Relações entre família e escola no desenvolvimento de crianças com Síndrome Congênita do Zika Vírus

Conteúdo do artigo principal

Camyla Antonioli
https://orcid.org/0000-0002-5488-3465
Érica Costa Vliese Zichtl Campos
https://orcid.org/0000-0001-9379-7319
Márcia Denise Pletsch

Resumo

Este artigo discute as vivências e expectativas maternas sobre a escola e o desenvolvimento de crianças com deficiência múltipla decorrente da Síndrome Congênita do Zika Vírus (SCZV). Uma pesquisa qualitativa foi realizada com base em entrevistas semiestruturadas com quatro mães de crianças com SCZV residentes em municípios da Baixada Fluminense, no estado do Rio de Janeiro. O artigo argumenta que o acesso à Educação Infantil em turmas comuns contribuiu para o desenvolvimento das crianças. Também, foi verificado que, em complemento às ações desenvolvidas pelos professores na escola, as mães desempenharam um papel importante ao estimularem a funcionalidade das crianças em casa. Sendo assim, conhecer as concepções maternas se mostra relevante, visto que estas podem contribuir para práticas inclusivas, favorecendo a participação da criança com SCZV nas atividades escolares, e consequentemente, melhorando a sua qualidade de vida.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
ANTONIOLI, . C.; CAMPOS, Érica C. V. Z.; PLETSCH, M. D. Relações entre família e escola no desenvolvimento de crianças com Síndrome Congênita do Zika Vírus. Olhar de Professor, [S. l.], v. 24, p. 1–17, 2021. DOI: 10.5212/OlharProfr.v.24.19826.092. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/19826. Acesso em: 14 jun. 2024.
Seção
Educação Inclusiva: pesquisas, políticas e práticas pedagógicas
Biografia do Autor

Camyla Antonioli, Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC Rio

Doutoranda em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da PUC-Rio. Integrante do Grupo de Pesquisa Desenvolvimento Humano e Educação (Grudhe/PUC-Rio) e do Observatório de Educação Especial e Inclusão Educacional (ObEE). Bolsista do CNPq.

Érica Costa Vliese Zichtl Campos, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC Rio

Doutoranda em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação pela PUC-Rio. Mestra em Educação pelo programa de Pós-Graduação em Educação, Contextos Contemporâneos e Demandas Populares da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (PPGEduc/UFRRJ). Graduada em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Bolsista CAPES. Integrante dos Grupos de Pesquisa Educação e Mídia (Grupem/PUC-Rio) e Observatório de Educação Especial e Inclusão educacional (ObEE/UFRRJ). Professora das redes municipais de Nova Iguaçu/RJ e Duque de Caxias/RJ. Desenvolve pesquisas nas áreas de Psicologia do desenvolvimento, Educação Inclusiva, Deficiências intelectual e múltipla.

Márcia Denise Pletsch, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro - UFRRJ

Professora Associada do Departamento Educação e Sociedade, do Programa de Pós-Graduação em Educação, Contextos Contemporâneos e Demandas Populares (PPGEduc) e do Programa de Pós-Graduação em Humanidades Digitais da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). Coordenadora do Observatório de Educação Especial e Inclusão Educacional (ObEE). Jovem Cientista do Estado do Rio de Janeiro da FAPERJ e pesquisadora do CNPq-nível 2. Vice-Presidenta da Associação Brasileira de Pesquisadores em Educação Especial (ABPEE).

Referências

.