Documentos normativos e a práxis inclusiva na perspectiva freireana: aproximações e distanciamentos

Conteúdo do artigo principal

Doutoranda Andréa da Silva Avanze
https://orcid.org/0000-0003-4899-6508
Mestrando Bernard Martins Monteiro
https://orcid.org/0000-0002-2717-8496
Mestranda Solane Cristina Felicetti Santin
https://orcid.org/0000-0001-6054-5668

Resumo

O presente artigo problematiza a previsão normativa de documentos relativos à inclusão e a práxis na perspectiva freireana procurando discutir as aproximações e distanciamentos entre os documentos normativos de inclusão e as práticas de aprendizagem escolar segundo a teoria freireana. Para tanto, adotou-se a revisão bibliográfica como procedimento metodológico. Da avaliação, emergem dois eixos: aproximações entre documentos normativos de inclusão e as práticas de aprendizagem segundo a teoria freireana; distanciamento entre documentos normativos de inclusão e as práticas de aprendizagem segundo a teoria freireana. O primeiro eixo está mais presente nos documentos e divide-se em dois grupos: o Protagonismo e a Participação, dois pressupostos freireanos. O segundo eixo, aparece de forma mais sutil e associa-se à educação bancária combatida por Freire. Pode-se considerar que o nível de aproximação entre os documentos normativos de inclusão e a teoria freireana não reverbera na práxis educativa escolar concreta, o que remete à fragilidade formativa dos profissionais. Considera-se profícuo que se revisite a formação inicial e continuada de profissionais da educação para inclusão, bem como que se aplique rigorosamente o previsto nos documentos normativos e leve-se em consideração os saberes de todas as pessoas envolvidas no processo de inclusão na formulação de políticas públicas de inclusão.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
AVANZE, A. da S.; MONTEIRO, B. M.; SANTIN, S. C. F. . Documentos normativos e a práxis inclusiva na perspectiva freireana: aproximações e distanciamentos. Olhar de Professor, [S. l.], v. 26, p. 1–10, 2023. DOI: 10.5212/OlharProfr.v.26.20623.035. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/20623. Acesso em: 23 jun. 2024.
Seção
Experiências Pedagógicas
Biografia do Autor

Doutoranda Andréa da Silva Avanze, Universidade La Salle - UNILASSALE

Doutoranda em Educação, Unilasalle. Docente e Orientadora Pedagógica de Educação Básica na Rede Pública Municipal.

Mestrando Bernard Martins Monteiro, Universidade La Salle - UNILASSALE

Mestrando em Educação, Unilasalle. Docente da Educação Básica.

Mestranda Solane Cristina Felicetti Santin, Universidade La Salle - UNILASSALE

Mestranda em Educação, Unilasalle. Docente da Educação Básica.

Referências

AUSUBEL, D. P. NOVAK J. D. HANESIAN H. Psicologia educativa: un punto de vista cognitivo. 2a. México: Trillas, 1983.

BRASIL. Decreto nº 10.502, de 30 de setembro de 2020. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2020/decreto/D10502.htm. Acesso em: 15/05/2022.

BRASIL. Lei n. 13.146, de 6 de julho de 2015. Lei Brasileira de Inclusão de Pessoas com deficiência. Brasília, DF, 2015.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) de 1996. Brasília, DF, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva; MEC/SEESP, junho de 2008.

FREIRE, P. Educação e atualidade brasileira. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2003.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 2005.

FREITAS, S. V. D. H. Inclusão de pessoas com deficiência na educação superior: contribuições para implementação de uma gestão inclusiva para instituições comunitárias de educação superior. Tese (Doutorado em Educação). Universidade La Salle, Canoas, p.180. 2019.

MANTOAN, Maria Teresa Eglér. Inclusão escolar: o que é? por quê? como fazer? / Maria Teresa Eglér Mantoan. — São Paulo: Moderna, 2003.

OMOTE, S. Normalização, integração, inclusão. Revista Ponto de Vista.1999, v.1. n.1, p.4-13. Disponível em:https://periodicos.ufsc.br/index.php/pontodevista/article/view/1042/1524. Acesso: 01 de ago.2021.

ONU. Declaração dos Direitos das Pessoas Deficientes. Resolução ONU 3.447, 1975. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/dec_def.pdf. Acesso:17 de jul.2021.

SILVA, A. C; COQUEIRO, J. T. de A. Alfabetização e letramento da matemática na perspectiva da inclusão. Instrumento, v. 22, n. 1, jan./abr. 2020. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/revistainstrumento/issue/view/1430. Acesso em 13 abr 2021.BRASIL. Ministério da Educação. Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva; MEC/SEESP, junho de 2008.

UNESCO. Declaração de Salamanca e enquadramento da Acção, na área das necessidades educativas especiais. In: Conferência Mundial sobre necessidades educativas especiais: acesso e qualidade. Salamanca, Espanha: Unesco, 1994. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000139394/PDF/139394por.pdf.multi. Acesso em 15 de mai.2022.