Turismo e paisagem serrana: reflexões sobre as potencialidades e a identidade visual do destino Serras do Agreste Potiguar, RN, Brasil

Palavras-chave: Geoturismo, Paisagem e região, Turismo Serrano, Gestão de marca

Resumo

Este artigo apresenta um diagnóstico das oportunidades de desenvolvimento do geoturismo nas Serras do Agreste Potiguar, levantado através da avaliação dos atrativos naturais, históricos e culturais, bem como de equipamentos e serviços. O planejamento turístico necessita destacar os processos criativos com foco na gestão da marca, um parâmetro de promoção, gestão e divulgação das localidades. Portanto, os resultados permitiram compreender, de uma forma geral, a importância categórica da execução de políticas para a expansão do setor, com foco prioritário na efetividade do geomarketing para tomada de decisões dentro de novos instrumentos, programas de regionalização e fortalecimento da indústria. Em virtude deste cenário, pode-se destacar que as peculiaridades paisagísticas presentes no território foram determinantes para a identificação do potencial, uma importante estratégia de impacto mercadológico e administrativo que considera ideal o diferencial específico existente na região, atual ponto de prosperidade turística no Rio Grande do Norte.

Referências

BOULLÓN, Roberto Carlos. Os municípios turísticos. Bauru: EDUSC, 2005.
CARVALHO, Adriana Garcia. Turismo e produção do espaço no litoral de Pernambuco. São Paulo, 2009. Dissertação de mestrado (Programa de pós-graduação em Geografia Humana) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8136/tde-19022010-123043/publico/ADRIANA_GARCIA_CARVALHO.pdf. Acesso em: 01 dez. 2020.
CORRÊA, Roberto Lobato. Denis Cosgrove: a paisagem e as imagens. Espaço e Cultura, UERJ. Rio de Janeiro, n.29. p.7-21, jan/jun. 2011.
FAGUNDES, André Francisco Alcântara. A contribuição do geomarketing nas organizações. Uberlândia, 2006. Dissertação de mestrado (Programa de Pós Graduação em Administração), Universidade Federal de Uberlândia. 119p. Disponível em: https://repositorio.ufu.br/bitstream/123456789/11968/1/ContribuicaoGeomarketingOrganizacoes.pdf. Acesso em: 02 dez. 2020.
HAESBAERT, Rogério. Regional-Global: Dilemas da região e da regionalização na
geografia contemporânea. Editora Bertrand Brasil, 2010. 208p.
KOTLER, Philip; ARMSTRONG, Galy. Introdução ao Marketing. 4. ed. Rio de Janeiro. LTC - Livros Técnicos e Científicos S.A., 2006.
KOTLER, Philip; KELLER, Kevin Lane. Administração de Marketing. Tradução de
Sônia Midori Yamamoto. 14. ed. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2012. 795p.
KELLER, Kevin Lane; MACHADO, Marcos. Gestão Estratégica de Marcas. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2006. 312p.
MORGAN, Nigel; PRITCHARD, Annette; PRIDE, Roger. Destination Branding: Creating the Unique Destination Proposition. Butterworth Heinemann, Oxford. 2004. 314p.
OLIVEIRA, Braulio; CAMPOMAR, Marcos Cortez. Revisitando o posicionamento em Marketing. Revista de Gestão, v. 14, n. 1, p. 41-52, 2007.
RIBEIRO, Ana Clara Torres. Regionalização: fato e ferramenta. In: Brasil, século XXI - por uma nova regionalização? Agentes, processos e escalas. Rio de Janeiro: Letra Capital Editora, 2015.
SANTOS, Milton. Pensando o espaço do homem. 4. ed. São Paulo: Hucitec, 1997.
TUAN, Yi-Fu. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. São Paulo: DIFEL, 1974. 288p.
XAVIER, Herbe. A Percepção Geográfica do Turismo. São Paulo: Aleph, 2007.
Publicado
2021-07-23
Seção
Artigos/ Articles