A sucessão geracional no meio rural em cinco estados brasileiros: possibilidades e limites (Generational succession in rural environment in five brazilian states: possibilities and limits)

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Eliziário Noé Boeira Toledo
Valdecir José Zonin

Resumo

O presente artigo analisa os aspectos relacionados à sucessão rural, que ocorrem nos estabelecimentos da agricultura familiar. As informações foram levantadas, utilizando a metodologia de estudo de caso, por meio de 219 entrevistas, compostas por questionários fechados. As mesmas foram realizadas nos municípios de Francisco Beltrão, Itapejara D’Oeste e Verê, no estado do Paraná (PR); Concórdia, em Santa Catarina (SC); Augusto Corrêa, Tomé-Açú e Viseu, no Pará (PA); Petrolina, em Pernambuco (PE); e nos municípios de Uauá e Cruz das Almas, na Bahia (BA), um total de dez municípios, nos cinco estados brasileiros. Essa investigação tem o propósito de buscar evidências sobre as relações sociais, econômicas e culturais que regem e influenciam a sucessão geracional nos estabelecimentos rurais. O estudo possibilitou comprovar que, quase metade dos agricultores familiares, não possuem garantia de possíveis sucessores, na medida em que, parte expressiva deles, almejam outras formas de renda monetária, fora dos estabelecimentos, inclusive, por meio da emigração. 

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
Toledo, E. N. B., & Zonin, V. J. (2021). A sucessão geracional no meio rural em cinco estados brasileiros: possibilidades e limites (Generational succession in rural environment in five brazilian states: possibilities and limits). Emancipação, 21, 1-16. https://doi.org/10.5212/Emancipacao.v.21.2114643.001
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Eliziário Noé Boeira Toledo, Universidade Federal da Fronteira Sul

Doutor em Desenvolvimento Sustentável pela Universidade de Brasília (UnB, 2017), mestre em Desenvolvimento Rural pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS/PGDR, 2009), mestre em Ciência e Tecnologia Ambiental pela Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS/PPGCTA, 2019), bacharel em Ciências Sociais (UFRGS, 2005), consultor em meio ambiente e agricultura. E-mail: enbtoledo@gmail.com

Valdecir José Zonin, Universidade Federal da Fronteira Sul

Doutor em Agronegócios pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS, 2013), mestre em Engenharia de Produção e Sistemas pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS, (2008), engenheiro agrônomo pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM, 2001), professor Adjunto II, na Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Campus de Erechim/RS. E-mail: valdecir.zonin@uffs.edu.br

Referências

ABRAMOVAY, R. Juventude e agricultura familiar: desafios dos novos padrões sucessórios. Brasília: Unesco, 1998.
ABRAMOVAY, R. O paradigma do capitalismo agrário em questão. São Paulo: Edusp, 2012.
BRUMER, A.; SPANEVELLO, R. M. Jovens agricultores da Região Sul do Brasil. Relatório de pesquisa. Porto Alegre: UFRGS, 2008. Chapecó: FETRAF-Sul-CUT, 2008.
CAMARANO, A. A.; ABRAMOVAY, R. Êxodo rural, envelhecimento e masculinização no Brasil: panorama dos últimos 50 anos, Brasília, 1999. Disponível em: http://e.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/TDs/td_0621.pdf. Acesso em: 06 set 2019.
CANDIDO, A. Os parceiros do Rio Bonito: estudo sobre o caipira e a transformação dos seus meios de vida. São Paulo: Editora 34, 2003.
CHAYANOV, A. V. La organización de la unidad económica campesina. Buenos: Nueva Visión, 1974.
GERMER, C. A irrelevância da agricultura familiar para o emprego agrícola. Reforma Agrária, Campinas, 31, n. 1, jan/abr. 2002. p. 47-61.
GRAZIANO DA SILVA, J. A modernização dolorosa: estrutura agrária, fronteira agrícola e trabalhadores rurais no Brasil. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1982.
INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo IBGE 2010, 2010. Disponível em: http://e.censo2010.ibge.gov.br/sinopse/index.php?uf=41&dados=29. Acesso em: 19 set. 2019.
INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Agropecuário 2006, 2006. Disponível em: https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/agropecuaria/censoagro/2006_segunda_apuracao/default.shtm. Acesso em: 28 mai. 2019.
INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Agropecuário 2017, 2017. Disponível em: https://censos.ibge.gov.br/agro/2017/templates/censo_agro/resultadosagro/index.html. Acesso em: 28 out. 2019.
INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios. Uma análise das condições de vida da população brasileira 2015. Disponível em: http://e.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/indicadoresminimos/sinteseindicsociais2015/default_tab_xls.shtm. Acesso em: 18 mar. 2017.
KIYOTA, N.; PERONDI, M. Â. Sucessão geracional na agricultura familiar: uma questão de renda? In: BUAINAIN, A. M., et al. (org.). O mundo rural no Brasil do século 21: a formação de um novo padrão agrário e agrícola. Brasília: Embrapa, 2014. p. 1011-1045.
LAMARCHE, E. Agricultura familiar: uma realidade multiforme. Campinas: Editora da Unicamp, 1993.
MAIA, A. G. O esvaziamento demográfico rural. In: BUAINAIN, A. M., et al. (org.). O mundo rural no Brasil do século 21: a formação de um novo padrão agrário e agrícola. Brasília: Embrapa, 2014. p. 1082-1099.
MANCUSO, M. I. R. O fenômeno da permanência no sistema social rural. 1975. Tese. Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade de São Paulo, Piracicaba, 1975.
MARX. K. A ideologia alemã. São Paulo: Martin Claret, 2004.
MOSCOVICI, S. Representações Sociais: investigações em Psicologia Social. Petrópolis: Vozes, 2007.
MYERS, D. Introdução à Psicologia Geral. Rio de Janeiro: LTC, 1999.
NAVARRO, Z. O mundo rural no novo século: um ensaio de Interpretação. In: FILHO, J. E. R. V.; GASQUES, J. G.; CARVALHO, A. X. E. D. Agricultura, transformação produtiva e sustentabilidade. Brasília: IPEA, 2016. p. 25-64.
NAVARRO, Z.; PEDROSO, M. T. M. A agricultura familiar no Brasil: da promessa inicial aos impasses do presente, Revista de Economia REN, Fortaleza, v. 45, p. 7-20, out/dez, 2014. Disponível em: http://e.bnb.gov.br/projwebren/Exec/artigoRenPDF.aspx?cd_artigo_ren=1444. Acesso em: 14 set 2019.
PLOEG, J. D. V. D. Ecología, campesinato e historia. Madrid: Las Ediciones de la Piqueta, 1992. p. 153-195.
PLOEG, J. D. V. D. Labor, markets, and agricultural production. Boulder: Westview Press, 1990.
SILVESTRO, M. L. et al. Os impasses sociais da sucessão hereditária na agricultura familiar. Florianópolis: Ministério do Desenvolvimento Agrário, 2001.
TEDESCO, J. C. Agricultura familiar: realidades e perspectivas. Passo Fundo: UPF, 2001.
TOLEDO, E. N. B. A juventude rural e os desafios sucessórios nas unidades familiares de produção, 2008. Disponível em: http://www6.rel-uita.org/agricultura/desafios_juventude_rural.htm. Acesso em: 07 out 2019.
TOLEDO, E. N. B. A monetarização da vida social e a gramática econômica da agricultura familiar: acumulação e sustentabilidade. 2017. Tese. (Doutorado em Desenvolvimento Sustentável) – Centro de Desenvolvimento Sustentável, Universidade de Brasília, Brasília, 2017.
TOLEDO, E. N. B. O Pronaf em Salvador das Missões (RS): contradições de uma política de crédito. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Rural) - Faculdade de Ciências Econômicas, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.
UNIDADE INTEGRADA VALE DO TAQUARI DE ENSINO SUPERIOR. Dinâmica populacional e sucessão na agricultura familiar no Vale do Taquari: pesquisa de opinião pública. Lajeado: UNIVATES, 2005.
VEIGA, J. E. D.; FAVARETO, A.; AZEVEDO, C. M. A.; BITTENCOURT, G.; VECCHIATTI, K.; MAGALHÃES, R.; JORGE, R. O Brasil rural precisa de uma estratégia de desenvolvimento. Brasília: Convênio FIPE/IICA (MDA/CNDRS/NEAD), 2001.
ZONIN, V. J.; MARTINS, S. R. Por uma agricultura familiar liberta e sem fronteiras: desafios e perspectivas no contexto da Mesorregião da Grande Fronteira Mercosul. In: CORAZZA, G.; RADIN, J. C. Fronteira Sul: ensaios socioeconômicos. Florianópolis: Insular, 2016. p. 229-252.