A industrialização como vetor de desenvolvimento: a produção do espaço na Microrregião de Marechal Cândido Rondon. DOI: 10.5212/TerraPlural.v.6I1.0006

Autores

  • Edson Belo Clemente de Souza Unioeste

Resumo

 

 

O presente artigo objetiva analisar a relação de interdependência existente entre os municípios da microrregião de Marechal Cândido Rondon (MCR)/PR (Brasil), dimensionando especialmente o processo industrial e sua relação com o espaço e o território. A escolha da microrregião de Marechal Cândido Rondon - formada pelos municípios de Marechal Cândido Rondon (MCR), Entre Rios do Oeste (ERO), Pato Bragado (PB), Quatro Pontes (QP) e Mercedes (M) - deve-se ao seu contexto histórico e econômico, que está relacionado à construção da Hidrelétrica da Itaipu Binacional (anos 1970) e à faixa de fronteira do Brasil com o Paraguai. Metodologicamente, a presente análise abrange uma revisão da literatura sobre a indústria, numa perspectiva de que a indústria e o espaço (e o território) estão interligados. Além da base teórica para a pesquisa, é relevante a análise de dados fornecidos pelo IBGE, pelo Ipardes e por outros indexadores de órgãos institucionais do Brasil e do Paraguai. A relação do setor industrial com setores a montante, matéria-prima disponível e, a jusante, economia de aglomeração que proporciona suporte ao desenvolvimento industrial, dinamiza a economia da microrregião de MCR, atraindo mão de obra e gerando renda aos municípios.

Biografia do Autor

Edson Belo Clemente de Souza, Unioeste

Professor Associado da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), dos cursos de graduação e mestrados em Geografia. Pesquisador do CNPq e Fundação Araucária. Membro do Grupo de Estudos Fronteiriços (GEF) e do Laboratório de Estudos REgiuonais (Laber).

Downloads

Publicado

2012-03-13

Como Citar

CLEMENTE DE SOUZA, E. B. A industrialização como vetor de desenvolvimento: a produção do espaço na Microrregião de Marechal Cândido Rondon. DOI: 10.5212/TerraPlural.v.6I1.0006. Terr@ Plural, [S. l.], v. 6, n. 1, p. 91–108, 2012. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/tp/article/view/3138. Acesso em: 10 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos