Os princípios estéticos das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil: diálogos com a gramática da argila

Main Article Content

Flávia Burdzinski de Souza
https://orcid.org/0000-0001-7426-5712
Queila Almeida Vasconcelos
https://orcid.org/0000-0003-4928-9784
Roberta Schmith
https://orcid.org/0000-0002-1833-5373

Resumo

Estabelecer um diálogo entre os princípios estéticos das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil (DCNEI) e as narrativas presentes nas documentações pedagógicas do trabalho com argila da escola de Educação Infantil do SESC – Sesquinho de Santo Ângelo/RS, é o objetivo deste texto. Para isso, o trabalho adota uma abordagem qualitativa, com uso de pesquisa bibliográfica, documental e com inspirações nos estudos etnográficos. Para fundamentar esse diálogo, além dos documentos das DCNEI e da Base Nacional Comum Curricular, autores como: Staccioli (2013); Loss, Souza e Vargas (2019); Hoyuelos (2020); Rinaldi (2012); Vázquez (1999); Hermann (2002); entre outros, foram usados para discutir como a sensibilidade, a criatividade, a liberdade de expressão, e outros aspectos, fazem-se presentes nas narrativas que constroem a gramática da argila dentro do cotidiano de uma escola, que acolhe as crianças na sua inteireza e que considera a documentação pedagógica uma abordagem fundamental para pensar sobre a sua Pedagogia.

Metrics

Carregando Métricas ...

Article Details

Como Citar
SOUZA, F. B. DE; VASCONCELOS, Q. A.; SCHMITH, R. Os princípios estéticos das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil: diálogos com a gramática da argila. Olhar de Professor, v. 24, p. 1-23, 2 jul. 2021.
Seção
Práticas artísticas contemporâneas, crianças e docência: experiências estéticas
Biografia do Autor

Flávia Burdzinski de Souza, Universidade Federal da Fronteira Sul- Campus Erechim/RS

Doutoranda em Educação Universidade de Passo Fundo (PPGEdu/UPF). Professora Adjunta do Curso de Pedagogia da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) Campus Erechim/RS.

Queila Almeida Vasconcelos, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutora em Educação Universidade Federal do Rio Grande do Sul(PPGEdu/UFRGS). Professora da Especialização em Educação Infantil da UNISINOS e Assessora pedagógica no Ateliê de Educação Infantil: centro de formação de professores.

Roberta Schmith, Universidade Federal da Fronteira Sul- Campus Erechim/RS

Licenciada em Pedagogia pela Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) Campus Erechim/RS.

Referências

ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS. Dicionário escolar da Língua Portuguesa. 2 ed. São Paulo: Companhia editora nacional, 2008.

BARBOSA, M. C. S. Práticas cotidianas na educação infantil - bases para a reflexão sobre as orientações curriculares. MEC: Brasília, 2009

BARBOSA, M. C. S.; SOUZA, F. B. de S. Prefácio. In: LOSS, A. S.; SOUZA, F. B. de; VARGAS, G. (Orgs.). Formação em Educação Infantil: aprendendo com as crianças sobre a docência na (s) infância (s). 1ed. Curitiba: CRV, 2019. p. 13-17.

BARROS, M. de. Escova. In: __________. Memórias inventadas. Rio de Janeiro: Alfaguara, 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Câmara de Educação Básica. Parecer CEB n. 20. Revisão das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEB, 2009a.

BRASIL. Ministério da Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução CEB n. 5. Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEB, 2009b.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Brasília: MEC, 2018. Disponível em: . Acesso: 25 jan. 2021.

CELLARD, A. Análise documental. In: POUPART, J. et. al. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis: Vozes, 2008.

DEWEY, J. Democracia e educação: introdução à filosofia da educação. 4.ed. São Paulo: Nacional, 1979.

DUARTE JR, J. A montanha e o videogame: escritos sobre educação. São Paulo: Papirus, 2010.

EDWARDS, C.; GANDINI, L.; FORMAN, G. As cem linguagens da
criança: a abordagem de Reggio Emilia na educação da primeira infância. Porto Alegre: Penso, 2016.

FERRAZ, M. H. T.; FUSARI, M. F. de R. Metodologia do ensino da arte. São Paulo: Cortez, 1993.

GABBAI, M. Cerâmica Arte da Terra. São Paulo: Callis Ltda.,1987.

GANDINI, L. HILL, L. CADWELL, L. SCHWALL, C. O papel do ateliê na educação infantil: a inspiração de Reggio Emilia. Porto Alegre: Penso, 2012.

HERMANN, N. Razão e Sensibilidade: Notas sobre a contribuição do estético para a ética. Revista Educação e Realidade. n. 27, p. 11-26, jan./jun. 2002.

HOYUELOS, A. A estética no pensamento e na obra pedagógica de Loris Malaguzzi. São Paulo: Phorte, 2020.

LOSS, A. S; SOUZA, F. B; VARGAS, G. Aprendizagem e experiência na Educação Infantil. In: ______. (org.). Formação em educação infantil: aprendendo com as crianças sobre a docência na(s) infância(s). Curitiba: CRV, 2019.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. de. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. 2. ed. Rio de Janeiro: E.P.U., 2018.

MALAGUZZI, L. História, ideias e filosofia básica. In: EDWARDS, C.; GANDINI, L.; FORMAN, G. (Eds.). As cem linguagens da criança: A abordagem de Reggio Emilia na educação da primeira infância. Porto Alegre: Artmed, 1999. p. 59–127.
MELLO, S. A.; BARBOSA, M. S. B.; FARIA, A. L. G. (Orgs.). Documentação Pedagógica: teoria e prática. São Carlos: Pedro & João Editores, 2017.

MONTEIRO, C. História, fotografia e cidade: reflexões teórico-metodológicas sobre o campo de pesquisa. MÉTIS: história e cultura, v. 5, n. 9, p. 11-23, jan./jun. 2006.

OLIVEIRA, A. M. R. Escultura e imaginação infantil: um mar de histórias sem fim. 2008. 329 f. Tese (Doutorado em Educação)- Universidade Federal De Santa Catarina, Santa Catarina.

OLIVEIRA-FORMOSINHO, J. Pedagogia(s) da infância: reconstruindo uma práxis de participação. In: OLIVEIRA-FORMOSINHO, J.; KISHIMOTO, T. M.; PINAZZA, M. A. (Eds.). Pedagogia(s) da Infância: dialogando com o passado construindo o futuro. Porto Alegre: Artmed, 2007.

OLIVEIRA-FORMOSINHO, J. A formação em contexto: a mediação do desenvolvimento profissional praxeológico. In: CANCIAN, V. A.; GALLINA, S. F. S.; WESCHENFELDER, N. (Orgs.). Pedagogias das infâncias, crianças e docências na educação infantil. Brasília, DF: Ministério da Educação/Secretaria de Educação Básica, 2016. p. 87-111.

PIORSKI, G. Brinquedos do chão: a natureza, o imaginário e o brincar. São Paulo: Peirópolis, 2016.

RINALDI, C. Diálogos com Reggio Emília: escutar, investigar e aprender. São Paulo: Paz e Terra, 2012.

SOARES, M. B. N. Poemas da mão que amassa. In: ROSENTHAL, D.; RIZZI, M. C. Artes. São Paulo: Blucher, 2013.

STAKE, R. E. Pesquisa Qualitativa. Estudando como as coisas funcionam. Porto Alegre: Penso, 2010.

STACIOLLI, G. Diário do acolhimento na escola da infância. Tradução (do italiano) Fernando Ortale e Ilse Paschoal Moreira. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

VÁZQUEZ, A. S. Convite à estética. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

VECCHI, V. Estética e aprendizagem. Prológo. In: HOYUELOS, A. A estética no pensamento e na obra pedagógica de Loris Malaguzzi. São Paulo: Phorte, 2020.

VIEIRA, F. R.; GOZZI, R. M. A estética como marca da cultura. In: MELLO, A. M. et al. O dia a dia das creches e pré-escolas: crônicas brasileiras. Porto Alegre: Artmed, 2010.