Inclusão escolar e neoliberalismo: a quem serve a lógica da normalização, performance e competição?

Conteúdo do artigo principal

Francélio Ângelo de Oliveira
https://orcid.org/0000-0002-8133-7531
Adele Cristina Braga Araújo
https://orcid.org/0000-0002-0386-4053

Resumo

Este artigo, de natureza bibliográfica, pretende discutir a inclusão escolar em interface com as determinações da racionalidade neoliberal. Para tanto, ancorou-se nas discussões trazidas por autores como Silveira Bueno (2004), Rigo (2018) e Laval (2019), dadas as suas contribuições ao debate acerca da história da escolarização das pessoas com deficiência, às reflexões sobre o pensamento neoliberal e à relação entre inclusão escolar e neoliberalismo. Os resultados revelam que a inclusão escolar, na perspectiva neoliberal, funciona como dispositivo de ajustamento e normalização para a fabricação de características individuais adequadas à inserção dos indivíduos na arena competitiva do mercado. No entanto, entende-se ser imprescindível se contrapor à lógica neoliberal, de modo que a escola comum seja compreendida como um espaço de todos e para todos, que elimine o dualismo educacional que seleciona e exclui. Nesse sentido, é necessário ultrapassar os limites do contexto neoliberal para se alcançar efetivamente a escola inclusiva.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
OLIVEIRA, F. Ângelo de; ARAÚJO, A. C. B. Inclusão escolar e neoliberalismo: a quem serve a lógica da normalização, performance e competição?. Olhar de Professor, [S. l.], v. 24, p. 1–15, 2021. DOI: 10.5212/OlharProfr.v.24.18109.088. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/18109. Acesso em: 14 jun. 2024.
Seção
Educação Inclusiva: pesquisas, políticas e práticas pedagógicas
Biografia do Autor

Francélio Ângelo de Oliveira, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará - Campus Quixadá - IFCE

Doutor em Educação pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará – Campus de Quixadá.

Adele Cristina Braga Araújo, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará - IFCE

Licenciada em Pedagogia pela Universidade Estadual do Ceará (2010). Mestra em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual do Ceará (2013). Doutora em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Ceará (2020). Pesquisadora do Grupo de Pesquisa Trabalho, Educação, Estética e Sociedade - UECE, Ontologia Marxiana e Educação - UFC, do Grupo Interdisciplinar de Estudos e Pesquisas Sobre Educação, Emancipação, Sociedade e Sertão - IFCE e do Grupo de Pesquisas e Estudos Ontológicos - IFCE. É professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará - IFCE - Campus de Quixadá, na subárea Fundamentos da Educação, Política e Gestão Educacional.

Referências

ALTHUSSER, L. Ideologia e aparelhos ideológicos do Estado. 3. ed. Lisboa: Presença, 1980.
BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNC C_20dez_site.pdf. Acesso em: 15. 05. 2021.
LAVAL, C. A escola não é uma empresa: o neoliberalismo em ataque ao ensino público. Trad. Mariana Echalar. São Paulo: Boitempo, 2019.
LEHER, R. Um Novo Senhor da Educação? A política educacional do Banco Mundial para a periferia do capitalismo. Outubro, São Paulo, v. 1, n. 3, p. 19-30, 1999.
MARX, K. A ideologia alemã. São Paulo: Hucitec, 1986.
MÉSZÁROS, I. Para além do capital: rumo a uma teoria da transição. Tradução de Paulo Cezar Castanheira e Sérgio Lessa. São Paulo: Boitempo Editorial, 2011.
RIGO, N. M. Inclusão, diferenças e alteridade: a experiência no encontro com o outro. Curitiba: Appris, 2018.
RIGO, N. e NAUJORKS, M. A produtividade da racionalidade neoliberal na inclusão escolar: a história de Lucas. Linhas Críticas, Brasília, DF, v.22, n.47, p. 210-228, jan./abr. 2016.
SILVEIRA BUENO. J. G. Educação especial brasileira: integração/segregação do aluno diferente. São Paulo: EDU, 2004.