A dimensão social da visualidade no fazer do historiador

Resumo

O artigo dialoga com estudiosos que discutem o campo da visualidade como aspecto importante da vida social e dos processos sociais. Traz perspectivas da História Cultural e da cultura visual como caminhos propícios para as pesquisas com imagens e apresenta como elas podem auxiliar os historiadores no trato mais adequado destes materiais, de modo a construírem uma História mais plural e abrangente.

Biografia do Autor

Gabriela Isbaes (UNICAMP), Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP

Mestranda em História pelo Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas. Possui licenciatura em História e especialização em História, Cultura e Poder pela Universidade do Sagrado Coração.

Lourdes Madalena Gazarini Conde Feitosa (CUSC), Centro Universitário Sagrado Coração

Possui Graduação em História pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Mestrado em História e Sociedade pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Doutorado em História Cultural pela Universidade Estadual de Campinas e Pós-Doutorado em História e Cinema pela Unesp/Bauru. É pesquisadora associada da Universidade Federal de São Paulo (Antiguidade e Modernidade); colaboradora da Universidade Estadual de Campinas (Laboratório de Arqueologia Pública e Centro do pensamento Antigo); professora/pesquisadora Adjunto II do Centro Universitário Sagrado Coração (Unisagrado); professora do Programa de Mestrado em Educação Sexual da Unesp/Araraquara e Coordenadora do curso de Especialização em História, Cultura e Poder do Unisagrado. Líder do Grupo de Pesquisa Gênero, sexualidade e sociedades em parceria com Maria Ivone Marchi-Costa, e membro do Grupo Antiguidade e Modernidade: História Antiga e Usos do Passado, da Unifesp, ambos cadastrados no CNPq. Membro da Sociedade Brasileira de Estudos Clássicos (SBEC) e da Associação nacional dos Professores de História (ANPUH). 

Publicado
2021-05-04
Seção
Dossiê | Special Issue | Dossier