Letramentos e política de educação na BNCC: análise exploratória da área de Linguagens no Ensino Médio

Conteúdo do artigo principal

Mestrando Icaro Guilherme Guerra
https://orcid.org/0000-0002-0237-5346
Dr.ª Rómina de Mello Laranjeira
https://orcid.org/0000-0002-6854-101X

Resumo

Neste artigo, ao considerar as disputas e os debates que envolvem a Base Nacional Comum Curricular, analisamos as concepções de letramento que orientam as competências específicas de linguagens e de Língua Portuguesa na etapa do Ensino Médio. A pesquisa, situada na Linguística Aplicada, mobilizou conceitos e princípios dos Novos Estudos de Letramento. O documento norteador constituiu-se como objeto de estudo, tendo sido, portanto, desenvolvida uma metodologia qualitativa de análise documental. Os resultados apontam para uma maior presença de aspectos que enquadramos no letramento autônomo, em alinhamento com políticas neoliberais, ainda que sejam referidas práticas sociais de linguagem. Concluímos que as competências analisadas são objetificadas e que prevalece o desenvolvimento de habilidades individuais para operar coletivamente na sociedade, em oposição às competências e habilidades que são desenvolvidas pela ação social e pelas práticas de linguagem.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
GUERRA, I. G. .; LARANJEIRA, R. de M. Letramentos e política de educação na BNCC: análise exploratória da área de Linguagens no Ensino Médio. Olhar de Professor, [S. l.], v. 26, p. 1–21, 2023. DOI: 10.5212/OlharProfr.v.26.20417.017. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/20417. Acesso em: 19 maio. 2024.
Seção
Artigos em fluxo contínuo
Biografia do Autor

Mestrando Icaro Guilherme Guerra, Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP

Mestrando no Programa de Pós-Graduação em Letras: Estudos da Linguagem da Universidade Federal de Ouro Preto. Tem experiência na área de Educação e Letramentos atuando principalmente nos seguintes temas: língua portuguesa, BNCC, letramentos, língua inglesa.

Dr.ª Rómina de Mello Laranjeira, Universidade Federal de Ouro Preto

Doutora em Ciências da Educação. Professora do Departamento de Letras e do Programa de Pós-Graduação em Letras: Estudos da Linguagem da Universidade Federal de Ouro Preto.

Referências

BARTON, D; HAMILTON, M. Local literacies: reading and writing in one community. London and New York: Routledge, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Diário Oficial da União, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 02 fev. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução do Conselho Nacional de Educação/Conselho Pleno Nº 2, de 20 de dezembro de 2019. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Diário Oficial da União, Brasília, 15 de abril de 2020, Seção 1, pp. 46-49, 2020.

CAETANO, M. R. As reformas educativas globais e a base nacional comum curricular (BNCC). Textura – Revista de Educação e Letras, v. 22, n. 50, p. 36-53, 2020. Disponível em: https://doi.org/10.17648/textura-2358-0801-v22n50-5397. Acesso em: 22 abr. 2022.

CORRÊA, A.; MORGADO, J. C. Os contextos de influência política e de produção de texto no currículo nacional brasileiro. Textura – Revista de Educação e Letras, v. 22, n. 50, p. 19-35, 2020. Disponível em: https://doi.org/10.17648/textura-2358-0801-v22n50. Acesso em: 22 abr. 2022.

CURY, C. R. J; REIS, M; ZANARDI, T. A. C. Base Nacional Comum Curricular: dilemas e perspectivas. São Paulo: Cortez, 2018.

FREIRE, P. A educação é um ato político. Cadernos de Ciência, n. 24, p. 21-22, Brasília, 1991. Disponível em: http://acervo.paulofreire.org:8080/xmlui/handle/7891/1357. Acesso em: 22 abr. 2022.

FUZA, Â. F.; MIRANDA, F. D. S. S. Tecnologias digitais, letramentos e gêneros discursivos nas diferentes áreas da BNCC: reflexos nos anos finais do ensino fundamental e na formação de professores. Revista Brasileira de Educação, v. 25, p. 1-26, 2020. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1413-24782019250009. Acesso em: 22 abr. 2022.

GARCEZ, P. M. Conceitos de letramento e a formação de professores de línguas. Revista da Anpoll, v. 1, n. 49, p. 12-25, Florianópolis, 2019. Disponível em: https://doi.org/10.18309/anp.v1i49.1299. Acesso em: 22 abr. 2022.

GEE, J. P. Social linguistics and literacies: ideology in discourses. 3. ed. London and New York: Routledge, 2008.

GERALDI, J. W. Alfabetização e letramento: perguntas de um alfabetizador que lê. In: ZACCUR, E. (org.). Alfabetização e Letramento: o que muda quando muda o nome? Rio de Janeiro: Rovelle, 2011.

GERALDI, J. W. O ensino de língua portuguesa e a Base Nacional Comum Curricular. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 9, n. 17, p. 381-396, out./dez. 2015. Disponível em: https://doi.org/10.22420/rde.v9i17.587. Acesso em: 22 de abr. 2022.

GONÇALVES, A. M. Os intelectuais orgânicos da Base Nacional Comum Curricular (BNCC): aspectos teóricos e ideológicos. Dissertação (Mestrado em Educação), UNIOESTE, Cascavel, 2020. Disponível em: https://tede.unioeste.br/bitstream/tede/4776/5/AMANDA%20MELCHIOTTI%20GON%C3%87ALVES%20.pdf. Acesso em: 22 abr. 2022.

HISSA, D. L. A; COSTA, D. L. Letramento autônomo e ideológico na BNCC: uma reflexão crítica. Macabéa, Crato, v. 10, n. 5, p. 436-458, 2021. Disponível em: https://doi.org/10.47295/mren.v10i5.3358. Acesso em: 22 abr. 2022.

KLEIMAN, A. B. (org.). Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre prática social do uso da escrita. Campinas: Mercado das Letras, 1995.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MALANCHEN, J; MATOS, N. S. D. D.; ORSO, P. J. A pedagogia histórico-crítica, as políticas educacionais e a Base Nacional Comum Curricular. Campinas, SP: Editora Autores Associados, 2020.

MARSIGLIA, A. C. G et al. A Base Nacional Comum Curricular: um novo episódio de esvaziamento da escola do Brasil. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, v. 9, n. 1, Salvador, p. 107-121, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.9771/gmed.v9i1.21835. Acesso em: 22 abr. 2022.

PIETRI, E. de. O ensino de língua portuguesa: das propostas e parâmetros à Base Nacional Comum Curricular. Roteiro, [S. l.], v. 46, p. e23935, 2021. DOI: 10.18593/r.v46i.23935. Disponível em: https://unoesc.emnuvens.com.br/roteiro/article/view/23935.

RODRIGUES, S. G. C.; LEAL, T. F. (orgs.). A BNCC em foco: discussões sobre ensino de Língua Portuguesa. Campinas, SP: Pontes Editores, 2021.

SAVIANI, D. Educação, currículo e sociedade: o problema da Base Nacional Comum Curricular. Movimento, Rio de Janeiro, a. 3, n. 4, p. 54-84, 2016. Disponível em: https://doi.org/10.22409/mov.v0i4.296. Acesso em: 22 abr. 2022.

SILVA, K. A.; XAVIER, R. P. (orgs.). Múltiplos olhares para a Base Nacional Comum Curricular: Língua Portuguesa e Língua Inglesa. Campinas, SP: Pontes Editores, 2021.

STREET, B. V. New literacies, new times: developments in literacy studies. In: STREET, B.V; MAY, S. (orgs.). Literacies and language education. Londres: Springer, 2017.

STREET, B. V. Letramentos sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. São Paulo: Parábola, 2014.

STREET, B. V. Social literacies: critical approaches to literacy in development, ethnography and education. London, New York: Longman, 1995.