Reflexões sobre a BNCC na formação inicial de professores de matemática: relato de uma experiência

Conteúdo do artigo principal

Dr.ª Luana Ferrarotto
https://orcid.org/0000-0002-2861-2127
Dr.ª Iracema Hiroko Iramina Arashiro
https://orcid.org/0000-0001-9525-4449
Dr.ª Fernanda Cristina Gaspar Lemes
https://orcid.org/0000-0002-5802-6938

Resumo

A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) é um documento normativo alinhado às avaliações externas em larga escala e às Diretrizes de Formação de Professores (BNC-Formação) de 2019. A análise da BNCC se faz necessária frente ao seu caráter regulador. Com intuito de problematizar a BNCC na formação inicial de professores, apresenta-se a experiência realizada, no 2o semestre de 2021, no curso de Licenciatura em Matemática do Instituto Federal de São Paulo, câmpus Bragança Paulista. Foi desenvolvido um trabalho interdisciplinar, envolvendo os componentes curriculares Laboratório de Ensino de Matemática, Organização e Política Educacional e Psicologia da Educação, a partir da construção de planos de aula. Nas apresentações dos planos, foi possível discutir sobre o uso da BNCC sem contextualização e refletir acerca da padronização dos processos formativos. Percebeu-se uma preocupação dos licenciandos quanto à autonomia no planejamento e a valorização do uso de materiais manipulativos, de modo a favorecer a criatividade.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
FERRAROTTO, L.; ARASHIRO, I. H. I.; LEMES, F. C. G. . Reflexões sobre a BNCC na formação inicial de professores de matemática: relato de uma experiência. Olhar de Professor, [S. l.], v. 26, p. 1–19, 2023. DOI: 10.5212/OlharProfr.v.26.21336.037. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/21336. Acesso em: 17 jun. 2024.
Seção
Experiências Pedagógicas
Biografia do Autor

Dr.ª Luana Ferrarotto, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo – IFSP

Pedagoga pela UNICAMP (2005), com Mestrado (2011) e Doutorado em Educação (2018) pela mesma universidade. Atuou como professora nas redes municipais de Amparo e de Campinas. Na rede municipal de Amparo atuou, ainda, como diretora de escola. Atualmente é professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo, campus Bragança Paulista. É pesquisadora do Ares (Avaliação e Relações Escolares) do IFSP-Bra. Desenvolve pesquisas sobre avaliação educacional em seus três níveis: avaliação em sala de aula, avaliação externa em larga escala e avaliação institucional.

Dr.ª Iracema Hiroko Iramina Arashiro, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo – IFSP

Possui graduação em Licenciatura em Matemática pelo Centro Universitário Fundação Santo André (1988), mestrado em Estatística pela Universidade de São Paulo (2002), doutorado em Estatística pelo Instituto de Matemática e Estatística (2008) e especialização em Matemática para Professores do Ensino Fundamental, a Partir das Séries Iniciais. Professora EBTT do IFSP, Bragança Paulista e atualmente é coordenadora do Projeto de Extensão "Oficinas Pedagógicas e o Laboratório de Ensino de Matemática" e participa do curso de extensão "práticas de ensinar e aprender matemática nos anos iniciais" no Campus Bragança Paulista. Tem interesse na área de ensino de Geometria, Probabilidade e Estatística

Dr.ª Fernanda Cristina Gaspar Lemes, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo - IFSP

Doutora em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (2020), Mestre em Educação pela mesma Instituição (2012). Graduada em Pedagogia pelo Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas da Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", UNESP Câmpus de São José do Rio Preto (2009). Atualmente é Professora de Educação Básica, Técnica e Tecnológica do Instituto federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP) no campus de São José do Rio Preto, estando à frente da Coordenadoria Sociopedagógica (CSP). Foi Pedagoga Técnica Administrativa no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP) tendo atuado nas unidades de Barretos e São Carlos. Foi docente do curso de Licenciatura em Pedagogia na União das Instituições Educacionais do Estado de São Paulo (UNIESP), Unidade de São José do Rio Preto (SP) - (2013 - 2017). Lecionou como Professora de Educação Básica I na Prefeitura municipal de São José do Rio Preto (2012 - 2014). Foi Tutora Virtual do curso de Pedagogia da Universidade Aberta do Brasil (UAB) pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) - (2010 - 2016).

Referências

ALBINO, A. C. A.; SILVA, A. F. BNCC e BNC da formação de professores: repensando a formação por competências. Retratos da Escola, Brasília, v. 13, n. 25, p. 137-153, jan./mai. 2019. Disponível em: <https://doi.org/10.22420/rde.v13i25.966>. Acesso em: 10 abr. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação/Conselho Pleno (CNE/CP). Parecer n° 2.167. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Diário Oficial da União: Seção 1, Brasília, DF, p. 142, 20 dez. 2019.

COSTA, E. M.; MATTOS, C. C.; CAETANO, V. N. S. Implicações da BNC-formação para a universidade pública e formação docente. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 16, n. esp. 1, p. 896-909, mar. 2021. Disponível em:<https://doi.org/10.21723/riaee.v16iEsp.1.14924>. Acesso em: 10 abr. 2022.

FRANGELLA, R. de C. P. Formação de Professores em tempos de BNCC: um olhar a partir do campo do currículo. Formação em Movimento v.2, i.2, n.4, p. 380-394, jul./dez. 2020. Disponível em: <https://doi.org/10.38117/2675-181X.formov2020.v2i2n4.380-394>. Acesso em: 18 abr. 2022.

FREITAS, L. C. Os reformadores empresariais da educação: da desmoralização do magistério à destruição do sistema público de educação. Educação e Sociedade, Campinas, v. 33, n. 119, 2012. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/es/a/PMP4Lw4BRRX4k8q9W7xKxVy/?format=pdf&lang=pt>. Acesso em: 10 abr. 2022.

FREITAS, L. C. Quem apoia o “Common Core” brasileiro? Avaliação Educacional – Blog do Freitas. 29 dez. 2015. Disponível em: <https://avaliacaoeducacional.com/2015/12/29/quem-apoia-o-common-core-brasileiro/>. Acesso em: 10 abr. 2022.

FREITAS, L. C. BNCC: como os objetivos serão rastreados. Avaliação Educacional – Blog do Freitas. 07 abr. 2017. Disponível em: <https://avaliacaoeducacional.com/?s=rastreados>. Acesso em: 10 abr. 2022.

FREITAS, L. C.; SORDI, M. R. L; MALAVASI, M. M. S.; FREITAS, H. C. L. Avaliação educacional: caminhando na contramão. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

GARDNER, H. Inteligência: um conceito reformulado. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

GIROTTO, E. D. Entre o abstracionismo pedagógico e os territórios de luta: a base nacional comum curricular e a defesa da escola pública. Horizontes, v. 36, n. 1, p. 16-30, jan./abr. 2018. Disponível em:<https://doi.org/10.24933/horizontes.v36i1.603>. Acesso em: 10 abr. 2022.

GONÇALVES, S. R. V.; MOTA, M. R. A.; ANADON, S. B. A Resolução CNE/CP N. 2/2019 e os retrocessos na formação de professores. Formação em Movimento, v. 2, i. 2, n. 4, p. 360-379, jul./dez. 2020. Disponível em: <http://costalima.ufrrj.br/index.php/FORMOV/article/view/610>. Acesso em: 10 abr. 2022.

HYPOLITO, A. M. Padronização curricular, padronização da formação docente: desafios da formação pós-BNCC. Práxis Educacional, [S. l.], v. 17, n. 46, p. 35-52, 2021. Disponível em: <https://doi.org/10.22481/praxisedu.v17i46.8915>. Acesso em: 18 abr. 2022.

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO. Projeto pedagógico do curso superior de licenciatura em matemática. Bragança Paulista, SP: IFSP – BRA, 2019. Disponível em: <https://bra.ifsp.edu.br/phocadownload/LicenciaturaEmMatematica/PPC_Lic_Mate matica_abr2019.pdf.pdf>. Acesso em: 03 mar 2023.

JÜRGENSEN, B. D. C. P.; SORDI, M. R. L. de. Implicações das políticas de avaliação externa para a Educação Matemática. In: FESPM, Federación Española de Sociedades de Profesores de Matemáticas (Ed.), VIII Congreso Iberoamericano de Educación Matemática. Madrid, España: FESPM, 2017. p. 482-490.

LORENZATO, S. (Org.). O laboratório de ensino de matemática na formação de professores. 3 ed. Campinas: Autores Associados, 2012.

LUCKESI, C. C. O papel da didática na formação do educador. In: CANDAU, V. M. A didática em questão. 36 ed. - Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

MENEGÃO, R. de C. S. G. Os impactos da avaliação em larga escala nos currículos escolares. Práxis Educativa, Ponta Grossa, PR, v. 11, n. 3, p. 641-656, 2016. Disponível em: <https://doi.org/10.5212/PraxEduc.v.11i3.0007>. Acesso em: 10 abr. 2022.

MUSSI, R. F. de F.; FLORES, F. F.; ALMEIDA, C. B. de. Pressupostos para a elaboração de relato de experiência como conhecimento científico. Práxis Educacional, [S. l.], v. 17, n. 48, p. 60-77, 2021. Disponível em: <https://doi.org/10.22481/praxisedu.v17i48.9010>. Acesso em: 23 nov. 2022.

PASSOS, C. L. B.; NACARATO, A. M. Trajetória e perspectivas para o ensino de Matemática nos anos iniciais. Estudos Avançados, v. 32, n. 94, 2018. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/s0103-40142018.3294.0010>. Acesso em: 10 abr. 2022.

PEREIRA, V. B.; DIAS, M. O. A BNCC de matemática para os anos finais no contexto de prática: possibilidades de autonomia do professor. Revista @mbienteeducação. São Paulo: Universidade Cidade de São Paulo, v. 14, n. 1, p.187-213 Jan/Abr 2021. Disponível em: <https://publicacoes.unicid.edu.br/index.php/ambienteeducacao/article/view/1024>. Acesso em: 10 abr. 2022.

PIRES, M. F. de C. Multidisciplinaridade, interdisciplinaridade e transdisciplinaridade no ensino. Interface - Comunicação, Saúde, Educação [online]. 1998, v. 2, n. 2. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/S1414-32831998000100010>. Acesso em: 23 nov. 2022.

RAVITCH, D. A morte e vida do grande sistema escolar americano. Porto Alegre, RS: Sulina, 2011.

RÊGO; R. M. do; RÊGO, R. G. do. Desenvolvimento e uso de materiais didáticos no ensino de matemática. In: Lorenzato, Sérgio (org.). O Laboratório de Ensino de Matemática na formação de professores. 3. ed. Campinas: Autores Associados, 2012, p. 39-56.

RODRIGUES, J. D. Z. Gerencialismo e responsabilização: repercussões para o trabalho docente nas escolas estaduais de ensino médio de Campinas/SP. Tese (Doutorado), Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2018. Disponível em: <https://doi.org/10.47749/T/UNICAMP.2018.1079929>. Acesso em: 09 jun. 2021.

SMOLE, K. C. S. Múltiplas Inteligências na Prática Escolar. Brasília: Ministério da Educação, 1999.

VENCO, S. B.; CARNEIRO, R. F. Para quem vai trabalhar na feira... essa educação está boa demais: a política educacional na sustentação da divisão de classes. Horizontes. 2018, v. 36, n. 1. Disponível em: <https://doi.org/10.24933/horizontes.v36i1.660>. Acesso em: 14 mar. 2023.