As dimensões do cuidado no âmbito da economia feminista: Um olhar sobre o trabalho das mulheres rurais no contexto da agricultura familiar

Conteúdo do artigo principal

Maira Ribeiro de Souza
Maria das Dores Saraiva de Loreto
https://orcid.org/0000-0001-8121-4200
Luciana de Fátima Eufrásio
https://orcid.org/0000-0002-0047-2249

Resumo

O estudo tem como objetivo refletir sobre as dimensões do cuidado realizado por mulheres rurais. Metodologicamente, tratou-se de um estudo qualitativo, através da revisão bibliográfica narrativa, tendo como aporte teórico a Economia Feminista. Deste modo, realizou-se uma análise crítica da produção acadêmica acerca do cuidado, objetivando dar visibilidade ao trabalho feminino na economia mercantil e não mercantil no contexto das famílias camponesas. Os resultados indicaram três categorias, que foram: a) o
cuidado com as tarefas domésticas; b) o cuidado com as pessoas; c) o cuidado com a natureza e animais; que permitem colocar em destaque as estratégias mercantis e não mercantis da produção econômica de mulheres rurais. Foi possível perceber a participação ativa das mulheres tanto nas atividades produtivas quanto na realização do trabalho doméstico e atividades de cuidados, que vão além do aspecto econômico tradicional, traduzidas em estratégias de valorização de sua produção no âmbito da agricultura familiar. 

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
SOUZA, M. R. de; SARAIVA DE LORETO, M. das D. .; DE FÁTIMA EUFRÁSIO, L. . As dimensões do cuidado no âmbito da economia feminista: Um olhar sobre o trabalho das mulheres rurais no contexto da agricultura familiar. Emancipação, Ponta Grossa - PR, Brasil., v. 23, p. 1–19, 2023. DOI: 10.5212/Emancipacao.v.23.2321078.009. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/emancipacao/article/view/21078. Acesso em: 13 jul. 2024.
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Maira Ribeiro de Souza, FAMINAS Centro Universitário, Campus Muriaé-MG

Mestre em Psicologia pela Universidade Federal de Juiz de Fora ( UFJF). Doutoranda em Economia Doméstica pela Universidade Federal de Viçosa ( UFV). Graduada em Psicologia pela FAMINAS Centro Universitário. Professora do curso de Psicologia e Psicóloga Educacional FAMINAS Centro Universitário, Campus Muriaé-MG. E-mail: mairarsouza57@gmail.com.

Maria das Dores Saraiva de Loreto, Universidade Federal de Viçosa

Doutora em Economia Rural pela Universidade Federal de Viçosa (UFV); Pós-doutora em Família e Meio Ambiente, University of Guelph, Canadá. Professora Titular do Departamento de Economia Doméstica da UFV. E-mail: mdora@ufv.br.

Luciana de Fátima Eufrásio, Universidade Federal de Viçosa

Mestra em Economia Doméstica pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). Bacharela em Direito pelo Centro Universitário de Viçosa – UNIVIÇOSA. E-mail: luciana.eufrasio@ufv.br.

Referências

ALENCAR, A. A.; PEDRO, A. F. P. Ecofeminismo: mulheres buscam igualdade e equilíbrio. Portal Ambiente Legal, 2021. Disponível em: https://www.ambientelegal.com.br/ecofeminismo/. Acesso em: 06 nov. 2021.

ANSCHAU, A.; GONÇALVES, M. V. Cadernetas Agroecológicas: relações de trabalho, cultura e gênero no movimento agroecológico. In: VI Conference of BRICS Initiative of Critical Agrarian Studies. 2018. Disponível em: https://conferencias.unb.br/index.php/bicas/bicas/paper/view/12868. Acesso em: 05 nov. 2021.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 3.ed. Lisboa: Edições 70, 2004. 223 p.

BIROLI, F. Justiça e família. In: BIROLI, F; MIGUEL, L. F. Feminismo e política: uma introdução. Local: São Paulo, Boitempo Editorial, 2014.

CARDOSO, F. C. Camponês, campesinato: questões acadêmicas, questões políticas. In: CHEVITARESE, Leonardo André (Org.). O campesinato na história. Rio de Janeiro: Relume Dumará/Faperj, 2002.

CHAYANOV, A. V. La Organización de la Unidad Económica Campesina. Buenos Aires: Nueva Visión, 1974.

CLEPS, G. D. G.; MARQUES, L. A.; VAN HERK VASCONCELOS, A. C. Reflexões sobre o papel das mulheres na economia solidária. Revista Em Extensão, 2020, p. 53-63. Disponível em: https://encurtador.com.br/fDSW7. Acesso em: 04 nov. 2021.

COTULA, L. Género y legislación: los derechos de la mujer en la agricultura. Local: Roma, FAO Estúdio Legislativo 76, versão revisada, 2007.

CURTIN, D. “Toward an ecological ethic of care”. Hypatia, Hoboken, 1991, v. 6, n. 1, p. 60-74. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/381003. Acesso em: 07 nov. 2021.

FERNANDEZ, B. P. Economia feminista: metodologias, problemas de pesquisa e propostas teóricas em prol da igualdade de gêneros. Brazilian Journal of Political Economy, 2018, v. 38, p. 559-583. Disponível em: https://encurtador.com.br/iKLRZ. Acesso em: 04 nov. 2021.

HERRERA, K. M. Da invisibilidade ao reconhecimento: mulheres rurais, trabalho produtivo, doméstico e de care. Política & Sociedade, 2016, v. 15, p. 208–233-208–233. Disponível em: https://shre.ink/QAHA. Acesso em: 07 nov. 2021.

HIRATA, H. Teorias e Práticas do Care: Estado Sucinto da Arte, Dados de Pesquisa e Pontos de Debate. In: FARIA, N.; MORENO, R. (Org.). Cuidado, Trabalho e Autonomia das Mulheres. São Paulo: Editora Sempreviva, 2010, p. 42-56. Disponível em: https://encurtador.com.br/myIM3. Acesso em: 07 nov. 2021.

HIRATA, H; KERGOAT, D. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de pesquisa, 2007, v. 37, n. 132, p. 595-609. Disponível em: https://encurtador.com.br/iNYZ8. Acesso em: 04 nov. 2021.

MAYORGA, C.; PINTO, G. P. Juventudes: a pluralização da experiência ou a invisibilidade das relações de poder. In MENEZES, J. A., COSTA, M. R., ARAÚJO, T. C. S. (Org). JUBRA: territórios interculturais de juventude. Recife: Editora Universitária UFPE, 2013, p. 101-114.

MOURA, M. M. Os herdeiros da terra. São Paulo: Hucitec, 1978.

OKIN, Susan M. Justice, gender and the family. In: ENGSTER, D. METZ, T. (Orgs.). Justice, politics, and the family. New York: Routledge, 2016.

OLIVEIRA, J. F.; FINELLI, L. A. C. Qualidade de vida de mães com filhos atendidos na APAE de Montes Claros/ MG. Revista Bionorte, 2014, p. 30-38. Disponível em: http://www.revistabionorte.com.br/arquivos_up/artigos/a78.pdf. Acesso em: 11 nov. 2021.

OLIVEIRA, M. R.; VILAÇA, A.; CORREIO, L. M. M. Agricultura familiar: Reflexões sobre gênero. Revista de Administração de Roraima-RARR, 2020, v. 9, n. 1, p. 52-76. Disponível em: https://revista.ufrr.br/adminrr/article/view/5321/pdf. Acesso em: 16 abr. 2021.

OROZCO, A. P. Perspectivas feministas en torno a la economía: el caso de los cuidados. Consejo Económico y Social, 2006. Disponível em: https://shre.ink/QAH7. Acesso em: 11 nov. 2021.

PERROT, M. Os excluídos da história: operários, mulheres e prisioneiros. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

PULEO, A. H. Anjos do ecossistema? In FARIA, N.; MORERNO, R. (Orgs). Análises feministas: outro olhar sobre a economia e a ecologia. São Paulo: SOF, 2012. p. 29-50.

PULEO, A. H. Libertad, igualdad, sostenibilidad. Por un ecofeminismo ilustrado. Isegoría, 2008, n. 38, p. 39-59. Disponível em: https://encurtador.com.br/mJKR9. Acesso em: 16 abr. 2021.

ROTHER, E. T. Revisão sistemática X revisão narrativa. Acta paulista de enfermagem, 2007, v. 20, n. 2, p. v-vi. Disponível em: https://encurtador.com.br/asvJT. Acesso em: 04 nov. 2021.

SERRANO, J. S. Mulheres da Borborema: construindo a igualdade de gênero e a agroecologia. In: HORTA, Karla; REZENDE, Marcela; MACEDO, Gustavo (Orgs.). Coletânea sobre estudos rurais e gênero. Prêmio Margarida Alves. 4ª ed. Mulheres e agroecologia. Ministério do Desenvolvimento Agrário. Brasília, 2015, p.45-64.

SILIPRANDI, E. Mulheres e Agroecologia: transformando o campo, as florestas e as pessoas. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2015, 352p.

SILVA, D. F.; DE LORETO, M. D. S; BIFANO, A. C. S. Ensaio da história do trabalho doméstico no Brasil: um trabalho invisível. Cadernos de direito, 2017, v. 17, n. 32, p. 409-438. Disponível em: https://encurtador.com.br/cowJX. Acesso em: 07 nov. 2021.

SILVA, T. B. Q. et al. Cuidadores domiciliares de pessoas com deficiência intelectual no contexto rural e seus desafios. Cogitare Enfermagem, 2021, v. 26. Disponível em: https://encurtador.com.br/jpqNY. Acesso em: 16 abr. 2021.

SILVA, M. et al. Importância das feiras agroecológicas para as mulheres e para a construção da agroecologia. Cadernos de Agroecologia. Anais do VI CLAA, X CBA e V SEMDF, 2018, v. 13, n° 1, jul. Disponível em: https://encurtador.com.br/AW135. Acesso em: 16 abr. 2021.

SIMON, V. P. Economia feminista, economia social e solidária, paradigma paraeconômico: repensando o paradigma hegemônico e a importância das mulheres. Textos de Economia, 2020, v. 23, n. 1, p. 1-29. Disponível em: https://encurtador.com.br/hnR69. Acesso em: 16 abr. 2021.

SPANEVELLO, R. M. et al. Mulheres Rurais e Atividades não Agrícolas no Âmbito da Agricultura Familiar. Desenvolvimento em Questão, 2019, v. 17, n. 48, p. 250-265. Disponível em: https://encurtador.com.br/klpI2. Acesso em: 04 nov. 2021.

TEDESCHI, L. A. A poderosa "Mão Invisível" da vida cotidiana: Reflexões sobre gênero e trabalho na história das mulheres camponesas. Revista História & Perspectivas, 2013, v. 26, n. 49, p. 439-457. Disponível em: https://shre.ink/QAHK. Acesso em: 07 nov. 2021.

TELLES, L. Desvelando a economia invisível das agricultoras agroecológicas: a experiência das mulheres de Barra do Turvo, SP, 2018, 186f. Dissertação (mestrado em Extensão Rural) - Departamento de Extensão Rural, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, 2018.

WEITZMAN; R. BUTTO, A. Ementa - GT 5 - Novas teorias, práticas e resistências das mulheres do campo, das florestas e das águas frente às transformações dos sistemas agroalimentares, 9º Encontro da Rede de Estudos Rurais, 04 a 08 de outubro de 2021. Disponível em: https://redesrurais.org.br/9encontro/gts. Acesso: 19 out. 2021.

ZANELLO, V. Saúde Mental, gênero e dispositivos: Cultura e Processos de Subjetivação. 1ª ed. Paraná: Appris, 2018.

ZUZARTE, Luciana de Carvalho. Como está envelhecendo a mulher cuidadora de idosos? Portal do Envelhecimento e Longeviver. São Paulo. 2019. Disponível em: https://shre.ink/QAHm. Acesso em: 06 nov. 2021.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)