Ecos e Ressonâncias de controle e repressão na constituição de Elementos Identitários de descendentes de imigrantes no Rio Grande do Sul

Autores

Resumo

O processo de construção de identidade abarca diversos elementos que não são dados e acabados, ou delimitados por espaços físicos, antes estão em constantes construções e deslizamentos. Dessa forma, as identidades sociais são construídas no/a partir do discurso, não nascem com os sujeitos, mas acontecem na interação dos sujeitos em suas práticas discursivas. Neste sentido, objetiva-se refletir sobre a violência simbólica das práticas políticas do governo Vargas na constituição do imaginário de identidade brasileira, interditando a constituição de identidade de descendentes de imigrantes alemães no Rio Grande do Sul. Nesta perspectiva, na construção do imaginário de identidade, durante as décadas de 1930/1940, perpassam/ecoam controle e repressão nas vozes sociais e investigar essas vozes mobiliza uma série de questões políticas, posições ideológicas, exclusão social e objetos simbólicos. Para tanto, o referencial teórico está pautado nos estudos de Pêcheux (1997) e de Bahktin (2004) e o corpus de análise é composto de sequências discursivas retiradas do Decreto-Lei/1939 do Projeto de Nacionalização da Era Vargas e sequências discursivas de depoimentos de descendentes de imigrantes alemães. Com base nessa análise, percebe-se que as relações dialógicas de vozes presentes nessa construção imaginária de identidade, instituem posições sócio-axiológicas, determinam lugares sociais e ecoam vozes silenciadas.

Biografia do Autor

Vejane Gaelzer, Instituto Federal Farroupilha

Doutora em Letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e professora do Instituto Federal Farroupilha.

Referências

BAKHTIN, Mikhail. Estética da Criação Verbal. Trad.: Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

__________________.Marxismo e Filosofia da Linguagem. São Paulo: Hucitec, 2004.

__________________. Problemas da poética de Dostoiévski. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005. Trad. Paulo Bezerra.

BUENO, Andréia; CARAMEZ, João; BACKES, Luana e CASTRO, Rodrigo. A campanha de
nacionalização na era vargas. Disponível em:
http://hipermidia.unisc.br/temposnazistas/nazismo-era-vargas.html. Acessado em: 20/11/2021.

DÁVILA, Jerry. Diploma de brancura: política racial e social no Brasil – 1917-1945. São Paulo: Ed. Unesp. 2005, 400p.

DREHER, Martin. O Fenômeno Imigratório Alemão para o Brasil. In: Estudos Leopoldenses. Vol. 31, nº 142, Maio/Junho, 1995, p. 59 –82.

EIHELBERGER, Andreia; WEYDMANN, Fabiane.Guerreiros desta pátria: momentos amargos da nossa história. Ijuí: Unijuí, 2007.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. 6. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.

KIPPER, Maria Hoppe. A campanha de Nacionalização do Estado Novo em Santa Cruz do Sul (1937-1945). Santa Cruz: Apesc, 1979.

KREUTZ, Lúcio. A Escola Teuto-Brasileira Católica e a Nacionalização do Ensino. In: Nacionalização e imigração alemã/org. Telmo Muller. São Leopoldo: UNISINOS, 1994.

JOCHEN, Toni Vidal. A epopeia de uma imigração. Águas Mornas, SC: Ed. Do Autor, 1997.

LÄHTEENMÄKÏ. Mika. Estratificação Social da Linguagem no Discurso sobre o Romance: o Contexto Social Soviético oculto. In: Mikhail Bakhtin: Contribuições para a Filosofia da Linguagem e Estudos Discursivos. Ana Zandwais (org.) Porto Alegre: Sagra Luzzatto, 2005.

LANDO, Aldair Marli e BARROS, Eliane Cruxên. A colonização Alemã no Rio Grande do Sul, uma interpretação sociológica. Porto Alegre. Editora Movimento, 1976.

LEI de Segurança Nacional (LSN) Anos de Incerteza (1930-1937). Radicalização Política. A Era Vargas. CPDOC. In: <www.cpdoc.fgv.brnav_historiahtmanos30-37 ev_radpol_lsn.htm>

MEDVIÉDEV, Júri Pávlovitch; MEDVIÉDEVA, Dária Aleksándrovna. O Círculo de M. M. Bakhtin: sobre a fundamentação de um fenômeno / The Bakhtin Circle: on the Basis of a Phenomenon Bakhtiniana. In Bakhtiniana, São Paulo, Número Especial: 26-46, Jan./Jul. 2014. https://revistas.pucsp.br/index.php/bakhtiniana/issue/view/1255/showToc. Acessado em 19 de abril de 2021.

MELLMAN, Charles. Imigrantes: incidências subjetivas das mudanças de língua e de país. São Paulo: Escuta, 1992.

METZLER, Franz. In: DEUTSCHES VOLKSBLATT. Porto Alegre, 12 de janeiro de 1937. Trad. Arthur Blásio Rambo. Deutschbrasilianische Ausenandersetzund, Sonderdruck. Druck und Verlag: Metzler Ltda. Porto Alegre: Brasilien, 1937. Trad. Arthur Blásio Rambo.

MULLER, Telmo. A Nacionalização e a Escola Teuto-Brasileira Evangélica. In: Nacionalização e imigração alemã/org. Telmo Muller. São Leopoldo: UNISINOS, 1994.

ORLANDI, E. P. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. Campinas, SP: UNICAMP, 2007.

______________________. Língua e conhecimento linguístico: para uma história das ideias no Brasil. São Paulo: Cortez, 2002.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: Ed. Unicamp, 1997.

PENNA, Maura. Relatos de imigrantes: questionando as noções de perda de identidade e desenraizamento. In: Lingua(gem) e identidade: elementos para uma discussão no campo aplicado/Inês Signorini (org.). Campinas, SP: Mercado das Letras, 1998, p.92.

PORTO. Aurélio. O trabalho alemão no Rio Grande do Sul. Graf, Santa Terezinha, Porto Alegre, 1934.

RAMBO, Arthur Blásio. O teuto-brasileiro e sua identidade. In: Etnia e Educação: a escola “alemã” do Brasil e estudos congênitos. Org. Neide Almeida Fioir et. al. Editora UFSC: Tubarão, Unisul, 2003.

REVISTA DO ENSINO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Vol.1. nº 2. Porto Alegre, nov. De 1939. (ano I).

REVISTA NOSSO SÉCULO – 1930-1945. Capítulo VIII – “O Estado Novo”, Editora: Abril, p.193.

ROCHE, Jean. A colonização Alemã e o Rio Grande do Sul. Emery Ruas. Trad. Porto Alegre: Globo, 1969.

SERIÓT, Patrick. Bakhtin no Contexto: Diálogo de Vozes e Hibridação das Línguas (o problema dos Limites). In: Mikhail Bakhtin: Contribuições para a Filosofia da Linguagem e Estudos Discursivos. Ana Zandwais (org.) Porto Alegre: Sagra Luzzatto, 2005.

SCHILLING, Isabel. Os traços da identidade cultural polonesa nas práticas educacionais da Escola Casemiro Stachursck, CRICIÚMA, SC, 2007. DISSERTAÇÃO.

SEYFERTH, Giralda. A ideia de Cultura Teuto-brasileira: Literatura, Identidade e os Significados da Etnicidade. In: Horizontes Antropológicos. Porto Alegre, ano 10, n;22, p.149-197, jul/dez.2004.

SILVA NETO, Casimiro Pedro da. Década de 1930 – Os Anos de Incertezas: A Origem da Primeira Lei de Segurança Nacional, 2006. In: www.cpdoc.fgv.br/nav_historia/htm/ anos37-45/ev_ecp_horabrasil.htm.

TCHOUGOUNNIKOV, Serguei. Por uma Arqueologia dos Conceitos do Círculo de Bakhtin: Idologema, Signo Ideológico, Dialogismo. In: Mikhail Bakhtin: Contribuições para a Filosofia da Linguagem e Estudos Discursivos. Ana Zandwais (org.) Porto Alegre: Sagra Luzzatto, 2005.

TIBOLLA, Flávia Rosane; SCHWABENLAND, Flávia, et. al. interdição e identificação: faces da constituição linguística dos descendentes de imigrantes italianos. EDUCERE, 2015.

ZANDWAIS, Ana (Org.). OS PLANOS NACIONAIS DE EDUCAÇÃO DOS GOVERNOS VARGAS E FHC: um Contraponto entre Saberes sobre Educação e Ensino de Língua Materna. In: Ensino e aprendizagem de línguas: língua portuguesa/ org. Ercília Cazarin, Gesualda dos Santos Rasia. Ijuí: Unijuí, 2007.

_____________. Saberes sobre a identidade nacional: o processo de construção de um imaginário de cidadania durante o Governo Vargas. In: Análise do discurso no Brasil: mapeando conceitos, confrontando limites. Org. Maria Cristina Ferreira, Freda Indursky. São Carlos: Claraluz, 2007.

ZIEGLER, Arne. Deutsche Sprache in Brasilien: Untersuchungen zum Sprachwandel und zum Sprachgebrauch der deutschstämmigen Brasilianer in Rio Grande do Sul. Esssen: die Blaue Eule Verlag, 1996.

Downloads

Publicado

2022-11-07

Como Citar

GAELZER, V. Ecos e Ressonâncias de controle e repressão na constituição de Elementos Identitários de descendentes de imigrantes no Rio Grande do Sul. Revista de História Regional, [S. l.], v. 27, n. 02, 2022. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/rhr/article/view/19920. Acesso em: 8 dez. 2022.