A Voz solitária e a guinada subjetiva

Autores

  • José Carlos Fernandes

DOI:

https://doi.org/10.5212/RIF.v.20.i45.0014

Palavras-chave:

Jornalismo literário, Depoimento, Subjetividades, Folkcomunicação política

Resumo

O termo “jornalismo de personagem” é um conceito em formação. Dialoga com a tradição dos “perfis”, mas ao mesmo tempo abriga um conjunto de outros gêneros textuais, complementares ou em sobreposição, cuja natureza pede investigação sociológica tanto quanto editorial. É fenomenológico. Dentre esses gêneros, destacam-se os “depoimentos”, que traduzem o imperativo da experiência pessoal como medida de todas as coisas. De gênero secundário, desenvolve-se com protocolos de edição cada vez mais sofisticados – a exemplo do explorado na obra da jornalista e Nobel de Literatura Svetlana Aleksiévitch. Dentre os instrumentos de análise está a chamada “guinada subjetiva” – tendência a superfaturar o ponto de vista individual, afirmando-o como o melhor, senão o único, elemento de contato legítimo com a realidade – cada vez mais líquida e resistente aos grandes metarrelatos. Entende-se aqui que a apropriação do personagem é, sobretudo, uma estratégia folkcomunicacional.

Referências

ALEKSIÉVITCH, Svetlana. Vozes de Tchernóbil: crônica do futuro. 1.ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

ANTELO, Raúl. Introdução. IN: RIO, João do. A alma encantadora das ruas: crônicas. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

ARFUCH, Leonor. O espaço biográfico: dilemas da subjetividade contemporânea. Rio de Janeiro: Ed. Uerj, 2010.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BAUMAN, Zygmunt. Comunidade. A busca por segurança no mundo atual. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2003.

BAUMAN, Zygmunt. Confiança e medo na cidade. Lisboa: Relógio D’Água Editores, 2006.

BENJAMIN, W. O narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: Obras Escolhidas: magia, técnica, arte, política. V 1. 8. ed. São Paulo: Brasiliense, 2012.

BERGSON, Henri. Matéria e memória: ensaio da relação do corpo com o espírito. 4.ª Ed. São Paulo: WMF/Martins Fontes, 2010.

BERMAN, Marshall. Tudo que é sólido desmancha no ar: a aventura da modernidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.

BLANCHOT, Maurice. O livro por vir. São Paulo: WMF/Martins Fontes, 2013.

BLOOM, Harold. Como e por que ler. Rio de Janeiro: Ed. Objetiva, 2001.

BOURDIEU, Pierre. As regras da arte: gênese e estrutura do campo literário. Lisboa: Editorial Presença, 1996.

BRAIT, Beth. A personagem. 9.ª ed. São Paulo: Ed. Contexto, 2017.

BRUM, Eliane. Meus desacontecimentos: a história da minha vida com as palavras. São Paulo: Leya, 2014.

BRUM, Eliane. A vida que ninguém vê. Porto Alegre: Arquipélago, 2006.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1. Artes de fazer. 14.ª Ed. Petrópolis (RJ): Vozes, 2008.

CHARTIER, Roger (org.). Práticas da leitura. 4.ª ed. São Paulo: Ed. Estação Liberdade, 2009.

COLLINS, Patricia Hill. Bem mais que ideais: a interseccionalidade como teoria social crítica. São Paulo: Boitempo, 2022.

COLOMBO, Sylvia. Íntimo profissional. Folha de S. Paulo. São Paulo 17 jul 2010. Ilustrada, p. E1-E-3.

DOSSE, François. O desafio biográfico: escrever uma vida. São Paulo: Edusp, 2015.

EAGLETON, Terry. A ideologia da estética. Rio de Janeiro: Zahar Editor, 1993.

EAGLETON, Terry. Balzac encontra Beckham. Folha de S. Paulo. São Paulo, 5 de dez de 2004. Caderno Mais.

ECO, Umberto. Seis passeios pelos bosques da ficção. São Paulo: Ed. Companhia das Letras, 1994.

FERRY, Luc. A revolução do amor: por uma espiritualidade laica. Rio de Janeiro: Objetiva, 2012.

GIDDENS, Anthony. As consequências da modernidade. São Paulo: Ed. Unesp, 1991.

HARAWAY, Donna. O manifesto das espécies companheiras: cachorros, pessoas e alteridade significativa. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2021.

HARVEY, David. Condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. 21.ª Ed. São Paulo: Ed. Loyola, 2011.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2003.

ISER, Wolfgang. O fictício e o imaginário: perspectivas de uma antropologia literária. 2.ª ed. Rio de Janeiro: Ed. Uerj, 2017.

JACOBS, Jane. Morte e vida de grandes cidades. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

JOHNSON, Steve. Emergência: a vida integrada de formigas, cérebros, cidades e softwares. Rio de Janeiro: Zahar Editor, 2003.

LEJEUNE, Philippe. O diário: gênese de uma prática. IN: GUTFREIND, Cristiane Freitas (org.). Narrar o biográfico: a comunicação e a diversidade da escrita. Porto Alegre: Sulina, 2015.

LEJEUNE, Philippe. O pacto autobiográfico: de Rousseau à internet. 2.ª Ed. Belo Horizonte: UFMG, 2014.

LEJEUNE, Philippe. Dois eus em confronto. IN: NORONHA, Jovita M. Gerheim (org.). Ensaios sobre a autoficção. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2014.

LIMA, Edvaldo Pereira. Páginas ampliadas: o livro-reportagem como expansão do jornalismo e da literatura. 4.ª Ed. revista e ampliada, Barueri (SP): Manole, 2008.

LIPOVETSKY, Gilles. A era do vazio: ensaios sobre o individualismo contemporâneo. Barueri (SP): Manole, 2005.

LIRA NETO. Para escrever não ficção. Folha de S. Paulo. São Paulo 23 jul. 2017. Ilustrada, p. C8.

MALCOLM, Janet. O jornalista e o assassino: uma questão de ética. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

MARCELO, Gonçalo. Introdução. IN: RICOUEUR, Paul. O discurso da ação. Lisboa: Edições 70, 2018.

MARCONDES FILHO, Ciro. Jornalismo fin-de-siècle. 1.ª Ed. São Paulo: Ed. Scritta, 1993.

MARTINEZ, Monica. Jornada do herói: a estrutura narrativa mítica na construção de histórias de vida em jornalismo. São Paulo: Fapesp/Annablume, 2008.

MARTINS, José de Souza. A sociabilidade do homem simples. Cotidiano e história na modernidade anômala. 2.ª ed. São Paulo: Contexto, 2008.

MELO, José Marques de. Mídia e cultura popular: história, taxionomia e metodologia da folkcomunicação. São Paulo: Paulus, 2008.

MELO, José Marques. LAURINDO, Roseméri. ASSIS, Francisco de (orgs.). Gêneros jornalísticos: teoria e práxis. Blumenau (SC): Edifurb, 2012.

MITCHELL, Joseph. O segredo de Joe Gould. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

MORAES, Fabiana. O nascimento de Joicy: transexualidade, jornalismo e os limites entre repórter e personagem. Porto Alegre: Arquipélago Editorial, 2015.

MOSCOVICI, Serge. Representações sociais: investigações em psicologia social. 11.ª ed. Petrópolis: Ed. Vozes, 2015).

NORONHA, Jovita M. Gerheim (org.). Ensaios sobre a autoficção. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2014.

PIRES, Paulo Roberto. “La garantía soy yo!”. Folha de S. Paulo. São Paulo, 27 nov. 2011. Ilustríssima.

RICOUEUR, Paul. O discurso da ação. Lisboa: Edições 70, 2018.

RICOEUR, Paul. O si-mesmo como outro. São Paulo: WMF/Martins Fontes, 2019.

ROSENFELD, Anatol. Literatura e personagem. In: CANDIDO, A. ROSENFELD, A. PRADO, D. GOMES, P. A personagem de ficção. 13.ª ed. São Paulo: Perspectiva, 2014.

ROUDINESCO, Elisabeth. O eu soberano: ensaio sobre as derivas identitárias. Rio de Janeiro: Zahar, 2022.

SARLO, Beatriz. Tempo passado: cultura da memória e guinada subjetiva. São Paulo: Companhia das Letras; Belo Horizonte: UFMG, 2007.

SCHMIDT, Cristina. Teoria da folkcomunicação. In: GADINI, S. WOITOWICZ, K. (orgs.) Noções básicas de folkcomunicação: uma introdução aos principais termos, conceitos e expressões. Ponta Grossa: Ed. UEPG, 2007).

SENNETT, Richard. O declínio do homem público: as tiranias da intimidade. 4.ª ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Companhia das Letras, 2021.

TODOROV, Tzvetan. As estruturas narrativas. 5.ª ed. São Paulo: Perspectiva, 2013.

Downloads

Publicado

2022-12-23

Como Citar

FERNANDES, J. C. A Voz solitária e a guinada subjetiva. Revista Internacional de Folkcomunicação, [S. l.], v. 20, n. 45, p. 244–261, 2022. DOI: 10.5212/RIF.v.20.i45.0014. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/folkcom/article/view/20577. Acesso em: 6 fev. 2023.