Conceitos fundamentais weberianos: possibilidades teórico-metodológicas aplicáveis em estudos sociais

Conteúdo do artigo principal

Marcos Roberto Pires Gregolin
https://orcid.org/0000-0003-0943-5337
Marcelo Roger Meneghatti
https://orcid.org/0000-0002-5736-4230

Resumo

A ação social dos indivíduos pode levar a  compreensão das relações sociais que constituem a sociedade, sempre na perspectiva do coletivo, pois sem ele as relações não seriam possíveis para análise ou prática. O objetivo deste artigo é apresentar a perspectiva Weberiana para racionalidade e alguns conceitos a ela vinculados, os quais acreditamos serem promissores no que diz respeito à estruturação e operacionalização de estudos no âmbito das Ciências Sociais. Para isso, foram levantados diversos estudos e pesquisas que colaboram com essa reflexão, ou seja, trata-se de uma pesquisa de natureza exploratória
reflexiva e bibliográfica a partir de textos e  reflexões já disponíveis sobre o
pensamento da perspectiva Weberiana. Como resultados, identificamos que os principais conceitos que colaboram com essa reexão são “tipos ideais”, “ação” e “ação social” e “tipos ideais de ação social”, e “categorias sociológicas
fundamentais da gestão econômica”. É possível concluir que a racionalidade teve um papel central nas obras de Max Weber e que este constructo teórico, alinhado aos demais conceitos que junto a ele se aglutinam, constitui um ótimo prisma para a realização de estudos sociais, sejam eles operacionalizados tendo por casos empíricos organizações formais, informais, grupos ou indivíduos isoladamente. Também acreditamos que o conceito de “tipos ideais” possa ser um grande aliado metodológico para a realização desses estudos. 

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
GREGOLIN, M. R. P.; MENEGHATTI , M. R. . Conceitos fundamentais weberianos: possibilidades teórico-metodológicas aplicáveis em estudos sociais . Emancipação, Ponta Grossa - PR, Brasil., v. 24, p. 1–17, 2024. DOI: 10.5212/Emancipacao.v.24.2421504.019. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/emancipacao/article/view/21504. Acesso em: 14 jul. 2024.
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Marcos Roberto Pires Gregolin, Universidade Federal de Santa Maria - UFSM

Doutor em Extensão Rural pela Universidade Federal de Santa Maria- UFSM. Mestre em Desenvolvimento Rural Sustentável pela Universidade Estadual do Centro Oeste - Unioeste . Bacharel em Comunicação Social, com habilitação em Publicidade e Propaganda pela Faculdade de Pato Branco. E-mail:  marcosgregolin@yahoo.com.br.

Marcelo Roger Meneghatti , Universidade Estadual do Oeste do Paraná - Unioeste

Doutor em Administração pela Universidade Nove de Julho-Uninove-SP. Mestre em Desenvolvimento Rural Sustentável pela Universidade Estadual do Centro Oeste – Unioeste. Bacharel em Administração pela Universidade Paranaense - Unespar. Professor da Unioeste e da Unespar. E-mail:  frmeneghatti@hotmail.com.    

Referências

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de Filosofia. São Paulo: Martins Fontes, 2018.

BÔAS, Glaucia Villas. A Atualidade de Max Weber: Entrevista com Wolfgang Schluchter. Sociologia & Antropologia, v. 1, n. 1, p. 11-20, 2011.

CHAUÍ, Marilena. A atitude científica. Convite à filosofia. 8ª ed. São Paulo: Ática, 1995.

COHN, Gabriel. Como um hobby ajuda a entender um grande tema. In: Fundamentos racionais e sociológicos da música. São Paulo: EDUSP, 1995.

COHN, Gabriel. Crítica e resignação: fundamentos da sociologia de Max Weber. São Paulo: T. A. Queiroz, 1979.

COHN, Gabriel. Max Weber, na Integra. Entrevista com Gabriel Cohn. São Paulo, UNIVESP, 2016. Disponível em: <https://www.youtube.com/user/univesptv/videos>. Acesso em: 03 mar. 2019.

COLLIOT-THÉLÈNE, Catherine. A Sociologia de Max Weber. Editora Vozes Limitada, 2016.

CORDOVA, Julieta Weber Cordova. Talcott Parsons e o esquema conceitual geral da ação. Emancipação, [S. l.], v. 7, n. 2, 2009.

DE BARROS FILHO, Clóvis; POMPEU, Júlio. A filosofia explica grandes questões da humanidade. Rio De Janeiro: Casa do Saber, 2013.

DESCARTES, René. Discurso do Método. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

GUERREIRO RAMOS, Alberto. A nova ciência das organizações: uma reconceituação da riqueza das nações. Rio de Janeiro: FGV, 1989.

GUERREIRO RAMOS, Alberto. A sociologia de Max Weber (Sua importância para a teoria e a prática da Administração). Revista do Serviço Público. agosto/setembro, v. III, ano IX, nº 2 e 3, 1946.

HINDESS, Barry. Rationality and the Characterization of Modern Society In: WHIMSTER, Sam; LASH, Scott. Max Weber, rationality and modernity. London: Routledge, 2007.

JAPIASSÚ, Hilton; MARCONDES, Danilo. Dicionário básico de Filosofia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1990.

KALBERG, Stephen. Max Weber's types of rationality: Cornerstones for the analysis of rationalization processes in history. American Journal of Sociology, v. 85, n. 5, p. 1145- 1179, 1980.

KALBERG, Stephen. Max Weber: Uma introdução. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

KANT, Immanuel. Fundamentação da Metafísica dos Costumes. Coleção “Textos Filosóficos”. Lisboa: Edições 70, 2007.

MACEDO, José Marcos Mariani de; PIERUCCI, Antônio Flávio. Tábua de Correspondência Vocabular. In: WEBER, Max. A ética protestante e o “espírito” do capitalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

PIERUCCI, Antônio Flávio. Economia e sociedade: últimos achados sobre a" grande obra" de Max Weber. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 23, n. 68, p. 41-51, 2008.

SCHLUCHTER, Wolfgang. The rise of Western rationalism: Max Weber's developmental history. Univ of California Press, 1985.

SELL, Carlos Eduardo. Racionalidade e racionalização em Max Weber. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 27, n. 79, 2012.

SGARBIEIRO, Márcia; BOURGUIGNON, Jussara Ayres. Apontamentos acerca dos métodos de pesquisa nas ciências sociais (Research methods in social sciences). Emancipação, [S. l.], v. 11, n. 1, 2011.

SILVA, Cristina Maria. Entre as flores da paixão e os espinhos da razão: Max Weber nos jardins das ciências sociais. Emancipação, [S. l.], v. 4, n. 1, 2009.

THIRY-CHERQUES, Hermano Roberto. Max Weber: o processo de racionalização e o desencantamento do trabalho nas organizações contemporâneas. Revista de Administração Pública, v. 43, n. 4, p. 897-918, 2009.

TRAGTENBERG, Maurício. A atualidade de Max Weber. In: WEBER, Max. Metodologia das ciências sociais. São Paulo: Cortez, 2001.

VASCONCELOS, Flávio Carvalho de. Racionalidade, autoridade e burocracia: as bases da definição de um tipo organizacional pós-burocrático. Revista de Administração Pública, v. 38, n. 2, p. 199-220, 2004.

WEBER, Max. A ética protestante e o “espírito” do capitalismo. São Paulo. Companhia das Letras, 2014.

WEBER, Max. A ‘objetividade’ do conhecimento na ciência social e na ciência política. In WEBER, Max. Metodologia das ciências sociais. São Paulo: Cortez, 2001.

WEBER, Max. Economia e Sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. Volume 1. Brasília: Editora UNB, 2000.

WEBER, Max. Economia e Sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. Volume 2. Brasília: Editora UNB, 1999.

WEBER, Max. Metodologia das ciências sociais. Volume 2. São Paulo: Cortez, 1973.

WHIMSTER, San. WEBER. Porto Alegre: Artmed, 2009.