Avaliação flexibilizada para alunos com necessidades educacionais especiais: uma prática pedagógica inclusiva

Conteúdo do artigo principal

Suzanli Estef
https://orcid.org/0000-0002-0186-1342
Rosana Glat
https://orcid.org/0000-0002-0186-1342

Resumo

Este ensaio analisa o processo de avaliação de alunos com necessidades educacionais especiais, no contexto da escola básica. A discussão tem como base dados obtidos em entrevistas semiestruturadas com professores e coordenadores pedagógicos do Ensino Fundamental II e Ensino Médio, de três escolas na Cidade do Rio de Janeiro. Esta temática é relevante pela complexidade de avaliar o desempenho acadêmico de alunos cujas demandas não podem ser atendidas por um sistema de ensino estruturado para a homogeneidade, baseado em um modelo de avaliação padronizado, classificatório e meritocrático. A análise dos dados revelou as possibilidades de favorecer a inclusão e aprendizagem a partir da flexibilização e individualização do ensino, desenvolvendo ações pedagógicas que proporcionem critérios e procedimentos avaliativos considerando as características próprias de cada aluno e que tenham como objetivo aprimorar o processo ensino aprendizagem.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
ESTEF, S.; GLAT, R. Avaliação flexibilizada para alunos com necessidades educacionais especiais: uma prática pedagógica inclusiva. Olhar de Professor, [S. l.], v. 24, p. 1–13, 2021. DOI: 10.5212/OlharProfr.v.24.19708.096. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/19708. Acesso em: 17 jun. 2024.
Seção
Educação Inclusiva: pesquisas, políticas e práticas pedagógicas
Biografia do Autor

Suzanli Estef, Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ

Doutora em Educação.  Professora de Educação Especial do Colégio de Aplicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Rosana Glat, Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ

Doutora em Psicologia Social.  Professora Titular do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Referências

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília : MEC/SEF, 1997.

________. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC/SEESP, 2008.

________. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação Básica. Resolução Nº4, de 02 de outubro de 2009. Institui as diretrizes operacionais para o atendimento educacional especializado na Educação Básica – na modalidade Educação Especial. 2009.

________. Decreto Nº 7.611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. 2011a.

________. Decreto Nº 7.612, de 17 de novembro de 2011. Institui o Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência - Plano Viver sem Limite, 2011b.

________. Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência/Estatuto da Pessoa com Deficiên-cia, Lei 13.146, promulgada em 06/07/2015. Brasília, 2015.

_________ – INEP Censo da Educação Básica 2020: resumo técnico. Brasília, 2020. in: https://download.inep.gov.br/publicacoes/institucionais/estatisticas_e_indicadores/resumo_tecnico_censo_escolar_2020.pdf , 2020.

CANEN, Ana. Avaliação da aprendizagem e regulação da prática docente: formação conti-nuada para coordenadores pedagógicos - Módulo 7. UFRJ.Rio de Janeiro, 2005.

CARVALHO, Rosita Edler. Escola inclusiva: a reorganização do trabalho pedagógico. Porto Alegre: Mediação, 2008.

ESTEF, Suzanli. Concepções sobre os processos de avaliação escolar para alunos com necessidades educacionais especiais sob a ótica docente. 2016. 137f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016.

______, Suzanli. Inclusão escolar sob o viés da avaliação flexibilizada. 2021. 134f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2021


GLAT, Rosana; NOGUEIRA, Mário. Políticas educacionais e a formação de professores para a educação inclusiva no Brasil. In: Revista Integração. v. 24, ano 14; Brasília: MEC/SEESP, p.22- 27, 2002

_____, Rosana; PLETSCH, Marcia Denise. Inclusão escolar de alunos com necessidades especiais. Rio de Janeiro: Eduerj, 2011.

KADLEK, Verena Pamela; GLAT, Rosana. A criança e suas deficiências: métodos e práticas de atuação psicopedagógicas. 2a ed. Rio de Janeiro: Editora Agir, 1989.

KASSAR, Mônica. Carvalho. Magalhães; REBELO, Andressa. Santos.; OLIVEIRA, Regina. Tereza. Cestare. Embates e disputas na política nacional de Educação Especial brasileira. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 45, e 217170, 2019.

MARIN, Márcia; MARETTI, Márcia. Estratégia de ensino para inclusão escolar. I Seminário internacional de inclusão escolar: prática em diálogo. Universidade do Estado do Rio de Janeiro. CAP-UERJ. Rio de Janeiro. 2014.

MASCARO, Cristina Angélica; REDIG, Annie Gomes. Estudantes com deficiência intelectual na escola contemporânea: práticas pedagógicas exitosas. Revista Teias Seção temática Programas e práticas pedagógicas na educação especial e inclusiva. 22 • n. 66 • jul./set. 2021.

MATOS, Norberto; MENDES, Enicéia Gonçalves. A proposta de inclusão escolar no contexto nacional de implementação das políticas educacionais. In: Revista Práxis Educacional, Dossiê temático: Educação Inclusiva, v.10. n.16, p. 35-59, 2014.

OLIVEIRA, Anna Augusta Sampaio de.; VALENTIM, Fernanda Oscar Dourado ; SILVA, Luis. Henri-que. Avaliação pedagógica: Foco na deficiência intelectual numa perspectiva inclusiva. São Pau-lo: Cultura acadêmica/ Marília: Oficina Universitária, 2013.

ONU, Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. Organização das Nações Unidas, 2007.

PLETSCH, Márcia Denise.; OLIVEIRA, Mariana Corrêa Pitanga. de. Políticas de Educação Inclusiva: considerações sobre a avaliação da aprendizagem de alunos com deficiência intelectual. Revista Educação, Artes e Inclusão, v. 10, n. 2, p. 125-137, 2014.

PLETSCH, Márcia Denise; SOUZA, Flavia Faissal. Educação comum ou especial? Análise das diretrizes políticas de educação especial brasileiras. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 16, n. esp. 2, p. 1286-1306, maio 2021. https://doi.org/10.21723/riaee.v16iesp2.15126

PERRENOUD, Phillip. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens. Porto Alegre: Artmed, 1999.

SANTOS, Tereza Cristina Coelho.; MARTINS, Lúcia de Araújo. Ramos. Práticas de Professores Frente ao Aluno com Deficiência Intelectual em Classe Regular. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v.21, n.3, p.395-408, 2015.


TOMLINSON, Carol An. Diferenciação pedagógica e diversidade. Ensino de alunos em turmas com diferentes níveis de capacidades. Porto Alegre, 2008.

UNESCO. Declaração de Salamanca e Linha de Ação sobre Necessidades Educativas Especiais. Brasília: CORDE, 1994.


VASCONCELOS, Celso. Avaliação classificatória e excludente e a inversão fetichizada da função social da escola. In FERNANDES, Claúdia (Org.). Avaliação das aprendizagens: sua relação com o papel social da escola. São Paulo:Cortez, 2014. p. 17-56.


ZERBATO, Ana Paula; MENDES, Enicéia Gomes. Desenho Universal para Aprendizagem como estratégia de inclusão escolar. Educar- Unisinos, 22(2), p. 147-155, abril-junho, 2018.