Salvamento paleontológico, ambiente deposicional e correlação estratigráfica de uma seção da Formação Ponta Grossa (Bacia do Paraná)

Autores

  • Elvio Pinto Bosetti Universidade Estadual de Ponta Grossa, UEPG, Ponta Grossa, PR
  • Lucinei Jose Myszynski Junior Instituto Federal do Paraná, IFPR, Jaguariaíva, PR
  • Daniel Sedorko Universidade Federal de Uberlândia, UFU, Monte Carmelo, MG
  • Luana Oliveira Universidade Estadual de Ponta Grossa, UEPG, Ponta Grossa, PR
  • Iniwara Kurovski Pereira Universidade Estadual de Ponta Grossa, UEPG, Ponta Grossa, PR
  • Kevin William Richter Universidade Estadual de Ponta Grossa, UEPG, Ponta Grossa, PR
  • Gabrieli Universidade Estadual de Ponta Grossa, UEPG, Ponta Grossa, PR

Palavras-chave:

Devoniano, Zoophycos, Geoconservação, Domínio Malvinocráfico, Icnofácies Cruziana

Resumo

A área urbana de Ponta Grossa (PR) ocorre sobre um dos mais abundantes campos fossilíferos do país, que registra uma fauna endêmica que ocorreu no Devoniano da Bacia do Paraná. A crescente urbanização da cidade cada vez mais sepulta esses afloramentos, sendo crucial que novas obras tenham acompanhamento de uma equipe especializada para salvaguarda do patrimônio paleontológico. Este é o caso do empreendimento Bosque Mistral, que expôs muitas camadas da Formação Ponta Grossa, ricas em fósseis e icnofósseis. Este estudo reporta as principais ocorrências fossilíferas da seção, correlaciona a seção com sítios clássicos na literatura e interpreta os principais ambientes deposicionais e ciclos estratigráficos com uma análise integrada entre sedimentologia e icnologia. A distribuição icnológica também evidencia o padrão retrogradacional, e, particularmente, a ocorrência de icnofábricas dominadas por Zoophycos no topo da seção é assinatura de ciclos de alta frequência associada ao padrão transgressivo. A biodiversidade varia de acordo com a litologia, nas camadas arenosas e siltosas ocorrem organismos diferentes das camadas argilosas. Nas primeiras a fauna epibionte (trilobitas e braquiópodes principalmente) é predominante enquanto nas camadas argilosas o predomínio é da fauna endobionte e semi-endobionte (moluscos bivalves e braquiópodes infaunais). Ou seja, a distribuição dos táxons pelas camadas não se dá de maneira randômica.

Biografia do Autor

Elvio Pinto Bosetti, Universidade Estadual de Ponta Grossa, UEPG, Ponta Grossa, PR

Professor do Departamento de Geociências - UEPG Graduação: Geografia Mestrado: Geociências (Paleontologia) Doutorado: Geociências (Tafonomia)

Downloads

Publicado

2021-12-23

Como Citar

BOSETTI, E. P.; MYSZYNSKI JUNIOR, L. J. .; SEDORKO, D.; OLIVEIRA, L.; PEREIRA, I. K. .; RICHTER, K. W. .; GABRIELI. Salvamento paleontológico, ambiente deposicional e correlação estratigráfica de uma seção da Formação Ponta Grossa (Bacia do Paraná) . Terr@ Plural, [S. l.], v. 15, p. 1–16, 2021. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/tp/article/view/19456. Acesso em: 8 ago. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Temático Palaios 20 anos – Paleontologia Estratigráfica