Planejamento urbano e vida cotidiana em cidades e áreas patrimoniais - DOI: http://dx.doi.org/10.5212/TerraPlural.v.3i2.187196

Autores

  • Wendel Henrique Universidade Federal da Bahia

Resumo

Este texto traz reflexões sobre as contradições existentes entre os processos de planejamento e ações implementadas em cidades históricas ou áreas intraurbanas históricas, tombadas institucionalmente pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), na tentativa de preservação do acervo cultural material e imaterial destas cidades. O conjunto de ações implementadas nestas localidades acaba por petrificar os espaços da cidade (formas) e museificar o cotidiano (conteúdos). Os processos de produção do espaço implicam em mudanças e movimentos constantes tanto no plano das formas (morfologia) quanto dos conteúdos (funções) e, portanto, o tombamento, apesar da necessidade de preservação e conservação dos patrimônios urbanos, podem retirar destas cidades ou áreas tombadas os movimentos da vida cotidiana que preenchem e animam as formas, que permanecerão na cidade, mas esvaziadas de conteúdos, em uma cenarificação do espaço. Pensarmos planejamento de áreas patrimoniais e vida cotidiana é uma tarefa complexa, que ainda necessita de um aprofundamento teórico e técnico, pois o planejamento é o conjunto de normas implementadas em um espaço (a cidade se torna o território das normas), mas a cidade é também o lugar onde se desenrolam os acontecimentos espontâneos da vida cotidiana, aquelas ações e práticas que fogem das normas e possibilitam a riqueza e diversidade de possibilidades de vida nas cidades.

Biografia do Autor

Wendel Henrique, Universidade Federal da Bahia

Professor Adjunto II do Depto. e Mestrado em Geografia
Universidade Federal da Bahia
Grupo de Pesquisa CiTePlan: Cidade, Território e Planejamento

Downloads

Como Citar

HENRIQUE, W. Planejamento urbano e vida cotidiana em cidades e áreas patrimoniais - DOI: http://dx.doi.org/10.5212/TerraPlural.v.3i2.187196. Terr@ Plural, [S. l.], v. 3, n. 2, p. 187–196, 2010. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/tp/article/view/1195. Acesso em: 2 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos