Acessibilidade arquitetônica, deficiência física e o direito à educação

Conteúdo do artigo principal

Raphael Demóstenes Cardozo
https://orcid.org/0000-0002-1983-5708
Gabriela Schneider

Resumo

Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa que objetiva analisar a acessibilidade arquitetônica em escolas municipais de Pinhais, no estado do Paraná, sob o viés do direito a uma educação de qualidade e das normativas já existentes. São investigadas quatro escolas, através de um roteiro de observação composto por 122 itens e entrevista com as diretoras. O entorno da escola, estacionamento, entradas, salas de aula, biblioteca ou sala de leitura, laboratório de informática, refeitório, sanitários, recepção, bebedouro, espaço para prática esportiva, parque e pátio são alguns espaços e mobiliários observados. Com referência nos teóricos Crahay (2000) e Lucas (2001), foi possível identificar o mecanismo de manutenção da desigualdade (DEM), além da  necessidade de discutir a adaptação dos espaços, indicadores educacionais e a ampliação da política educacional voltada à acessibilidade.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
CARDOZO, R. D.; SCHNEIDER, G. Acessibilidade arquitetônica, deficiência física e o direito à educação. Olhar de Professor, [S. l.], v. 24, p. 1–23, 2021. DOI: 10.5212/OlharProfr.v.24.18321.084. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/18321. Acesso em: 24 jun. 2024.
Seção
Educação Inclusiva: pesquisas, políticas e práticas pedagógicas
Biografia do Autor

Raphael Demóstenes Cardozo, Universidade Federal do Paraná - UFPR

Mestre em Educação na linha de Políticas Educacionais pela Universidade Federal do Paraná. Graduado em Licenciatura em Matemática em 2012, sequenciado(formação específica) em Química ambiental aplicado a indústria em 2006. Tem experiência na área de educação e gestão de pessoas. Tem desenvolvido pesquisas com os temas: Acessibilidade arquitetônica, qualidade na educação básica, desigualdades na oferta educacional e infraestrutura escolar.

Gabriela Schneider, Universidade Federal do Paraná - UFPR

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Federal do Paraná (2007), mestrado (2010) e doutorado em Educação (2014) pela mesma universidade. É professora do Departamento de Planejamento e Administração da Universidade Federal do Paraná e do programa de pós-graduação em educação. Uma das coordenadoras do Laboratório de Dados Educacionais. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Políticas Educacionais, atuando principalmente nos seguintes temas: condições de qualidade, infraestrutura escolar, indicadores educacionais e financiamento da educação.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 9050: Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Rio de Janeiro, 2015.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 15.599: Comunicação na prestação de serviços. Rio de Janeiro, 2008.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 16.537: Sinalização tátil no piso. Diretrizes para elaboração de projetos e instalação. Rio de Janeiro, 2016.
BOBBIO, N. A era dos direitos. 7a ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.
BRASIL. Constituição (1988) Constituição: República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm. Acesso em: 14 nov. 2018.
BRASIL. Lei nº. 10.048 de 8 de novembro de 2000. Dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e dá outras providências. Brasília, DF, 2000. Disponível em:http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L10048.htm. Acesso em: 11 fev. 2018.
BRASIL. Lei nº. 10.098 de 19 de dezembro de 2000. Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Brasília, DF, 2000. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L10098.htm. Acesso em: 11 fev. 2018.
BRASIL. Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF, 1996. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seed/arquivos/pdf/tvescola/leis/lein9394.pdf. Acesso em: 8 mar. 2019.
BRASIL. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, DF, jan. 2008. [Documento elaborado pelo Grupo de Trabalho nomeado pela portaria n. 555/2007, prorrogada pela portaria n. 948/2007, entregue ao ministro da Educação em 7 de janeiro de 2008]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf. Acesso em: 22 out. 2018.
BRASIL. Lei nº 13.146 de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Brasília, DF, 2015. Disponível em:http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13146.htm. Acesso em: 11 dez. 2018.
BRASIL. Decreto nº 3.298, de 20 de dezembro de 1999: Regulamenta a Lei n. 7.853, de 24 de outubro de 1989 e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/D3298.htm. Acesso em: 24 mai. 2018.
BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Brasília, DF, 2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2014/Lei/L13005.htm. Acesso em: 14 jan. 2018.
BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução n. 08, de 05 de maio de 2010. Estabelece normas para aplicação do inciso IX do artigo 4º da Lei nº 9.394/96 (LDB), que trata dos padrões mínimos de qualidade de ensino para a Educação Básica pública. Brasília, DF, 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=5063-parecercne-seb8-2010&Itemid=30192. Acesso em: 23 jan. 2018.
BRASIL. Decreto nº 6.949, de 25 de agosto de 2009. Promulga a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo, assinados em Nova York, em 30 de março de 2007. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d6949.htm, Acesso em: 14 mar 2018.
BRASIL. Decreto nº 5.296, de 2 de dezembro de 2004. Regulamenta as Leis nos 10.048, de 8 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2004/Decreto/D5296.htm, Acesso em: 14 mar 2018.
BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional da Educação. Parecer CNE/CEB n.º 4/2009. Institui Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. Brasília: MEC, 2009.
BUENO, J. G. S. Educação especial brasileira: integração/segregação do aluno diferente. São Paulo: EDUC, p. 56, 1993.
BYRNE, D.; MCCOY, S. Effectively Maintained Inequality in Educational Transitions in the Republic of Ireland. American Behavioral Scientist, v. 61, n. 1, p. 49–73, 2017.
CARDOZO, R. D. Acessibilidade arquitetônica, deficiência física e o direito à educação : um olhar em escolas municipais de Pinhais. Dissertação de mestrado em Educação. Orientação: Profa. Dra. Gabriela Schneider. Curitiba: UFPR, 180p. 2021.
CRAHAY, M. Poderá a escola ser justa e eficaz? Da igualdade de oportunidades à igualdade dos conhecimentos. Lisboa. Instituto Piaget. 2000.
DOURADO, L. F.; OLIVEIRA, J. F.; SANTOS, C. A. A qualidade da educação: conceitos e definições. Inep, 2007. Disponível em: http://escoladegestores.mec.gov.br/site/8-biblioteca/pdf/qualidade_da_educacao.pdf. Acesso em: 5 fev. 2018.
INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA (INEP). Censo Escolar 2007. Brasília: Inep, 2007. Disponível em: http://inep.gov.br/web/guest/microdados. Acesso em: 30 jun. 2019.
INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA (INEP). Censo Escolar 2019. Brasília: Inep, 2019. Disponível em: http://inep.gov.br/web/guest/microdados. Acesso em: 30 jan. 2020.
INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA (INEP). Censo Escolar 2020. Brasília: Inep, 2020. Disponível em: http://inep.gov.br/web/guest/microdados. Acesso em: 30 jan. 2020.
LUCAS, S. R. Effectively Maintained Inequality: Education Transitions, Track Mobility, and Social Background Effects. American Journal of Sociology, v. 106, n. 6, p. 1642-1690, 2001. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/10.1086/321300?seq=1. Acesso em: 7 mar. 2020.
MARTEL, L. DE C. V. Adaptação razoável: o novo conceito sob as lentes de uma gramática constitucional inclusiva. Revista Internacional de Direitos Humanos, p. 89-113, 2007.
MENDES, C. S. Análise das condições de acessibilidade em equipamentos públicos educacionais no município de Passos – MG. Dissertação de mestrado em Planejamento e Análise de Políticas Pública. Orientação: Prof. Dr. Mauro Ferreira. Franca: UNESP, p. 163, 2018.
MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL (MPF). O Acesso de Alunos com Deficiência às Escolas e Classes Comuns da Rede Regular. Ministério Público Federal: Fundação Procurador Pedro Jorge de Melo e Silva (orgs.), 2ª ed. Brasília: Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, 2004.
NUNES, D. R. DE P. Necessidades Educacionais Especiais: Do que estamos falando? Revista Educação em Questão, v. 31, n. 17, p. 1–11, 2008. Disponível em: http://arquivos.info.ufrn.br/arquivos/2011197202be9c621482d12cc014168a/nee_do_que_estamos_falando_debora_nunes.pdf. Acesso em: 22 fev. 2019.
OLIVEIRA, R. P. DE; ARAUJO, G. C. DE. Qualidade do ensino: uma nova dimensão da luta pelo direito à educação. Revista Brasileira de Educação, n. 28, p. 5-23, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-24782005000100002&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 4 ago. 2018.
PINHAIS. Lei nº 1.059 de 28 de dezembro de 2009. Dispõe sobre o Plano Municipal de Educação. 2009. Disponível em: http://www.jusbrasil.com.br/legislacao/863161/lei-1059-09-pinhais. Acesso em: 8 set. 2020.
PRIETO, Rosângela Gavioli (org.). Políticas de inclusão escolar no Brasil: descrição e analise de sua implementação em municípios das diferentes regiões. In: REUNIÃO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO, 27, 2004, Caxambu. Anais. Caxambu, p. 1-146, 2004.
SCHNEIDER, G.; GOUVEIA, A. B. Qualidade de escola: uma proposta de índice para as condições materias de escolas a partir de dados contextuais do Saeb. Revista Brasileira de Pós-graduação, v. 8, n. supl.1, p. 59–82, 2011. Disponível em: http://ojs.rbpg.capes.gov.br/index.php/rbpg/article/view/236/226. Acesso em: 5 jun. 2019.
SCHNEIDER, Gabriela. As ações do Governo Federal no âmbito das condições materiais e estruturais da escola: uma problematização a partir do conceito de justiça social. Tese de doutorado em Educação. Orientação: Profa. Dra. Andréa Barbosa Gouveia. Curitiba: UFPR, 2014.
XIMENES, S. B. O Conteúdo Jurídico do Princípio Constitucional da Garantia de Padrão de Qualidade do Ensino: uma contribuição desde a teoria dos direitos fundamentais. Educação & Sociedade, v. 35, n. 129, p. 1027-1051, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302014000401027&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 22 mar. 2018.