Comunicação Organizacional, Sociedade da Informação e o Folkmarketing

Uma Integração de Aspectos Históricos e Estratégicos

Autores

  • Pedro Paulo Procópio UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO FACULDADE INTEGRADA DE PERNAMBUCO

DOI:

https://doi.org/10.5212/RIF.v.20.i44.0009

Resumo

O presente estudo analisa intersecções entre a Comunicação Organizacional e o Folkmarketing por meio de elementos históricos da formação de um constructo voltado ao papel comunicacional como fator de relevo às organizações no quesito imagem. Diante disso, é exposto o caminho trilhado por este campo não só no Brasil, mas também nos Estados Unidos, país que é um dos precursores nessa prática. Demonstra-se de modo incisivo a evolução da Comunicação Organizacional no país nos anos finais do Regime Militar, bem como o novo comportamento do consumidor de então. É levantado com ênfase o papel desempenhado pelo Folkmarketing e sua integração com elementos da seara que envolve a comunicação nas organizações, restando evidenciado ao término do trabalho, o decisivo papel do Folkmarketing como estratégia efetiva e afetiva junto ao público consumidor cada vez consciente e exigente no atual cenário da Sociedade da Informação.

 

Biografia do Autor

Pedro Paulo Procópio, UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO FACULDADE INTEGRADA DE PERNAMBUCO

Doutor em Comunicação pela Universidade Federal de Pernambuco, Docente e Coordenador de Pesquisa e Extensão Universitária da Faculdade Integrada de Pernambuco, Presidente do Comitê Técnico-Científico daquela instituição.

Referências

ALMEIDA, Ana Luiza de Castro. Identidade, imagem e reputação organizacional: conceitos e dimensões da práxis. In: KUNSCH, Margarida M. Krohling (Org.). Comunicação organizacional: histórico, fundamentos e processos. Vol. 2. São Paulo: Saraiva, 2009.

CANCLINI, Néstor. Consumidores e Cidadãos. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1995.

CARRIL, Carmem. Qual a Importância da Marca na Sociedade Contemporânea? São Paulo: Paulus, 2006.

CASTELLS, Manuel. A Galáxia da Internet: Reflexões Sobre Internet, Negócios e Sociedade. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2004.

CASTELLS, Manuel. O Poder da Identidade – A Era da Informação: Economia, Sociedade e Cultura; v. 2. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

FECHINE, Yvana et al (orgs.). Semiótica nas Práticas Sociais: Comunicação, Artes, Educação. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2014.

HALLIDAY, T. Discurso Organizacional: uma Abordagem Retórica. In: Kunsch, M. (Org.). Comunicação Organizacional: Linguagem, Gestão e Perspectivas. São Paulo: Saraiva, 2009. Cap. 2, vol. 2, p.31-52.

KOTLER, P; KELLER, K. Administração de Marketing: A Bíblia do Marketing. 12 ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2006.

KOTLER, P.; KARTAJAYA, H.;SETIAWAN, I. Marketing 3.0. As Forças que Estão Definindo o Novo Marketing Centrado no Ser Humano. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

KOTLER, P.; KARTAJAYA, H.;SETIAWAN, I. Marketing 4.0. Do Tradicional ao Digital. Rio de Janeiro: Sextante, 2017.

KOTLER, P.; KARTAJAYA, H.;SETIAWAN, I. Marketing 5.0: Tecnologia Para a Humanidade. Rio de Janeiro: Sextante, 2021.

KUNSCH, M. K. (org.). Comunicação organizacional: linguagem, gestão e perspectivas. V 2. São Paulo: Editora Saraiva, 2009.

KUNSCH, M. K. Comunicação organizacional estratégica. Aportes conceituais e aplicados. São Paulo: Summus, 2016.

LEMOS, A. Cibercultura, tecnologia e vida social na cultura contemporânea. 3. ed. Porto Alegre: Sulina, 2007.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Ed. 34, 1999.

LUCENA, Severino. Anuário Unesco/Metodista de Comunicação Regional, Ano 15 n.15, p. 79-94 jan/dez. 2011.

MARTINS, José Roberto. Branding. Um Manual para Você Criar, Gerenciar e Avaliar Marcas. São Paulo: Negócio Editora, 2000.

NASSAR, Paulo; FIGUEIREDO, Rubens. O que é Comunicação Empresarial. São Paulo: Brasiliense, 2006.

NEGROPONTE, Nicholas. A Vida Digital. São Paulo: Editora Companhia das Letras, 1995.

PENDERGAST, Mark. Por Deus, Pela Pátria, Pela Coca-Cola. São Paulo: Ediouro, 1993.

PROCÓPIO, Pedro Paulo; PATRIOTA, Karla Regina Macena. Estratégias de Folkmarketing no São João de Caruaru e a identidade cultural local: uma análise do branding de corporações globais na contemporaneidade. Razón y Palabra, Quito-Ecuador, v. 20, n.4, p. 303-328, out./dez.2016.

SAMPAIO, Rafael. Propaganda de A a Z. São Paulo: Saraiva, 2013.

SANTOS, Pedro Paulo Procópio de Oliveira. O reforço na construção da identidade cultural do povo baiano através da campanha publicitária - para a tv – promovida pelo Governo do Estado em 2002. 2003. Trabalho de conclusão de curso (Especialização) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

SANTOS, Pedro Paulo Procópio de Oliveira. Caruaru: A Construção da Marca Midiática da Capital do Forró. 2007. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2007.

SOLOMON, M. R. O comportamento do consumidor: comprando, possuindo e sendo. 11 ed. Porto Alegre: Bookman, 2016.

TOFLER, Alvin. La Creación de Uma Nueva Civilazación: La Política de La Tercera Ola. Barcelona: Plaza & Janés, 1996.

TORQUATO, G. Tratado de Comunicação Organizacional e Política. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2004.

TORQUATO, Gaudêncio. Da gênese do jornalismo empresarial e das relações públicas à comunicação organizacional no Brasil. In: KUNSCH, Margarida M. Krohling (Org.). Comunicação organizacional: histórico, fundamentos e processos. Vol. 1. São Paulo: Saraiva, 2009. p. 07-28.

VIEIRA, Stalimir. Raciocínio Criativo na Publicidade. São Paulo: Edições Loyola, 2015.

YANAZE, Mitsuru; FREIRE, Otávio; SENISE, Diego. Retorno de Investimentos em Comunicação: Avaliação e Mensuração. São Caetano do Sul, SP: Difusão Editora, 2010.

Downloads

Publicado

2022-07-23

Como Citar

PROCÓPIO, P. P. Comunicação Organizacional, Sociedade da Informação e o Folkmarketing: Uma Integração de Aspectos Históricos e Estratégicos . Revista Internacional de Folkcomunicação, [S. l.], v. 20, n. 44, p. 159–172, 2022. DOI: 10.5212/RIF.v.20.i44.0009. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/folkcom/article/view/20575. Acesso em: 12 ago. 2022.