalho, F.G., Lisboa, C.M.C.A. & SantoS, T.O.B. (2012). Análise da arborização viária do bairro de Petrópolis, Natal, RN: uma abordagem para diagnóstico e planejamento da Flora Urbana. REVSBAU. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana. Piracicaba. São Paulo, 7(4), 90-106.

Castro, H. S., Dias,T. C. A. de C. & Amanajás, V. V. V. (2016).As geotecnologias como ferramenta para o diagnóstico da arborização urbana: o caso de Macapá, Amapá. Revista Ra’eGa –Curitiba,38,146-168, Dez. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v38
i0.42281

Corte, A. R., Vieira, F. A. B., Caldeira, D. R. M., Batista, J. A., Moreira, J. P.P. C. (2012). O Geoprocessamento como ferramenta para a avaliação quantitativa e qualitativa da arborização urbana do município de Colorado do Oeste – RO. In: III Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental, Goiânia/GO. Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental. Goiânia.

Crispim, M. P; Palhano, E. O. & Carvalho, S. M. (2018). Tendências de pesquisa em arborização de vias públicas com o uso de geotecnologias. Anais da XXV Semana da Geografia da UEPG, Ponta Grossa. Ponta Grossa. p. 1-5.

Dantas, I. C. & Souza, C. D. (2004). Arborização urbana na cidade de Campina Grande –PB: Inventário e suas espécies. Revista de Biologia e Ciências da Terra, 4 (2), 1-18.

EMBRAPA. (2020). Portal Árvores de Campinas. Disponível em http://mapas.cnpm.embrapa.br/arvores_campinas/. Consultado em 14/10/2020.

Garcia, A. A., Ribeiro, G. C. D., Raiol, L. L. & Melo, D. M. (2020). Diagnóstico quali-quantitativo da arborização das principais vias do município de Capanema, Pará. REVSBAU, Curitiba – PR, v.15(2), 56-74.

Grey, G. & Deneke, F. (1978). Urban forestry. 2. Ed. New York: John Wiley.

Grise, M.M; Araki, H. & Biondi, D. (2013). O uso de imagens de satélite de alta resolução espacial – GeoEye na identificação da arborização urbana. Anais XVI Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto – SBSR, Foz do Iguaçu, PR, Brasil, INPE.

IBGE-Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home Acesso em 09 nov. (2017)

Iwama, A. Y. (2014). Indicador de arborização urbana como apoio ao planejamento de cidades brasileiras. REVSBAU, Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana. Piracicaba- SP, 9(3),156-172.

Justino, S. T. P., Morais, Y. Y. G. A., Nascimento, A. K. de A. & Souto, P. C. (2018). Composição e georreferenciamento da arborização urbana no distrito de Santa Gertrudes, em Patos – PB. REVSBAU, Curitiba – PR, v.13(3), 24-35.

Lima Neto, E. M & Souza, R. M. (2009). Arborização urbana: gênese e relevância no planejamento territorial In: Souza, R. M. (Org.) Território, Planejamento e Sustentabilidade: conceitos e práticas. São Cristóvão: Editora UFS, pp. 55-68.

Lima, M.O; Vieira, V, C, B &Teixeira, M.A.C.C. (2009). Classificação da Cobertura Vegetal Urbana da Avenida Frei Serafim em Teresina-PI, Utilizando Técnicas de Sensoriamento Remoto e Geoprocessamento. III Simpósio Brasileiro de Ciências Geodésicas e Tecnologias da Geoinformação. Recife-PE, p.8-11.

Löwen Sahr, C. L. (2001). Dimensões de análise da verticalização: exemplos da cidade média de Ponta Grossa/PR. Revista de História Regional, Ponta Grossa, 5(1), 9-36.

Machado, R.R.B & Moraes, L.A. (2014). A Arborização Urbana do município de Timon-MA: Inventário, Diversidade e Diagnóstico Quali-Quantitativo. REVSBAU. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana. Piracicaba. São Paulo, 9 (4), 80-98.

Mendes, F. H., Petean, F. C. S., Polizel, J. L. & Silva Filho, D. F. (2016). Avaliação da fragmentação da cobertura arbórea de Maringá/PR utilizando geotecnologias. Scientia Plena. Vol. 12 (9). p. 1-9. doi: 10.14808/sci.plena.2016.090201.

Meneguetti, G.I.P. (2003). Estudo de dois métodos de amostragem para inventário da arborização de ruas dos bairros da orla marítima do município de Santos, SP – Piracicaba, 2003. 100f. Dissertação (Mestrado em Recursos Florestais). Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo.

Meneses, P. R & Almeida, T. (2012). Introdução ao Processamento de Imagens de Sensoriamento Remoto. 1. ed. Brasilia: CNPq, v. 1. 256p.

Milano, M. S. (1988). Avaliação quali-quantitativa e manejo da arborização urbana: o caso de Maringá. PR. 1988. 120f. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal) Setor de Ciências Agrárias, Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Milano, M. S. (1984). Avaliação e análise da arborização de ruas de Curitiba-PR. Dissertação (Mestrado) – UFPR, Curitiba-PR, 130p.

MPPR - MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ. (2018). Manual para elaboração do plano municipal de arborização urbana. 2ª ed. Curitiba. 65p.

Muniz, M.R., Crispim, M. P. & Carvalho, S. M. (2017). Tendências da pesquisa em arborização de vias públicas, a partir das produções publicadas na Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana. In: XXIV Semana da Geográfica da UEPG, 2017, Ponta Grossa. Anais. Ponta Grossa, p. 1-4.

Nascimento. E. & Matias. L. F. (2011). Expansão urbana e desigualdade socioespacial: uma análise da cidade de Ponta Grossa (PR). RA’E GA, Curitiba, Paraná. 23, 65-97.

Oliveira, L. M. de, Santos, A. F., Souza, P. A., Alves, K. C. C. de L. F.& Giongo, M. (2017). Diagnóstico da arborização nas calçadas de Gurupi, TO. REVSBAU, Piracicaba – SP,12, (1),105-121.

Pereira, G. de A., Barbosa, A. C. M. C., Oliveira, A. F., Silva, E. M. G. C., Pompeu, P. V. & Castro, M. B. (2020). Arborização viária de Lavras – MG: florística e uso de espécies nativas. REVSBAU, Curitiba – PR,15(1),13-25.

Pivetta, K. F. L & Silva-Filho, D. F. (2002). Arborização urbana. Boletim Acadêmico. Série Arborização Urbana, UNESP/FCAV/FUNEP. Jaboticabal, SP.

Ponzoni, F. J; ShimabukurO, Y. E & Kuplich, T. M. (2012). Sensoriamento Remoto da Vegetação. 2. Ed. São Paulo, Oficina de Textos.

PMPG. Plano Diretor (Coletânea da Legislação), Ponta Grossa. (2006). Disponível em http://www.pg.pr.gov.br/planodiretor. Acesso em maio/2019.

PMPG- Lei nº 10.408, de 03 de novembro de 2010. Fixa as normas para a aprovação e arruamentos, loteamentos e desmembramentos de terrenos no município de Ponta Grossa. Disponível em: https://planodiretor.pontagrossa.pr.gov.br/informacoes/. Acesso em 22/09/2020.

PMPG-Prefeitura inaugura novo espaço de viveiro municipal. Imprensa. Diário dos Campos. Ponta Grossa. 03 de ago, 2018. Disponível em: https://www.diariodoscampos.com.br/noticia/prefeitura-inaugura-novo-espaco-de-viveiro-municipal.

PMPG. Produtos do desenvolvimento do plano diretor e plano de mobilidade urbana municipal. (2018). Disponível em https://planodiretor.pontagrossa.pr.gov.br/informacoes/. Acesso em 22/09/2020.

Rocha, R. T. da; Leles, P. S. S. & Oliveira Neto, S. N. (2004). Arborização de vias públicas em Nova Iguaçu, RJ: o caso dos bairros Rancho Novo e CENTRO. Revista Árvore, 28(4), 599-607.

Rossetti, A. I. N., Pellegrino, P. R. M & Tavares, A. R. (2010). As árvores e suas interfaces no ambiente urbano. REVSBAU. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana. Piracicaba. São Paulo, 5(1),1-24.

Sampaio, C.F. & De Angelis. B.L.D. (2008). Inventário de Vias Públicas de Maringá –PR. REVSBAU. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana. Piracicaba, São Paulo.3(1), 37-57.

Sanchotene, M.C.C. (1994). Desenvolvimento e Perspectivas da Arborização Urbana no Brasil. In: Congresso Brasileiro de Arborização Urbana, 1994. São Luis. Anais, São Luis. P15-25.

Schiavo, B.N.V., Gaia, D.N.P., Anater.J.N., Corte A.P.D. & Sanqueta C.R. (2016). Uso de Imagens Orbitais de Alta Resolução Espacial para Amostragem da Arborização Urbana no Município de Santa Maria – RS. Enciclopédia Biosfera, Centro Científico Conhecer – Goiânia,13(23),13-36.

Schuch, M. I. S. (2006). Arborização Urbana: uma contribuição à qualidade de vida com o uso das geotecnologias. 2006, 101f. Dissertação (Mestrado em Geomática) Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria.

Silva Filho, D.F.; Costa, F.P.S. & Polizel, J.L. (2012). Planejamento da Arborização Urbana da Cidade de Engenheiro Coelho-SP. Uso de SIG e de Inventário Amostral. Revista Geografia em Atos, 1(12), Presidente Prudente.1-8. DOI: https://doi.org/10.35416/geoatos.v1i12.1743

Silva, G. T. G. da, Cabello, N. B., Barbosa, P. H. G., Belinazi, L. de L., Silva, J. M. S. & Capelo, F. F. M. (2020). Composição florística da arborização urbana de Analândia/SP, Brasil. REVSBAU, Curitiba – PR,15(1), 01-12.

Silva, K. A. R. da, Leles, P. S. dos S., Giácomo, R. G. & Mendonça, B. A. F. de. (2016). Diagnóstico e uso de geoprocessamento para manejo da arborização urbana do bairro centro da cidade do Rio de janeiro – RJ. REVSBAU, Piracicaba – SP,11(4), 98-114.

Silva, L. G. (2007). Identificação da composição colorida de imagem CBERS-2 na dinâmica de ocupação territorial em sub-bacia hidrográfica. Anais XIII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, Florianópolis, Brasil, 21-26 abril 2007, INPE, p. 1141-1145.
Publicado
2021-08-08
Seção
Artigos/ Articles