A IMPLANTAÇÃO DA USINA HIDRELÉTRICA DE JIRAU NO RIO MADEIRA E OS PROCESSOS DE DESTERRITORIALIZAÇÃO EM RONDÔNIA

Autores

  • Paula Stolerman UNIR
  • Sheila Castro
  • Adnilson Silva
  • Nicolas Floriani

Resumo

O presente trabalho surge como uma pesquisa em decorrência da implantação da Usina Hidrelétrica (UHE) Jirau, no rio Madeira, em Rondônia, onde parte da população do Distrito de Mutum-Paraná, no Município de Porto Velho, foi remanejada para Nova Mutum, pela company town do Consórcio Energia Sustentável do Brasil (ESBR). Este remanejamento realizado com divergências de ambas as partes, de um lado o consórcio que não cumpriu com algumas de suas negociações e de outro os moradores insatisfeitos que procuraram reconstruir sua territorialidade no novo espaço que lhes foi imputado. A alternativa então foi o “auto reassentamento” dos moradores de Mutum-Paraná na localidade de Jirau. O rápido crescimento demográfico da localidade de Jirau é fruto da resistência prolongada dos atingidos que não encontram meios para reconstituir o seu modo de vida anterior ao remanejamento.

Biografia do Autor

Paula Stolerman, UNIR

Graduação em Ciências Sociais, Mestranda em Geografia pela Universidade Federal de Rondônia. Pesquisadora atuante no GEPCULTURA (UNIR) e no Projeto Nova Cartografia Social da Amazônia (Núcleo Rondônia)

Downloads

Publicado

2015-06-25

Como Citar

STOLERMAN, P.; CASTRO, S.; SILVA, A.; FLORIANI, N. A IMPLANTAÇÃO DA USINA HIDRELÉTRICA DE JIRAU NO RIO MADEIRA E OS PROCESSOS DE DESTERRITORIALIZAÇÃO EM RONDÔNIA. Terr@ Plural, [S. l.], v. 8, n. 2, p. 371–387, 2015. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/tp/article/view/6434. Acesso em: 5 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos