Sobre portas, paredes e afetos: casa, territorialidade e identidade entre os segmentos populares. DOI: 10.5212/TerraPlural.v.6i2.0010

Autores

  • Rosemere Santos Maia UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

Resumo

 

O presente artigo aborda a casa dos segmentos populares nas suas múltiplas dimensões – objetiva/subjetiva/intersubjetiva – demonstrando como suas velhas e novas funções revelam-se por intermédio das territorialidades que emergem em seu contexto. Detendo um valor inestimável para os seus moradores, a casa comunica a identidade de quem a habita; promete abrigo, segurança, privacidade, liberdade e intimidade; estabelece um “corte” com o “mundo exterior”, deixando-o em suspenso, ao mesmo tempo em que se afirma enquanto um “pedaço” para os que se intitulam seus “donos”; pode ser tanto “vitrine” – espaço que distingue uns de outros, pelas das cores, formas e bens que exibe, como pode transmutar-se em local de labuta, espaço de trabalho incansável. Casa – viva, única, relacional – é lócus de contradições.

 

Downloads

Publicado

2012-03-31

Como Citar

MAIA, R. S. Sobre portas, paredes e afetos: casa, territorialidade e identidade entre os segmentos populares. DOI: 10.5212/TerraPlural.v.6i2.0010. Terr@ Plural, [S. l.], v. 6, n. 2, p. 339–352, 2012. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/tp/article/view/3440. Acesso em: 28 set. 2022.