Indicação Geográfica e educação não-formal em comunidades tradicionais: uma proposta de oficinas colaborativas.

Autores

Palavras-chave:

Educação não-formal, Indicação Geográfica, Comunidades.

Resumo

O artigo apresenta a proposta da realização oficinas de Educação não-formal para instrumentalização das comunidades no conhecimento das Indicação Geográficas (IGs), tendo como parâmetros: o levantamento de suas potencialidades (produtos); a viabilidade real de comercialização, tendo em vista o regulamento de uso requerido pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) e o empoderamento dos agentes sociais através do reforço de sua autonomia e ação coletiva. 

Biografia do Autor

Janaina Cardoso Mello, Universidade Federal de Sergipe

Pós-Doutoranda em Estudos Culturais (PACC-UFRJ); Doutora em História Social (UFRJ); Professora Adjunta da área de Ensino de História no Departamento de História (DHI-UFS); do Mestrado em Ensino de História (ProfHistória-UFS) e do Mestrado em História (PPGH-UFAL).

Downloads

Publicado

2019-09-21

Como Citar

MELLO, J. C. Indicação Geográfica e educação não-formal em comunidades tradicionais: uma proposta de oficinas colaborativas. Terr@ Plural, [S. l.], v. 13, n. 2, p. 421–439, 2019. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/tp/article/view/11067. Acesso em: 8 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos