Ensino superior privado-mercantil: repercussões na formação inicial de professores e professoras

Conteúdo do artigo principal

Dr.ª Renata Nassralla Kassis
https://orcid.org/0000-0002-9883-960X
Dr.ª Claudia Dourado de Salces
https://orcid.org/0000-0003-1582-3766

Resumo

O artigo problematiza as repercussões das políticas neoliberais sobre os cursos de formação de professores em Instituições de Educação Superior (IES) privado-mercantis do estado de São Paulo pertencentes a um conglomerado educacional. A partir das lentes do método histórico-dialético, considerando a totalidade em que se insere a Educação Superior e suas determinações, traz discussões oriundas de estudos teórico-empíricos, ocorridos no âmbito de duas pesquisas de doutoramento (KASSIS, 2021; SALCES, 2020) que, apoiados nas formulações de Saviani, Pimenta, Libâneo e outros, destacam a imprescindibilidade da Pedagogia como campo epistemológico na formação inicial. A partir de entrevistas com estudantes, professores e coordenadores dessas IES, evidenciou-se que a visão economicista da educação impacta nas orientações pedagógicas, curriculares e de gestão. Conclui-se pela urgência da propositura de políticas de formação docente distanciadas dos interesses privatistas e que impulsionem a construção da escola pública socialmente justa, referendada por uma pedagogia emancipatória.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
KASSIS, R. N. .; SALCES, C. D. de . Ensino superior privado-mercantil: repercussões na formação inicial de professores e professoras. Olhar de Professor, [S. l.], v. 26, p. 1–26, 2023. DOI: 10.5212/OlharProfr.v.26.21248.058. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/21248. Acesso em: 23 jun. 2024.
Seção
Dossiê: O campo teórico da Pedagogia e seus desdobramentos na formação de pedagogos/as
Biografia do Autor

Dr.ª Renata Nassralla Kassis, Universidade Federal de São Paulo

Pesquisadora da área de Formação de Professoras e Professores Polivalentes para a Educação Básica. Doutora em Educação e Saúde na Infância e na Adolescência pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Mestre em Educação pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Licenciada em Pedagogia pela Universidade do Sagrado Coração (USC) e Bacharel em Direito pela Instituição Toledo de Ensino de Bauru. Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Escola Pública, Infâncias e Formação de Educadores (Gepepinfor). Experiência Docente em cursos de Licenciatura em Instituições Privadas e Públicas, especialmente nos cursos de Pedagogia. Experiência em Coordenação e Gestão do Conhecimento no Senac/SP atuando diretamente em projetos educacionais.

Dr.ª Claudia Dourado de Salces, Universidade de São Paulo - Gepefe/USP

Pesquisadora da área de Formação de docentes para o Ensino Superior no grupo de pesquisa GEPEFE, doutora em Educação pela USP e mestre em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas. Licenciada em Letras - Português e bacharel em Linguística, pedagoga (Cruzeiro do Sul), é também especialista em Jornalismo Científico. Tem experiência como docente no Ensino Superior, nos cursos de Ciências Contábeis, Administração de Empresas, Jornalismo, Publicidade e Propaganda, e Letras. Atuou como docente na Educação Básica na Prefeitura de Campinas e em colégios privados e como consultora acadêmica na Anhanguera Educacional (Kroton). É revisora de textos acadêmicos e corretora de Redação e Língua Portuguesa de vestibulares e concursos de universidades públicas e privadas, além de produzir material didático para cursos presenciais e a distância. Atualmente, é professora de Língua Portuguesa da rede municipal de Valinhos (SP).

Referências

ALMEIDA, L. et al. Democratização do acesso e do sucesso no ensino superior: uma reflexão a partir das realidades de Portugal e do Brasil. Avaliação, Campinas, v.17, n. 3, nov. 2012. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S1414-40772012000300014>. Acesso em 15 maio 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-40772012000300014

ALMEIDA, M. I. de; SALCES, C. D. de; FERNANDES, T. R. O que pode a escola pública diante das desigualdades? Revista de Educação PUC-Campinas, [S. l.], v. 26, p. 1–18, 2021. DOI: 10.24220/2318-0870v26e2021a5328. Disponível em: https://seer.sis.puc-campinas.edu.br/reveducacao/article/view/5328. Acesso em: 15 nov. 2022. DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0870v26e2021a5328

ALMEIDA, W. M. de. Sobre o fim da gratuidade do ensino superior público brasileiro. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, v. 49, n. 173, p. 10-26, jul./set. 2019. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-15742019000300010&lng=en&nrm=iso. Acesso em 10 dez. 2019.

BELLETATI, V. C. F.; PIMENTA, S. G.; LIMA, V. M. M. Formar professores intelectuais crítico-reflexivos nos cursos de licenciatura apesar das diretrizes nacionais: transgressões possíveis. Nuances Est. Sobre Educ., Presidente Prudente, v. 32, e021026, jan./dez. 2021. e- ISSN: 2236-0441. DOI: https://doi.org/10.32930/nuances.v32i00.8706. Acesso em 08 nov. 2022. DOI: https://doi.org/10.32930/nuances.v32i00.8706

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF: MEC, 1996. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas Educacional Anísio Teixeira (INEP). Censo da Educação Superior. Brasília, DF: Inep, 2021. Disponível em: <https://www.gov.br/inep/pt-br/areasde-atuacao/pesquisas-estatisticas-e-indicadores/censo-da-educacao-superior>. Acesso em:12 nov. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP nº 2, de 20 de Dezembro de 2019. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2019-pdf/135951-rcp002-19/file. Acesso em 08 nov. 2022.

CHAVES, V. L. J.; SANTOS, M. R. S.; KATO, F. B. G. Financiamento público para o ensino superior privado-mercantil e a financeirização. In: Jornal de Políticas Educacionais, v. 14, n. 8, p. 01-20, janeiro de 2020. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/jpe/article/view/70063/40309. Acesso em 10 nov. 2022. DOI: https://doi.org/10.5380/jpe.v14i0.70063

CONTRERAS, J. Autonomia de professores. Trad. Sandra Trabuco Valenzuela. São Paulo: Cortez, 2002. 296p

CUNHA, L. A. Entre o Estado e o mercado. Educ. Soc., Campinas, vol. 28, n. 100 - Especial, p. 809-829, out. 2007. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-73302007000300009

CUNHA, L. A. O legado da ditadura para a educação brasileira. Educ. Soc., Campinas, v. 35, n. 127, p. 357-377, abr.-jun. 2014. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-73302014000200002

EVANGELISTA, O.; FIERA, L.; TITTON, M. Diretrizes para formação docente é aprovada na calada do dia: mais mercado. Jornal socialista e independente: Universidade à Esquerda, 2019. Disponível em: https://universidadeaesquerda.com.br/debate-diretrizes-paraformacao- docente-e-aprovada-na-calada-do-dia-mais-mercado/. Acesso em 15 mai. 2023.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática docente. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREITAS, H. C. L. de. Certificação docente e formação do educador: regulação e desprofissionalização. Educação e Sociedade, Campinas, vol. 24, n. 85, p. 1.095-1.124, dezembro 2003. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-73302003000400002

GATTI, B. et al. Professores do Brasil: novos cenários de formação. Brasília: Unesco, 2019.

GEIGER, R. Private sectors in higher education. Structure, function and change in eight countries. Michigan, The University of Michigan Press, 1986. DOI: https://doi.org/10.3998/mpub.7381

GENTILI, P. A. A. Neoliberalismo e educação: manual do usuário. In: SILVA Tomaz T. da.; GENTILI, Pablo A. A (Orgs.). Escola S. A.: quem ganha e quem perde no mercado educacional do neoliberalismo. Brasília, DF: CNTE, 1996. p. 9-49.

GIROUX, H. A.; FIGUEIREDO, G. O. Por uma práxis radical na luta em defesa da democracia: desafios contemporâneos para a formação política e a educação crítica no século XXI. In: Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 15, e2014787, p. 1-25, 2020. Disponível em: https://www.revistas2.uepg.br/index.php/praxiseducativa. Acesso em 05 nov. 2022. DOI: https://doi.org/10.5212/PraxEduc.v.15.14787.047

IMBERNÓN, F. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. São Paulo: Cortez, 2005. (Coleção questões da Nossa Época; v.77)

KASSIS, R. N. A formação docente nas Instituições de Ensino Superior Privadas: Tensões enfrentadas por professores e alunos nos cursos de Pedagogia. 2021. 227 f. Tese (Doutorado em Educação e Saúde na Infância e na Adolescência) – Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Universidade Federal de São Paulo, Guarulhos, 2021. Disponível em https://repositorio.unifesp.br/xmlui/handle/11600/63778

KASSIS, R. N. A formação de professoras e professores polivalentes nos cursos de Pedagogia em Instituições de Ensino Superior privadas. 2015. 234 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Paulo, Guarulhos, 2015.

KUENZER, A. Z. & MACHADO, L. R. de S. A pedagogia tecnicista. In: MELLO, G. N. (org.) Escola nova, tecnicismo e educação compensatória. São Paulo: Loyola, 1982, p. 29-52.

LIBÂNEO, J. C. A persistente dissociação entre o conhecimento pedagógico e o conhecimento disciplinar na formação de professores: problemas e perspectivas. In: REUNIÃO ANPED, 35. Porto de Galinhas. 2012. Porto de Galinhas: [s.n.], 2012p. 1-10. Disponível em http://35reuniao.anped.org.br/images/stories/trabalhos/GT04%20Trabalhos/GT04-1936_int.pdf

LIBÂNEO, J. C. A teoria do ensino para o desenvolvimento humano e o planejamento de ensino. Revista Educativa Goiânia, v. 19, n. 2, p. 353-387, maio/ago. 2017 DOI: https://doi.org/10.18224/educ.v19i2.5391

MÉSZÁROS, I. A educação para além do capital. 2ª ed. São Paulo: Boitempo editorial, 2008.

MAUÉS, O. C.; SOUZA, M. B. de. Precarização do trabalho do docente da educação superior e os impactos na formação. Em Aberto, Brasília, v. 29, n. 97, p. 73-85, set./dez. 2016.

PIMENTA, S. G. e FUSARI, J. C. A formação de professores para a Educação Infantil e para os anos iniciais do Ensino Fundamental: análise do currículo dos cursos de Pedagogia de Instituições Públicas e Privadas do Estado de São Paulo. (Relatório Técnico). GEPEFE/FEUSP: 2014.

PIMENTA, S. G.; PINTO, U. de A.; SEVERO, J. L. R. de L. A Pedagogia como lócus de formação profissional de educadores(as): desafios epistemológicos e curriculares. In: Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 15, e2015528, p. 1-20, 2020. Disponível em: https://www.revistas2.uepg.br/index.php/praxiseducativa. Acesso em 10 nov. 2022. DOI: https://doi.org/10.5212/PraxEduc.v.15.15528.057

PINTO, U. de A. Pedagogia e pedagogos escolares. 2006. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006. doi:10.11606/T.48.2006.tde-22062007-095259. Acesso em: out. 2021. DOI: https://doi.org/10.11606/T.48.2006.tde-22062007-095259

REIS, B. M; CECÍLIO, S. Precarização, trabalho docente intensificado e saúde de professores universitários / Precariousness, intensified teachers’ work and health of teachers. Trabalho & amp; Educação, Belo Horizonte, v. 23, n. 2, p. 109–128, 2014. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/9141. Acesso em: 3 out. 2021.

ROMANINI, M.; DETONI P. P. A culpabilização como efeito do modo indivíduo de subjetivação nas políticas sociais. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre (UFRGS), RS, Brasil. Rev. Polis e Psique, 2014; 4(2): 206 - 229 DOI: https://doi.org/10.22456/2238-152X.51093

SALCES, C. D. de. Ser professor formador de professores na Educação Superior Privada contemporânea. 2020. 221 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2020.

SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2007.

SEVALHO, G. O conceito de vulnerabilidade e a educação em saúde fundamentada em Paulo Freire. Interface (Botucatu) [on-line]. 2018, vol.22, n.64, pp.177-188. Epub May 18, 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/1807-57622016.0822

SGUISSARDI, V. Modelo de expansão da educação superior no Brasil: predomínio privado-mercantil e desafios para a regulação e a formação universitária. Educação & Sociedade, Campinas, SP, v. 29, n. 105, p. 991-1022, set./dez 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/es/v29n105/v29n105a04.pdf. Acesso em 10 nov. 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-73302008000400004

SGUISSARDI, V. Educação superior no Brasil: democratização ou massificação mercantil? Educação & Sociedade, Campinas, v. 36, n. 133, p. 867-889, out./dez. 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/mXnvfHVs7q5gHBRkDSLrGXr/?format=pdf&lang=pt. Acesso em 15 mai. 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/ES0101-73302015155688

TARDIF, M.; LESSARD, C. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. 9. ed. Petrópolis (RJ): Vozes, 2014.

THOMPSON, E. Customs in common: studies in traditional popular culture, London: Tauris, 1993.

ZAGO, N. Do acesso à permanência no ensino superior: percursos de estudantes universitários de camadas populares. Revista Brasileira de Educação v. 11 n. 32 maio/ago. 2006. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-24782006000200003

ZANOTTO, M.; RAMOS, M. Formação e trabalho docente sob a lógica da BNCC: a dissolução do sentido da educação escolar? Rev. Eletrônica Pesquiseduca. Santos, V.14, n.36, p. 920-944, mai.-ago, 2022, pp. 920-944. DOI: https://doi.org/10.58422/repesq.2022.e1389