Autonomia para aprendizagem: uma relação entre o fracasso e o sucesso dos alunos da Educação a Distância

Autores

  • Adejalmo Moreira Abadi Universidade Virtual de Roraima
  • Márcia Jussara Hepp Rehfeldt Univates, Lajeado - RS

DOI:

https://doi.org/10.5212/PraxEduc.v.11i2.0001

Resumo

Este artigo apresenta resultados parciais de pesquisa realizada com alunos de graduação a distância em Polos de Apoio Presencial de Roraima. A investigação teve como objetivo analisar a relação entre a autonomia para aprendizagem na Educação a Distância (EaD) e os resultados finais dos alunos. A problemática foi investigar quais as causas relacionadas à autonomia que contribuíram para o baixo índice de aproveitamento. O referencial teórico aborda a educação a distância e a autonomia para aprendizagem na EaD. A pesquisa foi de natureza quali-quantitativa e delineada como estudo de caso. A análise dos dados foi estruturada visando definir o perfil do aluno, os fatores de influência na evasão e na conclusão dos cursos. As considerações finais apresentam evidências de causas interferentes nos resultados e na relação com a autonomia para aprendizagem, envolvendo o aluno como estrutura de aprendizagem e a instituição ministrante como estrutura de ensino.

 

Palavras-chave: Autonomia. Educação a Distância. Autonomia para aprendizagem.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Adejalmo Moreira Abadi, Universidade Virtual de Roraima

Professor especialista da Educação Básica do Estado de Roraima, mestrando do programa de pós-graduação stricto sensu, Mestrado Profissional em Ensino de Ciências Exatas do Centro Universitário Univates.

Márcia Jussara Hepp Rehfeldt, Univates, Lajeado - RS

Mestre em Administração (PPGA/EA/UFRGS) e Doutora em Informática na Educação (PPGIE/UFRGS). Professora do Centro Universitário UNIVATES

Downloads

Publicado

2017-03-21

Como Citar

ABADI, A. M.; REHFELDT, M. J. H. Autonomia para aprendizagem: uma relação entre o fracasso e o sucesso dos alunos da Educação a Distância. Práxis Educativa, [S. l.], v. 11, n. 2, p. 310–331, 2017. DOI: 10.5212/PraxEduc.v.11i2.0001. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/praxiseducativa/article/view/7107. Acesso em: 13 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos